Profile of attendees of the user embracement in a Psychosocial Care Center III in the City of Sao Paulo

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i10.18758

Keywords:

Embracement; Health profile; Mental health; Community mental health services.

Abstract

This study intends to describe the sociodemographic profile of attendees of a Psychosocial Care Center III, in the city of Sao Paulo, who needed the user embracement as a care strategy in the period of time between november of 2012 and december of 2016. This is an explorative descritive study of documental analysis with quantitative approach. The user embracement’s document and the medical registers were analysed. The data analysis was done with the Software Statistical Package for the Social Sciences (SPSS), Versão 20. It was verified that the majority of attendees was woman, white skined, studies until high school, age between 31 and 59, receiving social benefit and the main diagnosis was schizophrenia. This study helped to share information about the user embracement, which is an important care strategy still insufficiently studied.

References

Amarante, P. (Coord.). (2013). Loucos pela Vida: a Trajetória da Reforma Psiquiátrica no Brasil (6a ed.). SDE/ENSP, FIOCRUZ

Balarin, M. L. G. S., Miranda, I. M. S. & Carvalho, C. M. (2011). Centro de Atenção Psicossocial do município de Campinas: estudo sobre o perfil sociodemográfico e clínico de seus usuários. Revista de Ciências Médicas, 20, (3-4, 59-67).

Belletini, F. E. & Gomes, K. M. (2013) Perfil dos usuários do Centro de Atenção Psicossocial e do Programa de Saúde Mental no município de Orleans - SC. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental, Florianópolis, 5, (12, 161-175).

Bezerra Jr., B. C. (2007). Desafios da reforma psiquiátrica no Brasil. Physis, 17, 243-250.

Brasil. Direção-Geral da Sáude/OMS. (2002). Relatório Sobre a Saúde no Mundo (2001) – Saúde mental: nova concepção, nova esperança. Brasília: Climepsi Editores.

Costa, R. C., Coelho, M. O., Neto, E. M. R., Marques, L. A. R. V. & Lotif, M. A. L. (2015). Perfil epidemiológico de usuários intensivos de um Centro de Atenção Psicossocial. Rev de Enfer UFPE Online, Recife, 9 (2), edição suplementar, p. 820-829.

Dell’Acqua, G & Mezzina, R. (1991). Resposta à crise. In: Delgado, J. A loucura na sala de jantar. 53-79

Farnettane, A. T. (2016). Recolhimento não, acolhimento sim – Centro de Atenção Psicossocial – CAPS III – João Ferreira da Silva Filho - Complexo do Alemão – Rio de Janeiro/Brasil. Academus Revista Científica da Saúde. Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro.

Gallio, G. & Mezzina, R. (1988). Il funzionamento del servizio psichiatrico territoriale sulle 24 ore. In: Righetti, A. (A cura di). La questione psichiatrica. Pordenone: Centro Studi per la Ricerca, nel Campo della Salute Mentale. 209-221.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa/Antônio Carlos Gil. (4a ed.), Atlas.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. (2016). Síntese de Indicadores Sociais – SIS.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. (2018) Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua – PNAD Contínua.

Kinoshita, R. T. (2009). Saúde mental e antipsiquiatria em Santos: vinte anos depois. Caderno Brasileiro de Saúde Mental,1 (1).

Kinoshita, R. T. (2016). Contratualidade e reabilitação psicossocial. In:Pitta, A. (Org.) Reabilitação Psicossocial no Brasil. (4a ed.), Hucitec.

Machado, V. C. & Santos, M. A. (2011). Taxa de permanência hospitalar de pacientes reinternados em hospital psiquiátrico. J Bras Psiquiatr, 60(1), 16-22.

Marconi, M. A.& Lakatos, E. M. (2011). Metodologia do trabalho científico: procedimentos básicos, pesquisa bibliográfica, projeto e relatório, publicações e trabalhoscientíficos. (7a ed.), Atlas.

Ministério da Saúde. Lei nº 10.216, de 6 de abril de 2001. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e refireciona o modelo assistencial em saúde mental. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/LEIS_2001/L10216.htm

Ministério da Saúde. Portaria GM/MS nº 336, de 19 de fevereiro de 2002. Estabelece que os Centros de Atenção Psicossocial poderão constituir-se nas seguintes modalidades de serviços: CAPS I, CAPS II e CAPS III, definidos por ordem crescente de porte/complexidade e abrangência populacional. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2002/prt0336_19_02_2002.html

Minitério da Saúde. Portaria nº 854, de 22 de agosto de 2012. Inclui, altera e exclui procedimentos da na Tabela de Procedimentos, Medicamentos, Órteses, Próteses e Materiais Especiais do Sistema Único de Saúde. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/sas/2012/prt0854_22_08_2012.html

Ministério da Saúde. (2007). Política Nacional de Saúde Integral da População Negra.

Nicacio, F. & Campos, G. W. S. (2004). A complexidade da atenção às situações de crise: contribuições da desinstitucionalização para a invenção de práticas inovadoras em saúde mental. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo, 15, 71-81.

Pelisoli, C. L. & Moreira, A. K. (2005). Caracterização epidemiológica dos usuários do Centro de Atenção Psicossocial Casa Aberta. Revista Psiquiátrica do Rio Grande do Sul, 27 (3), 270-277.

Pelisoli, C. L. & Moreira, A. K. (2007). Avaliação de um centro de atenção psicossocial por meio do perfil de seus usuários. Mental, Barbacena, 5 (8), 61-75.

Pereira, M. O., Souza, J. M., Costa, A. M., Vargas, D., Oliveira, M. A. F. & Moura, W. N. (2012). Perfil dos usuários de Serviços de Saúde Mental do município de Lorena - São Paulo. Acta Paulista de Enfermagem, 25 (1), 48-54.

Prodanov, C. C. (2013). Metodologia do trabalho científico [recurso eletrônico]: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. (2a ed.). Novo Hamburgo: Feevale.

Santos, E. G. & Siqueira, M. M. (2010). Prevalência dos Transtornos Mentais na população adulta Brasileira: uma revisão sistemática de 1997 a 2009. J Bras Psiquiatr, 59, 238/3-247.

Santos, G. F., Nascimento, Y. C. M. L., Veríssimo, R. C. S. S., Cavalcante, J. C., Brêda, M. Z. & Holanda, J. B. L. (2013). O perfil epidemiológico dos usuários de um Centro de Atenção Psicossocial. Rev de Enfer UFPE Online, Recife, 7 (3), 679-687.

Saraceno, B. (1994). Manual de saúde mental. Hucitec.

Saraceno, B. (2001). Libertando identidades: da reabilitação psicossocial à cidadania possível. Te Corá/Instituto Franco Basaglia.

Silva, A. L. A. (2012). A construção de um projeto de extensão universitária no contexto das políticas públicas: saúde mental e economia solidária. Tese (Livre Docência). Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo.

Silva, N. G., Barros, S., Azevedo, F. C., Batista, L. E. & Policarpo, V.C. (2017). O quesito raça/cor nos estudos de caracterização de usuários de Centro de Atenção Psicossocial. Saúde e Sociedade, 26, 100-114.

Silva, S. N., Lima, M. G. & Ruas, C. M. (2020). Uso de medicamentos nos Centros de Atenção Psicossocial: análise das prescrições e perfil dos usuários em diferentes modalidades do serviço. Ciência & Saúde Coletiva, 25(7):2871-2882.

Silva, T. C. S., Santos, T. M., Campelo, I. G. M. T., Cardoso, M. M. V. N., Silva, A. D. & Peres, M. A. A. (2020). Acolhimento noturno em um Centro de Atenção Psicossocial III. Rev Bras Enferm;73(1).

Souza, R. F. & Padula, M. P. C. (2020). Condições de pessoas em sofrimento psíquico acompanhadas em Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) e internadas em hospitais. Braz. J. Hea. Rev., 3(5), 11967-11988.

Zanello, V., Fiuza, G. & Costa, H. S. (2015). Saúde mental e gênero: facetas gendradas do sofrimento psíquico. Fractal, 27, 238-246.

Published

07/08/2021

How to Cite

TELLES, N. N. .; PINHO, P. H. .; CLARO , H. G. .; OLIVEIRA, M. A. F. de . Profile of attendees of the user embracement in a Psychosocial Care Center III in the City of Sao Paulo. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 10, p. e164101018758, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i10.18758. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/18758. Acesso em: 25 oct. 2021.

Issue

Section

Health Sciences