Evaluation of pleasure and suffering indicators in Oncological Nursing workers

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i10.18731

Keywords:

Oncology Nursing; Work conditions; Nursing work; Healthcare professional.

Abstract

Objective: to evaluate the indicators of pleasure and psychic suffering experienced by cancer nursing workers in a public hospital in Rio de Janeiro. Methodology: prospective and quantitative study, being carried out in three hospital units of a public hospital specializing in oncology. Data collection occurred through the application of four pleasure and suffering scales, which make up the inventory on work and risk of illness, for 125 health workers, including nurses, technicians and nursing assistants. Results: Most participants were women, aged less than 40 years, university graduated and with more than 15 years of professional experience. The evaluation of the work context showed that 94.4% of the participants have a moderate or negative view of socio-professional relationships and working conditions. Factors related to physical, cognitive and affective cost in the work environment were rated as moderate or severe by 95.2% of the participants. Although 96% of the participants have a moderate or positive evaluation of their experiences in the work environment, most of them reported suffering from physical, psychological and social wear. Conclusion: Hospital management must promote actions considering the vision of oncology nursing workers to help cope with suffering in hospital practice, promoting the health and productivity of the entire team.

Author Biographies

Alessandro Fabio de Carvalho Oliveira, Instituto Nacional de Câncer José de Alencar Gomes da Silva

Nurse. PhD in Health Care Sciences - PACCS-UFF-RJ. Master in Nursing - Professional Master in Nursing Care - EEAAC-UFF-RJ. Staff Nurse - CTI HCII INCA-RJ and Coordination of CTI HMMRC - Duque de Caxias-RJ.

Enéas Rangel Teixeira, Universidade Federal Fluminense

Nurse and Psychologist. Master's Degree in Nursing from the Federal University of Rio de Janeiro - UFRJ and Doctorate in Nursing - UFRJ. Post-doctorate in Clinical Psychology at the Pontifical Catholic University/SP. Post-Doctorate in Nursing Care Science at Université LAVAL-Québec - Canada. Post Doctorate in Public Health IESC/UFRJ. Full Professor at the Fluminense Federal University - RJ.

Alcinéa Rodrigues Athanázio, Universidade Federal Fluminense

Nurse. Master in Nursing UFF-RJ and Doctorate in Nursing - PACCS- EEAAC - UFF-RJ. Hospital Staff of CME Antônio Pedro, Fluminense Federal University - RJ.

References

Almeida, M. R. (2018). Prazer e sofrimento no trabalho do enfermeiro hospitalar. Nursing, 21(247), 2482-88.

Amaral, G. A. (2012). Os desafios da inserção da mulher no mercado de trabalho. Itinerarius Reflectionis, 8, 1-20.

Baldassarini, M. K. M., Cavaleti, L., Toledo Neto, J. L., Bravo, D. S., & Costa, A. B. (2017). Estresse na equipe de enfermagem em oncologia: revisão integrativa. Brazilian Journal of Surgery and Clinical Research, 18(1), 121-5.

Barreto, I. S., Krempel, M. C., & Humerez, D. C. (2011). O COFEN e a Enfermagem da América Latina. Enfermagem em Foco, 2(4), 251-4.

Bordignon, M., Monteiro, M. I., Mai, S., Martins, M. d. F. d. S. V., Rech, C. R. A., & Trindade, L. d. L. (2015). Oncology nursing professionals' job satisfaction and dissatisfaction in Brazil and Portugal. Texto & Contexto – Enfermagem, 24(4), 925-933.

Brasil (2012). Conselho Nacional de Saúde. Resolução Nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Dispõe sobre as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos, ficando revogadas as Resoluções CNS nº 196/96, 303/2000 e 404/2008. https://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf.

Brasil. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Coordenação de Prevenção e Vigilância. (2019). Estimativas de incidência: Incidência de Câncer no Brasil, para 2020-22. https://www.inca.gov.br/sites/ufu.sti.inca.local/files//media/document//estimativa-2020-incidencia-de-cancer-no-brasil.pdf.

Campos, J. F., David, H. M. S. L., & Souza, N. V. D. (2014). O Prazer e sofrimento: avaliação de enfermeiros intensivistas à luz da psicodinâmica do trabalho. Revista Enfermagem, 18(1), 90-5.

Carvalho, L. S. F., Matos, R. C. da S., Souza, N. V. D. de O., & Ferreira, R. E. D. de S. (2010). Motivos de afastamento por licença de saúde dos trabalhadores de enfermagem. Ciência, Cuidado E Saúde, 9(1), 60-6.

Cattani, A. N., Silva, R. M. , Beck, C. L. C., Miranda, F. M. D., Dalmolin, G. L., & Camponogara, S. (2021). Trabalho noturno, qualidade do sono e adoecimento de trabalhadores de enfermagem. Acta Paul Enferm., 34, eAPE00843.

Costa, J. M., Finco, G. M., Souza, R. L. G., Medeiros, W. C. M., & Melo, M. C. M. (2016). Repercussões biopsicossociais do diagnóstico de câncer colorretal para pacientes oncológicos. Revista da SBPH, 19(2), 5-23.

Dejours, C. (2011). A banalização da injustiça social. 7ª. Ed. FGV.

Dejours, C. (2018). A loucura do trabalho. 6ª. Ed. Cortez-Oboré.

Duarte, M. L. C., Glanzner, C. H., & Pereira, L. P. (2018). O trabalho em emergência hospitalar: sofrimento e estratégias defensivas dos enfermeiros. Revista Gaúcha de Enfermagem, 39, e2017.

Fernandes, M. F. P., & Komessu, J. H. (2013). Desafios do enfermeiro diante da dor e do sofrimento da família de pacientes fora de possibilidades terapêuticas. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 47(1), 250-7.

Ferreira, C. A. A., Reis Neto, M. T., Kilimnik, Z. M., & Santos, A. S. (2016). O contexto do estresse ocupacional dos trabalhadores da saúde: estudo bibliométrico. Revista de Gestão em Sistemas de Saúde, 5(2), 84-99.

Garcia, A. B., Dellaroza, M. S. G., Gvozd, R., & Haddad, M. do C. L. (2013). O sofrer no trabalho: sentimentos de técnicos de enfermagem do pronto-socorro de um hospital universitário. Ciência, Cuidado E Saúde, 12(3), 416-23.

Garcia, G. P. A., & Marziale, M. H. P. (2018). Indicadores de esgotamento profissional em trabalhadores da Atenção Primária à Saúde. Revista Brasileira de Enfermagem, 71(5), 2469-78.

Hoffmann, C., Traverso, L. D., & Zanini, R. R. R. (2014). Contexto de trabalho das pessoas com deficiência no serviço público federal: contribuições do inventário sobre trabalho e riscos de adoecimento. Revista Gestão & Produção, 21(4), 707-18.

Hopia, H., & Heino-Tolonen, T. (2019). Families in Paediatric Oncology Nursing: Critical Incidents From the Nurses' Perspective. Journal of Pediatric Nursing, 44, e28-e35.

Kameo, S. Y., Rocha, L. R. C., & Santos, M. S. (2020). Perfil e Satisfação Profissional do Enfermeiro Oncologista: Retrato de Sergipe. Enfermagem em Foco, 11(1).

Kamisli, S., Yuce, D., Karakilic, B., & Havran, M. (2017). Cancer patients and oncology nursing: Perspectives of oncology nurses in Turkey. Nigerian Journal of Clinical Practice, 20(9), 1065-73.

Lima, S. F., Silva, R. G. M., Silva, V. d. S. C., Pasklan, A. N. P., Reis, L. M. C. B., & Silva, U. C. (2016). Representações sociais sobre o câncer entre familiares de pacientes em tratamento oncológico. REME - Revista Mineira de Enfermagem, 20, e967.

Machado, M. H., Koster , I., Aguiar Filho , W., Wermelinger , M. C. d. M. W., Freire , N. P., & Pereira, E. J. (2020). Mercado de trabalho e processos regulatórios – a Enfermagem no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 25(1):101-12.

Marotti, J., Mantelli, A., Furuyama, R., Pigozzo, M., Campos, T., & Laganá, D. C. (2008). Amostragem em pesquisa clínica: tamanho da amostra. Revista de Odontologia da Universidade Cidade de São Paulo. 20(2), 186-94.

Maurício, L. F. S., & Marcolan, J. F. (2016). O ser masculino em sofrimento psíquico no curso de enfermagem. Revista de Enfermagem - UFPE On line, 10 (6), 4845-53.

Mendes, A. M. (2007). Psicodinâmica do trabalho: Teoria, método e pesquisas. Casa do Psicólogo.

Nogueira, L. S., Sousa, R. M. C., Guedes, E. S., Santos, M. A., Turrini, R. N. T., & Cruz, D. A. L. M. (2018). Burnout e ambiente de trabalho de enfermeiros em instituições públicas de saúde. Revista Brasileira de Enfermagem, 71(2), 336-42.

Organização Internacional do Trabalho (OIT) (2016). Mulheres no trabalho-tendências 2016. https://www.ilo.org/wcmsp5/groups/public/---dgreports/---dcomm/---publ/documents/publication/wcms_457096.pdf.

Organização Panamericana da Saúde (OPAS) (2018). Folha Informativa: Câncer. OPAS Brasil. Brasilia. https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5588:folha-informativa-cancer&Itemid=1094.

Silva, M. E. W. de B. ., Bomfim, V. V. B. da S. ., Silva, E. H. de F. ., Silva, M. M. S. da ., Silva, L. C. da ., Nascimento, A. C. do ., Sales, M. da S. ., Coutinho, M. W. C. ., Alves, J. S. da S. ., & Diniz, S. D. de M. . (2021). Fatores agravantes da Síndrome de Burnout nos profissionais de Enfermagem. Research, Society and Development, 10(9), e35610918062.

Silva, R. N. S., Silva, L. P., Costa, M. C. M., & Mendes, J. R. (2015). Síndrome de burnout em profissionais da enfermagem. Revista Saúde em Foco, 2(2), 94-106.

Silva, V. R., Velasque, L. S., & Tonini, T. (2017). Satisfação profissional de uma equipe de enfermagem oncológica. Revista Brasileira de Enfermagem, 70(5), 988-95.

Theme Filha, M. M., Costa, M. A. S., & Guilam, M. C. R. (2013). Occupational stress and self-rated health among nurses. Revista latino-americana de enfermagem, 21(2), 475-83.

Vasconcelos, L. S., Camponogara, S., Dias, G. L., Bonfada, M. S., Beck, C. L. C., & Rodrigues, I. L. (2019). Prazer e sofrimento no trabalho de enfermagem em unidade de terapia intensiva pediátrica. REME - Revista Mineira de Enfermagem, 23, e-1165.

Published

08/08/2021

How to Cite

OLIVEIRA, A. F. de C.; TEIXEIRA, E. R. .; ATHANÁZIO, A. R. . Evaluation of pleasure and suffering indicators in Oncological Nursing workers. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 10, p. e203101018731, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i10.18731. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/18731. Acesso em: 18 oct. 2021.

Issue

Section

Health Sciences