Impacts and consequences of fad diets and supplementation on eating behavior

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i10.19089

Keywords:

Fad diets; Feeding and eating disorders; Nutritional sciences.

Abstract

Fad diets are gaining more and more evidence in the media and social networks being treated as “miracle diets” promising immediate results for aesthetic purposes in a short period. The objective of this work is to discuss the impacts and consequences of restrictive diets and supplements that are used without the prescription of a qualified professional. This work is a bibliographic review, where the following databases were accessed: Pubmed, Academic Google and SciELO. The selected articles were mostly after 2010, but it was necessary to search for research carried out before 2010, due to the absence of a concrete database. The importance of proper guidance from a professional nutritionist in relation to a patient's eating plan is essential to avoid damage to mental and physical health caused by dietary restrictions. Also noteworthy is the correct use of dietary supplements prescribed by a professional nutritionist and the individuality of each one for the body of each patient, thus avoiding harming health with incorrect use.

References

Alvarenga, M. & Figueiredo, M. & Timerman, F. & Antonaccio, C. (2015). Nutrição Comportamental. Ebook.

Amaral, A. & Nascimento, O. (2020). Efeitos da suplementação de creatina sobre o desempenho humano: Uma revisão de literatura. BIUS, 21(15).

Andrade, A & Bosi, M. L. M. (2003). Mídia e subjetividade: impacto no comportamento alimentar feminino. Revista de Nutrição, 16(1), 117-125.

Andrade, C. et al. (2021) Dietas restritivas e o risco para o desenvolvimento de compulsão alimentar em adolescentes. Brazilian Journal of Development, 7(5), 50918-50928.

Antonio, J. et al. (2021). Common questions and misconceptions about creatine supplementation: What does the scientific evidence really show? Journal of the International Society of Sports Nutrition, 18(13).

Betoni, F. et al. (2010). Avaliação de utilização de dietas da moda por pacientes de um ambulatório de especialidades em nutrição e suas implicações no metabolismo. ConScientiae Saúde, 9(3), 430-440.

Brasil. Ministério da Saúde. Guia alimentar para a população brasileira. 1-159.

Bokhorst, V. S. (2005). Nutritional support strategies for malnourished cancer patients. Eur J Oncol Nurs, 2, 74-83.

CFN - Conselho Federal de Nutricionistas. (2018). Resolução CFN N° 599/2018. Código de Ética e de Conduta do Nutricionista.

Cormier, B. (2018). Exposure to fad diet advertising among youth and young adults in Canada. Tese (Doutorado) - University Of Waterloo, Canadá.

Ferreira, F. A. & Vanni, A. C. & Spinelli, R. B. & Santolin, M. B. (2018) Utilização de diferentes estratégias nutricionais por praticantes de musculação em uma academia na região norte do Rio Grande do Sul. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, 12(75), 936-943.

Fraga, T. B. et al. Uso de Estratégias de Comunicação e Informação por Nutricionistas no Instagram: uma análise sob a interpretação do Código de Ética e de Conduta do Nutricionista. Trabalho de conclusão de curso (TCC) na Nutrição.

Field, A. E. et al. (1999). Relation of peer and media influences to the development of purging behaviors among preadolescent and adolescent girls. Arch Pediatr Adolesc Méd. 153(11), 1184-1189.

Freire, A. C. S. A. & Araújo, L. B. (2017). Composição nutricional de dietas de detoxificação divulgadas em revistas e em mídia digital não científicas. RBNE - Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, 11, (65), 536-543.

Johnson, F. & Wardle, J. (2005). Dietary Restraint, Body Dissatisfaction, and Psychological Distress: A Prospective Analysis. Journal of Abnormal Psychology, 114(1), 119–125.

Khawandanah, J. & Tewfik, I. (2016). Fad Diets: Lifestyle Promises and Health Challenges. Journal of Food Research, 5(6), 80-94.

Leal, G. et al. (2013). O que é comportamento de risco para transtornos alimentares em adolescentes? J. bras. psiquiatr, 62(1), 62-75.

Lima, A. V. et al. (2015). Teor calórico e de macronutrientes de dietas veiculadas em revistas femininas não científicas impressas. Revista. Interdisciplinar, 8(4), 136-143.

Lima, C. A. et al. (2017). Efeito da Cafeína sobre o Desempenho em Teste de Capacidade Aeróbica. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, 11(67), 884-890.

Lira, A. et al. (2017) Uso de redes sociais, influência da mídia e insatisfação com a imagem corporal de adolescentes brasileiras. Jornal Brasileiro de Psiquiatria [online], 66(3), 164-171.

Longo, E. N. & Navarro, E.T. (2010). Avaliação de utilização de dietas da moda por pacientes de um ambulatório de especialidades em nutrição e suas implicações no metabolismo. ConScientiae Saúde, 9(3), 430-440.

Macedo, M. et al. (2021). Os riscos para saúde associados ao consumo de suplemento alimentar sem orientação nutricional. Research, Society and Development. 10(3).

Magalhães, L. et al. (2017). A influência de blogueiras fitness no consumo alimentar da população. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento. 11(68), 685-692.

Magalhães, V. C. & Mendonça, G. (2005). Transtornos alimentares em universitárias: estudo de confiabilidade da versão brasileira de questionários auto preenchiveis. Revista Brasileira de Epidemiologia [online]. 8(3), 236-245.

Maltez, Bárbara. A influência de dietas restritivas nos diversos transtornos alimentares em mulheres jovens. Trabalho de conclusão de curso (TCC) na Nutrição.

Malysse, S. (1998). Em busca do corpo ideal. Sexualidade, Gênero e Sociedade. 7(8), 12-17, 1998.

Marangoni, J. S. & Maniglia, F. P. (2017). Análise da composição nutricional de dietas da moda publicadas em revistas femininas. Revista da Associação Brasileira de Nutrição - RASBRAN, 8(1), 31–36.

Mcfarlane, T. & Polivy, J. & Mccabe, R. E. (1999). Help, not harm: Psychological Foundation for a Nondieting Approach Toward Health. Journal Of Social Issues. 55( 2), 261-276.

Montani, J. P. & Schutz, Y. & Dulloo, A. G. (2015). Dieting and weight cycling as risk factors for cardiometabolic diseases: who is really at risk? Obesity Reviews. 16, 7-18.

Morgan, C. M. & Vecchiatti, I. R. & Negrão, A. B. (2002). Etiologia dos transtornos alimentares: aspectos biológicos, psicológicos e sócio-culturais. Brazilian Journal of Psychiatry [online]. 24(3), 18-23.

Nogueira, L. R. & Mello, A. V. & Spinelli, M. G. N. & Morimoto, J. M. (2016). Dietas da moda consumidas por desportistas de um clube e academias em São Paulo. RBNE - Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. 10(59), 554-561.

Ogden, J. (1996). A vez do gordo? Desfazendo o mito da dieta.

Pacheco, C. Q. & Oliveira, M. & Stracieri, A. (2009). Análise nutricional de dietas publicadas em revistas não científicas destinadas ao público feminino. NUTRIR GERAIS – Revista Digital de Nutrição. 3(4), 346-361.

Passos, J. A. & Vasconcellos-Silva, P. B. & Santos, L. A. S. (2020). Ciclos de atenção a dietas da moda e tendências de busca na internet pelo Google trends. Ciênc. saúde coletiva. 25(7), 2615-2631.

Patton, G.C & Selzer, R & Coffey, C & Carlin, J B & Wolfe, R. (1999). Onset of adolescent eating disorders: population based cohort study over 3 years. BMJ. 318, 765-768.

Peixoto, S. F. F. (2020). Redes Sociais e Escolhas Alimentares Social Networks and Food Choices. Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto.

Penz, L. et al. (2008). Risco para desenvolvimento de transtornos alimentares em estudantes de Nutrição. Scientia Medica. 18(3), 124-128.

Santos, C. S. & Nascimento, F. E. (2019). Consumo isolado de aminoácidos de cadeia ramificada e síntese de proteína muscular em humanos: uma revisão bioquímica. Einstein. 17(3), 48-98.

Soihet, J. & Silva, A. D. (2019). Efeitos psicológicos e metabólicos da restrição alimentar no transtorno de compulsão alimentar. Nutrição Brasil. 18(1), 55.

Sousa, L. & Sanches, R. (2018). O corpo do/no discurso midiático das dietas: efeitos do novo e da novidade. Revista Famecos Porto Alegre. 25(1).

Souto, S. & Ferro-Bucher, J. (2006). Práticas indiscriminadas de dietas de emagrecimento e o desenvolvimento de transtornos alimentares. Rev. Nutr. 19(6), 693-704.

Steen, S. et al. (1988). Metabolic Effects of Repeated Weight Loss and Regain in Adolescent Wrestlers. JAMA. 260, 47-50.

Teixeira, V. & Matos, B. (2020). O efeito da suplementação de cafeína no exercício aeróbio. Trabalho de conclusão de Curso na Nutrição.

Vandusseldorp, T. A. & Escobar, K. A. & Jhonson, K. E. & Stratton, M.T. (2018). Efeito da suplementação de aminoácidos de cadeia ramificada na recuperação após exercício excêntrico agudo. Nutrients. 10, 1389.

Viana, D. S. O. (2015). Análise Nutricional das Dietas da Moda. Trabalho de Conclusão de Curso na Nutrição.

Wolf, N. (1996). O mito da beleza: como as imagens de beleza são usadas contra as mulheres.

Published

15/08/2021

How to Cite

FARIA, A. L. .; ALMEIDA, S. G. de .; RAMOS, T. M. . Impacts and consequences of fad diets and supplementation on eating behavior. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 10, p. e441101019089, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i10.19089. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/19089. Acesso em: 24 feb. 2024.

Issue

Section

Review Article