Ergonomic analysis of a Military Police post in Minas Gerais: A case study

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i10.18688

Keywords:

Ergonomics; Rula; NMQ; Military Police.

Abstract

A large part of the activities performed by military police officers in the exercise of their function has the potential to expose them to ergonomic risks, personal injuries and occupational injuries. In addition to being exposed to a disproportionate physical demand, police officers also refer to tensions that threaten their psychological well-being. This research aims to analyze the workspace of the Military Police in a battalion located in the interior of the state of Minas Gerais, in order to propose solutions for the main points of improvement related to the health and comfort of these professionals. For this,  interviews was used as data collection methods, as well as the use of ergonomic methods Rapid Assessment of the Upper Limb (Rula) and the Nordic Musculoskeletal Questionnaire (NMQ), which allow an effective understanding of the environment to which these inserted professionals and consequently survey of the improved points. As obtained results, important points of improvement were verified, having been made proposals such as the turnover of work shifts in operations, monitoring and psychological support of police officers. In addition, it was proposed to modify the layout to reduce problems with range of movements, as well as to change or adapt part of the furniture and create an awareness program to reduce pain and adverse effects of work.

References

Abrantes, A. F. (2004). Atualidades em ergonomia–logística: movimentação de materiais, engenharia industrial, Escritórios. São Paulo: Editora IMAM.

Afonso, L., Pinho, M. E., & Arezes, P.M. (2014). Risk factors associated with musculoskeletal symptoms in footwear sewing workers. In Occupational Safety and Hygiene II (pp. 611-616). CRC Press.

Alves, R. B. (2003). Vigilância em saúde do trabalhador e promoção da saúde: aproximações possíveis e desafios. Cadernos de Saúde Pública, 19, 319-322.

Anchieta, V. C. C., Galinkin, A. L., Mendes, A. M. B., & Neiva, E. R. (2011). Trabalho e riscos de adoecimento: um estudo entre policiais civis. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 27, 199-208.

Associação Brasileira de Ergonomia. (2000). Certificação do ergonomista brasileiro. http://www.abergo.org.br/

Associação dos Praças Policiais e Bombeiros Militares de Minas Gerais. (2019). Afastamento de Policiais e Bombeiros Militares de Minas Gerias. http://aspra.org.br/site/index.php/

Barros, E. N. C., & Alexandre, N. M. C. (2003). Cross‐cultural adaptation of the Nordic musculoskeletal questionnaire. International nursing review, 50(2), 101-108.

Barros, I. F. D. R. (1996). Fatores antropométricos e biomecânicos da segurança do trabalho: uma contribuição à análise de sistemas homem-máquina sob o ponto de vista da ergonomia. In Fatores antropométricos e biomecânicos da segurança do trabalho: uma contribuição à análise de sistemas homem-máquina sob o ponto de vista da ergonomia (pp. 122-122).

Baú, L. M. S. (2002). Fisioterapia do trabalho: ergonomia, legislação, reabilitação. Curitiba: Clãdosilva, 270.

Bitencout, R., Guimarães, L. D. M., & Saurin, T. (2004). Fábrica da inclusão: a viabilidade de concepção de um sistema produtivo inclusivo.

In Congresso Brasileiro de Ergonomia (Vol. 13).

Bouyer, G. C. (2007). A ciência ergonômica entre a epistemologização e a cientificidade. Encontro Nacional de Engenharia de Produção, 27.

Collis, J., & Hussey, R. (2005). Pesquisa em administração: um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação. Bookman.

Deimling, M. F., & Pesamosca, D. (2014). Análise Ergonômica do Trabalho (AET) em uma empresa de confecções. Iberoamerican Journal of Industrial Engineering, 6(11), 37-58.

Brasil, C. F. (2010). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988.

Do Rio, R. P., & Pires, L. (2001). Ergonomia: fundamentos da prática ergonômica. LTr.

Ferrari, A. L. (2009). Adaptação transcultural do questionário cultural study of musculo-skeletal and other symptoms and associated disability

CUPID Questionnaire. Tese de doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Guérin, F., Kerguelen, A., & Laville, A. (2001). Compreender o trabalho para transformá-lo: a prática da ergonomia. Editora Blucher.

Iida, I. (2005). Ergonomia: projeto e produção. Editora Blucher.

Junnior, R. C. D., Silva, B. C. B., Canedo, G. R. (2017). Aplicação do Método Rula (Rapid Upper Limb Assement) em laboratório didático. XXXVII Encontro Nacional de Engenharia de Produção: A Engenharia de Produção e as novas tecnologias produtivas: indústria 4.0, manufatura aditiva e outras abordagens avançadas de produção. http://www.abepro.org.br/biblioteca/TN_STO_241_401_32996.pdf.

Lemos, L. C. (2009). Prevalência de queixas de dores osteomusculares em motoristas de caminhão que trabalham em turnos irregulares. Tese de doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Lueder, R. A. (1996). Proposed RULA for Computer Users Proccedings of the Ergonomics Summer Workshop, the UC Berkeley Center for Occupational Environmental Health Continuing & Program. San Francisco

Maria, L. H., Santana, P.V., Freitas, D. R., Gomes, V. M.C., & Barbosa, L. C. M. (2019). Análise ergonômica do setor operacional e administrativo de um posto de trabalho da Polícia Militar. XXXIX Encontro Nacional de Engenharia de Produção: Os desafios da engenharia de produção para uma gestão inovadora da 40 Logística e Operações, 2019. http://www.abepro.org.br/biblioteca/TN_STP_000_1677_37858.pdf

Mascia, F. L.; Sznelwar, L. I.(1997). Ergonomia. In: CELSO, J. Contador. São Paulo: Edgard Blücher

Mateus Junior, J. R. (2009). Diretrizes para uso das ferramentas de avaliação de carga física de trabalho em ergonomia: equação NIOSH e protocolo RULA. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

McAtamney, L., & Corlett, E. N. (1993). RULA: a survey method for the investigation of work-related upper limb disorders. Applied ergonomics, 24(2), 91-99.

Michel, O. (2000). Acidentes do trabalho e doenças ocupacionais. LTr.

Ministério da Justiça. (2019). Anuário Brasileiro de Segurança Pública. Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Brasília, DF: Ministério da Justiça.

Minayo, M. C. (2002). Pesquisa social: teoria e método. Vozes.

Minayo, M. C. D. S., & Adorno, S. (2013). Risco e (in) segurança na missão policial. Ciência & saúde coletiva, 18(3), 585-593.

Minicucci, A. (1995). Psicologia aplicada à administração. Atlas.

Morais, L. L. P. D., & Paula, A. P. P. D. (2010). Identificação ou resistência? Uma análise da constituição subjetiva do policial. Revista de administração contemporânea, 14, 633-650.

Oliveira, G. R., & Mont’Alvão, C. R. (2015). Metodologias utilizadas nos estudos de ergonomia do ambiente construído e uma proposta de modelagem para projetos de design de interiores. Estudos em Design, 23(3), 150-165.

Oliveira, M. T., & Oliveira, A. P. (2020). A ergonomia na indústria da cerâmica: Uma avaliação ergonômica em trabalhadores. Research, Society and Development, 9(12), e25291210971-e25291210971.

Pinheiro, F. A., Tróccoli, B. T., & Carvalho, C. V. D. (2002). Validação do Questionário Nórdico de Sintomas Osteomusculares como medida de morbidade. Revista de Saúde Pública, 36, 307-312.

Prüfer, C., Pereira, H., Arezes, P. M., Neves, A., Loureiro, M., Soares, P., ... & Amaral, F. G. (2013). Continuous training in loco: Effects on the symptomatology of WRMD. Pedro M. Arezes; João Santos Baptista; Mónica P. Barroso; Paula Carneiro, 167-171.

Rangel, H.(2010). Portal da prevenção. http://portalprevencao.blo-gspot.com.br/.

Ranney, D. (2000). Distúrbios osteomusculares crônicos relacionados ao trabalho. Roca.

Rodriguez Añez, C. R. (2003). Sistema de avaliação para a promoção e gestão do estilo de vida saudável e da aptidão física relacionada à saúde de policiais militares. Tese de doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

Sampaio, K. R. A., & Batista, V. (2021). Análise Ergonômica do Trabalho (AET) no ambiente de escritório: Um estudo de caso em uma empresa na cidade de Manaus-AM. Research, Society and Development, 10(7), e53110716478-e53110716478.

Santos, E. F., & Santos, G. F. (2006). Análise de riscos ergonômicos. Ergo Brasil.

Santos, M. M. A., Souza, E. L. D., & Barroso, B. I. D. L. (2017). Análise sobre a percepção de policiais militares sobre o conforto do colete

balístico. Fisioterapia e Pesquisa, 24, 157-162.

Santos, N., & Fialho, I. F. (1997). Manual de Análise Ergonômica do Trabalho. Genesis.

Shida, G. J., & Bento, P. E. G. (2012). Métodos e ferramentas ergonômicas que auxiliam na análise de situações de trabalho. In VIII Congresso Nacional de Excelência em gestão.

Silva, M. B. D., & Vieira, S. B. (2008). O processo de trabalho do militar estadual e a saúde mental. Saúde e sociedade, 17, 161-170.

Silveira, J.S., Cezar-Vaz, M. R., & Xavier, D. M. (2020). Análise ergonômica e de alterações osteomusculares em trabalhadores: revisão integrativa. Research, Society and Development, 9(11), e349119500-e349119500.

Stanton, N.A., Hedge, A., Brookhuis, K., Salas, E., & Hendrick, H.W. (2004). Manual de fatores humanos e métodos de ergonomia. CRC press.

VidalI, M. C. R. (2002). Ergonomia na empresa: útil, prática e aplicada. Virtual Científica.

VIieira, J. (2014). Manual de ergonomia. Manual de Aplicação da NR-17 (conforme publicação oficial do ministério do trabalho). Edipro.

Wisner, A. (1987). Por dentro do trabalho: ergonomia, método e técnica. In Por dentro do trabalho: ergonomia, método e técnica (pp. 189-189)

Yin, R. K. (2015). Estudo de Caso-: Planejamento e métodos. Bookman editora.

Published

06/08/2021

How to Cite

FREITAS, D. R. de .; BARBOSA, . L. C. M. . Ergonomic analysis of a Military Police post in Minas Gerais: A case study. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 10, p. e102101018688, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i10.18688. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/18688. Acesso em: 20 oct. 2021.

Issue

Section

Engineerings