A teenager in a situation of emotional suffering: the spontaneous search for help in a mental health service

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i10.18929

Keywords:

Adolescence; Emotional Distress; Social Support; Mental health.

Abstract

This study aims to present the case of a socially and familiarly vulnerable adolescent who spontaneously attended a mental health service. This case study with a 15-year-old teenager was based on three interviews at different appointments. At the first time, it was performed an open interview, with a script of semi-structured questions. In the second one, a photographic album of her family and her experiences was built to punctuate the young woman's moments and memories. In the third appointment, the lifeline technique was applied. It consisted of a participant's lifeline, marking the positive and negative points of her trajectory. The 15-year-old teenager is actually in the ninth year of elementary school and at the first meeting she reported being  lesbian. She attended the Municipal Mental Health Service in a rural city at the state of Mato Grosso, Brazil, in July 2020. With parents divorced, she has randomly lived with her grandmother or mother along each stage of her life. Her mother then left home five months ago and lives in another brazillian state with her girlfriend. The adolescent had traumatic events in her life: family disorder, domestic violence, lack of support, absent family reference, sexual abuse, self-mutilation, and even attempted suicide. This study shows that family structure is very important in the lives of young people, as the lack of support impairs their healthy development and growth. The young woman's family did not allow her full development and acted as a risk factor for her emotional suffering, as it did not provide a good biopsychosocial development, or qualified professional support that could help her in understanding her needs and faceing the problems.

References

Almeida. R. S. (2018). A prática da automutilação na adolescência: o olhar da psicologia escolar/ educacional. Ciências Humanas e Sociais. Alagoas, 4 (3), p. 147-160.

Alves, C. F. & Dell’aglio, D. D. (2015). Apoio Social e Comportamentos de Risco na Adolescência. Psico, v. 46, n. 2, p. 165-175.

Avanci, J. Q., Assis, S. G. E.; Oliveira, P. & Raquel V. C. (2008). Sintomas depressivos na adolescência: estudo sobre fatores psicossociais em amostra de escolares de um município do Rio de Janeiro, Brasil. Cadernos de Saúde Pública [online]. 24 (10) p. 2334-2346. <https://doi.org/10.1590/S0102-311X2008001000014>.

Aquino, J. C. M. de. (2020) Autolesão não suicida na adolescência: aspectos a serem abordados na Atenção Básica. Portal PEBMED. Disponível em: https://pebmed.com.br/autolesao-nao-suicida-na-adolescencia-aspectos-aserem-abordados-na-atencao-basica/.

Ataide, Y. D. B. (2000) A Educação e a cultura da paz. Revista da FAEEBA. Salvador, 16 (14), p. 21-28, jul/dez..

Bahls, Saint-Clair. (2002) Aspectos clínicos da depressão em crianças e adolescentes: clinical features. Jornal de Pediatria [online]. v. 78, n. 5 <https://doi.org/10.1590/S0021-75572002000500004>.

Baptista, M. N.; Baptista, A. S. Daher, D. & Righetto, R. (2001). Estrutura e suporte familiar como fatores de risco na depressão de adolescentes. Psicologia: Ciência e Profissão [online]. v. 21, n. 2 <https://doi.org/10.1590/S1414-98932001000200007>.

Barata, M. F. O.; Nóbrega, K. B. G. da; Jesus, K. C. S. de; Lima, M. L. L. T. de; Facundes, V. L. D. (2015), Rede de cuidado a crianças e adolescentes em sofrimento psíquico: ações de promoção à saúde. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo, [S. l.], v. 26, n. 2, p. 225-233. https://www.revistas.usp.br/rto/article/view/90134.

Bezerra Jr., B.. A psiquiatria contemporânea e seus desafios. (2014). In: Bezerra Jr., B.; COSTA, Jurandir Freire; Zorzanelli, R.(orgs.). A criação de diagnósticos na psiquiatria contemporânea. Rio de Janeiro: Garamont.

Bezerra, M. S.& Piana, M. C. (2019). 18 de maio é todo dia: a violência sexual contra criança e adolescente no Brasil. In: Congresso Brasileiro de Assistentes Sociais 2019. http://broseguini.bonino.com.br/ojs/index.php/CBAS/article/view/1255.

Brasil. (1990). Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências.

Brasil. (2016) Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Viva: instrutivo notificação de violência interpessoal e autoprovocada [recurso eletrônico]. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e Promoção da Saúde. 2. ed. Brasília : Ministério da Saúde.

Camilo, A. S.; Roza, A. R.; Silva, J. P.; Goedert. A. L.; Favreto, A.; Brandão, F. L. F. & Demarco, T. R. C. (2018). A Importância da Relação Família-Escola no Desenvolvimento Educacional Infantil. In.: Baumer, C.M. (org). Repositório de artigos do curso de psicologia: práticas em psicologia. Pato Branco

Cardoso, C. P. S. (2011). Adolescência na voz de adolescentes: bem estar e comportamentos autodestrutivos, um estudo exploratórioDissertação (Mestrado em Psicologia). Faculdade de Psicologia. Universidade de Lisboa, Lisboa, 2011. Disponível em: .

Carvalho, I. S., Costa, I. & Bucher-maluschke , J. (2007). Psicose e Sociedade: interseções necessárias para acompreensão da crise. Rev. Mal-Estar Subj., Fortaleza, 7 (1), p. 163- 189. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1518-61482007000100010&lng=pt&nrm=iso>

Carvalho, A. O. (2020). Abuso sexual infantil e as consequências no âmbito sexual das vítimas. Centro Universitário UNIFAAT. Curso de Psicologia. Trabalho de Conclusão do Curso de Psicologia. Atibaia: São Paulo.

Costa, I. I. (2014). Sofrimento humano, crise psíquica e cuidado: dimensões do sofrimento e do cuidado humano na contemporaneidade. In: COSTA, Ileno Izídio da (Org), Sofrimento humano e sofrimento psíquico: da condição humana às “dores psíquicas”. Brasília: Editora Universidade de Brasília, p. 23-67.

Costa, R. F.; Zeitoune, R. C. G.; Queiroz, M. V. O.; Garcia, C. I. G. & Garcia. M. J. R. (2015). Redes de apoyo al adolescente en el marco del cuidado sanitario: interfaz entre salud, familia y educación. Rev. Esc. Enferm. USP 49 (05). https://doi.org/10.1590/S0080-623420150000500005.

Crivelatti, M. M. B.; Durman, S.& Hofstatter, L. M. (2006). Sofrimento psíquico na adolescência. Texto & Contexto Enfermagem, vol. 15, n. especial.

Cunha, E. P., Silva, E. M. & Giovanetti, A. C. (2008). Enfrentamento à violência sexual infanto-juvenil: expansão do PAIR em Minas Gerais. Belo Horizonte: UFMG.

Dalgalarrondo, P. (2000). Psicopatologia e semiologia dos transtornos mentais. Porto Alegre: Artmed.

Dessen, M. A.& Polonia A. da C. (2007). A Família e a Escola como contextos de desenvolvimento humano. Paidéia: Ribeirão Preto v. 17, n. 36, p. 21- 41.

Dinamarco, A. V. (2011). Análise exploratória sobre o sintoma de automutilação praticada com objetos cortantes e/ou perfurantes, através de relatos expostos na internet por um grupo brasileiro que se define como praticante de automutilação. 2011. 117f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011. .

Elias, M. A. (2011). Violência Escolar. Caminhos Para Compreender e Enfrentar o Problema. Educação em Ação.São Paulo: Ática Educadores.

Ehnvall A; Parker G, Hadzi-Pavlovic D. & Malhi G. (2008). Perception of rejecting and neglectful parenting in childhood relates to lifetime suicide attempts for females--but not for males. Acta Psychiatr Scand. Jan;117(1):50-6. doi: 10.1111/j.1600-0447.2007.01124.x. Epub 2007 Nov 19. PMID: 18028251.

Florentino, B. R. B. (2015). As possíveis consequências do abuso sexual praticado contra crianças e adolescentes. Fractal: Revista de Psicologia, 27 (2), p. 139-144. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1984-0292/805

Furniss, T. (1993). Abuso Sexual da Criança: uma abordagem multidisciplinar. Porto Alegre: Artes Médicas.

Giordani, J. P., Seffner, F. & Dell'aglio, D. D. (2017). Violência escolar: percepções de alunos e professores de uma escola pública. Psicol. Esc. Educ., Maringá, 21 (1), p. 103-111.

Giusti, J. S. (2013). Automutilação: características clínicas e comparação com pacientes com transtorno obsessivo-compulsivo. Tese (Doutorado em Ciências). Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, Universidade de São Paulo, São Paulo. .

Hawton K, Saunders K E, O'Connor R C. (2012) Self-harm and suicide in adolescents. Lancet. 23; 379 (9834):2373-82. doi: 10.1016/S0140-6736(12)60322-5. PMID: 22726518.

Leong C H, Wu A M, Poon M M. (2014) Measurement of perceived functions of non-suicidal self-injury for Chinese adolescents. Arch Suicide Res. 18 (2): 193-212. doi: 10.1080/13811118.2013.824828. PMID: 24568552.

Lopes Neto & Aramis, A. (2005) Bullying: comportamento agressivo entre estudantes. Jornal de Pediatria [online]. 2005, v. 81, n. 5 suppl, pp. s164-s172. https://doi.org/10.1590/S0021-75572005000700006. ISSN 1678-4782. https://doi.org/10.1590/S0021-75572005000700006.

Macedo, M. M. K., Baldo, M.A., Santos, R. L., Ribas, R. F., Silva, S. M. & Gonçalves, T. G. (2011) Motivos de busca de atendimento psicológico por adolescentes em uma clínica-escola. Psicol. teor.prat., São Paulo, v. 13, n. 2, p. 63-75. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516- 36872011000200005&lng=pt&nrm=isso.

Macedo, V. C. D. & Monteiro, A. R. M.. (2006). Educação e saúde mental na família: experiência com grupos vivenciais. Texto contexto enferm., Florianópolis, 15 (2), p. 222-230. /www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104- 07072006000200005&lng=en&nrm=iso

Magnani, R. M.& Staudt, A. C. P. (2018). Estilos parentais e suicídio na adolescência: uma reflexão acerca dos fatores de proteção. Pensando fam., Porto Alegre, 22 (1), p. 75-86. <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-494X2018000100007&lng=pt&nrm=iso>.

Martins, G. A. (2008) Estudo de caso: uma reflexão sobre a aplicabilidade em pesquisas no Brasil. Revista de Contabilidade e Organizações, v. 2, n. 2, p. 9-18, jan./abr.

Mângia, E. F.; Assumpção, C. N.; Quinta, J. M. & Rufino, M. de F. (2003) Necessidades de adolescentes com sofrimento psíquico. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo, [S. l.], v. 14, n. 3, p. 123-132. DOI: 10.11606/issn.2238-6149.v14i3p123-132. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rto/article/view/13927.

Meirinhos, M.; Osório, A. (2016). O estudo de caso como estratégia de investigação em educação. Eduser - Revista de Educação, [S.l.], v. 2, n. 2. ISSN 1645-4774. <https://www.eduser.ipb.pt/index.php/eduser/article/view/24>. doi: http://dx.doi.org/10.34620/eduser.v2i2.24.

Monteiro, A. R. M; Teixeira, L. A.; Silva, R. S. M; Rabelo, K. P. S; Tavares, S. F. V & Távora, R .C. O. (2012). Sofrimento psíquico em crianças e adolescentes: a busca pelo tratamento. Escola Anna Nery [online], v. 16, n. 3, pp. 523-529. <https://doi.org/10.1590/S1414-81452012000300014>. Epub 12 Set 2012. ISSN 2177-9465. https://doi.org/10.1590/S1414-81452012000300014.

Pasini, A. L. W.; Silveira, F. L. da; Silveira, G. B. da; Busatto, J. H.; Pinheiro, J. M.; Leal, T. G.; Laguna, T. F. dos S.; Jaeger, F. P.; Guazina, F. M. N. & Carlesso, J. P. P. (2021) Suicide anddepression in adolescence: riskfactorsandpreventionstrategies. Research, Society and Development, [S. l.], v. 9, n. 4, p. e36942767, 2020. DOI: 10.33448/rsd-v9i4.2767. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/2767.

Pereira, M. (2000) Epidemiologia: teoria e prática. Rio de Janeiro: Editora Guanabara/Koogan S.A.

Pereira, A. S. P.; Shitsuka, D. M.; Parreira, F. J. & Shitsuka, R. (2018). Metodologia da pesquisa científica [recurso eletrônico] 1. ed. Santa Maria, RS : UFSM, NTE. e-book

Picanço, A. L. B. (2012). A Relação entre escola e família - As suas implicações no processo de ensino-aprendizagem. Escola Superior de Educação João de Deus. Dissertação. Mestrado em Ciências da Educação – Supervisão Pedagógica. Lisboa.

Pigozi, P L M, Ana Lúcia. (2015). Bullying na adolescência: visão panorâmica no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva [online]. 20 (11), pp. 3509-3522. <https://doi.org/10.1590/1413-812320152011.05292014>.

Pinto, A. C. S., Luna, I.Z., Sivla, A.A., Costa, P.N., Batista, V.A., Braga, A.B. & Souza, M.A. (2014) Fatores de risco associados a problemas de saúde mental em adolescentes: revisão integrativa. Rev. esc. enferm. USP [online]. v.48, n.3, p.555-564.

Prado, M. C. C. A. (Org.). (2004). O mosaico da violência. São Paulo: Vetor.

Pratta, E. M. M.; Santos, M. A. (2006). Reflexões sobre as relações entre drogadição, adolescência e família: um estudo bibliográfico. Estud. Psicol. , Natal, 11 (3), p. 315-322. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413- 294X2006000300009&lng=en&nrm=iso

Prieto, D. Y. C. (2017). Precisamos falar sobre suicídio. FEBRAPSI. Mesa Redonda, Brasília: DF.

Ribeiro, K. C. S., Medeiros, C. S., Coutinho, M. P. L. & Carolino, Z. C. G (2012). Representações sociais e sofrimento psíquico de adolescentes com sintomatologia depressiva. Psicol. teor. prat., São Paulo , v. 14, n. 3, p. 18-33. <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-36872012000300002&lng=pt&nrm=iso>.

Romaro, R. A; Capitão, C. G. (2007). As faces da violência: aproximações, pesquisas, reflexões. São Paulo: Vetor.

Romanelli, G. (2003). Autoridade e poder na família. In: Carvalho, M.C.B. (Org.). A família contemporânea em debate. São Paulo. Cortez, p.73-88.

Rossi, L. M., Marcolino, T. Q., Speranza, M. & Cid, F. B. (2019) Crise e saúde mental na adolescência: a história sob a ótica de quem vive. Cadernos de Saúde Pública [online]. 2019, v. 35, n. 3. <https://doi.org/10.1590/0102-311X00125018>. Epub 11 Mar 2019. ISSN 1678-4464. https://doi.org/10.1590/0102-311X00125018.

Schilling, F. (2014). A sociedade da insegurança e a violência na escola. São Paulo: Summus.

Senna, S. R. C. M., & Dessen, M. A. (2012). Contribuições das teorias do desenvolvimento humano para a concepção contemporânea da adolescência. Psicologia: Teoria e Pesquisa,1, 101-108.

Serpa Jr., O., Campos, R.O.C., Pitta, A.M., Diaz, A.G. & Dahl, E.L. (2014). Experiência narrativa e conhecimento: a perspectiva do psiquiatra e do usuário. Physis Revista de Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, 24 (4), 1053-1077.

Soares, G. G. (2020). Sofrimento psíquico e adolescência: reflexões acerca dos sentidos atribuídos à adolescência. Boletim de Conjuntura (BOCA), Boa Vista, v. 4, n. 10, p. 100-107, oct. 2020. ISSN 2675-1488. <https://revista.ufrr.br/boca/article/view/Soares>. doi:http://dx.doi.org/10.5281/zenodo.4073586.

Volling B L&, Elins J L. (1998). Family relationships and children's emotional adjustment as correlates of maternal and paternal differential treatment: a replication with toddler and preschool siblings. Child Dev. 69 (6): 1640-56. PMID: 9914644.

Vicentin M C G & Gramkow G. (2010). Que desafios os adolescentes autores de ato infracional colocam ao SUS? Algumas notas para pensar as relações entre saúde mental, justiça e juventude. In: Lauridsen-Ribeiro E, Tanaka OY, organizadores. Atenção em saúde mental para crianças e adolescentes no SUS. São Paulo: Editora Hucitec, p. 337-51.

World Health Organization. (2016). Practice Manual for Establishing and Maintaining Surveillance Systems for Suicide Attempts and Self-Harm; World Health Organization: Geneva, Switzerland.

Published

15/08/2021

How to Cite

SCARPAZZA, C. F.; VIEIRA, A. G.; ALMEIDA NETO, H. de. A teenager in a situation of emotional suffering: the spontaneous search for help in a mental health service. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 10, p. e437101018929, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i10.18929. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/18929. Acesso em: 29 nov. 2021.

Issue

Section

Health Sciences