Conduct in mental health in the family health strategy: Integrative review

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i10.18360

Keywords:

Mental health care; Mental health; Family Health Strategy; Family health program.

Abstract

The ESF mission is to contribute to changing the care model of individuals in psychological distress, establishing yet another strategic and adequate space to work with mental health. The aim of this study is to point out the behaviors of the family health strategy team in mental health care. This is an integrative review, which carried out an extensive literature search seeking to identify and extract information from the national and international literature through the following databases: Medline, LILACS, BDENF, IBECS, CUMED, BBOdentology, State Department of Health of São Paulo and Collects SUS-BR, Index Psicologia-Scientific Technical Journals, CVSP, Municipal Health Secretariat of São Paulo, Mosaico-integrative health and HRH Repository from 2010 to 2020. A quantity of 345 was found available in the integrates that after applying the inclusion and exclusion criteria, 11 remained for analysis. The articles indicate that PSF professionals recognize their theoretical and practical difficulties in dealing with people with mental disorders. An initial attempt to reorganize mental health care in the FHS would be to incorporate the principles of the program itself into actions directed towards this end. In addition, educational actions in health and discussion groups about each patient with mental disorder. It is expected that the results can guide permanent health education strategies that enable the empowerment of workers in the care process, with an appreciation of their subjective dimension to reconfigure the care model.

References

Gohn, M. G., & Hom, C. S., (2008). Abordagens teóricas para o estudo dos movimentos sociais na América Latina. Caderno CRH, 21 (54), 439-455.

Borba, L, Guimarães, N, Mazza, V., & Maftum, M. (2015.). Tratamento no modelo hospitalocêntrico: percepções de familiares e portadores de transtorno mental, Rev enferm UERJ, 23(1), 88-94.

Campos G., & Domitti A. (2007). Apoio matricial e equipe de referência: uma metodologia para gestão do trabalho interdisciplinar em saúde, Cad. Saúde Publica, 23(2), 399-407.

Cavalcante C, Pinto, D, Carvalho, A, Jorge, M., & Freitas, C. (2011). Desafios do cuidado em saúde mental na estratégia saúde da família. Rev Brasileira em Promoção da Saúde, 24(2), 102-108.

Dalla V. M., & Martins, S. (2009.). Desinstitucionalização dos cuidados a pessoas com transtornos mentais na atenção básica: aportes para a implementação de ações. Interface (Botucatu), 13(28), 151-164.

Damásio, V., Melo, V., & Esteve, S, K. (2008). Atribuições do enfermeiro nos serviços de saúde mental no contexto da reforma psiquiátrica. Journal of Nursing UFPE, 425-433.

Fioramonte A., Bressan, B., Silva, E., Nascimento, G., & Buriola, A. (2013). Cuidado a Pessoa Com Transtorno Mental e Sua Família: Atuação Do Enfermeiro na ESF. Ciência, Cuidado e Saúde, 12(2), 315-322.

Gryschek G., & Pinto A. (2015). Saúde mental: como as equipes de saúde da família podem integrar esse cuidado na atenção básica? Ciênc saúde coletiva, 20(10), 3255-3262.

Gouveia, A., Paes, C., Santos, V., & Ferreira, I. (2021). Matriciamento em saúde mental na atenção primária: Uma revisão integrativa da literatura, Research, Society and Development, 10(5). e26610514483.

Lamb, P., Brito, G., & Roges, A. (2021). Práticas de saúde mental na Atenção Primária à Saúde: percepções de trabalhadores, Research, Society and Development, 10(2), e45210212674.

Matos, J., Oliveira, A., Chaves, A., Ferreira, F., Henriques, M., & Amorim, E. (2015). A percepção do enfermeiro sobre suas ações em saúde mental na estratégia saúde da família. Revista Eletrônica Gestão e Saúde, (n3), 2761-2772.

Mendes, K., Silveira, R., & Galvão, C. (2004). Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem, Texto contexto - enferm. 17(4), 758-764, http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072008000400018

Oliveira, A., Vieira, M., & Andrade S. (2006). Saúde mental na saúde da família: subsídios para o trabalho assistencial. Editora Olho d’Água.

Pereira, A., & Sales, w. (2021). Percepção dos enfermeiros da atenção básica sobre ações de saúde mental: Uma revisão integrativa, Research, Society and Development, 10(8). e57110817516.

Quinderé, P, Jorge, M. Nogueira, M, Costa, L, e, Vasconcelos, M. (2013). Acessibilidade e resolubilidade da assistência em saúde mental: a experiência do apoio matricial, Cien Saúde Colet, .2157-2166.

Silva, S., Silva A., Souza, A., Moura, A., Lima, G., & Feitoza, A. (2017) Estratégia saúde da família: ações no campo da saúde mental. Rev enferm UERJ, 25(5), e16926.

Tófoli, L., & Fortes, S. (2007). O apoio matricial de saúde mental na atenção primária no município de Sobral, CE: o relato na atenção primária no município de Sobral, CE: o relato de uma experiência, Sanare, 6(2), 34-42.

Weber, C. (2011). Programa de saúde da família e o governamento das populações, Educ Real, 36(3), 867-882.

Published

04/08/2021

How to Cite

SOUSA, J. R. de .; OLIVEIRA, J. T. M. de .; CRUZ, F. M. P. da .; NERI, G. V. A. .; LIMA, L. G. de A. .; SILVA, F. E. das C. .; MACEDO, . A. M. A. .; SILVA , J. L. A. .; SILVA , M. L. S. . Conduct in mental health in the family health strategy: Integrative review . Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 10, p. e20101018360, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i10.18360. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/18360. Acesso em: 4 dec. 2021.

Issue

Section

Health Sciences