Historical and Epistemological Reflections on the trajectory of science and its implications for science teaching: Contributions from the study of STS themes in the light of HFC in favor of overcoming distorted images of scientific work

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i9.18422

Keywords:

Epistemology of Science; History and Philosophy of Science; STS; Science teaching.

Abstract

The empirical-inductivist paradigm of science was important for humanity to experience a rapid expansion of its horizons of knowledge. However, over time, this way of conceiving scientific work led individuals to establish mistaken and simplistic beliefs about scientific work and the role of science. From this perspective, the overcoming of distorted views of science by social individuals permeates the understanding, analysis and critical reflection of the external conditions that have guided scientific and technological development so far. Therefore, this manuscript aims, through a theoretical and reflective study, to conjecture about the history, foundations and evolution of scientific knowledge. We will start our journey through the Modern Age, where we will seek to highlight the characteristics and differences between the dominant philosophical currents that followed until the mid-nineteenth century. Next, we will enter the 20th century, where we will highlight the contributions of some of the main contemporary philosophers who, through their theories, sought to establish a more critical view of the production of scientific knowledge and the role of Science. Finally, we will address the contributions of a possible association between STS education and History and Philosophy of Science (HFC), as an approach to science teaching capable of contemplating the historical and philosophical dimension of scientific knowledge, considering its social implications, cultural, technological and political.

References

Almeida, A. V. & Farias, C. R. O. (2016). A natureza da Ciência na formação de professores: reflexões a partir de um curso de licenciatura em Ciências Biológicas. Investigações Em Ensino de Ciências, 16(3), 473–488.

Andrade, S. A. & Piva, T. C. de C. (2011). A influência do positivismo no ensino científico brasileiro. In Scentiarum Historia IV (pp. 681–687). HCTE/UFRJ.

Araújo, A. B. & Silva, M. A. da. (2012). Ciência, Tecnologia e Sociedade; trabalho e educação: possibilidades de integração no currículo da educação profissional tecnológica. Ensaio Pesquisa Em Educação Em Ciências (Belo Horizonte), 14(1), 99–112.

Araujo, R. R. (2010). Os paradigmas da ciência e suas influências na constituição do sujeito: a intersubjetividade na construção conhecimento. In M. R. R. M. de (org. Camargo & V. C. C. dos S. (colab. . Santos (Eds.), Leitura e escrita como espaços autobiográficos de formação (pp. 91–103). São Paulo: Editora da UNESP.

Auler, D. & Bazzo, W. A. (2001). Reflexões para a implementação do movimento CTS no contexto educacional brasileiro. Ciência & Educação (Bauru), 7(1), 1–13.

Bachelard, G. (2006). A epistemologia. (F. L. Godinho & M. C. (trad. . Oliveira, Eds.). Lisboa: Edições 70. Retrieved from https://marcosfabionuva.files.wordpress.com/2011/08/a-epistemologia.pdf

Bolshaw, M. (2015). Breve história da epistemologia. Temática, 11(12), 16–25.

Bueno, A. de P. (2016). La construcción del conocimiento cientifico y los contenidos de ciencias. In M. P. J. Aleixandre, A. Caamaño, A. Oñorbe, E. Pedrinaci, & A. de P. Bueno (Eds.), Enseñar ciencias (9th ed., pp. 33–54). Barcelona: Graõ.

Cachapuz, A. F. C. et al., (2005). A necessária renovação para o ensino de Ciências. São Paulo: Cortez.

Cavalcanti, A. D. S. (2014). Olhares epistemológicos e a pesquisa educacional na formação de professores de ciências. Educação e Pesquisa, 40(4), 983–998. h

Chassot, A. (2006). Alfabetização científica: questões e desafios para a educação (4th ed.). Ijuí: Unijuí.

Chaves-Filho, M. M. de F. & Chaves, S. M. L. de F. (2000). A ciência positivista: o mundo ordenado. Iniciação Científica Cesumar, 2(2), 69–75.

Comte, A. (1978). Curso de filosofia positiva. In J. A. (org. ). Giannotti (Ed.), Pensadores. São Paulo: Abril Cultural.

Costa, F. R. da S., Zanin, A. P. de S., Oliveira, T. A. L. de, & Andrade, M. A. B. S. de. (2017). As visões distorcidas da natureza da ciência sob o olhar da história e filosofia da ciência: uma análise nos anais dos ENEQ e ENEBIO de 2012 e 2014. ACTIO: Docência Em Ciências, 2(2), 4.

Damião, A. P. (2018). O Renascimento e as origens da ciência moderna: Interfaces históricas e epistemológicas. História Da Ciência e Ensino: Construindo Interfaces, 17(0), 22.

Ferrari, M. (2008). Herbert Spencer, o ideólogo da luta pela vida. Nova Escola.

Garcia, J. P. (2013). Embates teórico-filosóficos entre Thomas Kuhn e Karl Popper: como pensar a atividade científica hoje.

Gil-Pérez, D., Montoro, I. F., Alís, J. C., Cachapuz, A. & Praia, J. (2001). Para uma imagem não deformada do trabalho científico. Ciência & Educação (Bauru), 7(2), 125–153.

Goldfarb, D. P. et al., (2012). A filosofia da ciência em Auguste Comte: desvencilhando o pensamento comtiano de malentendidos históricos. Revista Inquietude, 3(2), 33–55.

Iskandar, J. I. & Leal, M. R. (2017). Sobre positivismo e educação. Revista Diálogo Educacional, 3(7), 89–94.

Kuhn, T. S. (1998). A estrutura das revoluções científicas (5th ed.). São Paulo: Editora Perspectiva.

Laburú, C. E., Arruda, S. de M. & Nardi, R. (1998). Os programas de pesquisa de Lakatos: uma leitura para o entendimento da construção do conhecimento em sala de aula em situações de contradição e controvérsia. Ciência & Educação, 5(2), 23–38.

Lakatos, I. (1989). La metodología de los programas de investigación científica. Madrid: Alianza Editorial.

Lopes, A. R. C. (1996). Bachelard: o filósofo da desilusão. Caderno Catarinense de Ensino de Física, 13(3), 248–273.

Mairinque, I. das M. & Silva, M. F. de A. (2013). Karl Popper e a teoria dos Mundos de Platão. Metanoia, (5), 7–17.

Marandino, M. (2002). Tendências teóricas e metodológicas no Ensino de Ciências. São Paulo, USP.

Masón, N. T., & Moreira, M. A. (2007). Um estudo exploratório sobre a contribuição de visões epistemológicas contemporâneas na transformação das concepções de professores de física atuantes. TED: Tecné, Episteme y Didaxis, (22), 5–31.

Massoni, N. T. (2005). Epistemologias do século XX. Porto Alegre: UFRGS, Instituto de Física, Programa da Pós- Graduação em Ensino de Física.

Modena, E. (2015). O surgimento da Ciência/Filosofia moderna e a construção de uma concepção utilitarista da natureza. Geografia Em Atos (Online), 1(15), 1–14.

Monge, M. A. & Camacho, M. N. (2017). Epistemología, Ciencia y Educación Científica: premisas, cuestionamientos y reflexiones para pensar la cultura científica. Revista Actualidades Investigativas En Educación, 17(3), 1–20.

Morin, E. (1986). Para sair do seculo XX. Rio de Janneiro: Nova Fronteira.

Morin, E. (2000). Os sete saberes necessários à educação do futuro. (E. de A. Carvalho, Ed.) (2.). São Paulo: Cortez.

Morin, E. (2003). A cabeça bem feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. (Eloá Jacobina, Ed.) (8th ed.). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Morin, E. (2007). Introdução ao pensamento complexo (Vol. 1). Porto Alegre: Sulina.

Moura, B. A. (2014). O que é natureza da Ciência e qual sua relação com a História e Filosofia da Ciência? Revista Brasileira de História Da Ciência, 7(1), 32–46.

Oliveira, C. G. (2010). A matriz positivista na educação brasileira: uma análise das portas de entrada no período republicano. Diálogos Acadêmicos - Revista Eletrônica Da Faculdade Semar/Unicastelo, 1(1), 1–17.

Oliveira, R. R. & Alvim, M. H. (2017). Elos possíveis entre a História das Ciências e a educação CTS. Khronos, Revista de História Da Ciência, (4), 58–71.

Popper, K. (1982). Conjecturas e refutações. Brasília: Editora da UnB.

Popper, K. (2002). A lógica da pesquisa científica. (E. Cultrix, Ed.). São Paulo.

Portela-Filho, R. N. A. (2010). A epistemologia histórica de Gaston Bachelard. Revista Pesquisa Em Foco: Educação e Filosofia, 3(3), 101–109.

Portugal, C. A. (2002). Discussão sobre empirismo e racionalismo no problema da origem do conhecimento. Diálogos e Ciência, (1), 1–19.

Ribeiro, W. C., Lobato, W., & Liberato, R. de C. (2010). Paradigma tradicional e paradigma emergente: algumas implicações na educação. Ensaio Pesquisa Em Educação Em Ciências (Belo Horizonte), 12(1), 27–42.

Rufatto, C. A., & Carneiro, M. C. (2009). A concepção de ciência de Popper e o ensino de ciências. Ciência & Educação (Bauru), 15(2), 269–289. https://doi.org/10.1590/s1516-73132009000200003

Sampieri, R. H., Fernández-Collado, C., Lucio, P. B. (2006). Metodología de la investigación. (4th ed.) Cidade do México: McGraw-Hill Iteramericana.

Silva, F. R. (2020). As abordagens CTS/CTSA e alguns desafios atuais do ensino de ciências. In: Laurindo, A. P.; Silva, J. A. P.; Neves, M. C. D. (orgs). Educação para a ciência e CTS: um olhar interdisciplinar. Coleção Singularis, v. 10. Ponta Grossa, Texto e Contexto, 11-22.

Silva, F. A. da. (2017). A Revolução Copernicana na filosofia de Kant: breves considerações a partir do prefácio da segunda edição da Crítica da Razão Pura. Revista Enciclopédia de Filosofia, 6(0), 22–35.

Silveira, F. L. (1996). A metodologia dos programas de pesquisa: a epistemologia de Imre Lakatos. Caderno Catarinense de Ensino de Física, 13(3), 219–230.

Silveira, F. L. (2002). A teoria do conhecimento de Kant: o idealismo transcendental. Cat. Ens. Fís., V, 19, 28–51.

Silvino, A. M. D. (2007). Epistemologia positivista: qual a sua influência hoje? Psicologia: Ciência e Profissão, 27(2), 276–289.

Souza, D. C. de. (2020). O positivismo de auguste comte e a educação científica no cenário brasileiro. Revista REAMEC, 8(1), 29–42.

Strieder, R. B. (2012). Abordagens CTS na educação científica no Brasil: sentidos e perspectivas. Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da Universidade de São Paulo.

Tesser, G. J. (1994). Principais linhas epistemológicas contemporâneas. Educar Em Revista, (10), 91–98.

Triviños, A. N. S. (1987). Introdução à pesquisa em ciências sociais: à pesquisa em educação. São Paulo: Editora Atlas S.A.

Published

02/08/2021

How to Cite

VILELA, M. V. F.; ROCHA, E. F. da; SILVA, V. C. da; CASTRO, E. B. de .; ARAUJO, C. S. O. de . Historical and Epistemological Reflections on the trajectory of science and its implications for science teaching: Contributions from the study of STS themes in the light of HFC in favor of overcoming distorted images of scientific work. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 9, p. e55410918422, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i9.18422. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/18422. Acesso em: 26 oct. 2021.

Issue

Section

Education Sciences