Epidemiological profile of gestational syphilis and its influence on vertical transmission in the City of Parnamirim-RN

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i10.18838

Keywords:

Syphilis; Congenital Syphilis; Maternal and Child Care; Epidemiological surveillance.

Abstract

Objective: To analyze the epidemiological profile of cases of gestational syphilis in the city of Parnamirim - NB and the factors predisposed to the incidence of congenital syphilis, from 2010 to 2019. Methodology: Observational and descriptive study of the indicators: detection rate/1000 live births of gestational and congenital syphilis; profile in pregnant women and the care situation in prenatal care. Results: It was observed oscillation of the cases during the period, with gestational syphilis, with maximum of 11.7/1000 in 2018 and congenital, with 2.3/1,000 in 2019. There was a higher frequency in the 20 to 29 years age group, totaling 51%, incomplete elementary level (39.4%), gestational age of diagnosis in the third trimester (44.1%) and clinical classification for latent syphilis (53%). In the care model, prenatal care was frequently performed, with a maximum of 88.5%; in the period of diagnosis during delivery and postpartum (52.9%); and, regarding the treatment schedule, 76% were inadequate. Regarding the PHC indicator, there was a decrease during the period, with 61.7% for FHS coverage and 72.5% for PC in 2019. Conclusion: We observed oscillation of syphilis cases, exposing gaps in the control of the disease, and failures in the primary care model arranged in the municipality, especially during prenatal care, thus increasing the risks of vertical transmission for syphilis.

References

Barbosa, M. M., Chaves, E. C. R., Leite, D, S., Quaresma, A. H. C., Albuquerque, G. P., Costa, I. L. O. F., Reis, A. P. O., Junior, S, A, O., Mendonça, M. H. R& Lima, S. B. A. (2021). Rede cegonha: avanços e desafios da gestão no ambiente hospitalar. Revista Eletrônica Acervo Saúde, 13(3).

Brasil. (2011). Portaria nº 1.459, de 24 de junho de 2011. Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS - a Rede Cegonha.

Brasil. (2018). Ministério da Saúde. Projeto de Resposta Rápida à Sífilis fortalece debate no RN.

Brasil. (2018). Ministério da Saúde. Implementação do Projeto Resposta Rápida à Sífilis 48ª CAMS- RN.

Brasil. (2019). Ministério da Saúde. Pré-Natal.

Brasil. (2019). Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Doenças de Condições crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Prevenção da Transmissão Vertical de HIV, Sífilis e Hepatites Virais.

Brasil. (2020). Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis. Brasília.

Camargos, M. V & Oliver, F. C. (2019). Uma experiência de uso do georreferenciamento e do mapeamento no processo de territorialização na Atenção Primária à Saúde. Saúde Debate. Rio de Janeiro, 43(123);1259-1269.

Conceição, H. N., Camara, J. T & Pereira, B. M (2019). Análise epidemiológica e espacial dos casos de sífilis gestacional e congênita. Saúde Debate, 43(123);1145-1158

Conselho de Secretarias Municipais de Saúde do Rio Grande do Norte - Cosems-RN. (2018). Parnamirim avança no diagnóstico e tratamento da Sífilis.

Costa, I. L. O. F., Trindade, C. B. S., Chaves, E. C. R., Ferreira, I. P., Lima, S. B. A., Costa, F. B., Mendonça, M. H. R. de, & Neto, R. L. S. (2020). A vigilância em saúde e o planejamento nas equipes de atenção primária em saúde: revisão narrativa. Revista Eletrônica Acervo Saúde, (53), e3622.

Costa, I. L. O. F., Trindade, C. B. S., Ferreira, I. P., Nunes, S. F., Santos, R. C. S., Lima, V. L. A., Lima, S. B. A & Chaves, E. C. R. (2021). Vigilância em Saúde & planejamento e avaliação em Unidades de Saúde da Família: Estudo qualitativo. Research, Society and Development, 10(6).

Domingues, R. M. S. M & Leal, M. C. (2016). Incidência de sífilis congênita: dados de o estudo nascer no Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 32(6).

Domingues, C. S. B., Duarte, G., Passos, M. R. L., Sztajnbok, D. C. N & Menezes, M. L. B. (2021). Protocolo Brasileiro para Infecções Sexualmente Transmissíveis 2020: sífilis congênita e criança exposta à sífilis. Epidemiol. Serv. Saude, Brasília, 30(1).

Donalísio, M. R., Freire, J. B &Mendes, E. T. (2017). Investigação da sífilis congênita na microrregião de Sumaré, Estado de São Paulo, Brasil-desvelando a fragilidade do cuidado à mulher gestante e ao recém-nascido. Epidemiologia e Serviços de Saúde,16(3):165-73.

Ferreira, A. G., Gomes, L. A., R., Medeiros, C. T., Leonidas, R. A. M & Medeiros, J. P. (2018). Perfil dos Casos de Sífilis Congênita no Município de Natal / RN no Período de 2007 a 2015. Revista Saúde em Foco, 5(1); 3-27.

Ferreira. F. K. S., Rolim, A. C. A & Bonfada, D. (2021). Perfil dos casos de sífilis congênita no Rio Grande do Norte: estudo de série temporal. Revista Ciência Plural; 7(2):33-46.

Fundação Oswaldo Cruz - Fiocruz (2016). Tratamento precoce da sífilis.

Figueiredo, D. C. M., Figueiredo, A. M., Souza, T. K. B., Tavares, G & Vianna, R. P. T. (2020). Relação entre oferta de diagnóstico e tratamento da sífilis na atenção básica sobre a incidência de sífilis gestacional e congênita. Cad. Saúde Pública,36(3).

Freitas, F. L. S., Bensaken, A. S., Passos, M. R. L., Coelho, I. C. B & Miranda, A. E. (2021). Protocolo Brasileiro para Infecções Sexualmente Transmissíveis 2020: sífilis adquirida. Epidemiol. Serv. Saude, Brasília.

Gonçalves, D. G. N., Mezzomo, E. S., Carvalho, J. R., Souza, L. C. K. & Mendona, M. H. R. (2021). Avaliação da distribuição espacial da sífilis gestacional e congênita na região norte e nordeste. International Journal of Development Research, 11, (05): 46916-46922.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE (2018). Relatório PNAD: Desigualdade no Brasil e RN.

Junior, S. A. O., Santos, M. B., Silva, E. P., Henrique, G., L., Carvalho, K. R. S., Pereira, K. R. S & Carrasco, E. (2019) Perfil epidemiológico da sífilis materna e congênita no pré-natal do município de Parnamirim/RN. João Pessoa. Anais do 8º Congresso Brasileiro de Ciências Sociais e Humanas em Saúde.

Lima, T. M., Machado, I. L. L., Siqueira, J. P & Almeida, M. T. G (2019). Perfil epidemiológico de pacientes com sífilis congênita e gestacional em um

município do Estado de São Paulo, Brasil. Rev. Bras. Saúde Mater. Infant., Recife, 19 (4): 873-880.

Lopes, A. C. (2020). Cortes no orçamento colocam o SUS à beira do colapso. EcoDebate.

Macêdo, V. C., Lira, P. I. c., Frias, P. G., Romaguera, L. M. D., Caires, S. F. F & Ximenes, R. A. A. (2017). Fatores de risco para sífilis em mulheres: estudo caso-controle. Rev Saude Publica, 51:78.

Macêdo, V. C., Romaguera, L. M. D., Ramalho, M. O. A., Vanderelei, L. C. M., Frias, P. G & Lira, P. I. C. (2020). Sífilis na gestação: barreiras na assistência pré‑natal para o controle da transmissão vertical. Cad. Saúde Colet., 28(4).

Miranda, A. E., Freitas, F. L. S., Passos, M. R. L., Lopes, M. A. A & Pereira, G. F. M (2021). Políticas públicas em infecções sexualmente transmissíveis no Brasil. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, 30(1).

Motta, I. A., Delfino, I. R. S., Santos, L. V., Morita, M. O., Gnçalves, R., Gomes, D., Martins, T. P. S., Carellos, E. V. M & Romaelli, R. C. (2018). Sífilis congênita: por que sua prevalência continua tão alta? Rev Med Minas Gerais, 28.

Neto, L. G., Gomes, L. M & Sobrinho, H. M. R. (2019). Epidemiologia da sífilis gestacional e congênita no estado de Goiás no período de 2013 a 2018. Revista Brasileira Militar de Ciências, 5(13).

Nunes, J. P. G & Barbosa, V. V. (2020). Uma série histórica da incidência de Sífilis na gestante no Pará entre os períodos de 2013 a 2018. Pará Res Med J, 4:e32.

Oliveira, E. H., Holanda, E. C., Silva, L. C., Brito, M. C. S & Sousa, P. C. M. (2020). Avaliação epidemiológica da sífilis congênita na região Nordeste do Brasil. Research, Society and Development,10(3).

Organização Mundial da Saúde – OMS. (2017). Comitê Regional para África Estratégia Global para o Setor de Saúde relativa a Infecções Sexualmente Transmiss´veis 2016-2021:quadro de execução para região africana. Relatório do Secretariado.

Pilger, B., Bortoli, M. C. F. C & Battisti, E. E. S. (2019). Perfil epidemiológico da sífilis congênita em u município do sudoeste do Paraná. Rer. Saúde Pública, 1(2);20-17.

Sanson, M. C. G., Feitoza, H. A. C., Saraceni, V., Koifman, R. J & Bessa, A. R. S. (2018). Prevalência e perfil epidemiológico da Hepatite B em gestantes: um estudo populacional em uma cidade da Amazônia Ocidental brasileira, no período de 2007 a 2015. Rev. Bras. Saúde Mater. Infant., Recife, 18 (4): 723-733

Tiago, Z. S., Picoli, R. P., Graeff, S. V., Cunha, R. V & Arantes, R. (2017). Subnotificação de sífilis em gestantes, congênita e adquirida entre povos indígenas em Mato Grosso do Sul, 2011-2014. Epidemiol. Serv. Saude, Brasília, 26(3):503-512.

Published

10/08/2021

How to Cite

OLIVEIRA JÚNIOR, S. A. de .; CHAVES, E. C. R. .; SANTOS , M. B. .; COSTA, I. L. de O. F. .; PAIVA, D. S. de B. S. .; REIS, A. P. O. .; MENDONÇA, M. H. R. de; LIMA, S. B. de A. Epidemiological profile of gestational syphilis and its influence on vertical transmission in the City of Parnamirim-RN. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 10, p. e272101018838, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i10.18838. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/18838. Acesso em: 3 dec. 2021.

Issue

Section

Health Sciences