The dangers of pesticides for farming families - An integrative review

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i9.18414

Keywords:

Agrochemicals; Contamination; Environment and health.

Abstract

Family farming is a complex structure and plays a key role in socioeconomic and environmental settings worldwide, yet most farmers are subject to public neglect and many risk factors. This study aims to analyze and debate issues about the risks of pesticide use, especially in family farming. To carry out the research, the integrative review methodology was applied, which provides ample information about a subject/problem, interweaving the conceptual basis with the latest developments. The results showed that family farmers are more vulnerable to the damage caused by pesticides than other rural groups. Some of these social actors are unaware of the damage that these products can cause or do not have adequate equipment to protect themselves. The highest exposures to these risks are found in developing countries. The annual poisoning notifications cannot be considered absolute numbers, because many cases happen in regions with difficult access to information. It is considered that for a change in the panorama, it is necessary to support other styles of more alternative agriculture, making the functioning of agro-ecosystems more resilient and ecological, that the responsible entities have measures based on more integrated approaches, which consider the socioeconomic, environmental and health context in which they are inserted, as well as promote information for the field, aiming at the quality of life of individuals, so important to society.

Author Biographies

Pedro Henrique da Silva Monteiro, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Engenheiro Agrônomo pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará (2017), Engenheiro de Segurança do Trabalho (2021), Especialista em Georreferenciamento de Imóveis Rurais (2018) e Mestre em Agronomia, com ênfase em Solos e Sistemas Integrados de Produção Agropecuária, pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (2021). Possui experiência nas áreas de Licenciamento Ambiental, Geoprocessamento e Agricultura de Precisão.

Larisse Medeiros Gonçalves, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

É Engenheira Agrônoma pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará (IFPA) (2017) e Mestra em Agronomia, com ênfase em Produção Vegetal (Diversificação e Manejo Sustentável de Hortaliças), pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) (2020). Especialista em gestão, licenciamento e auditoria ambiental (2018). Pós graduanda em Engenharia e Segurança do Trabalho. Atualmente, cursa doutorado no Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Regional (PPGDR) da UTFPR, a pesquisa em foco para tese engloba a articulação de redes agroecológicas diante o contexto pandêmico. É integrante e colaboradora de Grupo de Estudos de Sustentabilidade e Ambiente (http://www.pb.utfpr.edu.br/gepas/index.php). Ademais, também trabalha com facilitação, acompanhamento e indicadores de transição agroecológica em agroecossistemas familiares, cadeiras curtas de abastecimento, bem como temáticas acerca da Soberania Alimentar e Segurança Alimentar e Nutricional.

Luana Santos dos Santos, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Doutoranda em Desenvolvimento Regional pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (2021), Mestre em Agronomia pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (2021), Engenheira Agrônoma, pelo Instituto Federal do Pará (2019), Engenheira de Segurança do Trabalho (2020) e Auxiliar de Fiscalização Ambiental (2018). Foi bolsista de iniciação científica (CNPq) (2015/2016), bolsista do Programa de Educação Tutorial (PET) Agronomia (2015/2019) e bolsista na Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) (2019/2020). Atualmente é pesquisadora na Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). Atua sobre manejos agroecológicos, agricultura familiar, segurança alimentar, etnodesenvolvimento, etnoconhecimento e etnobotânica sobre plantas medicinais e saberes tradicionais.

Lígia Kochhan de Fraga, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Possui graduação em Nutrição pela Universidade Estadual do Centro-Oeste (2004), licenciatura em Ciências Biológicas pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (2014), graduação em Tecnologia em Gestão Pública pelo Instituto Federal do Paraná (2012) e mestrado em Engenharia de Alimentos pela Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (2013). Atualmente é Professora do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico no Instituto Federal do Paraná (IFPR), Câmpus Coronel Vivida e doutoranda pela UTFPR, PPGDR.

Marlete Turmina Outeiro, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Possui graduação em Pedagogia pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Palmas (1996), mestrado em Desenvolvimento Regional pela UTFPR/PATO BRANCO (2015) e mestrado em Ciências da Educação pela Universidade Politécnica e Artística do Paraguay (200

Adriane Rodrigues Zboralski, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Filha de Agricultores Familiares. Graduada em Agronomia pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR no ano de 2007. Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional, Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR, Câmpus Pato Branco, com projeto de pesquisa relacionado com o acesso e uso de Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs) pelas famílias em situação de vulnerabilidade social. Atualmente é Extensionista do Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná - IAPAR-EMATER (IDR - Paraná), atuou também, na Fundação de Apoio ao Desenvolvimento Rural (Fundação Terra) no convênio de Assistência Técnica, Social e Ambiental em Assentamentos da Reforma Agrária (convênio ATES - EMATER/INCRA) entre 2008 a 2012. Atuando principalmente no acesso e execução de Políticas Públicas de Promoção Social e cidadania, com prioridade no atendimento as famílias em Situação de Vulnerabilidade Social e populações tradicionais. Atuando em temas ligados a transição para a Agroecologia,melhorias sanitárias e Soberania Alimentar e Nutricional- SAN - produção para AUTOCONSUMO.

Wilson Itamar Godoy, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Professor Associado nível 3, atuando desde 1994 no Curso de Agronomia da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Campus Pato Branco. Graduado em Engenharia Agronômica pela UFSM (1981), especializado em Olericultura pela UFV(1990), Mestre em Fitotecnia pela UFRGS (1998) e Doutor em Agronomia pela UFPel (2005). Foi coordenador do curso de graduação em Agronomia da UTFPR e Diretor da DIREC (Diretoria de Relações Empresariais e Comunitárias). Foi Extensionista Rural durante 10 anos, em diversas cidades paranaenses na EMATER-PR(1982-1992). Docente Permanente do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional (PPGDR), da UTFPR, na Linha de Pesquisa Regionalidade e Desenvolvimento, no qual pesquisa e orienta no Mestrado e no Doutorado, os seguintes temas: Comunicação Rural, Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs), Extensão Rural, Feira-livre, Agricultura Familiar, Educação ambiental, Desenvolvimento Rural Sustentável, Agroecologia e Avaliação da sustentabilidade de Agroecossistemas. Líder do Grupo de Estudo e Pesquisa em Ambiente e Sustentabilidade (GEPAS). Publicou o livro ?As feiras-livres de Pelotas sob o império da globalização: perspectivas e tendências? e diversos outros artigos sobre o assunto. Revisor de periódicos: Revista Brasileira de Agroecologia, Revista Horticultura Brasileira, Ciência Rural, Revista de Economia e Sociologia Rural; Revista Redes, Revista GEPEC e a Revista Desenvolvimento Regional em Debate. Foi Tutor do Grupo PET-Agronomia (UTFPR, Pato Branco) durante 10 anos (ago 2009 / fev 2019). Coordenador de diversos eventos de Extensão Universitária no Sudoeste Paranaense. Atual coordenador do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional do Campus Pato Branco.

References

Abbasi-Jorjandi, M., Asadikaram, G., Abolhassani, M., Fallah, H., Abdollahdokht, D., Salimi, F., ... & Pournamdari, M. (2020). Pesticide exposure and related health problems among family members of farmworkers in southeast Iran. A case-control study. Environmental Pollution, 267, 115424.

Andin, A. R. A., Ashar, T., & Lubis, R. (2020). The Relationship between Personal Hygiene and Household Insecticide Use with Parkinsonism on Farmers at Juhar Ginting Sadanioga. Britain International of Exact Sciences (BIoEx) Journal, 2(1), 102-107.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. (2011). Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos (PARA): Relatório de Atividades de 2009.

Bach, M. A., Samms-Vaughan, M., Hessabi, M., Bressler, J., Lee, M., Zhang, J., ... & Rahbar, M. H. (2020). Association of polychlorinated biphenyls and organochlorine pesticides with autism spectrum disorder in Jamaican children. Research in Autism Spectrum Disorders, 76, 101587.

Barbosa, L. C. A. de (2004). Os pesticidas, o homem eo meio ambiente. UFV.

Borges, I. M. S., Almeida, R. L. J., Fernandes, A. C. G., da Silva, S. É., de Andrade Silva, M. L., Barros, U. I. G., ... & Freire, J. (2020). Family farming: analysis of sustainability through social economic and environmental indicators. Research, Society and Development, 9(4), 6.

Bohner, T. O. L., Araújo, L. E. B., & Nishijima, T. (2013). O impacto ambiental do uso de agrotóxicos no meio ambiente e na saúde dos trabalhadores rurais. Revista eletrônica do curso de direito da UFSM, 8, 329-341.

Borsoi, A., dos Santos, P. R. R., Taffarel, L. E., & Júnior, A. C. G. (2014). Agrotóxicos: histórico, atualidades e meio ambiente. Acta Iguazu, 3(1), 86-100.

Braibante, M. E. F., & Zappe, J. A. (2012). A química dos agrotóxicos. Química nova na escola, 34(1), 10-15.

BRASIL. (2016). Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Agricultura Familiar, 2016. Lei Federal n. 7.802, de 11 de julho de 1989. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l7802.htm acessado em: 12/10/2020.

BRASIL. (2015). Ministério do Trabalho e Emprego. Norma Regulamentadora 31 - Segurança e saúde no trabalho na agricultura, pecuária silvicultura, exploração florestal e aquicultura. Disponível em: https://www.gov.br/trabalho/pt-br/inspecao/seguranca-e-saude-no-trabalho/ctpp-nrs/norma-regulamentadora-no-31-nr-31. Acessado em: 12/10/2020.

BRASIL. (2018). Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador. Agrotóxicos na ótica do Sistema Único de Saúde / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador. Disponível em: <https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/agrotoxicos_otica_sistema_unico_saude_v2.pdf>. Acessado em: 12/10/2020.

Buralli, R. J., Ribeiro, H., Leão, R. S., Marques, R. C., & Guimarães, J. R. D. (2019). Data on pesticide exposure and mental health screening of family farmers in Brazil. Data in brief, 25, 103993.

Canal Rural. (2018). Quatro estados concentram quase 70% da produção de grãos do país. Disponível em: <https://canalrural.uol.com.br/noticias/quatro-estados-concentram-quase-producao-graos-pais-67407/>. Acesso em: 12/10/2020.

Carneiro, F. F. (2015). Dossiê ABRASCO: um alerta sobre os impactos dos agrotóxicos na saúde. EPSJV/Expressão Popular.

Caporal, F. R., & Azevedo, E. O. D. (2011). Princípios e perspectivas da agroecologia. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Paraná-Educação à Distância.

Cavalcante, D. L., & Rodrigues, F. É. F. (2020). Debate sobre agrotóxicos num curso de Ensino Superior. Cadernos de Agroecologia, 15(2).

CONAB. 2018. Companhia Nacional de Abastecimento. Relatório de grãos. Disponível em: <https://www.conab.gov.br/info-agro/safras/graos/boletim-da-safra-de-graos/item/download/16780_e7a4a52ee1db76ad1a8cfda9b2343c48 >. Acessado em: 12/10/2020.

BBC. 2020. British Broadcasting Corporation. Brasil é principal mercado de agrotóxicos 'altamente perigosos'. Disponível em:< https://www.bbc.com/portuguese/geral51597054#:~:text=O%20Brasil%20%C3%A9%20o%20pa%C3%ADs,de%20soja%2C%20milho%20e%20algod%C3%A3o.>. Acesso em: 20/10/2020.

Costa, L. F., & de Paula PIRES, G. L. (2016). Análise Histórica sobre a Agricultura e o Advento do Uso de Agrotóxicos no Brasil. Etic-Encontro De Iniciação Científica-ISSN 21-76-8498, 12(12).

Dallefi, N. M. S. da C., & Siqueira, F. A. O. (2017). Os impactos ambientais produzidos pelo uso de agrotóxicos e a responsabilidade civil. Revista Jurídica Luso Brasileira, n. 2, 701-736.

Ercole, F. F., Melo, L. S. D., & Alcoforado, C. L. G. C. (2014). Revisão integrativa versus revisão sistemática. Revista Mineira de Enfermagem, 18(1), 9-12.

Falcão, F. et al. 2013. Pesticide clippings. 239f. Informativo técnico – Secretaria de Vigilância e Atenção à Saúde do Trabalhador. Governo do Estado da Bahia. Disponível em:<http://www.saude.ba.gov.br/wp-content/uploads/2017/08/Clipping_Agrotoxico_2013.pdf>. Acesso em:13/10/2020.

FAO. 2014. Food and Agriculture Organization. The state of food insecurity in the world. Disponível em:< http://www.fao.org/3/a-i4030e.pdf> Acesso em:02/10/2020.

FIOCRUZ. 2020. Fundação Oswaldo Cruz. Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas (SINITOX). Casos Registrados de Intoxicação Humana por Agente Tóxico e Zona de Ocorrência. Brasil, 2017. Atualização de 2020. Disponível em:< https://sinitox.icict.fiocruz.br/sites/sinitox.icict.fiocruz.br/files//Brasil9_1.pdf >. Acesso em:15/10/2020.

Gonçalves, L. M. (2020). Avaliação de um agroecossistema em transição agroecológica (Master's thesis, Universidade Tecnológica Federal do Paraná).

INCA. 2020. Instituto Nacional do Câncer. Agrotóxicos: causas e prevenção. 2020. Disponível em: < https://www.inca.gov.br/exposicao-no-trabalho-e-no-ambiente/agrotoxicos>. Acesso em:13/10/2020.

IPEA. 2019. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Agrotóxicos no brasil: padrões de uso, política da regulação e prevenção da captura regulatória. Disponível em:< http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/9371/1/td_2506.pdf> Acesso em: 15/10/2020.

Lopes, C. A. (2017). É possível produzir alimentos para o Brasil sem agrotóxicos?. Ciência e Cultura, 69(4), 52-55.

Mehmood, Y., Arshad, M., Kaechele, H., Mahmood, N., & Kong, R. (2021). Pesticide residues, health risks, and vegetable farmers’ risk perceptions in Punjab, Pakistan. Human and Ecological Risk Assessment: An International Journal, 27(3), 846-864.

MAPA. 2018. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Monitoramento agrícola 2018. Disponível em: <https://www.conab.gov.br/info-agro/safras/graos/boletim-da-safra-de-graos/item/download/1291_40bc3f850bc23ec2d6ada18c7c98be5c>. Acessado em: 10/09/2020.

MAPA. 2019. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Alterações das classificações toxicológicas dos produtos formulados agrotóxicos. ATO nº 58, de 27 de agosto de 2019. Disponível em:<https://www.in.gov.br/web/dou/-/ato-n-58-de-27-de-agosto-de-2019-213474289>. Acesso em:10/10/2020.

Okuyama, J. H. H., Galvão, T. F., & Silva, M. T. (2020). Poisoning and associated factors to death from pesticides: case-control study, Brazil, 2017. Revista Brasileira de Epidemiologia, 23, e200024.

Pavani, N. D. (2016). Pesticidas: uma revisão dos aspectos que envolvem esses compostos. Trabalho de Conclusão de Curso (licenciatura-Química) -Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências.

Petarli, G. B., Cattafesta, M., Luz, T. C. D., Zandonade, E., Bezerra, O. M. D. P. A., & Salaroli, L. B. (2019). Exposição ocupacional a agrotóxicos, riscos e práticas de segurança na agricultura familiar em município do estado do Espírito Santo, Brasil. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 44.

Porto, M. F. D. S. (2018). The tragic “Poison Package”: lessons for Brazilian society and Public Health. Cadernos de saude publica, 34.

Ramos, M. L. H., da Silva Lima, V., da Silva, R. E., do Nascimento Nunes, J. V., & da Silva, G. C. (2020). Perfil epidemiológico dos casos de intoxicação por agrotóxicos de 2013 a 2017 no Brasil. Brazilian Journal of Development, 6(7), 43802-43813.

Ristow, L. P., Battisti, I. D. E., Stumm, E. M. F., & Montagner, S. E. D. (2020). Fatores relacionados à saúde ocupacional de agricultores expostos a agrotóxicos. Saúde e Sociedade, 29, e180984.

Santana, V. S., Moura, M. C. P., & Nogueira, F. F. (2013). Mortalidade por intoxicação ocupacional relacionada a agrotóxicos, 2000-2009, Brasil. Revista de Saúde Pública, 47, 598-606.

Schlosser, J. F., Martini, A. T., Farias, M. S. D., Bertollo, G. M., Santos, G. O. D., Barbieri, J. P., ... & Negri, G. M. (2017). Regulagem, calibração, estado de conservação e uso de pulverizadores agrícolas no estado do Rio Grande do Sul. 1 ed.

Schneider, S. (2016). A presença e as potencialidades da agricultura familiar na América Latina e no Caribe. Redes: revista do desenvolvimento regional. Santa Cruz do Sul, RS. Vol. 21, n. 3, pt. 2 (set./dez. 2016), p. 11-43.

SINDAG. 2017. Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Agrícola. Boletins de Estatísticas de Mercados de agrotóxicos. São Paulo, 1995–2007. 2017. Disponível em: < http://www.sindag.org.br/>. Acesso em: Acesso em: 15/08/2020.

SINAN. 2019. Sistema de Informação de Agravos de Notificação. Normas e rotinas. DATASUS, Ministério da Saúde. 2019. Disponível em: <http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?sinannet/cnv/Intoxbr.def>. Acesso em: 20/08/2020.

Silvério, A. C. P., Martins, I., Nogueira, D. A., Mello, M. A. S., Loyola, E. A. C. D., & Graciano, M. M. D. C. (2020). Assessment of Primary Health Care for rural workers exposed to pesticides. Revista de saude publica, 54, 09.

Tittonell, P. (2020). Assessing resilience and adaptability in agroecological transitions. Agricultural Systems, 184, 102862.

Toledo, E. N. B., & Zonin, V. J. (2020). Agricultura familiar em busca de renda monetária e a relativização da sustentabilidade. COLÓQUIO-Revista do Desenvolvimento Regional, 17(4), 140-167.

Tourinho, R., Portela, G. 2016. Pressão política dificulta redução do uso de agrotóxicos no Brasil. Disponível em: < https://www.icict.fiocruz.br/content/press%C3%A3o-pol%C3%ADtica-dificulta-redu%C3%A7%C3%A3o-do-uso-de-agrot%C3%B3xicos-no-brasil>. Acesso em: 10/08/2020.

Upadhayay, J., Rana, M., Juyal, V., Bisht, S. S., & Joshi, R. (2020). Impact of pesticide exposure and associated health effects. Pesticides in crop production: physiological and biochemical action, 69-88.

Wang, J., Xue, J., Jiang, Y., Zhu, T., & Chen, S. (2020). Mediating effects of depressive symptoms on social support and quality of life among rural older Chinese. Health and Quality of Life Outcomes, 18(1), 1-8.

Wanderley, M. D. N. B. (2009). O agricultor familiar no Brasil: um ator social da construção do futuro. Revista Agriculturas: experiências em Agroecologia. RJ: Rio de Janeiro.

WHO. 2020. World Health Organization. Bulletin of the World Health Organization. Disponível em:< https://www.who.int/bulletin/volumes/86/3/07-041814/en/>. Acesso em:10/10/2020.

WHO/FAO. 2014. World Health Organization Food and Agriculture Organization of the United Nations. The International Code of Conduct on Pesticide Management. 2014. Disponível em:< http://www.fao.org/3/i3604e/I3604E.pdf>. Acesso em:12/09/2020.

Published

03/08/2021

How to Cite

MONTEIRO, P. H. da S. .; GONÇALVES, L. M. .; SANTOS, L. S. dos .; FRAGA, L. K. de .; OUTEIRO, M. T. .; ZBORALSKI, A. R. .; GODOY, W. I. . The dangers of pesticides for farming families - An integrative review. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 9, p. e58510918414, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i9.18414. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/18414. Acesso em: 17 sep. 2021.

Issue

Section

Review Article