Primary care: What do medical graduates think?

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i9.18413

Keywords:

Education, medical; Students; Primary health care.

Abstract

Objective: the actual research aims to evaluate the discernment and attitudes of the medical students regarding Primary Health Care. Methodology: This is a cross-sectional, descriptive and analytical study, with students of sixth year of the Medicine course. The material were composed by August to November 2016 with the application of a validated Likert questionnaire titled Attitudes Scale Facing Some Questions of Medical Practice, elaborated at the Medical School of Ribeirão Preto, University of the State of São Paulo. Results: The information were submitted to the statistical test of Chi-square of adherence by the program Bio-Estat 5. There were 111 students participants of the study, number considered sufficient for a statistical validation. From the data analysis of the questionnaires, it was noticed that the medical students recognize the responsability of the general doctor, mainly, in the scope of the approximation of the population with the health services. Conclusion: Accordingly, it becomes evident the need for the persistence of humanized and person-centered perceptions, with a focus on stimulating preventive aspects and promoting a better quality of life in society.

References

Assis, V. L. B., Fernandes, M. C. B., Valença, J. T.S., & Lyra Junior, D. P. (2021). Práticas educativas e a formação para Atenção Primária: O Médico como educador em Saúde. Research, Society and Development, 10 (7), e9010716369. DOI: : http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v10i7.16369

Ayres, M.., Ayres Jr, M., Ayres, D. L., & Santos, A. A. S. (2007). Bioestat 5.0 aplicações estatísticas nas áreas das ciências biológicas e médicas. Belém: Instituto Mamirauá.

Brasil. Ministério da Educação. (2001). Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução CNE/CES n° 4 de 7 de novembro de 2001. Institui diretrizes curriculares nacionais do curso de graduação em Medicina. Diário Oficial da União. Brasília; seção 1, p. 38

Brasil. Ministério da Saúde. (1990). ABC do SUS Doutrinas e Princípios. Secretaria Nacional de Assistência à Saúde. 10p. <http://www.pbh.gov.br/smsa/bibliografia/abc_do_sus_doutrinas_e_principios.pdf>.

Caldeira, É. S., & Leite, M. T. (2011). Estudantes de Medicina nos serviços de atenção primária: percepção dos profissionais. Revista Brasileira de Educação Médica, 35 (4), 477-485. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-55022011000400006

Cardoso Filho, F. A., Magalhães, J. F., Silva, K. M. L., & Pereira, I. S. S. D. (2015). Perfil do Estudante de Medicina da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) em 2013. Revista Brasileira de Educação Médica, 39 (1), 32-40. DOI: https://doi.org/10.1590/1981-52712015v39n1e01092014

Chehuen Neto, J. A., Sirimarco, M. T., Cândido, T. C., Ulhoa, C. M., Reis, B. P., & Lima, V. M. (2015). Formação médica generalista: percepção do profissional e do estudante. HU Revista, 40 (1 e 2), 13-23.

Coelho, M. G. M., Machado, M. F. A. S., Bessa, O. A. A. C., & Nuto, S. A. S. (2020). Atenção Primária à Saúde na perspectiva da formação do profissional médico. Interface (Botucatu), 24, e190740. DOI: https://doi.org/10.1590/Interface.190740

Colares, M. F. A., Troncon, L. E. A., & Figueiredo, J. F. C. (2002). Construção de um instrumento para avaliação das atitudes de estudantes de medicina frente a aspectos relevantes da prática médica. Revista Brasileira de Educação Médica, 26 (3), 194-203.

Conselho Nacional de Secretários de Saúde. (2008). Atenção Primária à Saúde no Brasil: os desafios para aprimorar a porta de entrada do SUS para os brasileiros. Consensus; 35: p. 24.

Demarzo, M. M. P., Almeida, R. C. C., Marins, J. J. N., Trindade, T. G., Anderson, M. I. P., & Stein, A. T. (2012). Diretrizes para o ensino na atenção primária à saúde na graduação em medicina. Revista Brasileira de Educação Médica, 36 (1), 143-148.

Fiorotti, K. P., Rossoni, R. R., & Miranda, A. E. (2007). Perfil do Estudante de Medicina da Universidade Federal do Espírito Santo. Revista Brasileira de Educação Médica, 34 (3), 355–362.

Freitas, V. M. V. (2006). Vocação médica: um estudo de gênero. Revista Brasileira de Psiquiatria, 28 (2), 167-167.

Gomes, A. P., Costa, J. R. B. C., Junqueira, T. S., Arcuri, M. B., & Siqueira-Batista R. (2012). Atenção Primária à Saúde e Formação Médica: entre Episteme e Práxis. Revista Brasileira de Educação Médica, 36 (4), 541-549.

Harzheim, E., Santos, C. M. J., D’Avila, O. P., Wollmann, L., & Pinto, L. F. (2020). Bases para a reforma da Atenção Primária à Saúde no Brasil em 2019: mudanças estruturantes após 25 anos do Programa de Saúde da Família. Revista Brasileira de Medicina da Família e Comunidade, 15 (42), 2354. DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc15(42)2354

Heimann, L. S., Ibanhes, L. C., Boaretto, R. C., Castro, I. E. N., Telesi, J. E., & Cortizo C Tato. (2011) Atenção primária em saúde: um estudo multidimensional sobre os desafios e potencialidades na Região Metropolitana de São Paulo (SP, Brasil). Ciências e saúde coletiva, 16 (6), 2877-2887.

Itikawa, F. A., Afonso, D. H., Rodrigues, R. D., & Guimaraes, M. A. M. (2008) Implantação de uma nova disciplina à luz das diretrizes curriculares no curso de graduação em medicina da Universidade do Estado do Rio de Janeiro Revista Brasileira de Educação Médica, 32 (3), 324-332.

Oliveira, D. A. (2020). From Family Doctor to Student Preceptor in the Brazilian Unified Health System: Experience Report. Revista Brasileira de Educação Médica, 44 (4), e116. DOI: 10.1590/1981-5271v44.4-20190254.ing

Rotta, M. F. O. N. (2018). Perspectivas profissionais e motivações de estudantes de Medicina para atuação na Estratégia Saúde da Família. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, 24 (suppl 1), e190531. DOI: 10.1590/interface.190531

Souza, C. F. T., Oliveira, D. L. L., Monteiro, G. S., Barboza, H. M. M., Ricardo, G. P., Lacerda Neto, M. C. et al (2013). A atenção primária na formação médica: a experiência de uma turma de medicina. Revista Brasileira de Educação Médica, 37 (3), 448-454.

Sousa, I. Q., Silva, C. P., & Caldas, C. A. M. (2014). Especialidade médica: escolhas e influências. Revista Brasileira de Educação Médica, 38 (1), 79-86.

Tinoco, A. S., Oliveira, I. C., Cutolo, L. R. A., & Maeyama, M. A. (2017). Percepção dos Estudantes de Medicina Acerca da Residência em Medicina de Família e Comunidade. Revista Brasileira de Tecnologias Sociais, 4 (1), 75-87. DOI: https://doi.org/10.14210/rbts.v4n1.p75-87

Vieira, S. P., et al. (2018). A graduação em medicina no Brasil ante os desafios da formação para a Atenção Primária à Saúde. Saúde em Debate, 42 (spe1), 189-207. DOI: 10.1590/0103-11042018s113

Published

01/08/2021

How to Cite

COSTA, T. N. M.; CALDATO , M. C. F.; FURLANETO , I. P.; ARAÚJO , A. V. S. de; PACHECO , K. . R.; PEDROSA , B. K. Primary care: What do medical graduates think?. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 9, p. e49810918413, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i9.18413. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/18413. Acesso em: 20 sep. 2021.

Issue

Section

Health Sciences