Training, teaching and authoritarianism in Florestan Fernandes

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i10.18686

Keywords:

Florestan Fernandes; Florestan Fernandes, Education, Authoritarianism, Conservatism, Culture.; Education; Authoritarianism; Conservatism; Culture; Teaching.

Abstract

This article presents an analysis of the relationship between education and authoritarianism in Florestan Fernandes' teaching experience, approaching the human condition of existence in a society of authoritarian culture where, with this perspective, it expands the analysis beyond the strict conception of authoritarian regime. In this way, it demonstrates that the cultural and didactic aspects faced by Florestan were also marked by clashes against an authoritarian civic culture that he fought for all his life, whether as a “lumpem”, as a student, as a teacher or as a citizen. Situated in the field of studies called Brazilian political and social thought, this work has as a privileged “empirical instance” – a term by Florestan Fernandes himself – the works and documents produced by the authors studied. Through these we can scrutinize the relationship between training, teaching and authoritarianism and, with this, contribute to an interpretation that, when considering humanity as becoming, understands that it is never ready and, furthermore, that experiences are not watertight. As a result of this work, we obtained an expansion, both on teaching and its “training” and on the concept of authoritarianism, of the analytical horizon of Florestan Fernandes.

References

ADORNO, T.W. (1995). Educação e emancipação. São Paulo: Paz & Terra.

ALVES, Ana Rodrigues Cavalcanti (2020). Apontamentos sobre o conceito de classe social em Florestan Fernandes. Estudos de Sociologia, 2 (26), 197-230. Obtido em https://periodicos.ufpe.br/revistas/revsocio/article/view/249322

ARRUDA, Maria Arminda do Nascimento (2020). A aventura sociológica de Florestan Fernandes. Estudos Avançados, 34 (100), 243-257. https://doi.org/10.1590/s0103-4014.2020.34100.015

BAHIA, Vitor Tavares (2020). Florestan Fernandes e a sociologia da moral: uma presença ausente?. Estudos de Sociologia, 2 (26), 175-196. Obtido emhttps://periodicos.ufpe.br/revistas/revsocio/article/view/249321

BARBOSA, Alexandre de Freitas (2020). Interpretando o fim do ciclo 1988-2016: pode a “parceria” Furtado e Florestan oferecer novas pistas teóricas e metodológicas para entender o presente passado? Novos Rumos, 57(1), 109-130. https://doi.org/10.36311/0102-5864.2020.v57n1.11.p109

CÂNDIDO, Antônio (1990). Radicalismos. Estudos avançados, 4 (8), 4-18. https://doi.org/10.1590/S0103-40141990000100002

CHAUÍ, M (2001). Brasil: mito fundador e sociedade autoritária. São Paulo: Fundação Perseu Abramo.

CÓSCIA, Vera Lúcia (2020). Biblioteca, museu e arquivo Florestan Fernandes: gênese intelectual de um sociólogo. Estudos de Sociologia, 2(26), 337-362. Obtido em https://periodicos.ufpe.br/revistas/revsocio/article/view/249348

COSTA, Diogo Valença de Azevedo (2020). Homenagem a Florestan Fernandes – uma sociologia do impossível. Novos Olhares Sociais, 3 (2), 283-302. Obtido emhttps://www3.ufrb.edu.br/ojs/index.php/novosolharessociais/article/view/557

COSTA, Diogo Valença de Azevedo (2021). As ciências sociais e a contrarrevolução permanente, Agenda Política, 9 (1), 67-105. https://doi.org/10.31990/agenda.2021.1.3

COSTA, Diogo Valença de Azevedo, & BOMFIM, Edcarlos Ribeiro (2020). O papel político do sociólogo na América Latina: diálogos entre Fals Borba e Florestan Fernandes. Estudos de Sociologia, 2 (26), 279-335. Obtido emhttps://periodicos.ufpe.br/revistas/revsocio/article/view/249325

COSTA, Jales Dantas da (2020). Florestan Fernandes: sociólogo e socialista. Revista de Estudos e Pesquisas Sobre as Américas, 14 (2), 373-411. https://doi.org/10.21057/10.21057/repamv14n2.2020.30844

CUNHA, M. V. (2011). Florestan Fernandes, arquiteto da razão. In: Luciano Mendes de Faria Filho. (Org.). Pensadores Sociais e História da Educação (pp. 227-245). 3ª ed. Belo Horizonte: Autêntica.

CUNHA, Sylvia Gemignani (2002). Destino Ímpar – sobre a formação de Florestan Fernandes. São Paulo: Ed. 34.

FERNANDES, Florestan (1966). Educação e sociedade no Brasil. São Paulo: Dominus.

_____________________ (1972). Fundamentos Empíricos da Explicação Sociológica. São Paulo: Ed. Nacional.

_____________________ (1975). Universidade brasileira: reforma ou revolução. São Paulo: Alfa-Ômega.

_____________________ (1976). A sociologia numa era de revolução social. 2ª ed., Rio de Janeiro: Zahar.

_____________________ (1978). A condição de sociólogo. São Paulo: Hucitec.

_____________________ (1979). Apontamentos sobre a “teoria do autoritarismo”. São Paulo, Hucitec.

_____________________ (1982). A sociologia no Brasil: contribuição para o estudo de sua formação e desenvolvimento. 2ª ed. Petrópolis: Vozes.

_____________________ (1989). O desafio educacional. São Paulo: Cortez.

_____________________ (1998). A força do argumento. São Carlos: EDUFSCar.

_____________________ (2005). A revolução burguesa no Brasil: ensaio de interpretação sociológica. 5ª ed. São Paulo: Globo.

_____________________ (2008). A integração do negro na sociedade de classes. São Paulo: Globo.

_____________________ (2008b). Sociedade de classes e subdesenvolvimento. São Paulo: Global.

_____________________ (2010). Circuito Fechado: quatro ensaios sobre poder institucional. São Paulo: Globo.

_____________________ (2014). Florestan Fernandes na Constituinte: leituras para a reforma política. São Paulo: Perseu Abramo/Expressão Popular.

FERNANDES, Heloísa (2009). Florestan Fernandes, um sociólogo socialista. Cadernos de Estudos ENFF. São Paulo: ENFF.

___________________ (2011). Florestan Fernandes um sociólogo socialista (apresentação). In. Brasil: em compasso de espera – pequenos escritos políticos. Rio de Janeiro: Editora UFRJ.

FERREIRA, Gabriela Nunes, & BOTELHO, André (Orgs.) (2020). Revisão do Pensamento Conservador: ideias e política no Brasil. São Paulo: HUCITEC.

FERREIRA, Mariana Davi (2019). Para uma introdução à tese do capitalismo dependente no pensamento de Florestan Fernandes. Argumentos, 16 (2), 40-68.https://doi.org/10.32887/issn.2527-2551v16n2p.40-68

HOBSBAWM, Eric (2002). A era dos extremos – o breve século XX – 1914-1991. São Paulo: Companhia das Letras.

IANNI, Octávio (2011). Florestan Fernandes e a formação da sociologia brasileira. In. IANNI, Octávio (org.). Florestan Fernandes: sociologia crítica e militante (pp. 15-72). 2ª ed. São Paulo: Expressão Popular.

MARIOSA, Duacirdes Ferreira (2019). Florestan Fernandes e os aspectos sócio-históricos de uma integração híbrida no Brasil. Sociologias, 21 (50), 182-209. http://dx.doi.org/10.1590/15174522-0215011

MARX, Karl (2003). O capital: crítica da economia política, livro I. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

MATUI, Jiron (2001). Cidadão e professor em Florestan Fernandes. São Paulo: Cortez.

MAZZA, Débora (2003). A produção sociológica de Florestan Fernandes e a problemática educacional. Taubaté: Cabral Editora e Livraria Universitária.

OLIVEIRA, Marcos Marques de (2010). Florestan Fernandes (Coleção Educadores). 1. ed. Brasília, DF / Recife, PE: MEC, FNDE / Fundação Joaquim Nabuco / Massangana.

___________________________ (2014). O professor Florestan Fernandes e a Constituinte: a política como práxis pedagógica. Revista Olhares Sociais, 3 (2), 46-75. Obtido de https://www3.ufrb.edu.br/olharessociais/

___________________________ (2020). Florestan Fernandes e o dilema educacional brasileiro. Pensata, 9 (1), 87-105. https://doi.org/10.34024/pensata.2020.v9.10538

PEIRANO, Mariza (2020). (a) Os do professor Florestan. Estudos de Sociologia, 2 (26), 23-33. Obtido de https://periodicos.ufpe.br/revistas/revsocio/article/view/249312/37600

SILVA, Genilson Ferreira da, & SANTOS, Wilson da Silva (2020). Florestan Fernandes: defesa da educação pública e reparação racial aos negros na constituinte. Revista HISTEDBR On-line, 20, 1-19. https://doi.org/10.20396/rho.v20i0.8660236

SILVA, Lucas Trindade da (2020). Modelo autocrático-burguês: uma sociologia do desenvolvimento desigual e combinado. Estudos de Sociologia, 2 (26), 231-263. Obtido emhttps://periodicos.ufpe.br/revistas/revsocio/article/view/249323

SILVEIRA, Paulo Henrique Fernandes (2020). Florestan Fernandes e a questão do negro: batalhas acadêmicas e políticas. Estudos de Sociologia, 2 (26), 123-142. Obtido emhttps://periodicos.ufpe.br/revistas/revsocio/article/view/249316

TOLEDO, caio Navarro de (2020). Florestan Fernandes, um pensador socialista radical. Estudos de Sociologia, 2 (26), 265-277. Obtido emhttps://periodicos.ufpe.br/revistas/revsocio/article/view/249324

VELHO, Ricardo Scopel, & SILVA, Michel Goulart da (2019). A constituinte na perspectiva estratégica de Florestan Fernandes, Marx e o Marxismo, 7 (12), 156-172. Obtido em https://www.niepmarx.blog.br/revistadoniep/index.php/MM/issue/view/14

WALLERSTEIN, Immanuel (2001). Capitalismo histórico e civilização capitalista. Rio de Janeiro: Contraponto.

Published

06/08/2021

How to Cite

GOMES JUNIOR, E. dos S. Training, teaching and authoritarianism in Florestan Fernandes. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 10, p. e101101018686, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i10.18686. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/18686. Acesso em: 18 oct. 2021.

Issue

Section

Education Sciences