Ergonomic analysis of the Neonatal ICU and its influence on injuries in health professionals

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i9.18196

Keywords:

Ergonomic hazards; Work accidents; Occupational health.

Abstract

Ergonomics plays a role of great relevance in the work environment, covering the relationship between man and the various technologies present in these environments. Dimensions such as height and width of work surfaces, limits of equipment reach should be considered, relating them to the activities of health professionals. The present study aimed to identify the most frequent ergonomic risks to which health professionals of the Neonatal Intensive Care Unit (NICU) are exposed. The research was carried out in a reference public maternity hospital in the state of Piauí. The sample consisted of 70 volunteer employees. The inclusion criteria were employees between 30 and 50 years, of both sexes, who had been in at least 1 year performing the current function within the company. For data collection, a questionnaire on ergonomics was elaborated, applied individually. Then, the ergonomic evaluation of the NICU was performed, through photographic records of the environment and equipment, using as reference the regulatory standards related to ergonomics. Finally, the collected data were organized into microsoft office excel 2013 spreadsheets and exported to the SPSS 22.0 program. The results showed that the environment constitutes incompatibility with the physical-environmental results determined by the regulatory standards, presenting organizational design failures, lighting, temperature and noise. Thus, the inadequacies were explained, pointing out the necessary requirements for the improvement of the sector and its compliance with compatibility standards in relation to the analyzed aspects, so that it based measures for environmental adequacy.

References

Abergo, (2016). Ergnomia. Associação Brasileira de Ergonomia (ABERGO). Universidade Federal de

Pernambuco. Departamento de Design/CAC.. Recife: Cidade Universitária. http://ergonomia@abergo.org.br.

Alencar, M. C. B., Schultze, V. M & Souza, S, (2017). Distúrbios osteomusculares e o trabalho dos que cuidam de idoso institucionalizadotítulo. Fisioter Mov. 23(1).

Barros, I. F. R, (2016). Fatores antropométricos e biomecânicos da segurança do trabalho. Manaus: Editora da Universidade do Amazonas.

Benatti, M. C. C., Nishide. V. N, (2012). Elaboração e implantação de mapa dos riscos ambientais para prevenção de acidentes em uma unidade de terapia intensiva de um hospital universitário. Rev. LatinoAm. Enfermagem. 8(5).

Bispo, P, (2019). 10 razões para investir em ergonomia.

http://www.rh.com.br/Portal/Mudanca/Dicas/8758/10-razoes-para-investir-na-ergonomia.html.

Bitencourt. F. F, (2003). O Conforto no Ambiente de Nascer: Reflexões e Recomendações Projetuais. Rio de Janeiro: FAU/UFRJ.

Brandimiller, P. A, (2018). Perícia judicial em acidentes e doenças do trabalho. São Paulo: Editora SENAC.

Caico, A, (2016). Acidentes do Trabalho e Doenças Ocupacionais: conceito, processos de conhecimento e de execução e suas questões polêmicas. São Paulo. Saraiva.

Campos, F.C.C, (2021). Planejamento e avaliação das ações em saúde. Belo Horizonte: NESCON/UFMG. http://www.dcaergonomia.com.br/artigos/erg-qual8.htm.

Canalli, A, (2018). Acidentes do Trabalho e Doenças Ocupacionais: conceito, processos de conhecimento e de execução e suas questões polêmicas. São Paulo. Saraiva.

Corrêa, C. M. D, (2021). Ergonomia, Qualidade e Segurança do Trabalho: Estratégia Competitiva para Produtividade da Empresa, 2019.: http://www.dcaergonomia.com.br/artigos/erg-qual8.htm.

Cavassini, A. P. et al, (2018). Qualidade de vida no trabalho: Fatores que influenciam as organizações. XlllSimpep – Bauru, SP. http://www.simpep.fep.unesp.br/anais/anais_13/artigos/784.pdf.

Chiavenato, I, (2019). Aspectos da conservação de energia em iluminação – São Paulo: Editora Senac, São Paulo.

Costi. M, (2012). A Luz em Estabelecimentos de Saúde. IV Encontro Nacional e III Encontro Latino sobre conforto no ambiente construído São Pedro, SP. Escola de Engenharia São Carlos/ USP. FAU/ PUC-RS. http://ygo.pesqueira.ifpe.edu.br/didaticos/lum_saude.pdf.

Dias. N. N( 2019). Aspectos sócio-antropológicos da ergonomia: a antropotecnologia e suas contribuições para os estudos ergonômicos. www.fisionet.com.br/artigos/interna.asp?cod=32>

Deliberato. P. C. P, (2018). Fisioterapia Preventiva: Prevenção em Saúde do Trabalhador. 1.ed. São Paulo: Editora Manole Ltda.

Dul, J & weerdmeester, B, (2015) Ergonomia prática. São Paulo: Edgard Blücher. ENGTRAB – Engenharia e segurança no trabalho. http://www.engtrab.com.br/riscos_ergonomicos.htm.

Fogliatto. F. S, (2021). Análise Macroergonômico de Escritórios Informatizados.

http://www.ergonomia.com.br

Falzon, P, (2019). Os objetivos da ergonomia. www.eps.ufsc.br/ergon/disciplinas/.../artigo_ergonomia_2.doc.

Fialho. F & Santos, N, (2017). Manual de análise ergonômica no trabalho. Curitiba: Gênesis.

Ferreira. A. B. H, (2017). Minidicionário Aurélio da língua brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 3(2).

Freires, L. M, (2019). Humanização hospitalar, ambiente físico e relações assistenciais: a percepção dos arquitetos especialistas.

Programa de Pós-Graduação em Psicologia. Universidade Federal do rio Grande do Norte, Natal.

Gallash. C. H & Alexandre. N. M. C, (2011). Avaliação dos riscos ergonômicos durante a movimentação e transporte de pacientes em diferentes unidades hospitalares. R. Enferm UERJ. 11 (60).

Gravina, M. C. R, (2017). Lesões por Esforços Repetitivos: uma reflexão sobre os aspectos psicossociais. Saudesoc. São Paulo.

Iida, I, (2005). Ergonomia: projeto e produção. São Paulo: Edgard Blücher Ltda. 2(12).

Karmam, R, (2016). Lesões por Esforços Repetitivos: uma reflexão sobre os aspectos psicossociais. Saudesoc. São Paulo. 7(2).

Marinelli, C. A, (2016). Cconstrução do campo da saúde do trabalhador: percursos e dilemas. Cad. Saúde Públ. . Rio de Janeiro. 13(2).

Massera, N. N, (2015). Aspectos sócio-antropológicos da ergonomia: a antropotecnologia e suas contribuições para os estudos ergonômicos.

Marinho. M. S., Almeida. C. T & Andrade. E. N, (2015). Risco ergonômico nas práticas da equipe de enfermagem de uma UTI. Revista Eletrônica da Fainor. Vitória da Conquista. 8(1).

Mendes. A. M, (2016). Trabalho em transição saúde em risco. Brasília: Editora Universidade de Brasília.

Mendes. R, (2016). Da Medicina do Trabalho à Saúde do Trabalhador. Rev Saúde Públ. São Paulo. 25(5).

Mergulhão. B. R. R., Araújo. E. C., Vasconcelos. E. M., R & Bezerra. S. M.M. S, (2010). Fatores de risco à saúde de profissionais de enfermagem relacionados com a condição de trabalho e ergonomia. Rev enferm UFPE on line. 4(2).

Minayo. C. A, (2017). Construção do campo da saúde do trabalhador: percursos e dilemas. Cad. Saúde Públ. 13(2).

Monteiro. A N, (2019). O Sanatório da Covilhã: Arquitetuta, Turismo e Saúde. Dissertação de Mestrado em Arquitetura. Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra. Darq.

Mussi. G, (2019). Prevalências de distúrbios Osteomusculares Relacionados ao trabalho ( LER/DORT) em profissionais Cabeleleiras de Institutos de Beleza de Dois distritos da cidade de São Paulo.

www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5137/tde.../GiseleMussi2006.pdf.

Murta. G. F, (2015). Riscos ergonômicos nos setores críticos do ambiente hospitalar: Guia para ensino e aprendizado de enfermagem. Revenferm. Rio de Janeiro. 9(1).

Pasa. T. S., Magnago. T. S. B., SILVA. R. M., Cervo. A. S., Beck. C . L. C & Viero, N. C, (2015). Riscos ergonômicos para trabalhadores de enfermagem ao movimentar e remover pacientes. Rev. Enfermagem-UFMS. Mato Grosso do Sul. 5(92).

Pires. R, (2020). Ergonomia. São Paulo: LTR.

Ramazzini, B, (2016). As doenças dos trabalhadores. Tradução de Raimundo Estrêla. –. Tradução de: De morbis artificum diatribe. São Paulo.htt:///C:/Users/Edison%20Corr%C3%AAa/Downloads/DoencasTrabalhadores_portal.pdf.

Ribeiro. H, (2016). Lesões por Esforços Repetitivos: uma doença emblemática. Cad.Saúde Públ. 13(2).

Sellers. D, Z, (2019). Como conviver de maneira saudável com o seu computador/ Tradução: Laura Karin Gillon. São Paulo: Callis.

Shultze. B, (2017). As doenças dos trabalhadores. Tradução de Raimundo Estrêla. –. Tradução de: De morbis artificum diatribe. São Paulo. Fundacentro. São Paulo. htt: C:/Users/Edison%20Corr%C3%AAa/Downloads/DoencasTrabalhadores_portal.pdf.

Smith. M. J, (2015). Considerações Psicosociais Sobre os Distúbios Ósteomusculares Relacionados ao Trabalho (DORT) nos membros superiores. 2(8).

Severino. A. J, (2017). Metodologia do trabalho científico. Ed.rev. São Paulo: Cortez.

Shimizu. A. P, (2016). Qualidade de vida no trabalho: Fatores que influenciam as organizações.

XlllSimpep – Bauru, SP.www.simpep.fep.unesp.br/anais/anais_13/artigos/784.pdf.

Silva. S. L, (2014). Interações Do Enfermeiro do Trabalho com a Saúde do Trabalhador em Âmbito de Prática e Assistência de Enfermagem. 130f. Escola de Enfermagem Anna Nery da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. http://teses.ufrj.br/EEAN_d/SergioLimaDaSilva.pdf.

Silva. S. L, (2015). O estilo de vida de trabalhadores administrativos em empresa de petróleo. Promoção da saúde no trabalho: contribuição do enfermeiro do trabalho. Faculdade de Enfermagem, Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Silva. R. M, (2018). Ergonomia: considerações relevantes para o trabalho de enfermagem. Universidade Federal de Santa Maria-UFSM. http://www.abennacional.org.br/2SITEn/Arquivos/N.050.pdf .

Verdussen. R, (2021). Ergonomia: a racionalização humanizada do trabalho. Rio de Janeiro: Livros técnicos e científico.

Vidal. M. C, (2017). Ergonomia na empresa: útil, prática e aplicada. Rio de Janeiro: Editora Virtual científica.

Vieira. S. I, (2019). Manual de Saúde e segurança de trabalho. Florianópolis: Mestra.

Volpy. S, (2020). Prevenção ou Correção? O que é melhor? http://www.silviavolpy.com.br.

Published

28/07/2021

How to Cite

PORTELA, R. da S. .; LEMOS, T. A. B. .; MARQUES, K. M. S. .; MARQUES, B. B. .; ROCHA, I. M. .; RIBEIRO, L. M. .; CARVALHO, A. F. M. de .; CARVALHO, G. D. .; SILVA, M. de A. .; FEITOSA, M. C. P. . Ergonomic analysis of the Neonatal ICU and its influence on injuries in health professionals. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 9, p. e35910918196, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i9.18196. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/18196. Acesso em: 23 sep. 2021.

Issue

Section

Health Sciences