Nutritional assessment of infants: Diagnosis and empirical workup in schools

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i9.18351

Keywords:

Anthropometry; Nutrition; Kids; Health at School Project; Education.

Abstract

Introduction: Nutritional status is given as “the state resulting from the balance between nutrient supply and energy expenditure”. Changes in nutritional status (malnutrition and obesity) are related to serious health problems. The important influence of monitoring nutritional status during childhood on the growth and development process is highlighted. Objective: to describe the main methods of assessment of nutritional status in children, in order to facilitate the diagnosis of nutritional problems and monitor dietary interventions. Methodology: This is a descriptive research of a brief integrative literature review, which sought to conceptualize nutritional status and nutritional assessment methods in infants. As inclusion criteria, original articles that addressed the research topic and allowed full access to the study content, published from 1999 to 2021, in English, Spanish and Portuguese, were considered. Results: Describes the clinical method, details aspects of anthropometry and laboratory tests used to assess nutritional status. Lists some of the main multiple indices used for both diagnostic and prognostic purposes. In addition, it is able to track, through interviews, possible family repetitions related to hormonal imbalances and metabolic syndromes. Conclusion: Therefore, it is necessary to alert the population to the nutritional risks that may arise during childhood, emphasizing the importance of food re-education and nutrition education activities in schools, which can help in the formation of healthy eating habits, in the maintenance of health and proper body weight control.

References

Andrade, L. O. M., Barreto, I. C. C. C., Goya, N. & Junior, T. M. (2004). A Estratégia Saúde da Família. Medicina ambulatorial: condutas de Atenção Primária baseadas em evidências. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2004. cap. 07, 88-99.

Azevedo, A. L. M. & Costa, A. M. (2010). A estreita porta de entrada do Sistema Único de Saúde (SUS): uma avaliação do acesso na Estratégia de Saúde da Família. Interface: Comunicação, Saúde, Educação, Botucatu/SP. 14 (35), 797-810.

Brasil. (2014). Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Guia alimentar para a população brasileira. 2. ed. Brasília, DF: Ministério da Saúde.

Fonseca, V. M. (2014). Aspectos da situação nutricional brasileira. Revista Ciência e Saúde Coletiva. 19 (5), 1328-1329.

Freitas, M. M. P., Pascoal, G. T. P., Santos, J. O., de Jesus, L. I., dos Santos, S. M., da Silva, V. A., Bastos, L. C. S., & Matozinhos, F. P. (2018). Avaliação Nutricional Em Crianças De Uma Creche Em Minas Gerais: Relato De Experiência. Revista Contexto &Amp; Saúde, 18 (34), 36–42.

Henriques, P., Sally, E. O., Burlandy, L. & Beiler, R. M. (2012). Regulamentação da propaganda de alimentos infantis como estratégia para a promoção da saúde. Revista Ciência e Saúde Coletiva, 17 (2), 481-490.

Lima, B. R. (2010). A influência da mídia no comportamento infantil. Brasília: FATECS.

Mahan, L. K., Escott-Stump, S. & Krause, S. (2005). Alimentos, Nutrição & Dietoterapia. São Paulo, Roca.

Mello, E. D. (2002). O que significa avaliação do estado nutricional. Jornal de Pediatria. 75 (5), 357-358.

Moura, N. C. (2010). Influência da mídia no comportamento alimentar de crianças e adolescentes. Revista Segurança Alimentar e Nutricional, 17 (1), 113-122.

Mussoi, T. D. (2014). Avaliação nutricional na prática clínica: da gestação ao envelhecimento. 1ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Porto, A. C. V., Pires, B. A. B. & Coelho, S. C. (2013). Frequência de consumo de fast food em crianças de uma escola pública e uma escola privada do município de Nova Iguaçu no Rio de Janeiro e sua influência no perfil nutricional. Acta Pediatr Port, 44 (6), 301-305.

Rodrigues, A. S., Carmo, I., Breda, J. & Rito, A. I. (2011). Associação entre o marketing de produtos alimentares de elevada densidade energética e a obesidade infantil. Rev. Port Saúde Pública, 29 (2), 180-187.

Rodrigues, V. M. & Fiates, G. M. R. (2012). Hábitos alimentares e comportamento de consumo infantil: influência da renda familiar e do hábito de assistir à televisão. Revista de Nutrição, 25 (3), 353-363.

Sampaio, L. R., Silva, M. C. M., Oliveira, T. M. & Leite, V. R. (2012). Semiologia nutricional. EDUFBA, 23-47.

Saúde, Brasil. (1999). Nutrição pré-escolar & escolar São Paulo: Aguilla, 28 min.

Starfield, B. (2002). Atenção Primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Ministério da Saúde. Brasil.

Vasconcelos, F. A. (2008). Avaliação nutricional de coletividades. Florianópolis: UFSC.

Vasconcelos, M. J. O. B., Barbosa, J. M., Pinto, I. C. S., Lima, T. M. & Araújo, A. F. C. (2011). Nutrição clínica obstetrícia e pediatria. Rio de Janeiro: MedBook.

Published

30/07/2021

How to Cite

NOGUEIRA, C. F. R.; FIGUEIREDO, B. Q. de; BERNARDES, L. B. R.; OLIVEIRA, R. C. Nutritional assessment of infants: Diagnosis and empirical workup in schools . Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 9, p. e44210918351, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i9.18351. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/18351. Acesso em: 26 sep. 2021.

Issue

Section

Health Sciences