Abusive use and non-abusive care: Assistance to crack users in historic city

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i9.17905

Keywords:

Public health; Street drugs; Integrality in health.

Abstract

Background: drug abuse in large urban centers that has directly impacted the growing curve of violence. Objective: To analyze an institutional intervention in the care process for a group of drug users living in homeless situations in the historic center of São Luís do Maranhão, Brazil. Method: action research, using systematic observation, as a strategy and research method, institutional and assistance aspects of the measures, especially the approach and follow-up of health care of assisted people. Results: There was a need for reconceptualization about use and non-abusive care. Conclusions: The different ways of organizing care and assistance to drug users require a care stance that exaggerates the technical competence of a single approach including a more holistic and integrative view.

Author Biography

Claudia Barbastefano Monteiro, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Graduação em Enfermagem pela Faculdade de Enfermagem Luiza de Marillac (1986), Habilitação em Enfermagem de Saúde Pública pela Faculdade de Enfermagem Luiza de Marillac (1987), Licenciatura pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (1995), pós-graduação lato sensu em Assistência ao Psicótico, pelo Instituto de Psiquiatria da UFRJ/IPUB (2000) e mestrado em Enfermagem pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (2004). Doutora em Ciências pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (2019). Servidora  do Instituto de Psiquiatria da Universidade do Brasil/UFRJ no cargo de enfermeira assistencial das enfermarias e  preceptora da Escola de Enfermagem Anna Nery e da Residência Multiprofissional do IPUB/UFRJ. Atualmente no Polo de assistência em saúde mental dos trabalhadores da UFRJ - SAPS.  Experiência na área de Enfermagem, com ênfase em Enfermagem Psiquiátrica, atuando principalmente nos seguintes temas: enfermagem, enfermagem psiquiátrica, psiquiatria, saúde pública, atenção à saúde mental e saúde do trabalhador.

References

Almeida, R. B. F. de, Santos, N. T. V., Brito, A. M. de, Silva, K. S. de B. e, & Nappo, S. A. (2018). O tratamento da dependência na perspectiva das pessoas que fazem uso de crack. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, 22(66), 745–756. https://doi.org/10.1590/1807-57622016.0940

Arendt, H. (2001). A condição humana. (F. Universitaria, Org.) (10a ed).

Barbier, R. (1985). Pesquisa ação na instituição educativa. (J. Zahar, Org.).

Barry, A. E., King, J., Sears, C., Harville, C., Bondoc, I., & Joseph, K. (2016). Prioritizing Alcohol Prevention: Establishing Alcohol as the Gateway Drug and Linking Age of First Drink With Illicit Drug Use. Journal of School Health, 86(1), 31–38. https://doi.org/10.1111/josh.12351

Bastos, F. I. P. M., Vasconcellos, M. T. L. de, De Boni, R. B., Reis, N. B. dos, & Coutinho, C. F. de S. (2017). III Levantamento Nacional sobre o uso de drogas pela população brasileira. (ICICT/FIOCRUZ, Org.). Rio de Janeiro.

Bourdieu, P. (2006). O poder simbólico. (B. B. (Memória e Sociedade)., Org.).

Brasil, M. da S. (2009). Clínica ampliada e compartilhada.

Brasil, M. da S. Portaria No 122, de 25 DE Janeiro de 2011 (2011).

Brasil, M. da S. - Resolução CNS N° 466, de 12 de dezembro de 2012. (2013).

Canguilhem, G. (2005). Escritos sobre amedicia. (F. Universitária., Org.).

Canguilhem, G. (2009). O normal e o patológico. (: Forense Universitária, Org.) (6a ed).

Carlin, E. A. (2006). II Levantamento Domiciliar Sobre o Uso de Drogas Psicotrópicas no Brasil: Estudo Envolvendo as 108 Maiores Cidades do País. Dados, 106, 1–31. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21108957

Felcher, C. D. O., Ferreira, A. L. A., & Folmer, V. (2017). Da Pesquisa-Ação À Pesquisa Participante: Discussões a Partir De Uma Investigação Desenvolvida No Facebook. Experiência em Ensino de Ciências, 12(7), 1–18.

Foucault, M. (1980). O nascimento da clínica. (F. Universitária., Org.) (2a ed).

Lancetti, A. (2006). Clínica peripatética. (Hucitec., Org.).

Machado, L. V., & Boarini, M. L. (2013). Políticas sobre drogas no Brasil: a estratégia de redução de danos. Psicologia: Ciência e Profissão, 33(3), 580–595. https://doi.org/10.1590/S1414-98932013000300006

Quintão, P. R. (2012). Morar na rua: há projeto possível ? Arquitetura e Urbanismo USp. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo para.

Reis, N. B. dos, & Bastos, F. I. P. M. (2016). Pesquisas sobre o Consumo de Drogas no Brasil. Eixo de Políticas e Fundamentos, 17.

Silveira, R. W. M. da. (2016). Redução de danos e acompanhamento terapêutico: aproximações possíveis. Revista Nufen: Phenom. Interd., 8(1), 110–128.

Varanda, W., & Adorno, R. de C. F. (2004). Descartáveis urbanos: discutindo a complexidade da população de rua e o desafio para políticas de saúde. Saúde e Sociedade, 13(1), 56–69. https://doi.org/10.1590/S0104-12902004000100007

Zeferino, M. T., Fermo, V. C., Fialho, M. B., Kenthi, A., & Bastos, F. I. (2019). Crack Cocaine Use Scene In The Capital Of The State Of Santa Catarina/Brazil: The (In)Visibility Of Users. Texto & Contexto - Enfermagem, 28. https://doi.org/10.1590/1980-265x-tce-2017-0460

Published

21/07/2021

How to Cite

PACHECO, M. A. B. .; SANTIAGO, M. P. .; CUTRIM, A. P. .; OLIVEIRA, P. P. .; LEITE, J. M. S. .; MONTEIRO, C. B. .; LOYOLA, C. M. D. . Abusive use and non-abusive care: Assistance to crack users in historic city. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 9, p. e8410917905, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i9.17905. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/17905. Acesso em: 23 sep. 2021.

Issue

Section

Health Sciences