Analysis of the process of professional training related to teaching in beauty centers and schools

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i9.18181

Keywords:

Training; Teaching; Professionalization; Aesthetics and Cosmetics; Beauty.

Abstract

This article aims to analyze the process of professional training related to teaching in beauty centers and schools. To achieve this goal, a qualitative research was developed, which initially consisted of approaching concepts such as beauty and aesthetics pertaining to the professional field. In addition, professional training was addressed at different levels of education: basic and higher. For this, the exploratory bibliographical research was fundamental to provide subsidies in the elaboration of the theoretical framework of this work. It was assumed that for a solid education in the area of beauty, it is necessary to align the teaching positioning regarding the technical degree used or directed to the identification of the potential of each individual, respecting their positioning, experiences, particularities and applicability of related techniques to the services provided. Finally, it was also presented, under ethnographic guidance, from the formative experience of one of the signatories of this research as a student and as an instructor in the area of beauty, autobiographical reports to corroborate the need for continuing education and support a formative proposal. As partial results, it is possible to indicate continued professional training, with the opportunity for teaching. At the end of this work, it was possible to see the need for continuing education of professional teachers in the area of beauty as a competitive differential in the market, but that it is not limited to that, on the contrary, it transcends and reaches a critical and transforming education.

References

Aguiar, T. (2006). Personal stylist: guia para consultores de Imagem. (4a ed.), Senac.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. (2015). Resolução da Diretoria Colegiada – RDC nº 211, de 14 de julho de 2015. Estabelece a Definição e a Classificação de Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes, conforme Anexo I e II desta Resolução e dá outras definições. D.O.U. de 18 de julho de 2005. http://www.cvs.saude.sp.gov.br/zip/U_RDC-ANVISA-211_140705.pdf

Batista, C. S. M. ., Gaspar, G. T. T. ., Junio, S. dos S. ., Oliveira, V. A. de ., & Silva, A. M. da. (2021). Ensino remoto em um curso técnico presencial: Reflexos de um projeto interdisciplinar no contexto da pandemia. Research, Society and Development, 10(7), e54110716695. https://doi.org/10.33448/rsd-v10i7.16695

Brasil. (1996). Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. D.O.U. de 23 de dezembro de 1996. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm

Chizzoti, A. (1995). Pesquisas em ciências humanas e sociais. Cortez.

Clot, Y. (2010). Trabalho e Poder de Agir. Fabrefactum.

Ferreira Neto, J. O. (2020). O legado da Associação Terreiro para a capoeira do Ceará. Ensino Em Perspectivas, 1(1), 1–14. https://revistas.uece.br/index.php/ensinoemperspectivas/article/view/4533

Ferreira Neto, J. O., Vasconcelos, A. P. M. F. ., Souza, A. M. da C. ., & Paim, I. de M. . (2020). A aplicação do Project Model Canvas para o planejamento de um projeto educacional com aulas remotas no período de distanciamento social. Research, Society and Development, 9(12), e16691210928. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i12.10928

Ferreira Neto, J. O., & da Silva, R. C. (2019). Mestre Chitãozinho e a formação dos capoeiristas no Projeto ABC do João XXIII. Práticas Educativas, Memórias E Oralidades - Rev. Pemo, 1(1), 1–14. https://doi.org/10.47149/pemo.v1i1.3518

Firmino, A. de O. (2020). Relatos autobiográficos de uma trajetória formativa na área de beleza. Fortaleza.

Freire, P. (1996). Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. Paz e Terra.

Gil, A. C. (2008). Como elaborar projetos de pesquisa. Atlas.

Gramsci, A. (1982). Os intelectuais e a organização da cultura. (4a ed.), Civilização Brasileira.

Halal, J. (2012). Tricologia e a química cosmética capilar. Cengage Learning.

Lakatos, E. M., & Marconi, M. A. (1991). Fundamentos de metodologia Científica. Atlas.

Lima Filho, D. L. (2005). A universidade tecnológica e sua relação com o ensino médio e a educação superior: discutindo a identidade e o futuro dos CEFETs. Perspectiva - Revista do Centro de Ciências da Educação da UFSC, 23, 349-380.

Machado, L. (2008). Diferenciais inovadores na formação de professores para a educação profissional. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica, Ministério da Educação, Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica, 1, MEC, SETEC.

Martins, L. M. (2010). O legado do século XX para a formação de professores. In: MARTINS, L. & DUARTE, N. (Orgs.). Formação de professores: limites contemporâneos e alternativas necessárias [online]. São Paulo: Editora UNESP; São Paulo: Cultura Acadêmica. http://books.scielo.org/id/ysnm8/pdf/martins-9788579831034-02.pdf

Marx, K.. & Engels, F. (2004). Manifesto do Partido Comunista. Martin Claret.

Mendes, E. G. (2010). A etnografia como trilha metodológica. In: VASCONCELOS, J. G. et al. (Org.). História da Educação: nas trilhas da pesquisa. Fortaleza: UFC. p. 192-205.

Paulilo, A. L. (2017). Um capítulo da História da Formação e da Profissão Docente no Brasil: O Instituto de Educação do Distrito Federal e sua Historiografia. Educ. Soc., 38, .117-132

Paez, L. (2021). Cosmetologia e o âmbito da legislação. Blog IBECO Faculdade. https://ibeco.com.br/cosmetologia-e-o-ambito-da-legislacao/#:~:text=Cosmetologia%20%C3%A9%20a%20ci%C3%AAncia%20que,%2C%20qu%C3%ADmica%2C%20biol%C3%B3gica%20ou%20microbiol%C3%B3gica

Pimenta, S.G. (1999). Formação de professores: Identidade e saberes da docência. In: PIMENTA, S.G. (Org.) Saberes pedagógicos e atividade docente. São Paulo: Cortez.

Silva, R. C. da, & Ferreira Neto, J. O. (2021). O protagonismo do Grupo Senzala na capoeira de Fortaleza e Teresina (1980-1990). Ensino Em Perspectivas, 2(1), 1–14. https://revistas.uece.br/index.php/ensinoemperspectivas/article/view/4551

Queluz, G. L. (2010). Escola de Aprendizes e Artífices do Paraná. Tecnol. & Hum

Rebello, T. (2004). Guia de Produtos Cosméticos / Editora Senac São Paulo.

Saviani, D. (2003). A nova lei da educação: LDB, limite, trajetória e perspectivas. (8a ed.), Autores Associados.

Schubert, C. (2009). A construção do conceito estético Ocidental e sua implicação na formação valorativa e no processo educacional. In: Divisão Temática Interface Comunicativas do X Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sul. Blumenal. http://www.intercom.org.br/papers/regionais/sul2009/resumos/R16-1303-1.pdf

SENAC. DR. CE. (2014). Cosmetologia Aplicada: à coloração e descoloração. / SENAC.CE.; ilustrações de Eli Barbosa (3a ed.), Editora Senac Ceará. (Coleção Segmento da Beleza) 84p.

Silva, R. N. D. (2017). A Química nos salões de beleza: Formação do profissional cabeleireiro. (Trabalho de Conclusão de Curso), Curso de Graduação em Química – Licenciatura, da Universidade Federal da Paraíba. p. 40.

Suenaga, C., Lisboa, D. C., Silva, M. S. de, & Paula, V. B de. (2012). Conceito, beleza e contemporaneidade: fragmentos históricos no decorrer da evolução estética. (artigo) Curso de Especialização em Estética Facial e Corporal. Universidade do Vale do Itajaí. http://siaibib01.univali.br/pdf/Camila%20Suenaga,%20Daiane%20Lisboa.pdf

Vianna, H. M. (2000). Avaliação Educacional: teoria, planejamento, modelos, IBRASA.

Vigarello, G. (2006). História da Beleza: o corpo e a arte de se embelezar, do Renascimento aos dias de hoje. Ediouro.

Published

26/07/2021

How to Cite

FIRMINO, A. de O. .; FERREIRA NETO, J. O. Analysis of the process of professional training related to teaching in beauty centers and schools. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 9, p. e29910918181, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i9.18181. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/18181. Acesso em: 25 sep. 2021.

Issue

Section

Education Sciences