Profile Attendance at treated for Emergency Care Units (UPAs) in a municipality in western Paraná, according to the Manchester Protocol

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i9.17910

Keywords:

Protocols; Emergency Medical Services; Triage; Health Care Levels; Secondary care.

Abstract

The Emergency Care Units (UPAs) whose purpose is to provide medium-complexity care are becoming a gateway to the resolution of low-complexity care. This study evaluated the profile of care provided to patients treated for UPAs in a municipality in western Paraná, according to the Manchester Protocol. The objective was to characterize the demand of users who seek assistance in Secondary Care and to identify whether the use of these services occurs as determined by the National Policy for Attention to Urgencies and Emergencies. It is a retrospective and transversal research with a quantitative approach. To determine the results, people of all ages, served in 2 UPAs in the municipality from January to December 2019 were selected. The valid sample of the study was 144,459 visits made and classified according to the risk classification. It was found that most of the services provided were classified as green and yellow, differently from what is proposed by law. Therefore, it was concluded that there is a divergence between the original proposal that medium complexity care should be provided by UPAs, as established by PNAU, and the current scenario of care in these Units.

References

Azevedo, A. L. D. C. S., Pereira, A. P., Lemos, C., Coelho, M. F., & Chaves, L. D. P. (2010). Organização de serviços de emergência hospitalar: uma revisão integrativa de pesquisas. Revista Eletrônica de Enfermagem, 12(4), 736-45. https://doi.org/10.5216/ree.v12i4.6585

Brasil. Decreto nº 7.508, de 28 de junho de 2011. Regulamenta a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a assistência à saúde e a articulação interfederativa, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 2011. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/decreto/d7508.htm.

Brasil. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Brasília: Diário Oficial da União, 1990. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8080.htm.

Brasil. Portaria nº 10, de 3 de janeiro de 2017. Redefine as diretrizes de modelo assistencial e financiamento de UPA 24h de Pronto Atendimento como Componente da Rede de Atenção às Urgências, no âmbito do Sistema Único de Saúde. Ministério da Saúde, Brasília, 2017. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt0010_03_01_2017.html.

Brasil. Portaria nº 1.600, de 7 de julho de 2011. Reformula a Política Nacional de Atenção às Urgências no Sistema Único de Saúde (SUS). Ministério da Saúde, Brasília, 2011. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt1600_07_07_2011.html.

Brasil. Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Ministério da Saúde, Brasília, 2017. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt2436_22_09_2017.html.

Caccia-Bava, M.C.G., Pereira, M. J. B., Rocha, J. S. Y., & Martinez, E. Z. (2011). Pronto-atendimento ou atenção básica: escolhas dos pacientes no SUS. Medicina (Ribeirão Preto), 44(4), 347-354. https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.v44i4p347-354

Cassettari, S. D. S. R., & Mello, A. L. S. F. D. (2017). Demanda e tipo de atendimento realizado em unidades de pronto atendimento do município de Florianópolis, Brasil. Texto & Contexto-Enfermagem, 26. https://doi.org/10.1590/0104-07072017003400015

Coutinho, A. A. P., Cecílio, L. C. D. O., & Mota, J. A. C. (2012). Classificação de risco em serviços de emergência: uma discussão da literatura sobre o Sistema de Triagem de Manchester. Rev Med Minas Gerais, 22(2), 188-98.

Dixe, M. D. A. C. R., Passadouro, R., Peralta, T., Ferreira, C., Lourenço, G., & de Sousa, P. M. L. (2018). Determinantes do acesso ao serviço de urgência por utentes não urgentes. Revista de Enfermagem Referência, 4(16), 41-51. https://doi.org/10.12707/ RIV17095

Gomide, M. F. S., Pinto, I. C., & Figueiredo, L. A. D. (2012). Acessibilidade e demanda em uma Unidade de Pronto Atendimento: perspectiva do usuário. Acta Paulista de Enfermagem, 25, 19-25. https://doi.org/10.1590/S0103-21002012000900004

Hamada, R. K. F., de Almeida, V. O. C., Brasil, I. C. F., Souza, S. G., Luzia, R. A. B., Campos, E. M. S., & Leite, I. C. G. (2018). Conhecendo o Sistema Único de Saúde: um olhar da população. Revista de APS, 21(4).

Kawashima, M. D. S., Ferreira, M. V., Silva, P. D., Boaventura, A., & Almeida, J. D. (2016). O Desconhecido SUS: O conhecimento da população de uma cidade do Vale do Paraíba. Universidade do Vale do Paraíba. http://www.inicepg.univap.br/cd/INIC_2007/trabalhos/saude/inic/INICG00420_01O.pdf.

Machado, C. V., Salvador, F. G. F., & O'Dwyer, G. (2011). Serviço de Atendimento Móvel de Urgência: análise da política brasileira. Revista de Saúde Pública, 45, 519-528.

Mackway-Jones, K., Marsden, J., & Windle, J. (Eds.). (2014). Emergency triage: Manchester triage group. John Wiley & Sons.

Marques, G. Q., & Lima, M. A. D. D. S. (2007). Demandas de usuários a um serviço de pronto atendimento e seu acolhimento ao sistema de saúde. Revista Latino-americana de enfermagem, 15, 13-19. https://doi.org/10.1590/S0104-11692007000100003

Oliveira, G. N., Silva, M. D. F. N., Araujo, I. E. M., & Carvalho-Filho, M. A. (2011). Perfil de la población atendida en una unidad de emergencia de referencia. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 19, 548-556. https://doi.org/10.1590/S0104-11692011000300014

Oliveira, M. D. D. (2019). Perfil da demanda de atendimentos realizados pela Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Tramandaí/RS. http://hdl.handle.net/10183/201878

Paim, J. (2009). O que é o SUS. SciELO-Editora FIOCRUZ.

Schafirowitz, G. D. C., de Souza, A. C. (2020). Usuários adultos classificados como pouco urgentes em Unidade de Pronto Atendimento. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, 24. https://doi.org/10.1590/Interface.190630

Siqueira, I. L. C. P. (2010). Qualidade em serviço de emergência. Sallum AMC, Paranhos WY. O enfermeiro e as situações de emergência. São Paulo (SP): Atheneu, 25-34.

Stein, A. T., Harzheim, E., Costa, M., Busnello, E., & Rodrigues, L. C. (2002). The relevance of continuity of care: a solution for the chaos in the emergency services. Family practice, 19(2), 207-210. https://doi.org/10.1093/fampra/19.2.207

Tostes, P. C. R., Celestino, C. S. M., da Cruz, K. M., & Chevitarese, L. (2017). Acolhimento e classificação de risco em unidade de pronto atendimento (UPA): uma abordagem educativa. Revista Rede de Cuidados em Saúde, 10(1). http://publicacoes.unigranrio.edu.br/index.php/rcs/article/view/3289

Published

24/07/2021

How to Cite

KULICZ, T. K. .; USCOCOVICH, K. J. S. O. . Profile Attendance at treated for Emergency Care Units (UPAs) in a municipality in western Paraná, according to the Manchester Protocol. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 9, p. e21610917910, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i9.17910. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/17910. Acesso em: 26 sep. 2021.

Issue

Section

Health Sciences