Social representations of labor for assisted of prison system of Ceará

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i10.18313

Keywords:

Prison system assisted; Social representations; Job market.

Abstract

To know the social representations of the work for the assistants of the prison system of Ceará, its forms of insertion and expectations in relation to the work contexts was the objective of this research. Twenty-three assistants, who were residents of Fortaleza, participated in the work of the Secretariat of Justice and Citizenship of the State of Ceará (Sejus). Data were collected through semi-structured interviews and submitted to content analysis. The results evidenced work as a necessary condition for freedom (material, personal / affective and social), as well as for the construction of a new sociability. Emphasis is given to aspects that make it difficult for the prison system to participate in the labor market, such as personal and social barriers. It is concluded that social representations guide social practices and strategies, reflecting the norms of social institutions or the ideologies related to the place that the assistants occupy in society.

References

Abric, J.-C. (1994). Pratiques sociales et représentations. Paris: Presses Universitaires de France.

Barbalho, L. A., & Barros, V. A. (2010). O lugar do trabalho na vida do egresso do sistema prisional: Um estudo de caso. Gerais: Revista Interinstitucional de Psicologia, 3(2), 198-212.

Bardin, L. (2010). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70. (Trabalho original publicado em 1977).

Barros, V. B. (2009). O trabalho na contemporaneidade: delimitações em um mundo de exclusão. In F. K. Neto, R. T. Oliveira, & R. O. Silva (Orgs.), Subjetividade (s) e sociedade: contribuições da Psicologia (pp. 143-160). Belo Horizonte: Conselho Regional de Psicologia de Minas Gerais.

Bauer, M. W., & Gaskell, G. (2017). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Editora Vozes Limitada.

Bernal, A. O. (2010). Psicologia do trabalho em um mundo globalizado: como enfrentar o assédio psicológico e o estresse no trabalho. Porto Alegre: Artmed.

Bussinguer, M. D. A. (2013). Política pública e inclusão social: o papel do direito do trabalho. São Paulo: LTr.

Cardoso, M. C. V. (2006). A cidadania no contexto da Lei de Execução Penal: o (des) caminho da inclusão social do apenado no Sistema Penitenciário do Distrito Federal (Dissertação de Mestrado). Universidade de Brasília, Brasília, Distrito Federal, Brasil. Recuperado de http://repositorio.unb.br/bitstream/10482/4990/1/2006_Maria%20Cristina%20Vidal%20Cardoso.pdf

Coimbra, C. M. B. (2001, janeiro/junho). Psicologia, direitos humanos e neoliberalismo. Revista Psicologia Política, 1(1), 139-148.

Conselho Nacional de Justiça (CNJ). (2014). Falhas na gestão dos processos contribuem para a superpopulação carcerária, diz conselheiro do CNJ. Recuperado de http://www.cnj.jus.br/noticias/cnj/61364-falhas-na-gestao-dos-processos-contribuem-para-a-superpopulacao-carceraria-diz-conselheiro-do-cnj

Esteban, F., Alós, R., Jódar, P., & Miguélez, F. (2014). La inserción laboral de ex reclusos. Una Aproximación cualitativa. Revista Española de Investigaciones Sociológicas, 145, 181-204. https://doi.org/10.5477/cis/reis.145.181

Jacques, M. G. (1997). Identidade e trabalho. In A. D. Cattani (Org.), Trabalho e tecnologia: dicionário crítico (pp. 127-131). Petrópolis, RJ: Vozes.

Julião, E. F. (2010). O impacto da educação e do trabalho como programas de reinserção social na política de execução penal do Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Educação, 15(45), 529-543. https://doi.org/10.1590/S1413-24782010000300010

Lemos, A. M., Mazzilli, C., & Klering, L. R. (1998, setembro/dezembro). Análise do Trabalho Prisional: Um Estudo Exploratório. Rev. Adm. Contemp., Curitiba, 2(3), 129-149. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-65551998000300008

Lopes, P. L., Gregorio, M. F. P., & Accioly, T. C. O. (2016). A inserção de egressos no mercado de trabalho. Revista Conbrad, Maringá, 1(1), 47-70.

Madeira, L. M. (2008). Trajetórias de Homens Infames: Políticas Públicas Penais e Programas de Apoio a Egressos do Sistema Penitenciário no Brasil (Tese de Doutorado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil. Recuperado de http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/15656

Medeiros, L. F. R., & Macêdo, K. B. (2006, maio/agosto). Catador de material reciclável: uma profissão para além da sobrevivência? Psicologia & Sociedade, 18(2), 62-71.

Medina, C. A. (1977). Participação e trabalho social: um manual de promoção humana. Rio de Janeiro: Vozes.

Moki, M. P. (2005). Representações Sociais do Trabalho Carcerário Feminino (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, Brasil.

Navarro, V. L., & Padilha, V. (2007). Dilemas do trabalho no capitalismo contemporâneo. Revista Psicologia & Sociedade, 19(1), 14-20.

Moscovici, S. (2010). Representações Sociais: investigações em Psicologia Social. Petrópolis: Vozes.

Salanova, M., Gracia, F., & Peiró, J. M. (1996). Significado del Trabajo y valores laborales. In J. M. Peiró, & F. Prieto (Eds.), Tratado de Psicología del Trabajo (Vol. II: Aspectos psicosociales del trabajo, pp. 35-63). Madrid: Síntesis.

Sampaio, J. H. (2008). Os direitos fundamentais e garantias individuais como pressupostos para a eficácia dos direitos humanos do presidiário (Dissertação de Mestrado). Universidade de Fortaleza, Fortaleza, Ceará, Brasil. Recuperado de http://bdtd.ibict.br/ vufind/Record/UFOR_237db5ecdb1f7f078a487dbd5c442591

Rocha, V. F. T., Lima, T. C. B., Ferraz, S. F. S., & Ferraz, S. B. (2013). A inserção do egresso prisional no mercado de trabalho cearense. Pensamentos Contemporâneo em Administração, Rio de Janeiro, 7(4), 185-207.

Santos, T. M., & Rosenburg, E. G. (2014). Representações sociais sobre a violência em egressos do sistema prisional. Segurança Pública, 8(1), 94-110.

Seron, P. C. (2009). Nos difíceis caminhos da liberdade: estudo sobre o papel do trabalho na vida de egressos do sistema prisional (Dissertação de Mestrado). Universidade de São Paulo, São Paulo, São Paulo, Brasil.

Souza, C. (2007). Estado da arte da pesquisa em políticas públicas. In G. Hochman, M. Arretche, & E. Marques (Orgs.), Políticas públicas no Brasil (pp. 65-86). Rio de Janeiro: Fiocruz.

Souza, S. A. (2009). Coletivos de Trabalhos e o Prazer e o Sofrimento em sua Construção: um estudo de caso (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Itajubá, Itajubá, Minas Gerais, Brasil.

Toledo, I. d´A., Kemp, V. H., Machado, M. N. M. (2014). Os sentidos do trabalho para egressos do sistema prisional inseridos no mercado formal de trabalho. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 17(1), 85-99. DOI: 10.11606/issn.1981-.0490.v17n1p85-99

Tomé, S. M. G. (2011). O Processo de Reinserção Social de Apenados: Uma Análise Comparativa de Trajetórias de Vida (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Viçosa, Minas Gerais, Brasil.

Vala, J. (2002). Representações sociais e psicologia social do conhecimento cotidiano. In J. Vala, & J. M. B. Monteiro (Coords.), Psicologia Social (pp. 457–502). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Published

05/08/2021

How to Cite

ARAÚJO, A. P. B. .; VIANA, L. M. M. . Social representations of labor for assisted of prison system of Ceará. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 10, p. e67101018313, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i10.18313. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/18313. Acesso em: 21 oct. 2021.

Issue

Section

Human and Social Sciences