Solidarity economy and mental health: a report on work inclusion practices

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i10.19324

Keywords:

Mental health; Public policy; Work; Solidarity economy; Social inclusion; Public health.

Abstract

The current Mental Health public policy presents as one of its objectives the investiture in the inclusion of people with mental disorders through work. In this context, a fruitful partnership has been established with Solidarity Economy. The objective of this article is to report the experience arising from an extension project conducted by Federal University of Paraná, presenting potentialities, barriers and the strategies adopted for structuring a solidary enterprise situated in the interface with Mental Health. The experience report was structured from the analysis, based on the hermeneutic-dialectic perspective, of field diary, carried out between August 2018 and July 2019. From the report, it is highlighted: the difficulties and potentialities inherent to networking, assuming the importance of the organic and human construction of different institutional partnerships; several actions to build knowledge on Solidarity Economy; the importance of building relationships with locoregional Solidarity Economy networks; the need of the commitment to guaranteeing the right to work; actions to build popular education in Solidarity Economy; the need to build and use devices that promote territorial health care, underlining the contribution of therapeutic accompaniment. Therefore, the need for public policies that provide both structure and support for the development of solidary enterprises and for community care is also highlighted, in order to guarantee conditions for social inclusion of people with mental disorders through the work.

References

Aguiar, J. L. C., & Soares Filho, V. (2018). Políticas públicas de economia solidária: um estudo de caso na Prefeitura Municipal de Palmas/TO. Revista Humanidades e Inovação, 5(2), 70-79.

Almeida, L. A. P. I. (2018). Economia Solidária com foco em cooperativa de reciclagem de resíduos sólidos (Trabalho de Conclusão de Curso, Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade do Sul de Santa Catarina). Recuperado de http://www.riuni.unisul.br/handle/12345/5516.

Alvarez, A. P. E., Neves, C. E. A. B., & Silva C. O. (2017). Saúde mental e economia solidária: pesquisa cartográfica em um dispositivo clínico-político. CBSM, 9(22), 124-144.

Amarante, P., & Nunes, M. O. (2018). A reforma psiquiátrica no SUS e a luta por uma sociedade sem manicômios. Ciênc. saúde coletiva., 23(6), 2067-2074.

Araújo, A. K., & Soares, V. L. (2018). Trabalho e saúde mental: relato de experiência em um CAPS AD III na cidade de João Pessoa, PB. Saúde Debate, 42(Especial 4), 275-284.

Pereira A. S. et al. (2018). Metodologia da pesquisa científica. [free e-book]. Santa Maria/RS. Ed. UAB/NTE/UFSM.

Brasil. Casa Civil. Decreto nº 7.508, de 19 de setembro de 1990. (1990). Regulamenta a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a assistência à saúde e a articulação interfederativa, e dá outras providências. Diário Oficial da União, 29 jun 2011.

Brasil. Casa Civil. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. (1990). Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial da União, 20 set 1990.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 121, de 25 de janeiro de 2012. (2012). Institui a Unidade de Acolhimento para pessoas com necessidades decorrentes do uso de Crack, Álcool e Outras Drogas (Unidade de Acolhimento), no componente de atenção residencial de caráter transitório da Rede de Atenção Psicossocial. Diário Oficial da União, 25 jan 2012.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 130, de 26 de janeiro de 2012. (2012). Redefine o Centro de Atenção Psicossocial de Álcool e outras Drogas 24 h (CAPS AD III) e os respectivos incentivos financeiros. Diário Oficial da União, 27 jan 2011.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 131, de 26 de janeiro de 2012. (2012). Institui incentivo financeiro de custeio destinado aos Estados, Municípios e ao Distrito Federal para apoio ao custeio de Serviços de Atenção em Regime Residencial, incluídas as Comunidades Terapêuticas, voltados para pessoas com necessidades decorrentes do uso de álcool, crack e outras drogas, no âmbito da Rede de Atenção Psicossocial. Diário Oficial da União, 27 jan 2012.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 3.088, de 23 de dezembro de 2011. (2011). Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União, 26 dez 2011.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria de Consolidação nº 3, de 28 de setembro de 2017. (2017). Consolidação das normas sobre as redes do Sistema Único de Saúde. Diário Oficial da União, 28 set 2017.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 3.588, de 21 de dezembro de 2017. (2017). Altera as Portarias de Consolidação no 3 e nº 6, de 28 de setembro de 2017, para dispor sobre a Rede de Atenção Psicossocial, e dá outras providências. Diário Oficial da União, 22 dez 2017.

Damasceno, N. F. P., Malvezzi, E., Sales, C. M., & Sales, A. (2018). A narrativa como alternativa na pesquisa em saúde. Interface (Botucatu), 22(64), 133-40.

Ferreira, F. M. (2018). Economia solidária: um estudo sobre as incubadoras públicas municipais (Dissertação de mestrado, Programa de Pós-Graduação em Administração Pública, Universidade Federal de Goiás). Recuperado de http://repositorio.bc.ufg.br/tede/handle/tede/8510.

Ferro, L. F., Franzoloso, C. L. S., & Burnagui, J. G. (2021). Redes de Economia Solidária: estratégias para a captação de recursos. REU, 46(2), 469-495.

Gontijo, F. M. C., & Paula, A. P. P. (2019). Os sentidos da economia solidária: reflexões sobre um curso de formação. Educ. Pesqui., 45;e185054.

Lima, M. G., Gussi, M. A., & Furegato, A. R. F. (2018). Centro de Atenção Psicossocial, o cuidado em saúde mental no Distrito Federal, Brasil. Tempus, actas de saúde colet., 11(4), 197-220.

Martins, L. A. S., Oliani, F. S., & Riffel, C. M. (2017). Tecendo redes de solidariedade: uma aposta de fortalecimento da economia solidária na Região da Foz do Rio Itajaí/SC. Florianópolis, SC: Insular.

Mazucato, T., Zambello, A. V., Soares, A. G., Tauil, C. E., Donzelli, C. A., Fontana, F., & Chotolli, W. P. (2018). Metodologia da Pesquisa e do Trabalho Científico. Penápolis, (SP): FUNEPE.

Medeiros, A. J. S., Vilaça, M., Nunes, J., Dubeux, A. (2018). Economia solidária, educação popular e a pedagogia da autogestão: reaprendendo a viver pelas veredas da descolonização do saber do nordeste. Coletânia educação popular e economia solidária no nordeste. Olinda, PE: MXM Gráf. Ed..

Miekoanski, E. (2012, 10 de outubro). Cozinha que gera renda, mata a fome e dá saúde. Gazetadopovo.com.br. Recuperado de https://www.gazetadopovo.com.br/vida-e-cidadania/cozinha-que-gera-renda-mata-a-fome-e-da-saude-2ecdo3z6gbuj9m03lsbgwtc9a.

Ministério do Desenvolvimento Social (2015). MapaSAN 2015. Aplicações. Equipamentos Públicos de Segurança Alimentar e Nutricional. Recuperado de https://aplicacoes.mds.gov.br/sagi/simulacao/mapasan/lista/censosanLista.php?ano=2015.

Moraes, R. C. P.,& Castro-Silva, C. R. (2016). Sentidos e Processos Psicossociais envolvidos na Inclusão pelo Trabalho na Saúde Mental. Psicol., Ciênc. Prof. (Impr.), 36(3), 748-762.

Nagem, F. A., & Jesus, S. A. (2013). V Plenário nacional de economia solidária: trajetória e construção da economia solidária no Brasil (Relatório do Instituto de Ciência Econômica Aplicada). Brasília, DF: Ipea.

Oliveira, F. B., Moreira, M. R. C., Lima Junior, J. F. L., Nascimento, D. C., Silva, F. M. S., & Antunes J. (2018). Articulação das políticas públicas de saúde mental e economia solidária – iniciativas de geração de trabalho e renda. HOLOS, 6(34), 130-140.

Righi, L. B., & Gonçalves, C. H. (2018). Cartografia e Hermenêutica nos Enlaces da Pesquisa Participativa. Rev. Polis e Psique., 8(1), 132–143.

Sampaio, F. R. R. (2019). Diário de Campo: eventos de pesquisa de 22 de março de 2018 até 12 de agosto de 2019. Curitiba, PR: Sampaio.

Santos, C. V. (2018). Evolução da produção científica em economia solidária: o cenário brasileiro. ORG & DEMO, 19(1), 97-112.

Santos, S. C. (2017). Jogos cooperativos e jogos competitivos: manifestações de suas características em um ambiente educativo (Dissertação de Mestrado, Faculdade de Ciências Humanas, Universidade Metodista de Piracicaba). Recuperado de https://iepapp.unimep.br/biblioteca_digital/visualiza.php?cod=MTc0Mg==.

Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. (2018). Princípios e Práticas para Educação Alimentar e Nutricional. Brasília, DF: Ministério do Desenvolvimento Social.

Silva, F. J. S. (2018). Jogos cooperativos como ferramenta pedagógica para as aulas de educação física. Revista Carioca de Educação Física., 13(1), 34-46.

Silva, S. P. (2020). Dinâmicas da economia solidária no Brasil: organizações econômicas, representações sociais e políticas públicas. Brasília, DF: IPEA

Souza, A. R., & Augusto Júnior. F. (2020). A economia solidária como resposta à crise pandêmica e fator de outro tipo de desenvolvimento. p2p, 7(1), 8-25.

Tribuna do Paraná. (2005, 03 de agosto). Secretaria do Trabalho conclui entrega de 28 cozinhas comunitárias. Tribunapr.com.br. Recuperado de https://www.tribunapr.com.br/noticias/secretaria-do-trabalho-conclui-entrega-de-28-cozinhas-comunitarias/. Acesso em: 14 de julho de 2021.

Vitale, C. M. F. L., & Silva, L. A. M. G. (2017). Aplicação da Teoria dos Jogos na mediação de conflitos: o Equilíbrio de Nash como estratégia de maximização de ganhos. Revista FONAMEC., 1(1), 94-110.

Published

20/08/2021

How to Cite

SAMPAIO, F. R. R. .; FERRO, L. F. Solidarity economy and mental health: a report on work inclusion practices. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 10, p. e588101019324, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i10.19324. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/19324. Acesso em: 21 oct. 2021.

Issue

Section

Health Sciences