Self-compacting concrete analysis with addition of construction waste

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i12.20483

Keywords:

Sustainability; Demolition waste; Mechanical test.

Abstract

The research sought to verify the feasibility of the use of civil construction waste as a contributor to the physical and mechanical characteristics of self-compacting concrete. Four treatments were tested facing the performance of the reference trait. Mixtures with replacement of 35, 40 and 45% of the fine aggregate by concrete residue to workability. The amount of additive was experimentally determined by testing in the fresh state. The treatments were submitted to evaluation of segregation endurance, passing ability, workability, absorption, compressive strength, and modulus of elasticity. With the obtained results in the fresh state, it is possible to infer that the mixes with the addition of residue maintained the characteristics of self-compacting concrete, being possible to classify its use according to the results required by the standard. For the tests in hardened form, the mixes with the addition of 35% and 45% of concrete residue achieved lower strengths than the reference mix by 17% and 24% respectively, only the mix with 40% addition exceeded the reference mix, at 56 days.

References

ABNT (2003). NBR. NM 248. Agregados – Determinação da composição granulométrica. Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

ABNT (2003). NBR. NM 52. Agregado miúdo - Determinação da massa específica e massa específica aparente. Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

ABNT (2003). NBR. NM 46. Agregados - Determinação do material fino que passa através da peneira 75 um, por lavagem. Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

ABNT (2006). NBR. NM 45. Agregados – Determinação da massa unitária e do volume de vazios. Associação Brasileira de Normas Técnicas, Rio de Janeiro.

ABNT (2007). NBR 5739. Concreto – Ensaios de compressão de corpos-de-prova cilíndricos. Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

ABNT (2008). NBR. 8522. Concreto – Determinação do módulo estático de elasticidade à compressão. Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

ABNT (2009). NBR. 9778. Argamassa e concreto endurecidos – absorção de água, índice de vazios e massa específica. Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

ABNT (2010). NBR. 15823: Concreto auto-adensável. Associação Brasileira de Normas Técnicas. (ABNT).

ABNT (2017). NBR. 15823. Concreto auto-adensável (vigente). Associação Brasileira de Normas Técnicas. (ABNT).

ABNT (2017). NBR 15823-2. Determinação do espalhamento, do tempo de escoamento e do índice de estabilidade visual. Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

Araújo, J. L.; Barbosa, N. P.; Dos Santos, S. B. (2003, agosto). Concreto auto-adensável com materiais locais no nordeste brasileiro. In 45º Congresso Brasileiro de Concreto. Vitória, Espirito Santo.

Barbosa, M. P. (2008). Concreto fresco: influência do empacotamento de partículas e outros fatores. Introdução à ciência dos materiais aplicados à engenharia civil. Ilha Solteira: UNESP.

Branco, R. P. (2012). Utilização de resíduos de concreto em concreto auto-adensável. (Dissertação de mestrado). Pós-Graduação em Engenharia Civil, Universidade Estadual Paulista, Ilha Solteira.

Barros, P. G. d. S. (2008). Avaliação das propriedades de durabilidade do concreto autoadensável obtido com resíduo de corte de mármore e granito. (Dissertação de mestrado). Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil, Universidade Federal de Alagoas, Maceió.

Cavalcanti, D. J. H. (2006). Contribuição ao estudo de propriedades do concreto autoadensável visando sua aplicação em elementos estruturais. (Dissertação de mestrado). Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil, Universidade Federal de Alagoas, Maceió.

Cecconello V., & Tutikian B. (2012). A influência das baixas temperaturas na evolução das resistências do concreto. Revista Ibracon, 5(1), 68-83.

Coutinho, B. S. (2011). Propriedades e comportamento estrutural do concreto auto-adensável. (Dissertação de mestrado). Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Coppola, L. (2000). Self-compacting concrete. Revista Concrete Technology, 42-47.

Freitas, A., Freitas, A., Rodrigues, D. M., & Barboza, L. S., (2020). Concreto Autoadensável com baixo consumo de cimento com adição de resíduo de polidora cerâmica. Revista Tecnológica, 29(2), 613-632. doi.org/10.4025/revtecnol.v29i2.52767

Gomes, P. C.; Barros, A. R. (2009). Métodos de Dosagem do Concreto Auto Adensável. Pini.

Klein, N. S. (2008). Influência da substituição da areia natural pela areia de britagem no comportamento do concreto auto-adensável. (Dissertação de mestrado). Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Edificações e Saneamento, Universidade Estadual de Londrina, Londrina.

Laguna, L. A, & Ikematsu P. (2011). Influência térmica na desforma do concreto. Revista Prisma, (37), 31-35.

Leite, M. B. (2001). Avaliação de propriedades mecânicas de concretos produzidos com agregados reciclados de resíduos de construção e demolição. (Tese de doutorado), Programa de Pós Graduação em Engenharia Civil, Universidade Feral do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Lisbôa, E. M. (2004). Obtenção do concreto auto-adensável utilizando o resíduo de serragem de mármore e granito e estudo de propriedades mecânicas. (Dissertação de mestrado). Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil, Universidade Federal de Alagoas, Alagoas.

Mehta, P. K.; Monteiro, P. J. M. (1994). Concreto: estrutura, propriedades e materiais. Pini.

Mendes, C. J. (2015). Concreto Autoadensável Utilizando Cinza de Casca de Arroz: Estudo das Propriedades Mecânicas. (Dissertação de mestrado). Programa de Pós Graduação em Engenharia Civil, Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira, Ilha Solteria.

Mesquita, E., Frota, C., Marques, A., Moreira, K., & Coelho, F. (2009, outubro). Avaliação das propriedades reológicas da pasta auto adensável com incorporação de resíduo de serragem de rochas ornamentais. In Encontro de Iniciação Científica e Tecnológica, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Cerará, Fortaleza, Brasil.

Oliveira, M. J. E. (2002). Materiais descartados pelas obras de construção civil: estudo dos resíduos de concreto para reciclagem. (Tese de doutorado). Programa de Pós Graduação em Geociências e Meio Ambiente, Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro.

Rambo, D. A. (2009). Estudo da trabalhabilidade do concreto autoadensável. (Trabalho de conclusão de curso). Universidade Regional do Noroeste do Rio Grande do Sul. Ijuí.

Ikematsu P. & Laguna, L. A. (2020, 22 de novembro). A influência da temperatura na desforma do concreto. Recuperado de https://docplayer.com.br/67982918-Tecnica-a-influencia-da-temperatura-na-desforma-do-concreto-consultoria.html

Santos, A. M., Cabral, L. M. C., Monteiro, E. B., & Helene P. R. L. (2013, outubro). Analise do Módulo de Elasticidade Estático e Dinâmico para Diferentes dosagens de Concreto. In 55o Congresso Brasileiro do Concreto - IBRACON. Gramado, Brasil.

Sato, N. M. N. (1998). Análise da porosidade e de propriedades de transporte de massa em concretos. (Tese de doutorado). Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, São Paulo.

Sentena, J. A. A., & Kazmierczak, C. S. (2010, março). Absorção de água por capilaridade em concretos com agregados reciclados de concreto. In XI Salão de Iniciação Científica, Universidade do Vale do Rio dos Sinos, Porto Alegre, Brasil.

Silva, N. G., Buest, G., &; Campiteli, V. C. (2005, abril). Argamassas com areia britada: influência dos finos e da forma das partículas. In VI Simpósio Brasileiro de Argamassas, I International Symposium on Mortars Technology. Florianópolis, Brasil.

Silva, W. G. (2012). Avaliação de concreto auto-adensável com agregado reciclado de telha cerâmica. (Dissertação de mestrado). Programa de Pós Graduação em Engenharia Civil, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia.

Silva, W. G. (2019). Concreto alto adensável com substituição parcial de cimento por finos menores que 75µm de resíduos de telha cerâmica vermelha: aspectos reológicos e físicos. (Tese de doutorado). Programa de Pós graduação em Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Carlos, Brasil.

Souza, M. I. B., Segantini, A. A. S., & Pereira, J. A. (2008). Tijolos prensados de solo-cimento confeccionados com resíduos de concreto. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 12(2), 205–212.

Schulz, R. R., & Hendricks, C. F. (1992, dezembro). Recycling of masonry rubble. In Reecycling of Demolished Concrete and Masonry, Rilem Technical Committe, London, Inglaterra.

Tutikian, B. E. (2004). Métodos de dosagem para concretos auto-adensáveis. (Dissertação de mestrado). Programa de Pós graduação em Engenharia Civil, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto alegre, Brasil.

Ulsen, C., Kahn, H., Angulo, S. C., & John, V. M. (2010). Composição química de agregados mistos de resíduos de construção e demolição do Estado de São Paulo. Revista Escola de Minas, 63(2), 339-346.

Published

21/09/2021

How to Cite

ROCHA, D. T. da; KOLLING, E. M. . Self-compacting concrete analysis with addition of construction waste. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 12, p. e292101220483, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i12.20483. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/20483. Acesso em: 28 feb. 2024.

Issue

Section

Engineerings