For those who want to see beyond: visual impairment and female empowerment

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i1.1832

Keywords:

Gender; Visual impairment; Empowerment.

Abstract

In this paper, we present to the eyes of a blind woman who, challenged to review her life story, makes a rereading of remarkable events, from childhood to the present time, involving us in a pleasurable mix between poetry and reality. This is a clipping of the thesis entitled Women's Educational Trajectories: An Intersectional Reading of Disability (Farias, 2017), whose objective is to analyze the effects of empowering and gender structures on the experience of inequalities and multiple vulnerabilities of women with disabilities. Based on the social model, the most recent studies around this issue establish a break with the medical model of disability, now conceived as a condition resulting from experiences of inequalities, as well as barriers that impede the social participation of men and women in this condition. Thus, in reconstructing the life story of a blind woman, we deepen the literature that associates disability with other markers of social inequality, such as gender. The research results show that the biggest challenge to be faced today is to make educational and social structures more accessible, which will offer women, blind and visionaries, mechanisms that allow them to discover their own abilities and thus look at reality. , aware of the force of their transforming action. In this way, we hope to contribute to greater visibility of women with disabilities.

Author Biography

Adenize Queiroz de Farias, Universidade Federal da Paraíba

Professora de Educação Especial do Departamento de Habilitações Pedagógicas da Universidade Federal da Paraíba

References

Alberti, V. (2004). Ouvir, contar: textos em história oral. Rio de Janeiro: Editora FGV.

Diniz, D. (2003). Modelo social da deficiência: a crítica feminista. SérieAnis, 28, 1-10. Recuperado em 18 de fevereiro de 2017 de https://www.anis.org.br/serie/artigos/sa28(diniz)deficienciafeminismo.pdf.

Ferreira, W. B. (2009). Direitos da pessoa com deficiência e inclusão nas escolas. Recuperado em 7 de fevereiro de 2018 de http://www.dhnet.org.br/dados/cursos/edh/redh/03/03_ferreira_direitos_deficiencia.pdf.

França, D. N. O. (2013). Sexualidade da pessoa cega: uma revisão sistemática da literatura. Rev. Ciênc. Méd. Biol., 12(1), 101-105.

Gavério, M. A. & Oliveira, E. L. de. (2015). A crítica deficiente - alguns posicionamentos cripfeministas. Artigo apresentado no 4º Seminário Enlaçando Sexualidades, Salvador, Bahia. Recuperado em 12 de maio de 2017 de http://www.uneb.br/enlacandosexualidades/files/2015/07/comunicacaooralmarcoantoniogaverioevertonluisoliveira.pdf.

Glat, R. (1989). Somos iguais a vocês: depoimentos de mulheres com deficiência mental. Rio de Janeiro: Agir.

Lima, T. (2012). A importância do letramento escolar para a criança cega. Caminhos em Linguística Aplicada, 3(2), 108-120.

Mello, A. G. de, & Nuernberg, A. H. (2012). Gênero e deficiência: interseções e perspectivas. Rev. Estud. Fem. 20(3), 635- 655. Recuperado em 24 de setembro de 2016 de http://dx.doi.org/10.1590/S0104-026X2012000300003.

Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. (1990). Declaração Mundial sobre Educação para Todos: satisfação das necessidades básicas de aprendizagem. Unesco: Jomtien.

Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. (2006). Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, aprovada pela Assembléia Geral da ONU em dezembro de 2006. Unesco.

Paulilo, M. A S. (1999). A pesquisa qualitativa e a história de vida. Serviço Social em Revista, 2(2), 135-148.

Queiroz, A. (2007). Deficiência, saúde pública e justiça social. Rev. Estud. Fem., 15(3), 827-829, Recuperado em 12 de maio de 2017 de http://dx.doi.org/10.1590/S0104-026X2007000300020.

Ribas, J. (2011). Preconceito contra as pessoas com deficiência: as relações que travamos com o mundo. São Paulo: Cortez.

Santiago, S. A. da S. (2009). Exclusão da pessoa com deficiência, educação para quê? (Tese de doutorado). Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, Paraíba, Brasil.

Sousa, J. B. de. (2004). A Cegueira, o Braille e o Jornalismo: furos de uma Reportagem. Recuperado em 22 de maio de 2016 de http://www.ibc.gov.br/images/conteudo/revistas/benjamin_constant/2004/edicao-27-abril/Nossos_Meios_RBC_RevAbr2004_Relato.pdf.

Sousa, J. B. de. (2009). O que percebemos quando não vemos? Fractal, Rev. Psicol., 21(1), 179-184. Recuperado em 14 de setembro de 2016 de http://dx.doi.org/10.1590/S1984-02922009000100014.

Telles, R. dos S. (2014). A importância do brincar no cotidiano das ações educativas: um olhar pedagógico inovador para crianças cegas e com baixa acuidade visual atendidas na UEES. Revista dos Alunos de Pedagogia, 1(3). Recuperado em 22 de julho de 2015 de http://www.nwk.edu.br/intro/wp-content/uploads/2014/05/Pedagogia-2014Atualizada-em-26.08.2015.pdf.

Published

01/01/2020

How to Cite

FARIAS, A. Q. de. For those who want to see beyond: visual impairment and female empowerment. Research, Society and Development, [S. l.], v. 9, n. 1, p. e193911832, 2020. DOI: 10.33448/rsd-v9i1.1832. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/1832. Acesso em: 24 jan. 2022.

Issue

Section

Human and Social Sciences