Degree of innovation in sociobiodiversity product value chain in the coastal Sergipe

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i10.18916

Keywords:

Biodiversity; Innovation; Mangaba.

Abstract

Brazilian biodiversity represents relevant economic importance for traditional peoples and communities in Brazil when transformed into goods and services destined for the market, constituting value chains. These goods and services are called sociobiodiversity products and can be locally sold and (or) offered to the national and international market. The mangabeira tree was recognized in 1992 in Sergipe, Northeastern Brazil, as its symbol tree due to its high incidence. Then, in 2010, the Mangaba Collectors were recognized as a traditionally differentiated group. Therefore, they must be protected accordingly to their forms of social organization, their territories, and natural resources. They are traditional groups from restinga areas that develop mangaba extractivism and other resources from the restinga and mangrove forests for subsistence and cultural reproduction. Currently, the Mangaba Collectors from Sergipe have been organizing themselves in local associations. Their main goals are to generate work and income through the addition of values to local natural products. In this sense, the objective of this study was to apply the tool Radar de Inovação to assess the degree of innovation of the family agribusiness units of the Mangaba Collectors of Sergipe inserted in the value chain of sociobiodiversity products on the coast of Sergipe. We found that the main factor in selecting innovation actions of the associations analyzed was the location. That happened due to market opportunities peculiar to each region and respective conditions of identification and access.

Author Biographies

Thatiana Carvalho Santos, Instituto Pangea – Meio Ambiente, Cultura e Educação

Pangea Institute - Environment, Culture and Education, Working Group on Intellectual Property and Associated Traditional Knowledge

Matheus Fellipe Santos Silva, Instituto Pangea – Meio Ambiente, Cultura e Educação

Instituto Pangea - Meio Ambiente, Cultura e Educação, Grupo de Trabalho em Propriedade Intelectual e Conhecimentos Tradicionais Associados

Gabriel Francisco da Silva, Federal University of Sergipe

Postgraduate Program in Intellectual Property Science.

References

Bachmann, D. L. & Destefani, J. H. (2008). Metodologia para estimar o grau de inovação nas MPE: Cultura do Empreendedorismo e Inovação. Anais do Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas.

Bachmann, D. (2010). Guia para a Inovação: Instrumento de orientação de ações para melhoria das dimensões da Inovação. SEBRAE.

Brasil. (2002). Lei n° 10.406, de 10 de janeiro de 2002. Institui o Código Civil. Brasília: Diário Oficial da República Federativa do Brasil, de 10 de janeiro de 2002.

Brasil. (2009). Portaria interministerial MDA, MDS e MMA n° 239, de 21 de julho de 2009. Brasília: Diário Oficial da República Federativa do Brasil, de 21 de julho de 2009.

Carvalho, G. D. G., Silva, W. V., Póvoa A. C. S. & Carvalho, H. G. (2015). Radar da inovação como ferramenta para o alcance de vantagem competitiva para micro e pequenas empresas. Revista de Administração e Inovação, (12:4), 162-186.

Cavalcanti, A. M., Santos, F. F. R., Cerqueira, J. A. O., Nery, E. G. & Barros, C. M. D. A. (2015). Diagnóstico da indústria de confecções a partir do radar e característico de inovação. Exacta – EP, (13:1), 105-114.

D’anjour, M.F. & Silva, N.G.A. (Orgs.). (2016). Mensurando a inovação: avaliação em MPEs participantes do Programa Agentes Locais de Inovação. SEBRAE.

Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit - GIZ. (2012). Governança em cadeias de valor da sociobiodiversidade: experiências e aprendizados de grupos multi-institucionais da Castanha do Brasil e Borracha-FDL no Acre. GIZ.

Figueiredo, P. N. (2005). Acumulação tecnológica e inovação industrial: conceitos, mensuração e evidências no Brasil. São Paulo em perspectiva, (19:1), 54-69.

González, M.O.A. & Silva, A.V. (Orgs.). (2019). Caracterizando a inovação: uma análise em MPEs participantes do Programa ALI. SEBRAE.

Marin, A.C., Junger, A.P., Moslavacz, F.L & Souza, J.F. (2018). Marketing digital como ferramenta de inovação e alavancagem de negóciosDigital marketing as a tool for innovation and business leverage.Research, Society and Development, (7:3), 01:13.

Marocollo, J. F., Echeverry, S. M. V., Hoogerheid, E. S. S. & Diniz, J. D. A. S. (2016). O papel das associações e cooperativas na estruturação da cadeia produtiva da castanha do Brasil (Bertholletia excelsa) no estado do Mato Grosso. Congresso da Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural.

Mota, D. M. & Silva Junior, J. F. (2003). Populações tradicionais e formas coletivas de gestão das áreas de ocorrência natural de mangabeira. Raízes: Revista de Ciências sociais e econômicas, (22:2), 225-233.

Mota, D. M., Silva Junior, J. F., Schmitz, H. & Rodrigues, R. F. A. (2011). A mangabeira, as catadoras, o extrativismo. EMBRAPA.

Martin, M. S. & Namusonge, M. J. (2014). Influence of innovation on small and medium enterprise (SME) growth-a case of garment manufacturing industries in Nakuru County. International Journal for Innovation Education and Research, (2:05), 31-41.

Néto, A. T. S. & Teixeira, R M. (2011). Mensuração do Grau de Inovação de Micro e Pequenas Empresas: Estudo em Empresas da Cadeia Têxtil- Confecção em Sergipe. Revista de Administração e Inovação, (8:3), 205-229.

Néto, A. T. S. (2012). Mensuração do grau da inovação em micro e pequenas empresas do Estado de Sergipe. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Sergipe, Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Regional e Gestão de Empreendimentos Locais, São Cristóvão, SE, Brasil.

Organização para Cooperação Econômica e Desenvolvimento – OCDE. (2004). Manual de Oslo: Proposta de Diretrizes para Coleta e Interpretação de Dados sobre Inovação Tecnológica. FINEP.

Santos, C. A. A. S., Saldanha, R. C. G., Costa, W. S., Ferreira Junior, D. F., Costa, J. R. M., Costa, I. A., Nascimento, B. L. M. & Façanha Filho, P. F. (2021). Proposal for sustainable modernization of the productive model of babassu coconut bran from an agroextractive reserve in Maranhão, Brazil. Research, Society and Development, 10(4), e6610413830.

Santos, J. V. (2007). O papel das mulheres na conservação das áreas remanescentes de mangabeiras (Hancornia speciosa Gomes) em Sergipe. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Sergipe, Programa de Pós-graduação em Agroecossistemas, São Cristóvão, SE, Brasil.

Sawhney, M., Wolcott, R.C. & Arroniz, I. (2006). The 12 different ways for companies to innovate. MIT Sloan Management Review, (47:3), 75-81.

Sergipe. (1992). Decreto nº 12.723, de 20 de janeiro de 1992. Institui a Mangabeira, como Árvore Símbolo do Estado de Sergipe. Sergipe: Diário Oficial do Estado, de 20 de janeiro de 1992.

Sergipe. (2010). Lei n° 7.082, 16 de dezembro de 2010. Reconhece as Catadoras de Mangaba como grupo cultural diferenciado e estabelece o auto-reconhecimento como critério do direito e dá outras providências. Sergipe: Diário Oficial do Estado de Sergipe, de 17 de dezembro de 2010.

Silva Junior, J. F. (2004). A cultura da mangaba. Revista Brasileira de Fruticultura, (26:1).

Silva, F.G., Hartman, A. & Reis, D.R. (2008). Avaliação do nível de inovação tecnológica nas organizações: desenvolvimento e teste de uma metodologia. Revista Produção Online, (8:4).

Souza, A.L.G. (2019). Acesso legal aos conhecimentos tradicionais associados à biodiversidade no Brasil. Tese de doutorado, Universidade Federal de Sergipe, Programa de graduação em Ciência da Propriedade Intelectual, São Cristóvão, SE, Brasil.

Rodrigues, R. F. A., Silva Júnior, J. F., Mota, D. M., Pereira, E. O. & Schmitz, H. (2017). Mapa do extrativismo da mangaba em Sergipe: situação atual e perspectivas. EMBRAPA.

Ventura, R. (2009). Mudanças no perfil do consumo no Brasil: principais tendências nos próximos 20 anos. Macroplan.

Published

14/08/2021

How to Cite

SOUZA, A. L. G. de; SANTOS, T. C.; SILVA, M. F. S.; SILVA, G. F. da. Degree of innovation in sociobiodiversity product value chain in the coastal Sergipe. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 10, p. e376101018916, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i10.18916. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/18916. Acesso em: 29 nov. 2021.

Issue

Section

Human and Social Sciences