Pregnancy in Prison: The consequences of the absence of prenatal care on the health of women in situations of deprivation of liberty

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i9.18189

Keywords:

Women; Prenatal; Pregnancy; Deprivation of liberty; Penitentiary.

Abstract

Introduction: initially, the situation of imprisonment related to pregnant women in prison is highlighted, such as unhealthy hygiene conditions, access to inadequate prenatal care during pregnancy, difficulty of access to wards, outpatient clinics and adequate medical care. We also highlight the issue of support for women during pregnancy, according to the Brazilian Federal Constitution, specifically in the National Policy of Attention to Women in Situations of Freedom (PNAMPE). This work aims to analyze the points about prenatal care for women in pregnancy when they are in a regime of deprivation of liberty. Justification: This research was conducted due to the worrisome prison situation in Brazil, especially in the state of Pará, where the number of women in prisons is greater than the supported capacity. The overcrowding in the prison environment hinders effective actions for a more individual attention to female prisoners and the realization of the aforementioned rights provided for in the Federal Constitution. Methodology: This is an integrative review of literature in full texts from the last 10 years. Results: It is possible to note the alarming situation that pregnant women face in prison units that do not offer prenatal care adequately. When researching on this theme it was evidenced the absence of articles, in the main databases, related to health issues of pregnant women in prison. Conclusion: we conclude that the unhealthy conditions of the penitentiaries bring serious risks to the serious risks to the health of children who are generated and born in this situation of deprivation of liberty and that pregnant women do not receive the basic attention of right during pregnancy and puerperium cycle, with the need for intersectoral and interprofessional work to ensure access to public policy with quality.

References

Barbosa B.S. (2020) Desafios do cárcere feminino no Brasil: Análise da efetividade da decisão proferida pelo STF no habeas corpus coletivo n° 143.641 [Trabalho de Conclusão de Curso]. Ijuí-RS: Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul. Curso de graduação em Direito. Departamento de Ciências Jurídicas e Sociais.

Brasil. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Senado Federal. Centro Gráfico.

Brasil. Portaria interministerial n.210/2014( 2014). Cria a Política Nacional de Atenção as Mulheres em Situação de Privação de Liberdade e Egressas – PNAMPE, com vistas em qualificar a assistência para mulheres recluas. Departamento Penitenciário Nacional.

Brasil. Ministério da Saúde.(2014) Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Coordenação de Saúde no Sistema Prisional. Inclusão das Mulheres Privadas de Liberdade na Rede Cegonha/Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas, Coordenação de Saúde no Sistema Prisional. Ministério da Saúde. 16 p.

Botelho L. L. R., Cunha C.C. A. & Macedo, M. (2011) O método da revisão integrativa nos estudos organizacionais. Gestão e sociedade. Belo Horizonte. 5(11): 121-136.

Bruscato, A.(2014) Creche na Prisão: um direito das mães e crianças. Educação e Cidadania. 13(13).

Carneiro, Z., & Veríssimo, M. (2016) Gestação e desenvolvimento de bebês em situação de cárcere. Extensão em Ação.

Carvalho, M. L. B., & Freitas, L. D. A. (2016) As faces e os disfarces dos presídios femininos: violações x direitos.

Davim, B. K. G., & Lima, C. S. (2016) Criminalidade feminina: Desestabilidade familiar e as várias faces do abandono. Revista Transgressões: Ciências criminais em debate. Natal. 4(2).

Ferreira E. V. (2020) A desigualdade de gênero no cárcere: as particularidades das penitenciárias femininas no Brasil [Trabalho de Conclusão de Curso]. Florianópolis: Universidade do Sul de Santa Catarina. Curso de graduação em Direito.

Fochi M. C. S., Silva A. R. C. & Lopes M. H. B. M. (2014). Pré-natal em unidade básica de saúde a gestantes em situação prisional. Rev Rene. 15(2): 371-7.

Galvão, M. Davim, R. (2013).. Ausência de assistência à gestante em situação de cárcere penitenciário. Paraná: Universidade Federal do Paraná.

Gomes A. V, Ferreira R. K. A & Rodrigues C. F. C. (2020). A saúde na vida do cárcere no Brasil e no Tocantins. Research, Society and Development.

Justiça Federal. (2014). Lotação das Penitenciárias no Brasil. Levantamento Nacional de informações penitenciárias.

Magalhães, F. A. (2020). A maternidade no cárcere à luz da criminologia feminista [Trabalho de Conclusão de Curso]. Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais. Curso de graduação em Direito.

Makki, S..H & Santos M.L.(2010) Gênero e criminalidade: Um olhar sobre a mulher encarcerada no Brasil. Âmbito jurídico.

Ministério Da Justiça E Segurança Pública.(2020) Infopen. Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias. Período de janeiro a junho de 2020. Secretaria Nacional de Segurança Pública.

Ministério da Saúde. (2016). Plano Nacional de Saúde de 2016-2019.

Mourão L, Oliveira L, Marques A, Branco J, Guimarães M & Martins de Deus S. (2015). Promoção da Saúde de Mulheres Encarceradas: Um Relato de Experiência. Teresina. Sanare, Sobral.

Plano Nacional de Saúde no Sistema Penitenciário. Ministério da Saúde, 2005 <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/plano_nacional_saude_s istema_penitenciario_2ed.pdf>.

Queiroz N. (2015). Presos que menstruam. Record.

Santana A. T, Oliveira G. R. S. A., & Bispo T. C. F. (2016). Mães do cárcere: vivências de gestantes frente à assistência no pré- natal. Revista Baiana de Saúde Pública. 40(1).

Silva, E. X., & Cardoso, S. G. (2020). Pré-natal e puerpério em mulheres privadas de liberdade: assistência de enfermagem prestada [Trabalho de Conclusão de Curso]. Goiânia: Universidade Católica de Goiás. Curso de Enfermagem

Wermuth, M. A. D., & Nielsson, J. G. (2019). O Habeas Corpus 143.641/SP e a tutela coletiva do status libertatis:condição de possibilidade para a humanização do cárcere feminino no Brasil. Rev. Brasileira de Ciências Criminais.. 152, 89.

Published

03/08/2021

How to Cite

LISBOA, A. C. L.; LOBATO, G. da S. .; FRANCO, I. S. G.; ROCHA, Y. C. da; BRITO, D. M. da S.; MENDONÇA, M. H. R. de . Pregnancy in Prison: The consequences of the absence of prenatal care on the health of women in situations of deprivation of liberty. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 9, p. e57410918189, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i9.18189. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/18189. Acesso em: 20 sep. 2021.

Issue

Section

Review Article