Medicinal plants used by women in quilombola communities in the Recôncavo Baiano

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i12.19916

Keywords:

Ethnobotany; Traditional medicine; Traditional community.; Ethnobotany; Traditional medicine; Traditional community.

Abstract

The recovery and maintenance of traditional knowledge associated with the use of medicinal plants is essential for traditional communities, such as quilombola peoples, especially because these resources are easily accessible, often being the main means of health care. Thus, the objective was to carry out a survey of medicinal plants used by women in quilombola communities in Bahia's Recôncavo region. The work was carried out in four communities: Engenho da Cruz, Mutecho Acutinga, Terreno do Governo and Guaruçu, in the municipalities of Cachoeira, São Félix and Maragogipe, in Bahia's Recôncavo. Data were collected from an intentional non-probabilistic sampling with semi-structured interviews with 25 quilombola women who are part of Solidarity Economy Enterprises in their respective communities. Forty plant species were cited as a medicinal resource. Lippia alba (Lemon balm, Verbenaceae) was the most cited species (n = 22), being present in 22 backyards. The leaves stood out as the most used plant structure for oral use in the form of tea. Among the research participants, medicinal plants offer opportunities for health care, findings that suggest their biocultural importance.

References

Albuquerque, U. P. & Andrade, L. H. C. (2002). Uso de recursos vegetais da caatinga: o caso do agreste do estado de Pernambuco (Nordeste do Brasil). Interciência, (27) 7, 336-346.

Albuquerque, U. P., Lucena, R. F. P. & Lins Neto, E. M. F. (2010). Seleção dos participantes da pesquisa. In: Albuquerque, U. P., Lucena, R. F. P., Cunha, L. V. F. C. (Org.). Métodos e técnicas na pesquisa etnobiológica e etnoecológica. Recife, Pernambuco. p. 21-37.

Albuquerque, U. P., Cunha, L. V. F. C., Lucena, R. F. P., Alves, R. R. N. (Eds.) (2014). Methods and Techniques in Ethnobiology and Ethnoecology, Springer Protocols Handbooks. 480 p.

Almeida, C. F. C. B. R. (2004). Etnobotânica nordestina: estratégia de vida e composição química como preditores do uso de plantas medicinais por comunidades locais na caatinga. Dissertação de mestrado, Recife, Pernambuco, Brasil.

Amorozo, M. C. M. (2002). Uso e diversidade de plantas medicinais em Santo Antônio do Leverger, MT, Brasil. Acta Botanica Brasilica, (16) 2, 189-203. https://doi.org/10.1590/S0102-33062002000200006

Brasil (2012). Conselho Nacional De Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Dispõe sobre diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília. Disponível em: http://bit.ly/1mTMIS3

Brasil (2016). Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica. Política e Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos/Ministério da Saúde, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Departamento de Assistência Farmacêutica. – Brasília: Ministério da Saúde, 190 p.

Carvalho, A. M. (2007). Etnobotânica do nordeste português: espécies, usos e saberes da Terra-Fria Transmontana. CIMO, Rota de Investigação. Escola Superior Agrária de Bragança, Instituto Politécnico de Bragança.

Fabro, M.; Ramos, F. A.; Israel, A. P. & Souza, P. A. (2020). Identificação das plantas medicinais utilizadas pelos moradores da região da Serra Catarinense. Research, Society and Development, (9) 7, 1-10. http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i7.5230

Ferreira, A. L. S; Batista, C. A. S. & Pasa, M. C. (2015). Uso de plantas medicinais na comunidade quilombola mata cavalo em nossa senhora do livramento – MT, Brasil. Biodiversidade, (14) 1. 151-160.

Florentino, A. T. N.; Araújo, E. L. & Albuquerque, U. P. (2007). Contribuição de quintais agroflorestais na conservação de plantas da Caatinga, Município de Caruaru, PE, Brasil. Acta Botanica Brasilica, (21) 1, 37-47. https://doi.org/10.1590/S0102-33062007000100005

Freitas, A. V. L., Coelho, M. F. B., Pereira, Y. B., Freitas Neto, E. C. & Azevedo, R. A. B. (2015). Diversidade e usos de plantas medicinais nos quintais da comunidade de São João da Várzea em Mossoró, RN. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, (17) 4, 845-856. https://doi.org/10.1590/1983-084X/14_080

Leite, I. A., Morais, A. M., Ó, K. D. S., Carneiro, R. G. & Leite, C. A. (2015). A etnobotânica de Plantas Medicinais no Município de São José de Espinharas. Biodiversidade, 14 (1), 22-30.

Lorenzi, H. & Matos, F.J.A. (2008). Plantas Medicinais no Brasil: nativas e exóticas. 2ª ed. Instituto Plantarum, Nova Odessa, São Paulo, 576p.

Marinho, M. G. V.; Silva, C. C. & Andrade, L. H. C. (2011). Levantamento etnobotânico de plantas medicinais em área de caatinga no município de São José de Espinharas, Paraíba, Brasil. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, (13) 2, 170-182. https://doi.org/10.1590/S1516-05722011000200008

Mesquita, S. S., Cruz, A. S., Leal, J. B. & Sousa, R. L. (2020). Etnobotânica das plantas medicinais utilizadas nos cuidados com a saúde na comunidade nossa Senhora do Livramento, Acará, Pará. Gaia Scientia, (14) 2, 142-159.

Nobre, C. J. S. (2015). Etnobotânica de plantas medicinais no ensino de biologia: uma contribuição da escola pública rumo ao resgate do conhecimento popular. Monografia, Patos, Paraíba, Brasil.

Oliveira, D. M. S. & Lucena, E. M. P. (2015). O uso de plantas medicinais por moradores de Quixadá-Ceará. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, (17) 3, 107-412. https://doi.org/10.1590/1983-084X/13_095

Oliveira, E. R. & Menini Neto, L. (2012). Levantamento etnobotânico de plantas medicinais utilizadas pelos moradores do povoado de Manejo, Lima Duarte - MG. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, (14) 2, 311-320. https://doi.org/10.1590/S1516-05722012000200010

Pasa, M. C. (2011). Saber local e medicina popular: a etnobotânica em Cuiabá, Mato Grosso, Brasil. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, (6)1, 179-196.

Pereira, B. E. & Diegues, A. C. (2010). Conhecimento de populações tradicionais como possibilidade de conservação da natureza: uma reflexão sobre a perspectiva da etnoconservação. Desenvolvimento e Meio Ambiente, (22), 37-50. http://dx.doi.org/10.5380/dma.v22i0.16054

Pereira, J. B. A., Rodrigues, M. M., Morais, I. R., Vieira, C. R. S., Sampaio, J. P. M., Moura, M. G., Damasceno, M. F. M., Silva, J. N., Calou, I. B. F., Deus, F. A., Peron, A. P., Abreu, M. C.; Militão, G. C. G. & Ferreira, P. M. P. (2015). O papel terapêutico do Programa Farmácia Viva e das plantas medicinais o centro-sul piauiense. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, (17) 4, 550-561. https://doi.org/10.1590/1983-084X/14_008

Pereira, L. L. & Pacheco, L. (2017). O desafio do Programa Mais Médicos para o provimento e a garantia da atenção integral à saúde em áreas rurais na região amazônica, Brasil. Interface, (21) 1, 1181-1192. https://doi.org/10.1590/1807-57622016.0383

Rondon Neto, R. M., Byczkovski, A., Winnicki, J. A., Simão, S. M. S. & Pasqualotto, T. C. (2004). Os quintais agroflorestais do assentamento rural rio da areia, município de Teixeira Soares, PR. Cerne, (10) 1, 125-135.

Rosa, L. S. (2002). Limites e possibilidades do uso sustentável dos produtos madeireiros e não madeireiros na Amazônia brasileira: o caso dos pequenos agricultores da Vila Boa Esperança, em Moju, no Estado do Pará. Tese de doutorado. Belém, Pará, Brasil.

Rosa, L. S., Silveira, E. L., Santos, M. M., Modesto, R. S., Perote, J. R. S. & Vieira, T. A. (2007). Os quintais agroflorestais em áreas de agricultores familiares no município de Bragança-PA: composição florística, uso de espécies e divisão de trabalho familiar. Revista Brasileira de Agroecologia, (2) 2, 337-341.

Sales, G. P. S., Albuquerque, H. N. & Cavalcanti, M. L. F. (2009). Estudo do uso de plantas medicinais pela comunidade quilombola Senhor do Bonfim – Areia-PB. Revista de Biologia e Ciências da Terra, (1), 31-36.

Santos, E. Q., Costa, J. F. S., Pereira, M. G. S., Costa, J. M. & Sousa, R. L. (2019). Etnobotânica da flora medicinal de quintais na comunidade Mamangal, Igarapé-Miri, PA. Scientia Plena, (15) 5, 1-11. https://doi.org/10.14808/sci.plena.2019.051202

Silva, A. F. Sousa, R. L.; Silva, S. G.; Albuquerque, L. C. S.; Pereira, M. G. S.; Mesquita, S. S.; Silva, E. C. & Cordeiro, Y. E. M. (2021). Etnobotânica de plantas medicinais aromáticas: de plantas medicinais aromáticas: preparações e usos da flora local em cinco comunidades rurais localizadas na região do Baixo Tocantins, Pará, Brasil, Research, Society and Development, (10) 1, 1-12. http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v10i1.11284

Silva-Almeida, M. F. & Amoroso, M. C. M. (1998). Medicina popular no Distrito de Ferraz, Município de Rio Claro, Estado de São Paulo. Brazilian Journal of Ecology, (2), 36-46.

Silva, N. C. B., Regis, A. C. D. & Almeida, M. Z. (2012). Estudo Etnobotânico em comunidades remanescentes de Quilombo em Rio de Contas – Chapada Diamantina - BA. Revista Fitos, (7) 2, 99-109.

Silva, P. H., Oliveira, Y. R. & Abreu, M. C. (2017). Uma abordagem etnobotânica acerca das plantas úteis cultivadas em quintais em uma comunidade rural do semiárido piauiense, Nordeste do Brasil. Journal of Environmental Analysis and Progress, (2) 2, 144-159. https://doi.org/10.24221/jeap.2.2.2017.1175.144-159

Souza, F. C., Oliveira, E. N. A., Santos, D. C., Oliveira, F. A. A. & Mori, E. (2011) Uso de plantas medicinais (fitoterápicos) por mulheres da cidade de Icó-CE. Revista de Biologia e Farmácia, (5) 1, 161-170.

Valeriano, F.R.; Savani, F. R.; Silva, M. R. V.; Baracho, I. P. S.; Santos, M. S. C. & Braga, J. A. (2020). Uso de plantas medicinais na comunidade quilombola do Veloso, povoado de Pitangui – MG. Brazilian Journal of Development, (6) 12, 100701-100718. https://doi.org/10.34117/bjdv6n12-529

Vásquez, S. P. F.; Mendonça, M. S. & Noda, S. N. (2014). Etnobotânica de plantas medicinais em comunidades ribeirinhas do Município de Manacapuru, Amazonas, Brasil. Acta Amazonica, (44) 4, 457-472. https://doi.org/10.1590/1809-4392201400423

Vieira, T. A. (2006). Sistemas agroflorestais em áreas de agricultores familiares no município de Igarapé-Açu, Pará: adoção, composição florística e gênero. Belém: UFRA. 102p. Dissertação (Mestrado) Universidade Federal Rural da Amazônia.

Zuchiwschi, E., Fantini, A. C., Alves, A. C. & Peroni, N. (2010). Limitações ao uso de espécies florestais nativas pode contribuir com a erosão do conhecimento ecológico tradicional e local de agricultores familiares. Acta Botanica Brasilica, (24) 1, 270-282. https://doi.org/10.1590/S0102-33062010000100029

Published

23/09/2021

How to Cite

FARIAS, P. dos S. de; FREITAS, R. M. O. de; MATIAS, M. I. de A. S. .; NOGUEIRA, N. W. .; SOUZA, R. N. .; FERNANDES, A. C. O. . Medicinal plants used by women in quilombola communities in the Recôncavo Baiano. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 12, p. e328101219916, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i12.19916. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/19916. Acesso em: 20 may. 2024.

Issue

Section

Agrarian and Biological Sciences