Transformations observed by social actors in the Igarapé-Miri (PA) floodplain from the increase of the açaí production (Euterpe oleracea Mart.)

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i10.18548

Keywords:

Riverside dwellers; Floodplain transformations; Socio-environmental impacts.

Abstract

The production of açaí (Euterpe oleracea Mart), which in the early 1990s was basically extractive, became the main occupation and source of income for the riverside dwellers from Pará state, leading to a new form of social organization and countless transformations in their territory. To better understand this process, this work sought to evaluate, through the eyes of these subjects, the changes perceived from the expansion and consolidation of açaí in the floodplain of the municipality of Igarapé-Miri. To achieve this goal, the cognitive maps methodology was used, as it is an effective tool in qualitative research, both in data collection and in the presentation of results, graphically distributing the links between the middle and end concepts informed by the respondents. At last, the maps proved to be efficient and adequate to the purpose in question, as they allowed the verification of the main changes perceived by the decision makers and to classify them as positive or negative, attributing values and weights individually. It was concluded that the current production of açaí follows a model that seeks greater financial returns and that is above environmental awareness: while on the one hand, economic transformations are considered positive in the vast majority of cases, on the other hand, the transformations in the environment are completely opposite.

Author Biographies

Benedito de Brito Almeida, Universidade Federal do Pará

Mestrado (Interdisciplinar) em Cidades Territórios e Identidades pela Universidade Federal do Pará (UFPA) Campus Abaetetuba. Especialista em Ensino de Biologia pela Faculdade Martins/FAMART-MG. Graduado em Licenciatura Plena em Educação do Campo (Ênfase em Ciências Naturais) pela UFPA - Campus Abaetetuba.

Yvens Ely Martins Cordeiro, Universidade Federal do Pará

Doutorado em Ciências Agrárias, Área de Concentração Agro ecossistemas da Amazônia, pela Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA/EMBRAPA). Mestrado em Ciências Agrárias, Área de Concentração em Biologia Vegetal Tropical, pela UFRA. Graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Pará (UFPA). Atualmente, é Professor Adjunto II, da UFPA, atuando principalmente na pesquisa, ensino e extensão na área da educação, meio ambiente e agricultura familiar, e docente permanente do Programa de Pós Graduação em Cidades, Território e Identidades (PPGCITI/ UFPA)

Norma Ely Santos Beltrão, Universidade do Estado do Pará

Estágio Pós-doutoral em Sensoriamento Remoto na Faculdade de Ciências da Universidade do Porto (FCUP), Portugal. Doutorado em Economia Agrícola na Justus-Liebig-Universität Giessen na Alemanha, reconhecido pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) como Doutorado em Desenvolvimento Rural. Mestrado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Graduada em Engenharia Civil pela Universidade Federal do Pará (UFPA). É professora efetiva da Universidade do Estado do Pará (UEPA) e docente permanente do Programa de Pós-graduação em Ciências Ambientais (PPGCA/UEPA).

Francinei Bentes Tavares, Universidade Federal do Pará

Doutor em Sociologia, pela Universidade Federal do Rio Grade do Sul (UFRGS). Mestre em Desenvolvimento Rural pela UFRGS. Graduado em Licenciatura em Ciências Agrárias pela Universidade Federal do Pará (UFPA). Professor Adjunto IV da UFPA - Campus Universitário do Baixo Tocantins / Abaetetuba (CUBT). Docente vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Cidades, Territórios e Identidades (PPGCITI).

Ronaldo Lopes de Sousa, Universidade Federal do Pará

Doutorado em Biologia de Agentes Infecciosos e Parasitários pela Universidade Federal do Pará (2017). Atualmente é professor Adjunto I da Universidade Federal do Pará. Atua no Curso Licenciatura Educação do Campo-Ciências Naturais. Tem experiência na área de Animal, com ênfase em Ciências Biológicas, Etnobotânica, Virologia e Biologia Molecular.

Afonso Welliton de Sousa Nascimento, Universidade Federal do Pará

Doutor em Educação pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Professor da Universidade Federal do Pará (UFPA), Brasil. Atua no Programa de Pós-Graduação em Cidades, Territórios e Identidades - PPGCITI/UFPA. Líder do Grupo de Estudos e Pesquisa em Sociedade, Estado e Educação.

References

Bastos, A. V. B. (2002). Mapas cognitivos e a pesquisa organizacional: explorando aspectos metodológicos. Estudos de psicologia, 7, 65-77.

Batista, K. T. (2013). Avaliação da sustentabilidade de agro ecossistemas familiares agroextrativistas de açaizeiros na região das ilhas do município de Cametá, Pará. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Pará-UFPA, Belém, Brasil.

Carvalho, R. C. (2018). Recuperação florestal em açaizais de várzea submetidos ao manejo intensivo no estuário amazônico. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Pará-UFPA.

Coelho, F. P., Jr. (2018). Estrutura de governança no arranjo produtivo local do açaí no município de Igarapé-Miri. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Pará.

Corrêa, R. B. (2016, julho) A produção do açaí na Amazônia Tocantina: perspectiva para o desenvolvimento regional. In: Anais do 180 Encontro Nacional de Geógrafos.

Cossette, P., & Audet, M. (1992). Mapping of an idiosyncratic schema. Journal of Management Studies, 29(3), 325-47.

Costa, F. A. (1992). Ecologismo e Questão Agrária na Amazônia. NAEA.

Costa, F. A. (2000). Formação agropecuária da Amazônia: os desafios do desenvolvimento sustentável. NAEA.

Cunha, E. M. (2006). Mutirão e trabalhadoras de Igarapé-Miri: açaí como alternativa econômica no contexto de gênero. NAEA.

Eden, C. (200$) Analyzing cognitive maps to help structure issues or problems. Journalof Operational Research,159(3), 673-686.

Ensslin, L., Montibeller G., & Noronha, S. M. (2001). Apoio à decisão: metodologias para estruturação de problemas e avaliação multicritério de alternativas. Florianópolis, SC: Insular.

Fernandes, B. M. (2009). Sobre a tipologia dos territórios. In: M. A. Saquet & E. S. Spósito (Org.), Territórios e territorialidade: teorias, processos e conflitos. (1a. ed., Cap. 9, pp. 197-216). Expressão Popular.

Ferreira, R. T. B., Branquinho, M. R., & Leite, P. C. (2014). Transmissão oral da doença de Chagas pelo consumo de açaí: Um desafio para a Vigilância Sanitária. Visa em Debate, 2(04):4-11

Furtado, C. (1974). O mito do desenvolvimento econômico. Paz e Terra.

Gohn, M. G. (2008). O protagonismo da sociedade civil: movimentos sociais, ONGs e redes solidárias. (2a. ed.) Cortez.

Hébette, J., Magalhãs, S.B., & Maneschy, M. C. (Org.). (2002). No mar, nos rios e na fronteira: faces do campesinato no Pará. EDUFPA.

Homma, A. K. O., Nogueira, O. L., Menezes, A. J. E. A., Carvalho, J. E. U., & Nicoli, C. M. L. (2014). Açaí: novos desafios e tendências. In: A. K. O. Homma (Org.). Extrativismo vegetal na Amazônia: história, ecologia, economia e domesticação. (1a. ed. Cap. 7, pp.133-148) Brasília, DF: Embrapa.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2019). Cidades. https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pa/igarape-miri/panorama.

Lei n. 12.651, de 25 de maio de 2012. (2012). Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa, altera as Leis nºs 6.938, de 31 de agosto de 1981, 9.393, de 19 de dezembro de 1996, e 11.428, de 22 de dezembro de 2006, revoga as Leis n. 4.771, de 15 de setembro de 1965, e 7.754, de 14 de abril de 1989, e a Medida Provisória n. 2.166-67, de 24 de agosto de 2001, e dá outras providências. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2012/Lei/L12651.htm

Lima, W. P., & Zakia, M. J. B. (2004). Hidrologia de matas ciliares. In: R. R. Rodrigues, & H. F. Leitão-Filho (Ed.), Matas Ciliares: Conservação e recuperação. (2a. ed., Cap. 3, pp. 33-44). EDUSP.

Lopes, M. L. B. (2003). Distribuição dos retornos sociais do manejo do açaí no Estado do Pará. In: H. Graça (Org.), O meio Amazônico em desenvolvimento: exemplos de alternativas econômicas. (pp. 19-46), Banco da Amazônia.

Martinot, J. F., Pereira, H. S., & Silva, S. C. P. (2017). Coletar ou Cultivar: as escolhas dos produtores de açaí-da-mata (Euterpe precatória) do Amazonas. Revista de Economia e Sociologia Rural, 55 (04), 751-766.

Miranda, A. A. B. (2013, agosto). As inter-relações campo-cidade: do modelo clássico aos novos desafios. In: Anais da 6a Jornada Internacional de Políticas Públicas.

Mizoguti, I. L., Koiama, J. R., & Passos, J. S. Doença de Chagas: A culpa é do Açaí? (Boletim Informativo). USP, 2018.

Nascimento, S. V. (2017). Igarapé-Miri: a passagem da escravidão ao trabalho livre, numa região de engenhos (Grão-Pará: 1843-1888). (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Pará, Belém, Brasil.

Nogueira, A. K M., Santana, A. C., & Garcia, W. S. (2013). A dinâmica do mercado de açaí fruto no Estado do Pará: de 1994 a 2009. Rev. Ceres. Viçosa, 60(3), 324-331.

Nogueira, O. L., Figueiredo, F. J. C., & Muller, A. A. Açaí: manejo de cultivo. (Sistema de Produção, 4). Belém: EMBRAPA, 2005.

Presser, A., Merino, G., & Braviano, G. (2016). Desenvolvimento de Identidades Visuais: Um mapa cognitivo sobre a tomada de decisões. Revista Razón y Palabra, 20(94),1088-1099.

Reis, A. A. (2008). Estratégias de desenvolvimento local sustentável da pequena produção familiar na várzea do município de Igarapé-Miri (PA). (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Pará-UFPA, Belém, Brasil.

Ribeiro, F. R. (2016). História e memória: leitura sobre o trabalho com o açaí e suas transformações. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Pará-UFPA, Belém, Brasil.

Secretaria Estadual de Desenvolvimento Agropecuário e de Pesca. (2018). Fronteiras se abrem para o açaí paraense em programa de industrialização. Belém. http://www.sedap.pa.gov.br/artigos/fronteiras-se-abrem-para-o-a%C3%A7a%C3%AD-paraense-em-programa-de-industrializa%C3%A7%C3%A3o

Silva, E. S. (2016). A política pública de apoio ao desenvolvimento dos arranjos produtivos locais no estado do Pará: uma análise da política estadual de APL do açaí no Nordeste paraense e Região Metropolitana de Belém. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Pará-UFPA, Belém, Brasil.

Sinimbú, R. P. (2019). Os Jazzes de Igarapé-Miri: dimensões culturais do entretenimento musical moderno no Baixo Tocantins (1940-1970). (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Pará-UFPA, Belém, Brasil.

Soares, E. C., & Luza-Paludo, G. (2017). Mapas cognitivos para a estruturação de uma proposta de sistematização da competitividade e da sustentabilidade em cidades. Revista de gestão ambiental e sustentabilidade, 6(2), 1-17

Solis, K. N. L. (2014). Uso dos recursos naturais e sazonalidade no estuário amazônico: estratégias e gestão dos produtores de açaí. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Pará-UFPA, Belém, Brasil.

Sousa, A. S., Jr., Palácios, V. R. C. M., Miranda, C. S., Costa, R. J. F., Catete, C. P. & Gonçalves, N. V. (2017). Análise espaço-temporal da doença de Chagas e seus fatores de risco ambientais e demográficos no município de Barcarena, Pará, Brasil. Revista Brasileira de Epidemiologia, 20(4), 742-755.

Tagora, M. P. B. (2017). O aumento da demanda do açaí e as alterações sociais, ambientais e econômicas: o caso das várzeas de Abaetetuba, Pará. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Pará, Belém, Brasil.

Vilela, D. F. (2006). Estratégias para a Recuperação da Vegetação no Entorno de Nascentes. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Lavras. Lavras, Brasil.

Published

08/08/2021

How to Cite

ALMEIDA, B. de B.; CORDEIRO, Y. E. M. .; BELTRÃO, N. E. S. .; TAVARES, F. B. .; SOUSA, R. L. de .; NASCIMENTO, A. W. de S. . Transformations observed by social actors in the Igarapé-Miri (PA) floodplain from the increase of the açaí production (Euterpe oleracea Mart.). Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 10, p. e173101018548, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i10.18548. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/18548. Acesso em: 27 oct. 2021.

Issue

Section

Human and Social Sciences