Death and dying: Paths used by nursing teachers in academic training

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i10.18650

Keywords:

Nursing education; Nursing professors; Death.

Abstract

Introduction: Death is not only a biological fact of human development, but a socially constructed process, which is indistinguishable from other dimensions of the universe of social relations Objective: To investigate the paths used by nursing professors on the theme of death and dying in training academic. Methodology: This is a cross-sectional study with a quantitative approach carried out with professors of a Bachelor's Degree in Nursing at a public university in Paraíba. Data were analyzed using descriptive statistics, analyzed in the light of relevant literature. Results: In general, it can be observed that most nursing professors address the theme of death and dying in academic training, in a cross-sectional way, since the curriculum includes subjects that cover the processes of being born, living, dying and I struggle with a view to quality of life and human dignity. Conclusion: It is necessary to talk about death, bring it into the academy, opening spaces for education for death, whether in teaching, research or extension. The important thing is to bring up reflections, discussions and actions that bring academics closer to the phenomenon of death in the same way they experience the phenomenon of birth, development and aging of human beings.

References

Andrade, C. B. (2015). O trabalho de cuidar e educar: gênero, saber e poder (1ºed.). Appris. Paraná.

Arieira I. C. O, Thofehrn M. B, Milbrath V. M, Schwonke, C. R. G. B., & Cardoso D. H, Fripp J. C. (2017). The meaning of spirituality in the transience of life. Esc Anna Nery, 21(1). https://www.scielo.br/j/ean/a/F5n46JqtVcqbG8PvW68FqML/?lang=pt&format=pdf.

Bandeira, D, Cogo, S. B, Hildebrandt, L. M., & Badke, M. R. (2014). A morte e o morrer no processo de formação de enfermeiros sob a ótica de docentes de enfermagem. Texto Contexto Enferm, 23(2), 400-7. http://www.scielo.br/pdf/tce/v23n2/pt_0104-0707-tce-23-02-00400.pdf.

Bellato, R, Araújo, A. P, Ferreira, H. F., & Rodrigues, P. F. (2007). A abordagem do processo do morrer e da morte feita por docentes em um curso de graduação em enfermagem. Acta Paulista de Enfermagem, 20(3), 255-263. https://www.scielo.br/pdf/ape/v20n3/a03v20n3.pdf.

Bernieri, J., & Hirdes, A. (2007). O preparo dos acadêmicos de enfermagem brasileiros para vivenciarem o processo de morte e morrer. Texto Contexto, 16(1), 89-96. https://www.scielo.br/j/tce/a/KYDRwZ7V3SFqTkh7kg5CPzM/?lang=pt.

Brasil. (2001). Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação em Enfermagem. Medicina e Nutrição. Brasília. Ministério da Educação. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/ces1133.pdf.

Brasil. (2012). Ministério da Saúde. Resolução 466/2012 do Conselho Nacional de Saúde do Ministério da Saúde. Dispõe sobre a aprovação de diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos.

Brasil. (2018). Ministério da Saúde (BR). Gabinete do Ministro. Comissão Intergestores Tripartite. Resolução nº 41 de 31 de outubro de 2018. Dispõe sobre as diretrizes para a organização dos cuidados paliativos, à luz dos cuidados continuados integrados, no âmbito do Sistema Único de Saúde. Diário Oficial da União. Brasília. Edição 225. Seção 1. Página 276.

Barbosa, L. N. F., Francisco, A. L., & Efken, K. H. (2018). Morte e Vida: a dialética humana. Aletheia, (28), 32-44. http://pepsic.bvsalud.org/pdf/aletheia/n28/n28a04.pdf.

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução Nº 573 de 31 de janeiro de 2018. Recomendações do Conselho Nacional de Saúde à proposta de Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN) do curso de graduação Bacharelado em Enfermagem. Disponível em: https://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/48743098/do1-2018-11-06-resolucao-n-573-de-31-de-janeiro-de-2018-48742847

Brasileiro, M., & Brasileiro, J. E. (2017). O medo da morte enquanto mal: uma reflexão para a prática da enfermagem. Revista de Ciências Médicas, 26(2), 77-92, 2017. DOI:10.24220/2318-0897V26N2A3582.

Carneiro, A. C. M. O., & Andrade, A. C. R. (2019). O despertar para o cuidado na morte. Com Ciências Saúde, (29), 54-7. http://www.escs.edu.br/revistaccs/index.php/comunicacaoemcienciasdasaude/article/view/174/131.

Carvalho, M. D. B., & Valle, E. R. M. (2016). Vivência da morte com o aluno na prática educativa. Ciência, Cuidado e Saúde, Maringá, (5), 26-32. http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/CiencCuidSaude/article/view/5149/3335.

Collet, L. J., & Lester, D. (1969). O medo da morte e o medo de morrer. The journal of Psychology, 72(2), 179-181. https://doi.org/10.1080/00223980.1969.10543496.

Conte, H. R., Weiner, M. B., & Plutchik, R. (1982). Medindo a ansiedade da morte: Aspectos conceituais, psicométricos e analíticos fatoriais. Journal of Personality and Social Psychology, 43(4), 775-785. https://doi.org/10.1037/0022-3514.43.4.775.

Combinato, D. S., & Queiroz, M. S. (2006). Morte: uma visão psicossocial. Estudos de Psicologia (Natal), (11), 209-216. https://www.scielo.br/j/epsic/a/PfSWjx6JP7NQBWhcMBXmnyq/?lang=pt&format=pdf

Coradazzi, A. L., Santana, M. T. E. A., & Caponero, R. (2019). Cuidados paliativos: diretrizes para melhores práticas. MG Editores.

Esquerdo, A. F., & Pegoraro, R. F. (2010). Contribuições da psicologia para a formação do técnico em enfermagem: concepções dos alunos. Rev. Psicologia em Estudo, 15(2), 255-264. https://www.scielo.br/j/pe/a/S3g6Zq9vLMqt5sTFCXzBLCp/?lang=pt&format=pdf.

Giske, T., & Cone P. H. (2015). Discerning the healing path–how nurses assist patient spirituality in diverse health care settings. J Clin Nurs, 24(19-20), 2926-35, 2015. doi: 10.1111 / jocn.12907.

Guimarães, R. M., Muzi, C. D., Teixeira, M. P., & Pinheiro, S. S. (2016). A transição da mortalidade por cânceres no Brasil e a tomada de decisões estratégicas nas políticas públicas de saúde da mulher. Rev Pol Pub, 20(1), 33-50. em:http://www.periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/rppublica/article/view/5035/3077.

Hoelter, J. W. (1979). Tratamento multidimensional do medo da morte. Journal of Consulting and Clinical Psychology, 47(5), 996–999. https://doi.org/10.1037/0022-006X.47.5.996.

Keenan P. M., & MacDermott, C. (2016). Prayer and Religion: Irish nurses caring for an intellectually disabled child who has died. Religions, 7(12), 148. http://www.mdpi.com/2077-1444/7/12/148.

Kovács, M. J. (2004). Educação para a morte: temas e reflexões. (2ª ed.). São Paulo. Ediouro.

Kovács, M. J. (2008). Morte e Existência Humana: caminhos de cuidados e possibilidades de intervenção. Guanabara-Koogan.

Lima, M. G. R., & Nietsche, E. A. (2016). Ensino da morte por docentes enfermeiros: desafio no processo de formação acadêmica. Rev Rene. 17(4), 512-9. http://www.periodicos.ufc.br/rene/article/view/4946/3647.

Lysakowski, S., & Menin, G. E. (2019). Utilização de simulação clínica no ensino sobre terminalidade da vida na Enfermagem: relato de experiência. Rev Docência Do Ensino Superior, (9), 1–14. https://doi.org/10.35699/2237-5864.2019.2559.

Miquelatto, M., Silva, L., Figueira, C. B., Santos, M. R., Szilit, R., & Ichikawa, C. R. F. (2017). Espiritualidade de famílias com um ente querido em situação final de vida. Rev Cuidarte, 8(2), 1016-27. https://www.revistacuidarte.org/index.php/cuidarte/ article/view/391/798.

Moura, L. V. C., Passos, E. C. S., Santos, R. M. M., Rosa, D. O. S., & Nascimento, S. C. L. (2018). Ensino da tanatologia nos cursos de graduação em enfermagem. Rev Baiana Enferm‏, (32), e20888. https://portalseer.ufba.br/index.php/enfermagem/article/view/20888/15703.

Nunes, E. C. D. A., & Santos, A. A. (2017). Desafios de ensino-aprendizagem da Enfermagem para o cuidado frente ao morrer humano-percepções docentes. Escola Anna Nery, 21(4), e20170091. https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-81452017000400235&script=sci_arttext&tlng=pt.

Nunes, F. N., Araújo, K. M., & Silva, L. D. C. (2016). As evidências sobre o impacto psicossocial de professores de enfermagem frente à morte. Rev Interd, 9(4), 165-72. https://revistainterdisciplinar.uninovafapi.edu.br/index.php/revinter/article/view/545.

Pereira, I. B., & Ramos, M. N. (2006). Educação profissional em saúde. (1ª ed). Fiocruz.

Perobelli, F. S., Araújo Júnior, I. F., & Castro, L. S. (2018). As dimensões espaciais da cadeia produtiva do leite em Minas Gerais. Nova Economia, 28(1). https://revistas.face.ufmg.br/index.php/novaeconomia/article/view/4789.

Pinho, L. M. O., & M. A. (2010). A relação docente-acadêmico no enfrentamento do morrer. Rev Escola Enferm USP, 44(1), 107-112. https://www.scielo.br/pdf/reeusp/v44n1/a15v44n1.pdf. Acesso em: 19 maio 2020.

Prado, R. T., Leite, J. L., Castro, E. A. B., Silva, L, J., & Silva, I. R. (2018). Desvelando os cuidados aos pacientes em processo de morte/morrer e às suas famílias. Rev Gaúcha Enferm, (39), 2017-0111. http://www.scielo.br/pdf/rgenf/v39/1983-1447-rgenf-39-e2017-0111.pdf.

Praxedes, A. M., Araújo, J. L., & Nascimento, E. G. C. (2018). A morte e o morrer no processo de formação do enfermeiro. Psic Saúde e Doenças. 9(12), 369-76. http://www.scielo.br/pdf/tce/v23n2/pt_0104-0707-tce-23-02-00400.pdf.

Quintino, C. P., Ribeiro, K. D. F. (2010). A Utilização de filmes no processo de ensino aprendizagem de Química no Ensino Médio [Apresentação de painel]. XV Encontro Nacional de Ensino de Química (XV ENEQ). Brasília, DF, Brasil. http://www.sbq.org.br/eneq/xv/resumos/R0472-1.pdf.

Sampaio, A. D., & Siqueira, H. C. H. (2016). Influência da espiritualidade no tratamento do usuário oncológico: olhar da enfermagem. Ensaios Cienc Biol Agrar Saúde, 20(3), 151-8. http://pgsskroton.com.br/seer/index.php/ensaioeciencia/article/view/4433 7.

Santana, J. C. B., Santos, A. V., Silva, B. R., Oliveira, D. C. A., Caminha, E. M., Peres, F. S., & Andrade, C. C. D. (2013). Docentes de enfermagem e terminalidade em condições dignas. Rev Bioética, 21(2), 298-307. https://www.scielo.br/pdf/bioet/v21n2/a13v21n2.pdf.

Santos, A. C. B., Silva, A. F., Sampaio, D. L., Sena, L. X., Gomes, V. R., & Azevedo, V. L. (2012). Antropologia da saúde e da doença: contribuições para a construção de novas práticas em saúde. Rev Nufen, 4(2), 11-21. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2175-25912012000200003.

Scherer, M. D. A., & Joazeiro, E. M. G. (2015). Trabalho coletivo em hospitais de ensino: desafios e reservas de alternativas. Trabalho e Saúde: cenários, impasses e alternativas no contexto brasileiro. (1ª ed). Opção Editora.

Silva, C. L. N., & Melo, T. C. L. (2018). “Quem de novo não morre, de velho não escapa”: uma pesquisa bibliográfica acerca das publicações em Tanatologia no período de 2012 a 2017 no Brasil. Cad Grad Psicol 4(3), 173-86. https://periodicos.set.edu.br/index.php/fitshumanas/article/view/5228.

Soares, A. S., & Amorim, M. I. (2015). Qualidade de vida e espiritualidade em pessoas idosas institucionalizadas. Rev Port Enferm Saude Mental, (2), 45-51. http://www.scielo.mec.pt/pdf/rpesm/nspe2/nspe2a08.pdf

Souza, D. J., Faria, M. F., Cardoso, R. J., & Contrim, D. (2017). Estágio curricular supervisionado sob a óptica dos enfermeiros supervisores. Rev Enferm Atenção Saúde, 6(1), 39-51. http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/enfer/article/view/1677.

Vasconcelos, A. M. N., & Gomes, M. M. F. (2012). Transição demográfica: a experiência brasileira. Epidemiol. Serv. Saúde, 21(4), 539-548. http://scielo.iec.gov.br/pdf/ess/v21n4/v21n4a03.pdf.

Published

04/08/2021

How to Cite

REIS, M. L. A. dos .; SOUZA NETO, O. M. de .; SILVA, J. E. C. F. da .; SILVA, W. A. D. .; MARTINS, M. A. .; AGRA, G. Death and dying: Paths used by nursing teachers in academic training. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 10, p. e30101018650, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i10.18650. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/18650. Acesso em: 20 oct. 2021.

Issue

Section

Health Sciences