Epidemiological profile of Gestational Syphilis cases in Paraíba, Brazil

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i9.18020

Keywords:

Syphilis; Pregnancy; Prenatal care; Epidemiology.

Abstract

Gestational syphilis is a Sexually Transmitted Infection (STI) with a high prevalence and rate of vertical transmission. This is an ecological, retrospective, descriptive and analytical study that aimed to analyze the epidemiological profile of 4,073 notified cases of gestational syphilis in Paraíba between 2008 and 2018. Data were extracted from the SUS Department of Informatics - DATASUS and tabulated by TABNET using “Epidemiological and Morbidity” data from the National System of Notifiable Diseases (SINAN NET). The following variables were used: age group, education, race, area of ​​residence, mesoregion and microregion, for chi-square tests of adherence and independence, and a simple linear regression to verify the growth trend of gestational syphilis in the state. Regression and residual normality tests (Kolmogorov-Smirnov test) were performed using Excel software. The following risk groups for gestational syphilis were identified: women aged 20-39 years; with low education, brown; the urban area; the mesoregion of Mata Paraibana and the microregion of João Pessoa. The groups that received less prenatal care were: women of the yellow race, from the mesoregion of Mata Paraibana and from the microregion of Patos. Simple linear regression was statistically significant (positive beta of 0.48), indicating an upward trend in IST in the state. An aggravating factor is that a woman can be included in several risk groups at the same time. Such risk groups deserve attention from the government, in order to reduce the incidence of this STI and contribute to public policies with greater effects on disease prevention.

References

Araújo, C. L. D., Shimizu, H. E., Sousa, A. I. A. D & Hamann, E. M. (2012). Incidência da sífilis congênita no Brasil e sua relação com a Estratégia Saúde da Família. Revista de Saúde Pública, 46, 479-486.

Barbosa, D. R. M., de Almeida, M. G., Silva, A. O., Araújo, A. A., & dos Santos, A. G. (2017). Perfil epidemiológico dos casos de sífilis gestacional. Revista de Enfermagem UFPE on line, 11(5), 1867-1874.

Belo Horizonte. (2016) Saúde da Família SUS. Protocolo pré-natal e puerpério, 2016.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. (2020). Boletim epidemiológico. Casos de Sífilis Adquirida, Gestante e Congênita do Estado da Paraíba, 2020.

Cavalcante, P. A. D. M., Pereira, R. B. D. L., & Castro, J. G. D. (2017). Sífilis gestacional e congênita em Palmas, Tocantins, 2007-2014. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 26, 255-264.

Conceição, H. N. D., Câmara, J. T., & Pereira, B. M. (2020). Análise epidemiológica e espacial dos casos de sífilis gestacional e congênita. Saúde em debate, 43, 1145-1158.

Conitec. (2015) Comissão Nacional de incorporação de tecnologias no SUS (Brasil). Relatório de recomendação: Penicilina benzatina para prevenção da sífilis congênita durante a gravidez. Brasília – DF, 2015.

Costa, C. C. D., Freitas, L. V., Sousa, D. M. D. N., Oliveira, L. L. D., Chagas, A. C. M. A., Lopes, M. V. D. O., & Damasceno, A. K. D. C. (2013). Sífilis congênita no Ceará: análise epidemiológica de uma década. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 47, 152-159.

de Morais, T. R., Feitosa, P. W. G., de Oliveira, I. C., Girão, M. M. F., da Silva Sales, W., Brito, E. A. S., Coutinho, L. L. R. B., Pinheiro, S. F. L., & de Sousa Tavares, W. G. (2019). Interseccionalidades em Saúde: Predomínio de Sífilis Gestacional em Mulheres Negras e Pardas no Brasil. ID on line REVISTA DE PSICOLOGIA, 13(45), 670-679.

De Souza Santos, M., Pereira, L. L. V. (2018). A importância da informação sobre a sífilis. Revista Científica, 1(1), 1-13.

Domingues, C. S. B., Duarte, G., Passos, M. R. L., Sztajnbok, D. C. D. N., & Menezes, M. L. B. (2021). Protocolo Brasileiro para Infecções Sexualmente Transmissíveis 2020: sífilis congênita e criança exposta à sífilis. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 30.

Domingues, R. M. S. M., Szwarcwald, C. L., Souza, P. R. B., & Leal, M. D. C. (2014). Prevalência de sífilis na gestação e testagem pré-natal: Estudo Nascer no Brasil. Revista de Saúde Pública, 48, 766-774.

Figueiredo, D. C. M. M. D., Figueiredo, A. M. D., Souza, T. K. B. D., Tavares, G., & Vianna, R. P. D. T. (2020). Relação entre oferta de diagnóstico e tratamento da sífilis na atenção básica sobre a incidência de sífilis gestacional e congênita. Cadernos de Saúde Pública, 36.

Heringer, A. L. D. S., Kawa, H., Fonseca, S. C., Brignol, S. M. S., Zarpellon, L. A., & Reis, A. C. (2020). Desigualdades na tendência da sífilis congênita no município de Niterói, Brasil, 2007 a 2016. Revista Panamericana de Salud Pública, 44, e8.

Linhares Neto, E. T., Silva, D.A., de Souza, J. R., Moreno, M. (2018). Soroprevalência para sífilis no estado da paraíba no período de 2011 a 2014. III Congresso Brasileiro de Ciências da Saúde; Campina Grande, Paraíba.

Lins, C. D. M. (2014). Epidemiologia da sífilis gestacional e congênita no estremo setentrional da Amazônia. 2014. Dissertação (Mestrado) Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde da Universidade Federal de Roraima, Boa Vista – RR.

Mendes, I. C. (2016). Fatores associados à ocorrência de sífilis congênita: um estudo caso-controle. 2016. Dissertação (Mestrado) Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal do Ceará, Fortaleza – CE.

Ministério da Saúde. (2010). Portaria nº 2.472, de 31 de agosto de 2010. Saúde Legis – Sistema de Legislação da Saúde, 2010.

Ministério da Saúde. (2017). Sífilis em gestante – casos confirmados notificados do sistema de informação de agravos de notificação, 2017.

Ministério da Saúde. Portaria nº 2.472, de 31 de agosto de 2010. Saúde Legis – Sistema de Legislação da Saúde. Brasília – DF: Ministério da Saúde, 2010b.

Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e Aids. Protocolo para a prevenção de transmissão vertical de HIV e sífilis: manual de bolso. Brasília, 2007.

Nonato, S. M., Melo, A. P. S., & Guimarães, M. D. C. (2015). Sífilis na gestação e fatores associados à sífilis congênita em Belo Horizonte-MG, 2010-2013. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 24, 681-694.

Ramos, A. V. A., Lima, M. S., Melo, F. R. M., & Júnior, A. N. R. (2013). Padrões da mortalidade perinatal por sífilis congênita no Brasil, 2000 a 2010. ANAIS DO CBMFC, (12), 157.

Soares, L. G., Zarpellon, B., Soares, L. G., Baratieri, T., Lentsck, M. H., & Mazza, V. D. A. (2017). Sífilis gestacional e congênita: características maternas, neonatais e desfecho dos casos. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, 17, 781-789.

Published

25/07/2021

How to Cite

COSTA, A. P. .; MAIA , J. T. da S. .; GALISA, S. L. G. .; ALMEIDA, R. M. de S. .; ALMEIDA , J. L. S. . Epidemiological profile of Gestational Syphilis cases in Paraíba, Brazil. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 9, p. e24210918020, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i9.18020. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/18020. Acesso em: 23 oct. 2021.

Issue

Section

Health Sciences