Use of medicinal and phytotherapy plants in climate and menopause

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i10.18752

Keywords:

Climacteric; Phytotherapy; Menopause; Medicinal plants.

Abstract

Objective: to investigate the use of medicinal plants in the treatment of climacteric symptoms, identifying which medicinal plants are most used and for which symptoms, to investigate the relationship between popular use and scientific recommendation of these plants. Methodology: descriptive study, with a quantitative approach, with women aged 45 to 59 years who presented some symptoms of menopause, did not experience early menopause or due to induction of surgical procedures. Results: of the total of 85 participants, 95.3% (n=81) had hot flashes, followed by irritability, vaginal dryness and insomnia which corresponded to 57.6% (n=49) 49.4% (n=42 ) and 49.4% (n=42) respectively. 41.1% (n=35) participants use some type of plant or herbal medicine in combination or not to treat symptoms. 18.8% (n=16) use allopathic or hormonal drugs and 58.9% (n=28) do not use anything. Plants indicated for insomnia and anxiety, such as chamomile, capim santo and lemon balm were the most mentioned by the participants, some such as cinnamon mentioned in the research as a tranquilizer have no scientific support for this purpose. All mentioned herbal medicines had scientific backing. The prescription of phytotherapeutic drugs by health professionals took place mainly in the consultations carried out at the outpatient clinic of the Faculty of Medicine. Final considerations: although many women have symptoms of the climacteric, it is noticed that few have knowledge about herbal medicines and medicinal plants for this purpose, most use plants in the form of tea for insomnia and anxiety without knowing the relationship of these symptoms with the climacteric and not all substances used have scientific backing.

References

Aidelsburger, P., Schauer ,S., Grabein, K., & Wasem, J. (2012). Alternative methods for the treatment of post-menopausal troubles. African Journal Traditional Complementary and Alternative Medicine. http://journals.lww.com/menopausejournal/Abstract/2012/02000/Yoga_decreases_insomnia_in_postmenopausal_women__.13.aspx.

Albuquerque, G .P. M., Abrão, F. M. S., Almeida, A. M., Alves, D. L. R., Andrade P. O. N., & Costa, A. M. (2019) Qualidade de vida no climatério de enfermeiras atuantes na atenção primária. Rev Bras Enferm. 72(3), 161-168. doi: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2018-0306.

Antonio, G. D., Tesser, C. D., & Moretti-Pires, R. O. (2013). Contribuições das plantas medicinais para o cuidado e a promoção da saúde na atenção primária. Interface: comunicação, saúde e educação. 17(46), 615 – 33.

Barra, A. A. L., Albergaria, D. A., Mariano, F. M., Dantas, J. B., Pinto, K. M. C., & Resende, N. M. (2014). Terapias alternativas no climatério. FEMINA. 42 (1), 27-31.

Beleza, J. A. M (2016). Plantas medicinais e fitoterápicos na atenção primária à saúde: contribuição para profissionais prescritores. Monografia [Especialização em Gestão da Inovação de Medicamentos da Biodiversidade ]. Instituto de Tecnologia em Fármacos.

Brasil (2008a). Manual de Atenção à Mulher no Climatério/Menopausa. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_atencao_mulher_climaterio.pdf.

Brasil (2008b). Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS: PNPIC: atitude de ampliação de acesso. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_praticas_integrativas_complementares_2ed.pdf.

Brasil (2009). Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/programa_nacional_plantas_medicinais_fitoterapicos.pdf.

Brasil (2010). Portaria Nº 886, de 20 de abril de 2010. Institui a Farmácia Viva no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2010/prt0886_20_04_2010.html.

Bueno, M. J. A, (2016). Manual de plantas medicinais e fitoterápicos utilizados na cicatrização de feridas. Dissertação [Mestrado Profissional em Ciências Aplicadas à Saúde]. Univás. https://www.univas.edu.br/Egressos_Web/26.pdf.

Caetano, N. L. B., Ferreira, T. F., Reis, M .R. O., Neo, G. G. A., & Carvalho, A. A. (2015). Plantas medicinais utilizadas pela populacao do municipio de Lagarto- SE, Brasil – enfase em pacientes oncologicos. Rev. Brás. de plantas med. 17(4), 748 -756.

Cardoso, E. C., & Camargo, M. J. G. (2017). Terapia Ocupacional em Saúde da Mulher: impacto dos sintomas do climatério na atividade profissional. Tempus, actas de saúde colet, 11(1), 153-167.

Cruz, V. M. S., Gonçalves, A. L., Campos, J. R P., & Reis, A. R. S. (2017). Aspectos socioeconômicos e o cultivo de plantas medicinais em quintais agroflorestais urbanos (QAF) no município de Breu Branco, Pará, Brasil. Enciclop. Biosfera, 14 (25) 158 - 170.

Fernandes, C., & Farias, J. M. (2017). Perfil Socioeconômico, Hábitos de Vida de Mulheres no Período de Menopausa. http://repositorio.unesc.net/bitstream/1/4854/1/Camila%20Fernandes.pdf.

FLORA DO BRASIL (2020). Algas, fungos e plantas. Em construção. Lançamento de plataforma online em 2016. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. http://floradobrasil.jbrj.gov.br/reflora/PrincipalUC/PrincipalUC.do.

Franciscis, P., Colacurci, N., Riemma, G., Conte, A., Pittana, E., Guida, M., & Schiattarella, A.. (2019). A Nutraceutical Approach to Menopausal Complaints. Medicina, 55(544), 1-16. DOI: 10.3390 / medicina55090544.

Manica, J., Bellaver, E. H., & Zancanaro, V. (2019). Efeitos das terapias na menopausa: uma revisão narrativa da literatura. J. Health BiolSci, 7(1), 82-88.

Gelatti, G. T., Oliveira, K. R., & Colet, C. F. ((2016). Potenciais interações relacionadas ao uso de medicamentos, plantas medicinais e fitoterápicos em mulheres no período do climatério. J. res.: fundam. care. Online, 8(2), 4328-4346.

Ghizi, A., & Mezzomo, T. R. (2015). Uso de Plantas Medicinais e Satisfação de Consumidores de Lojas de Produtos Naturais do Mercado Municipal de Curitiba, PR. Rev. Fitos, 9(2), 73-159.

Ibiapina, W. V., Leitão, B. P., Batista, M. M., & Pinto, D. S. (2014). Inserção da Fitoterapia na atenção primária aos usuários do SUS. Rev. Ciência Saúde Nova Esperança, 12(1), 58-68.

Leal, L. R., & Tellis, C. J. M. (2015). Farmacovigilância de plantas medicinais e fitoterápicos no Brasil: uma breve revisão. Rev. Fitos, 9(4), 253 – 303.

Lomônaco, C., Tomaz, R. A. F., & de Oliveira Ramos, M. T. (2015). O impacto da menopausa nas relações e nos papéis sociais estabelecidos na família e no

trabalho. Reprodução & Climatério, 30(2), 58-66.

Paiva, K. O., Oliveira, G. L., Farias, D. F. A., & Müller, T. S. (2017). Plantas medicinais utilizadas em transtornos do sistema geniturinário por mulheres ribeirinhas, Caravelas, Bahia. Rev. Fitos, 1, 92 – 98.

Pereira, A. S., Shitsuka, D. M., Parreira, F. J., & Shitsuka, R. (2018). Metodologia da pesquisa científica. Santa Maria, Brasil : UFSM, NTE.

Rocha, B. M. A., Pereira, M. S. V., & Carneiro, J. Q. (2018). Terapias Complementares: fitoterapia como opção terapêutica no climatério e menopausa. Revista de Ciências da Saúde Nova Esperança, 16 (1), 16-25. http://dx.doi.org/10.17695/issn.2317-7160.v16n1a2018p16-25.

Sampieri, R.H., Collado, C. F., & Lucio, P. B. (2013). Metodologia de Pesquisa. 5. São Paulo, Brasil: McGraw-Hill.

Serpa, M. A., Lima, A. A., Guimarães, A. C. P., Carrilo, M. R. G. G., Coura-Vitalb, W., & Veloso, V. M. (2016). Fatores associados à qualidade de vida em mulheres no climatério. Reprod Clim, 31(2), 76-81.

Schiavo, M., Gelatti, G.T., Oliveira, K. R., Bandeira, V. A. C., & Colet, C. F. (2017). Conhecimento sobre plantas medicinais por mulheres em processo de envelhecimento. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde, 38(1), 45 – 60. http://dx.doi.org/10.5433/1679-0367.2017v38n1p45.

Silva, L. D. C., & Mamede, M.V. (2020). Prevalência e intensidade de sintomas climatéricos em mulheres com doença arterial coronariana. RevFunCare Online. 12, 305-312. http://www.seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/view/6755/pdf_1.

Silva, M. D. P., Marini, F. S., & Melo, R. S. (2015). Levantamento de plantas medicinais cultivadas no município de Solânea, agreste paraibano: reconhecimento e valorização do saber tradicional. Rev. Bras. Pl. Med, 17(4), 881-890.

Silva, O. B., Rocha, D. M., & Pereira, N. V. (2020). O saber tradicional e o uso de plantas medicinais por moradores do assentamento padre Ezequiel em Mirante da Serra – RO, Brasil. Biodiversidade, 19(1), 77 - 96.

Souza, N. R. R, Viana, M. E. L., Miranda, M. L. C., Guimarães, B. C. S., Miranda, M. L., & Souza, J. H. K. (2019). Relação entre terapia de reposição hormonal no climatério e o desenvolvimento de neoplasias. Braz. J. Surg. Clin. Res, 25 (2), 135-143.

Wender, C. O. M., Pompei, L. M., Fernandes, C. E. (2014) Consenso Brasileiro de Terapêutica Hormonal da Menopausa. Associação Brasileira de Climatério (SOBRAC). Leitura Médica. http://sobrac.org.br/consenso_brasileiro_de_th_da_menopausa_2018.html.

Xavier, P. F. P., & Trindade, A. P. N. T. (2018). Avaliação do risco de queda e equilíbrio em mulheres no climatério. Revista Kairós-Gerontologia, 21(2), 155-170. https://doi.org/10.23925/2176-901X.2018v21i2p155-170.

Zanette, V. C., Rossato, A. E., Citadini-Zanette, V., & Bernardi, F. B. C. (2011). Prevalência do uso da fototerapia para alívio de sintomas apresentados em pacientes climatéricas. Arquivos Catarinenses de Medicina. http://www.acm.org.br/revista/pdf/artigos/840.pdf.

Published

08/08/2021

How to Cite

OLIVEIRA, A. K. D. de; OLIVEIRA, K. K. D. de .; SOUZA, L. B. de .; LINS, R. H. P. . Use of medicinal and phytotherapy plants in climate and menopause. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 10, p. e206101018752, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i10.18752. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/18752. Acesso em: 24 oct. 2021.

Issue

Section

Health Sciences