Floral therapy and its representation social for teachers of a university center

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i9.18454

Keywords:

Floral therapy; Social representations; University professors.

Abstract

Objective: To analyze the contents that integrate the social representation of flower essence therapy in its structural analysis for professors at a university center. Methodology: This is a qualitative, descriptive and exploratory study, based on the Theory of Social Representations in its structural approach with 66 university professors from a University Center located in the city of Niterói, Rio de Janeiro. A sociodemographic questionnaire and the technique of free evocation of the inducing term “Floral Therapy” via Google Forms were collected. Inclusion criteria: Voluntary participation by signing the Informed Consent Form (TCLE). Results and Discussion: The group understands flower essence therapy as something from nature, through the use of essences, with alternative potential for treatment. The term nature and essence, present in the possible central nucleus, is reinforced by the other peripheries, as confirmed by the similarity analysis, which shows nature as the element with the strongest connections in the representation. Conclusion: There is a lack of studies on the subject, reinforcing the importance of more publications, training and training of professionals for the use of this practice already legally authorized to be carried out in the Unified Health System.

References

Alaya, D. B. Abordagens filosóficas e a teoria das representações sociais. Teoria das representações sociais, 50, 261-81, 2019.

Araújo, C. L. F. et al. (2015). Conhecimento e expectativas das pessoas que vivem com HIV/ Aids sobre as terapias complementares em saúde. In: VHI/sida: Experiências da doença e cuidados em saúde, Rio de Janeiro: Edições Humus.

Batistela, C. E. et al. (2021). Efetividade da terapia floral para redução de sintomas de ansiedade em universitários: ensaio clínico randomizado. Research, Society and Development. 10(1), e44710111926.

Botelho, S. H. & Soratto, M. T. (2012). A terapia floral no controle do estresse do professor enfermeiro. Saúde Rev. 12(31), 31-42. https://www.metodista.br/revistas/revistas-unimep/index.php/sr/article/ download/1055/934.

Brasil. Ministério da Saúde. (2006). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no Sistema Único de Saúde (PNPIC/SUS). Ministério da Saúde.

Bach, E. (2006). Os remédios florais do Dr. Bach incluindo cura-te a ti mesmo. Pensamento.

Camargo, B. V. & Justo, A. M. (2013). Iramuteq: um software gratuito para análise de dados textuais. Temas em Psicologia, 21(2), 513-518. 10.9788/TP2013.2-16.

Camargo, B. V. & Justo, A. M. (2017). Tutorial para uso do software iramuteq (interface de r pour les analyses multidimensionnelles de textes et de questionnaires). Laboratório de Psicologia Social da Comunicação e Cognição – UFSC.

Cruvinel, R. H. J. et al. (2019). Níveis de estresse e variabilidade da frequência cardíaca em professores universitários. Revista Interdisciplinar de Estudos em Saúde, 9, 73–82.

Ferreira, N. V. et al. (2017). Utilização De Florais De Bach Na Psicoterapia Holística. Saúde.com, 13, 770–778.

Goswani, A. (2018). Consciência quântica: uma nova visão sobre o amor, a morte e o sentido da vida. Aleph.

Henrique, R. et al. (2019). Níveis de estresse e variabilidade da frequência cardíaca em professores universitários. Revista Interdisciplinar de Estudos em Saúde, 73-82.

Mendes E. V. (2012). O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: o imperativo da consolidação da estratégia da saúde da família. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde.

Moscovici, S. (1978). Social cognition: perspectives on everyday understanding. London (UK): Academic Press.

Patricio M. Z. (1992). Repensando paradigmas de saúde. Texto Contexto Enferm; 142-51.

Pinto, R. H. et al. (2020). Efeito da terapia floral no estresse docente: ensaio clínico randomizado. Reme Revista Mineira de Enfermagem, v. 24, p. 1–8.

Sá, C. P. (2002). Núcleo central das representações sociais. (2a ed.), Vozes.

Salomé, G. M.. et al. (2020). Sentimentos vivenciados pelos profissionais de enfermagem que atuam em unidade de emergência. Rev. bras. enferm., 62, 856-862.

Scheffer, M. (1997). Terapia floral do Dr. Bach: teoria e prática. (7a ed.), Pensamento.

Tesser, C. D., & Luz, M. T. (2008). Racionalidades médicas e integralidade. Ciên. Saude Colet., 13, 195-206.

Vasconcelos, E. M. R. (1997). Uso dos Florais de Bach por indivíduos na terceira idade em fase depressiva: assistência de enfermagem. Universidade Federal da Paraíba.

Valente, M. J. C. (2011). A motivação dos pacientes no uso dos florais de Bach como prática complementar em tratamentos de saúde.

Wolter, R. P., Wachelke, J., & Naiff, D. (2016). A abordagem estrutural das representações sociais e o modelo dos esquemas cognitivos de base: perspectivas teóricas e utilização empírica. Temas em Psicologia.

Published

31/07/2021

How to Cite

FRANÇA, L. C. M.; GOMES, A. M. T. .; DIB, R. V. .; COUTO, P. L. S. .; NOGUEIRA, V. P. F. .; PAES, L. da S. .; MORAES , L. A. M. de .; GOMES, J. R. da S. . Floral therapy and its representation social for teachers of a university center. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 9, p. e48010918454, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i9.18454. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/18454. Acesso em: 20 sep. 2021.

Issue

Section

Health Sciences