Medicinal plants sold in open fairs of State of Piauí, northeastern Brazil

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i9.17948

Keywords:

Ethnobotany; Ethnospecies; Fabaceae; Medicinal plants; Relative importance index.

Abstract

Ethnobotany studies human-nature relationships, seeking information on the uses of plants and medicinal properties. In this context, open fairs play an important organizational and cultural role, ensuring the preservation of customs and characteristics that represent them. This work sought to identify the main medicinal plants sold by free marketers in three cities in southeastern of Piauí. From a semi-structured questionnaire and interviews with stallholders in open markets in the cities of Jaicós, Paulistana, and Picos. We identified 169 plant species belonging to 100 families and 11 ethnospecies. The most representative family was Fabaceae. Shell was the part with the highest commercialization index in two of the three cities. The species with maximum value of relative importance were endro, copaíba and pixuri. There was a greater similarity between the free markets in Paulistana and Picos. All wealth estimators pointed to numbers above those recorded for the three cities, with the addition of at least 38 species expected for the city of Picos.

References

Albuquerque, U. P., Monteiro, J. M., Ramos, A. R. & Amorim, E. L. C. (2007). Medicinal and magic plants from a public market in northeastern Brazil. Journal of Ethnopharmacology, 110(1), 76-91. https://doi.org/10.1016/j.jep.2006.09.010

Albuquerque, U. P., Soldati, G. T., Sieber, S. S., Ramos, M. A., SÁ, J. C. & Souza, L. C. (2012). The use of plants in the medical system of the Fulni-ô people (NE Brazil): A perspective on age and gender. Journal of Ethnopharmacology, 133(2), 866-873. https://doi.org/10.1016/j.jep.2010.11.021

Almeida, C. F. C. B. R. (2008). Estratégia de vida e composição química como preditores do uso de plantas medicinais por comunidades locais na Caatinga. Dissertação de mestrado, Programa de Pós-Graduação em Biologia Vegetal. Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Pernambuco.

Almeida, S. P. N. C. (2009). Fazendo a feira: estudo das artes de dizer, nutrir e fazer etnomatemático de feirantes e fregueses da feira livre do bairro Major Prates em Montes Claros. Dissertação de Mestrado em Educação, Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Social. Universidade Estadual de Montes Claros, Montes Claros, Minas Gerais.

Almeida, C. F. C. B. R. & Albuquerque, U. P. (2002). Uso e conservação de plantas e animais medicinais no estado de Pernambuco (Nordeste do Brasil): um estudo de caso. Interciencia, 27(6), 276-285.

Amorozo, M. C. M. (2002). Uso e diversidade de plantas medicinais em Santo Antônio do Laverger, MT, Brasil. Acta Botanica Brasilica, 16(2), 189-203. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-33062002000200006

Baptistel, A. C., Coutinho, J. M. C. P., Lins Neto, E. M. F. & Monteiro, J. M. (2014). Plantas medicinais utilizadas na Comunidade Santo Antônio, Currais, Sul do Piauí: um enfoque etnobotânico. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, 16(2), 406-425. https://doi.org/10.1590/1983-084X/12_137

Brasileiro, B. G., Pizziolo, V. R., Matos, D. S., Germano, A. M. & Jamal, C. M. (2008). Plantas medicinais utilizadas pela população atendida no" Programa de Saúde da Família", Governador Valadares, MG, Brasil. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas, 4(4), 629-636. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-93322008000400009

Begossi, A. (1996). Use of ecological methods in ethnobotany: diversity indices. Economic Botany, 50(3), 280-289. https://doi.org/10.1007/BF02907333

Bennett, B. C. & Prance, G. T. (2000). Introduced plants in the indigenous pharmacopoeia of Northern South America. Economic Botany, 54(1), 90-102. https://doi.org/10.1007/BF02866603

Boechat, P. T. V. & Santos, J. L. (2015). Feira livre: dinâmicas espaciais e relações identitárias. Geosaberes: Revista de Estudos Geoeducacionais, 6(3), 653-665.

BRASIL (2006) Ministério da Saúde: Secretaria de Atenção à Saúde e Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/geral/pnpic.pdf (Acessado em 23/07/2017).

Coelho-Ferreira, M. (2009). Medicinal knowledge and plant utilization in an Amazonian coastal community of Marudá, Pará State (Brazil). Journal of Ethnopharmacology, 126(1), 159-175. https://doi.org/10.1016/j.jep.2009.07.016

Cassu, R. N., Andreazi, C. D. & Pereira, L. (2012). Efeito da Matricaria Chamomilla CH12 na Resposta de Estresse em Cães. Colloquium Agrariae, 7(2), 01-07.

Di Stasi, L. C. (1996). Plantas medicinais: arte e ciência. Editora Unesp. 231 p.

Ferreira, F. S., Albuquerque, U. P., Coutinho, H. D. M., Almeida, W. O. & Alves, R. R. N. (2012). The trade in medicinal animals in northeastern Brazil. Evidence-based Complementary and Alternative Medicine. Hindawiv, 2012, 1-20. https://doi.org/10.1155/2012/126938

Franco, E. A. P. & Barros, R. F. M. (2006). Uso e diversidade de plantas medicinais no Quilombo Olho D’água dos Pires, Esperantina, Piauí. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, 8(3), 78-88. https://doi.org/10.1590/1983-084X/12_137

Freitas, J. C. & Fernandes, M. E. B. (2006). Uso de plantas medicinais pela comunidade de Enfarrusca, Bragança, Pará. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi Ciências Naturais, 1(3), 11-26.

CEPRO - Fundação Centro de Pesquisas Econômicas e Sociais do Piauí (2016). Diagnósticos dos municípios. http://www.cepro.pi.gov.br/diagsoceco.php (Acessado em 13/07/ 2017).

Gomes, E. C., Barbosa, J., Vilar, F. C. R., Perez, J. O., Vilar, R. C., Freire, J. L. O., Lima, A. N. & Dias, T. J. (2008). Plantas da caatinga de uso terapêutico - levantamento etnobotânico. Engenharia Ambiental: Pesquisa e Tecnologia, 5(2), 74-85.

Hammer, Ø., Harper, D.A.T. & Ryan, P. D. (2001). Past: Paleontological Statistics Software Package for Education and Data Analysis. Palaeontologia Electronica, 4(1), 1-9.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2020). Cidades. https://cidades.ibge.gov.br/

Oliveira Júnior, S. R. & Conceição, G. C. M. (2010). Espécies vegetais nativas do cerrado utilizadas como medicinais pela Comunidade Brejinho, Caxias, Maranhão, Brasil. Cadernos de Geociências, 7(2), 140-148.

Krebs, C. J. (2000). Ecological Methodology. Harper and Row Publishers, 29(1), 1-10. https://doi.org/10.1071/WR01074

Lemos, J. R. & Araújo, J. L. (2015). Estudo etnobotânico sobre plantas medicinais na comunidade de Curral Velho, Luís Correia, Piauí, Brasil. Biotemas, 28(2), 125-136. https://doi.org/10.5007/2175-7925.2015v28n2p125

Lemos, J. R. & Rodal, M. J. N. (2002). Fitossociologia do componente lenhoso de um trecho da vegetação de caatinga no Parque Nacional Serra da Capivara, Piauí, Brasil. Acta Botanica Brasilica, 16(1), 23-42. https://doi.org/10.1590/S0102-33062002000100005

Lima, P. G. C., Coelho-Ferreira, M. R. & Oliveira, R. (2011). Plantas medicinais em feiras e mercados públicos do Distrito Florestal Sustentável da BR-163, estado do Pará, Brasil. Acta Botanica Brasilica, 25(2), 422-434. https://doi.org/10.1590/S0102-33062011000200018

Liporacci, H. S. N. & Simão, D. G. (2013). Levantamento etnobotânico de plantas medicinais nos quintais do Bairro Novo Horizonte, Ituiutaba, MG. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, 15(4), 529-540. https://doi.org/10.1590/S1516-05722013000400009

Lopes, G. A. D., Feliciano, L. M., Diniz, R. E. S. & Alves, M. J. Q. F. (2010). Plantas medicinais: indicação popular de uso no tratamento de hipertensão arterial sistêmica (HAS). Revista Ciência em Extensão, 6(2), 143-155.

Macêdo, D. G. (2013). Bioprospecção, Disponibilidade e Conservação de Plantas Medicinais: Encrave de Cerrado na Chapada do Araripe, Nordeste do Brasil. Dissertação de Mestrado em Bioprospecção Molecular, Programa de Pós-graduação em Bioprospecção. Universidade Regional do Cariri, Crato, Ceará.

Macêdo, M. S., Ribeiro, D. A. & Souza, M. M. A. (2013). Uso de Plantas Medicinais Cultivadas em Uma Área de Caatinga em Assaré-Ceará. Cadernos de Cultura e Ciência, 12(1), 36-45. https://doi.org/10.14295/cad.cult.cienc.v12i1.503

Massarotto, N. P. (2009). Diversidade e uso de plantas medicinais por comunidades quilombolas Kalunga e Urbanas, Nordeste do Estado de Goiás. Dissertação de Mestrado, Programa de Mestrado em Ciências Florestais. Universidade de Brasília, Brasília, Distrito Federal.

Medeiros, M. F. T., Fonseca, V. S. & Andreata, R. H. P. (2004). Plantas medicinais e seus usos pelos sitiantes da Reserva Rio das Pedras, Mangaratiba, RJ, Brasil. Acta Botanica Brasilica, 18(2), 391-399. https://doi.org/10.1590/S0102-33062004000200019

Moreira, R. C. T., Costa, L. C. B., Costa, R. C. S. & Rocha, E. A. (2002). Abordagem etnobotânica acerca do uso de plantas medicinais na Vila Cachoeira, Ilhéus, Bahia, Brasil. Acta farmacêutica bonaerense, 21(3), 205-211.

Mowobi, G. G., Abubakar, S., Osuji, C., Etim, V. N., Ogechi, N. & Egya, J. J. (2016). Ethnobotanical Survey of Medicinal Plants Used for the Treatment of Skin Disease in Keffi, Nigeria. American Journal of Phytomedicine and Clinical Therapeutics, 4(2), 73-90.

Nunes, G. P., Silva, M. F., Resende, U. M. & Siqueira, J. M. (2003). Plantas medicinais comercializadas por raizeiros no Centro de Campo Grande, Mato Grosso do Sul. Revista Brasileira de Farmacognosia, 13(2), 83-92. https://doi.org/10.1590/S0102-695X2003000200004.

Ohno, S., Shinoda, S., Toyoshima, S., Nakazawa, H., Makino, T. & Nakajin, S. (2002). Effects of flavonoid phytochemicals on cortisol production and on activities of steroidogenic enzymes in human adrenocortical H295R cells. The Journal of steroid biochemistry and molecular biology, 80(3), 355-363. https://doi.org/10.1016/s0960-0760(02)00021-3

Oliveira, G. P. (2011). Flexibilizando o trabalho: desigualdade de gênero, saúde e precarização das atividades das pessoas trabalhadoras na feira-livre de Picos-PI. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Serviço Social. Universidade Federal do Pernambuco, Recife, Pernambuco.

OMS – Organização Mundial de Saúde (2015). Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde. 10ª edição. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo. 1200 p.

Pinto, L. N. (2008). Plantas medicinais utilizadas em comunidades do município de Igarapé-Miri. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas. Universidade Federal do Pará, Belém, Pará.

Rodal, M. J. N., Andrade, K. V. A., Sales, M. F. & Gomes, A. P. S. (1998). Fitossociologia do componente lenhoso de um refúgio vegetacional no município de Buíque, Pernambuco. Revista Brasileira de Biologia, 58(3), 517-526. https://doi.org/10.1590/S0034-71081998000300017

Rossato, S. C., Filho, H. F. L. & Begossi, A. (1999). Ethnobotany of caiçaras of the Atlantic Forest Coast (Brazil). Economic Botany, 53(4), 387-395. https://doi.org/10.1007/BF02866716

Santos, J. H. (2014). Plantas medicinais utilizadas por usuários de uma Unidade Básica de Saúde em Campina Grande. Trabalho de conclusão de curso em Enfermagem. Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande, Paraíba.

Silva, P. A., Faria, L. A., Lima, C. & Marcelo, J. (2014). O perfil dos raizeiros e a comercialização de plantas medicinais em feiras livres do município de Vitória da Conquista, Bahia. Exatas online, 5(2), 8-18.

Souza, A. D. Z., Heinem, H. M., Amestoy, S. C., Mendieta, M. C., Piriz, M. A. & Heck, R. M. (2016). O Processo de trabalho dos enfermeiros da atenção primária e a Política Nacional de Plantas Medicinais/Fitoterápicos. Revista brasileira plantas medicinais, 18(2), 480-487. https://doi.org/10.1590/1983-084X/15_176

Souza, C. D. & Felfili, J. M. (2006). Uso de plantas medicinais na região de Alto Paraíso de Goiás, GO, Brasil. Acta Botanica Brasilica, 20(1), 135-142.

Souza, C. R. (2015). As feiras livres como lugares de produção cotidiana de saberes do trabalho e educação popular nas cidades: alguns horizontes teóricos e analíticos no campo trabalho- educação. Trabalho necessário, 22(13), 126-144.

Souza-Moreira, T. M., Salgado, H. R. N. & Pietro, R. C. L. R. (2010). O Brasil no contexto de controle de qualidade de plantas medicinais. Revista Brasileira de Farmacognosia, 20(3), 435-440. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-695X2010000300023

Tresvenzol, L. M., Paula, J. R., Ricardo, A. F., Ferreira, H. D. & Zatta, D. T. (2006). Estudo sobre o comércio informal de plantas medicinais em Goiânia e cidades vizinhas. Revista Eletrônica de Farmácia, 3(1), 23-28.

Published

27/07/2021

How to Cite

BARBOSA, F. da S. .; ARAÚJO, S. C. M. .; LEAL, C. B. .; ANDRADE, E. B. de . Medicinal plants sold in open fairs of State of Piauí, northeastern Brazil. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 9, p. e25910917948, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i9.17948. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/17948. Acesso em: 18 sep. 2021.

Issue

Section

Agrarian and Biological Sciences