The biological basis of deafness

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i10.18656

Keywords:

Deafness; Equity; Accessibility; Brazilian sign language; Education.

Abstract

Air vibrations and the absence of hearing does not prevent the formation of the deaf person's cognitive thinking, which occurs through social interactions, or by imitating the signs of an adult. We conducted a search in the scientific databases with the keywords of this research. In this narrative bibliographic review, research in ​​deafness is shown, highlighting the biological bases and the difficulties of deaf Brazilians regarding access to health and education, in which theoretical materials were privileged, starting from the most recent and general ones in agreement with the theme of this research. The analyzed data suggest that health needs to be computerized in the neonatal hearing screening process, so that future actions and funds are distributed to improve the quality of life of the deaf population. These data will only make sense if, after the screening is completed, auditory rehabilitation processes and the development of sign language are initiated. All health and education services must allow access to information on the quality of health of the patient or deaf student promoting / enabling the development of activities of daily living according to the language chosen as a means of communication, be it sign or written Portuguese.

Author Biographies

Sandro Medeiros Portella, Universidade Federal Fluminense

Mestre em Ciências e Biotecnologia pela Universidade Federal Fluminense (UFF);  Pesquisador no Núcleo de Inclusão Galileu Galilei, BR/UFF.

Luciana da Silva Goudinho, Universidade Federal Fluminense

Doutarando do programa de pós graduação em Ciências, Tecnologia e Inovação da UFF. Porfessora da ede municipal de Niterói 

Alessandra Teles Sirvinskas Ferreira, Universidade Federal Fluminense

Doutoranda do programa de pós graduação em Ciências, tecnologias e Inclusão, professora do Instituto Nacional de Educação de Surdos.

Maria Cristina Barbosa Mendes, Universidade Federal Fluminense

Mestre pelo curso mestrado profissional em Diversidade e Inclusão da Universidade Federal Fluminense 

Mirian Renata Medeiros dos Santos Vale, Universidade Federal Fluminense

Mestre pelo Mestrado profissional em diversidade e Inclusão. Professora da secretária Municipal de Itaguaí

Alessandra Furtado de Oliveira, Universidade Federal Fluminense

Mestranda do curso em Diversidade e Inclusão. Professora da Fundação Municipal de Educação da prefeitura de Niterói 

Elaine Alves Leite, Universidade Federal Fluminense

Mestranda do Curso de Mestrado Profissional em Diversidade e Inclusão pela UFF (2020); Especialista em Gestão e Implantação da Educação a Distância pela UFF (2017); Especialista em Letras: Português e Literatura pela Faculdade Internacional Signorelli (2014); Dinamizadora dos novos Critérios de Correção das Produções Textuais da Rede Municipal do Rio de Janeiro (2017); Participação de Bancas de Correção de certames, a nível nacional, que tratam de provas discursivas; Mediadora presencial do Consórcio CEDERJ/CECIERJ, do curso de Pedagogia/ UERJ, mediando as disciplinas de: Língua Portuguesa Instrumental, Língua Portuguesa na Educação 1, Língua Portuguesa na Educação 2 e Literatura na Formação do Leitor  (2011- 2020); Diretora Adjunta da Escola Municipal Professora Maria Guilhermina Alves Portilho, da Rede Municipal do Rio de Janeiro (2018-2020); Coordenadora pedagógica da Escola Municipal Ginásio Medalhista Olímpico Thiago Braz da Silva, da Rede Municipal do Rio de Janeiro (2017- 2018); Diretora adjunta da Creche Municipal Vovô Benta, da Rede Municipal do Rio de Janeiro (2016); Professora de Língua Portuguesa no Município de Itaguaí (2012-2020); Professora de Língua Francesa na Wizzard (2011-2012). Possui licenciatura e bacharelado em Letras: Português/ Francês/ Literaturas pela UERJ (2010) e licenciatura em Letras/ Inglês pela Universidade Estácio de Sá

Elias dos Santos Silva Junior, Universidade Federal Fluminense

Especialização em tecnologia de redes de computadores (Universidade Federal de Lavras – UFLA-MG 2008) / licenciatura em informática (Universidade Veiga de Almeida – UVA-RJ 2007) / Bacharel em ciência da computação (Universidade Veiga de Almeida – UVA-RJ 2006) / técnico em informática (Centro de Ensino e Treinamento Aplicado a Profissionais – CETAP-RJ 2016) / Técnico em eletrônica (Escola Técnica Estadual Henrique Lage – ETEHL-RJ 1999) Registro CREA-RJ 2000104200 desde JUL/2000 / Fui incorporado à MARINHA DO BRASIL como primeiro-tenente da reserva de 2ª classe do quadro técnico de informática, tendo como a função de encarregado da seção de suporte, servindo de jan/2010 até fev/2016 no centro de hidrografia da marinha – chm / professor docente ii de 2007 até 2010, lecionei as seguintes disciplinas: montagem e manutenção de computadores, lógica e algoritmos, informática básica, redes de computadores, programação para internet, análise e método de pesquisa no curso pós-médio do colégio estadual professor Renato Azevedo, localizado no município de cabo frio – rj / tenho experiência na área de ciência da computação, com ênfase em redes de computadores e em educação, abordando o ensino da informática na pretensão de proporcionar um ambiente harmônico entre as minhas experiências profissionais, visão geral de mercado, o conteúdo apontado pela literatura técnica das disciplinas e as expectativas de meus alunos promovendo um ambiente de ensino-aprendizagem.

Michele Joia da Silva, Universidade Federal Fluminense

Possui graduação em Pedagogia pelo Centro Universitário da Cidade (2002). Pós Graduada em Psicopedagogia Clínica e Institucional, pela Universidade Castelo Branco (2008), Educadora Especial, pela Universidade Barão de Mauá (2015), Pós graduanda em Ensino Estruturado – TEACCH, pela Pólis Civitas e Em Comunicação Alternativa, pela Faveni. Especialista em autismo, Qualificada ABA. Mestranda do Curso de Mestrado Profissionalizante em diversidade e Inclusão pela UFF.Atualmente é professor convidado do Centro Sul Brasileiro de Pesquisa Extensão e Pós-Graduação LTDA, tutor semi presencial do Centro Universitário Leonardo da Vinci, orientadora de TCC, Professora da Pós Graduação do Instituto Sinapses e Faculdade Souza Marques, psicopedagoga clínica – Clínica Integrada de Terapias do Valqueire e Criar Recriar – atuando na área de dificuldade de aprendizagem e autismo, Coordenadora em trabalho de consultoria em educação inclusiva em escolas particulares dos municípios do Rio de Janeiro e Duque de Caxias. Experiência na área de Educação, com ênfase em Ensino-Aprendizagem, atuando principalmente no seguinte tema: prevenção e promoção de saúde na educação. Autora de cursos no site Buzzero.com, dos livros A Inclusão de Crianças na Escola – o papel do educador diante das dificuldades de aprendizagem e Manual de Promoção e Prevenção de Saúde na Educação – Volume 1 – Na escola – ambos pela WAK Editora e de artigos diversos em revistas e jornais. Sócia proprietária dos espaços de intervenção clínica CITV – Centro Integrado de Terapias do Valqueire e Criar Recriar – Promoção e Prevenção de saúde na educação. Palestrante. Membro da Associação Brasileira de Diversidade e Inclusão – ABDIn.

Ilma Rodrigues de Souza Fausto, Universidade Federal de Rondônia

Cursa PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO ESCOLAR MESTRADO PROFISSIONAL - PPGEEProf pela UNIR, Graduada em Sistemas de Informação pelo Centro Universitário Luterano de Ji-Paraná (2006), Pós-Graduada em Metodologia do Ensino Superior na UNINTES - União das Instituições de Formação Continuada em Negócios, Tecnologia, Educação e Saúde - Ji-Paraná/RO (2007), Pós-Graduada em Psicopedagogia Clínica (2007), Pós-Graduada em Supervisão, Orientação e Gestão Escolar (2007), Pós-Graduada em Gestão e Segurança do Trabalho (2009), Pós-Graduada em Pedagogia Empresarial (2009). Atualmente é Professora em Regime de Dedicação Exclusiva do Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia - IFRO/Campus Ji-Paraná, atuando nos cursos: Licenciatura em Química, Superior em Análise e Desenvolvimento de Sistemas (Nota 5 MEC), Técnicos em Química, Floresta e Informática Integrado ao Ensino Médio, Subsequente, Pós-Graduação, Cursos de Formação Inicial Continuada: Mulheres Mil, Empoderamento da Mulher. É entusiasta pelas Tecnologias Assistivas e Empreendedorismo Digital. Acredita no empoderamento da Educação a Distância para expandir novos conhecimentos e novas possibilidades de transformar. Proponente de Projetos de Extensão e Integradores com continuidade: Day Software. Também assumiu o posto de Fiscal de Contrato, Coordenação dos Projetos Integradores de Ensino, Pesquisa e Extensão (PIEX), do Curso dos Curso de Graduação. Coordenadora do Ensino

Sérgio Crespo Coelho da Silva Pinto, Universidade Federal Fluminense

Professor Adjunto na Universidade Federal Fluminense UFF. Vice Coordenador do Programa de Doutorado em Ciência, Tecnologia e Inclusão da UFF. Líder do grupo de pesquisa CNPq: Tecnologias Computacionais no ensino e aprendizagem na ótica da Diversidade, Inclusão e Inovação. É professor convidado no Programa de Mestrado em TICs na Universidade Tecnológica do Panamá. Possui graduação em Tecnólogo Em Processamento de Dados pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (1987), Mestrado em Engenharia de Software, atuando principalmente nos seguintes temas: Diversidade e Inclusão, Educação a Distância, Informática na Educação e engenharia de software aplicada a educação.

References

Brasil (2014) Diretrizes gerais para a assistência da Saúde Auditiva Hospitalar no sistema Único de Saúde – SUS. https://bit.ly/3kRRjJm

Braz, R. M. M. et al (2021). Repensando As Práticas Pedagógicas A Partir do Letramento Visual e da Acessibilidade das Pessoas com Impedimento Auditivo. # Tear: Revista De Educação, Ciência E Tecnologia, 10.1. https://doi.org/10.35819/tear.v10.n1.a4984

Baelli I. M. M et al. (2011) Comunidades Surdas: ¿pacientes ou cidadãos? Gaceta Sanitária, Espanha.

Comitê Conjunto de Audição Infantil. (2007). Declaração de posicionamento do ano de 2007: princípios e diretrizes para programas de detecção e intervenção auditiva precoce. Pediatrics, 120 (4), 898-921. https://bit.ly/3iOi7Ym.

De Albuquerque Abreu, J., de Assis, L. S., de Almeida, L. D. C., Braz, R. M. M., & Mota, V. M. T. (2019). A Linguagem científica e a Língua Brasileira de Sinais: Estratégias para a criação de sinais, in: Pesquisa no ensino de Física 2, 1-388. 10.22533/at.ed.10419280317

De Carvalho, J. N., Gomes, S. A. O., & Braz, R. M. M. (2020). Construindo um blog educativo sobre a sexualidade para alunos com deficiência auditiva. Revista Práxis, 12(23). : https://bit.ly/3yfZdjD;

Esteves, Â. S. M., Braz, R. M. M., & de Mello, D. (2020). As multiplicidades rizomáticas do sujeito-surdo-social-plural no processo de letramento bilíngue. Revista Educação Especial, 33, 1-20.https://doi.org/10.5902/1984686X42625

Fellinger, J., Holzinger, D., & Pollard, R. (2012). Saúde mental de pessoas surdas. The Lancet, 379 (9820), 1037-1044. Available in:https://bit.ly/2V5OJ7y. Acesso em: 20 junho de 2021.

Ferreira, A. T. S., Braz, R. M. M., & de Farias Melo, I. C. N. (2020). FolcloLibras: cantigas de rodaacessíveis para surdos. Conhecimento & Diversidade, 12(26), 116-136.http://dx.doi.org/10.18316/rcd.v12i26.6780

Guyton, A. C. (2006). Tratado de fisiologia médica. Elsevier Brasil.

Hauland H., & Allen C. (2009). Deaf people, and Human Rights. Report of the World Federation of the Deaf.

Hintermair, M., & Albertini, J. A. (2005). Ethics, deafness, and new medical technologies. Journal of Deaf Studies and Deaf Education, 10(2), 184-192. https://doi.org/10.1093/deafed/eni018

Isaac, M. L., & Manfredi, A. K. (2005). Diagnóstico Precoce Da Surdez Na Infância. Medicina (Ribeirão Preto), 38(3/4), 235-244. HTTPS://DOI.ORG/10.11606/ISSN.2176-7262.V38I3/4P235-244.

Kyriafinis, G., Vital, V., Psifidis, A., Constantinidis, J., Nikolaou, A., Hitoglou- Antoniadou, M., & Kouloulas, A. (2007). Preoperative evaluation, surgical procedure, follow up and results of 150 cochlear implantations. Hippokratia, 11(2), 77.: https://bit.ly/3zAn5P9

Lopes, M. K. D., & Santos, T. M. M. (2011). Comparação dos indicadores de risco para surdez em neonatos encontrados nos anos de 1995 e 2005. Arquivos Internacionais de Otorrinolaringologia, 15(1), 35 - 40. https://bit.ly/3kRAI8y

Miniti, A., Bento, R. F., & Butugan. (2001), O. Otorrinolaringologia: clínica e cirúrgica (Vol. 2). Atheneu.

Muniz, L. M., & Stroppa, M. A. (2009). Desconfortos dos pacientes internados na UTI, quanto a poluição sonora. RAHIS, 4(3), 56-62. https://doi.org/10.21450/rahis.v0i3.808

Murdoch, B. E. (2010). The cerebellum and language: historical perspective and review. Cortex, 46(7), 858-868. https://doi.org/10.1016/j.cortex.2009.07.018

Pereira, J. C. D. S. (2018). A importância da estimulação precoce no desenvolvimento da criança surda.Monografia da Graduação do curso de Licenciatura em Pedagogia BilíngueInstituto Federal de Goiás. https://bit.ly/3kLXZIS

Petitto, L. A., & Marentette, P. F. (1991). Babbling in the manual mode: Evidence for the ontogeny of language. Science, 251(5000), 1493-1496. 10.1126/science.2006424

Quadros, R., & Pizzio, A. (2010). Bases biológicas e aquisição de linguagem.

World Health Organization- http://www.who.int/.

Published

04/08/2021

How to Cite

MEDEIROS PORTELLA, S. .; GOUDINHO, L. da S. .; FERREIRA, A. T. S. .; MENDES, M. C. B. .; VALE, M. R. M. dos S. .; OLIVEIRA, A. F. de .; LEITE, E. A. .; SILVA JUNIOR, E. dos S. .; SILVA, M. J. da .; FAUSTO, I. R. de S. .; PINTO, S. C. C. da S. .; BRAZ, R. M. M. . The biological basis of deafness. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 10, p. e16101018656, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i10.18656. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/18656. Acesso em: 24 oct. 2021.

Issue

Section

Human and Social Sciences