Women in sciences: a comparative evaluation between four university courses

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i12.18428

Keywords:

Women in science; women in science; natural sciences and mathematics; Natural sciences and mathematics; gender; Gender.

Abstract

“Natural sciences and mathematics are dominated by men!” Statements like this led us to seek data that could refute or confirm it. For this reason, the present work presents an analysis of the percentage of education of students at the Federal Rural University of Rio de Janeiro in Physics, Licentiate and Bachelor's Degree in Mathematics, Mathematics/Computer, Chemistry and Biology, between 1989 and 2015. The analysis of these data is not limited only to the exploration of the number of graduates, but also to the data related to the number of teachers, as we seek throughout the text to understand issues such as compatibility - or the lack of it between the numbers of women and men graduates and the current faculty of the analyzed courses. Along this route, the discrepancy of the results was shown, between the predominant gender of graduate students and professors in each of the courses, in an attempt to alert the reader to an exclusive process, based on gender (cisgender men and women), recurrent in academic levels following graduation.

References

Abc - Academia Brasileira de Ciências. (2020). Ronald Shellard: “a pouca presença feminina na física não reflete a proporção das mulheres na sociedade”. https://is.gd/0Vc3ZA.

Assis, E. S. (2020). As relações de gênero na licenciatura em matemática. Revista RBBA, 9(1): 54-78.

Andrade, T. (2016). Mulheres no mercado de trabalho: onde nasce a desigualdade? Brasília: Câmara dos Deputados - Estudo Técnico.

Barreto, A. (2014). A mulher no ensino superior distribuição e representatividade. Cadernos do GEA, 6: 5-45.

Barroso, C. L. M.; Mello, G. N. O. (1975). Acesso da mulher ao ensino superior brasileiro. Caderno de pesquisa, 15: 47-77.

Beltrão, K. I.; Alves, J. E. D. (2009). A reversão do hiato de gênero na educação brasileira no século XX. Caderno de Pesquisa, 39(136): 125-156.

BD - Brasil Debate. (2014). Matrículas no ensino superior crescem 52% de 2003 a 2012. https://is.gd/M4d5aA

Brasil (2001). Lei n. 10.224, de 15 e maio de 2001. Altera o Decreto-Lei no 2.848, de 7 de dezembro de 1940 – Código Penal, para dispor sobre o crime de assédio sexual e dá outras providências. https://is.gd/bUWZhw

Bristot, P. C.; Bozzebon, E.; Frigo, L. B. (2017). A Representatividade das Mulheres nos Games. Proceedings of SBGames 2017. p. 862-871.

Cartaxo, S. M. C. (2012). Gênero e ciência: um estudo sobre as mulheres na Física. [Dissertação de Mestrado, Universidade Estadual de Campinas].

Cunha, U. F. C.; Miranda, C. M.; Rambo, M. K. D. (2020). Mulheres nas ciências exatas e tecnologias: um olhar para a Universidade Federal do Tocantins – UFT na perspectiva de gênero. Revista Humanidades e Inovação, 7(2): 276-289.

Daniel, C. (2011). O trabalho e a questão de gênero: a participação de mulheres na dinâmica do trabalho. O Social em Questão, 14(25/26): 323-344.

Gorziza, A.; Piltcher, A. S.; Buono, R. (2021). Brasil tem mais docentes mulheres do que homens. https://is.gd/VEZDmh

Ibge - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2020a). Quantidade de homens e mulheres. https://is.gd/fCpcuv.

Ibge - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2020b). Mulheres brasileiras na educação e no trabalho. https://is.gd/1Wll1B.

Leone, E. T.; Baltar, P. (2006). Diferenças de rendimento do trabalho de homens e mulheres com educação superior nas metrópoles. Revista brasileira de estudos populares, 23(2): 355-367.

Leone, E. T.; Portilho, L. (2018). Inserção de mulheres e homens com nível superior de escolaridade no mercado de trabalho brasileiro. Temáticas, 26(52): 227–246.

Lima, F. I. A. et al. (2017). A influência da construção de papeis sociais de gênero na escolha profissional. Revista Brasileira de Psicologia e Educação, 19(1): 33-50.

Londero, L.; Sorpreso, T. P.; Santos, D. M. (2014). Mulheres na licenciatura em física: uma permanência limitada. Revista Tecné, Episteme y Didaxis, Extraordinario: 381-389.

Naidek, N. et al. (2020). Mulheres cientistas na química brasileira. Química Nova, 43(6): 823-836.

Onu - Organização das Nações Unidas. (2015). Objetivo 4: Educação de Qualidade. https://is.gd/PIfDje.

Saitovitch, E. B.; Lima, B. S.; Barbosa, M. C. (2015). Mulheres na Física: Uma análise quantitativa. https://is.gd/siefS5.

Santos, M.; Tortato, C. S. B. (2018). Ciências Biológicas: mais mulheres, menos preconceito? Cadernos de Gênero e Tecnologia. 11(37): 40-59.

Sigaa - Sistemas Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas. (2021). Pesquisa do corpo docente dos departamentos da UFRRJ. https://is.gd/qTbtP9.

Souza, M. L. R. S. (2015). Gênero e escolha profissional. [Monografia de Especialização, Universidade de Brasília].

Souza, A. B.; Salgado, T. D. M. (2017). Diferenças entre gênero na carreira do técnico em química: dos bancos escolares à atuação. Revista Thema, 14(3): 37-49.

Ufrrj - Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. (2020). Relatório de Concluintes.

Venturini, A. C. (2017). A presença das mulheres nas universidades brasileiras: um panorama de desigualdade. Anais do Mundos de Mulheres & Fazendo Gênero. p. 1-15. Recuperado de: https://is.gd/ip4n7O

Published

13/09/2021

How to Cite

INOCÊNCIO, T. de O.; DIAS , A. C. L. .; MACHADO, N. A. .; CRUZ, F. A. de O. . Women in sciences: a comparative evaluation between four university courses. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 12, p. e58101218428, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i12.18428. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/18428. Acesso em: 14 apr. 2024.

Issue

Section

Human and Social Sciences