The humanization of birth and the multiprofessional team as an instrument for breaching obstetric violence

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i12.20496

Keywords:

Obstetric violence; Humanization; Multiprofessional team.

Abstract

Parturition has always been a special moment in women's lives, as it is responsible for the transition from the female role to motherhood. The aim of the study is to discuss obstetric violence addressing the contribution of nursing in the humanization of parturition. This is an integrative literature review with a qualitative approach, carried out through research in electronic journals, books and legislation relevant to the subject. Obstetric violence violates the dignity of the parturient and leaves trauma and psychological problems, so the humanization of childbirth and the multidisciplinary team is an important instrument to break this practice. The data highlighted the need for legislation to define this type of violence as well as criminalize it by stipulating repressive penalties. It was evident that nursing has a very important role in assisting the parturient, as it is the professional who spends more time next to the parturient patient, who had their mother's fears and anxieties about childbirth. In this sense, listening to the mother and transmitting her security, respecting this moment, is recognizing the woman as the central subject of the parturition, this recognition makes the principle of human dignity effective. With regard to humanization, the involvement of all professionals who assist the parturient in continuing education and frequent training actions is essential.

Author Biographies

Luzia Ferreira dos Santos, Faculdade Integrada Carajás

Student of the Nursing course at the Faculty Integrada Carajás-FIC

Marcos Vinícius Ferreira Santos, Faculdade Integrada Carajás

Master in Science and Environment Specialist in Urgency, Emergency and ICU Improvement in Adult Health Bachelor of Nursing Advisory Professor of Final Course Paper at Faculdade Integrada Carajás-FIC

References

Alves, C. F. (2016). Justiça Processo e Direitos Humanos. Lumen Juris.

Barbosa, L. C., Fabbro, M. R. C. & Machado, G. P. R. (2017). Violência obstétrica: pesquisas qualitativas. Revista Enfermagem. 35(2), 190-207.

Bardin, L. (2017). Análise de Conteúdo. Martins Fontes.

Barzotto, L. F. (2015). A Democracia na Constituição. Unisinos.

Brasil. (1988). Constituição Federal do Brasil. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm.

Brasil. (2019). Ministério da Saúde reconhece legitimidade do uso do termo ‘violência obstétrica’. Globo. https://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2019/06/10/ministerio-da-saude-reconhece-legitimidade-do-uso-do-termo-violencia-obstetrica.ghtml.

Chauí, M. (1999). Uma Ideologia Perversa. Folha de São Paulo, Caderno Mais.

Cunha Júnior, D. (2019). Curso de Direito Constitucional. JusPodivm.

Dias, M. B. (2019). A Lei Maria da Penha na Justiça. Editora Juspodiuvm.

Diniz, S. G., Salgado, H. D. O., Andrezzo, H. F. D. A., Carvalho, P. G. C. D., Carvalho, P. C. A., Aguiar, C. D. A., NIY, D. Y. (2016). Violência obstétrica como questão para a saúde pública no Brasil: origens, definições, tipologia, impactos sobre a saúde materna, e propostas para sua prevenção. Revista Brasileira de crescimento e desenvolvimento humano. Journal of Human Growth and Development, 2015, 25(3): 377-376.

Fulterleib, L. L(2016). Fundamentos do direito constitucional. InterSaberes.

Garcia, E. (2016). Dignidade da pessoa humana: referenciais metodológicos e regime jurídico. Fórum.

Lange, M. (2016). Outras dores além do parto: um estudo de caso com mulheres vítima da violência obstétrica. Santa Catarina. https://riuni.unisul.br/handle/12345/3077.

Leal, S. Y., Lima, V. L. A., Silva, A. F. da, Soares, P. D. F. L., Santana, L. R., Pereira, A. (2018). Percepção de enfermeiras obstétricas acerca da violência obstétrica. Cogitare Enfermagem. http://dx.doi.org/10.5380/ce.v23i1.52473.

Lovato, C. dos S., Motta, V. S. (2020). Descrição dos perfis socioeconômico e sociocultural de vítimas e de agressores envolvidos em casos de violência contra a mulher: um estudo de caso. Revista de ciências Humanas e Sociais. V. 6, n. 3.

Marrero, L., & Bruggmann, O. M. (2018) Violência institucional durante o processo de parturição no Brasil. Revista Brasileira Enfermagem, 71(3), 1152-1161.

Martins, A. C., & Barros, G. M. (2016). Você vai dar à luz na dor? Revisão integrativa da violência obstétrica em unidades públicas brasileiras. Revista Dor, 17(3), 215-218.

Menezes, F. R. de., Reis, G. M., Sales, A. A., Jardim, D. M. B., & Lopes, T. C. (2020). O olhar de residentes em Enfermagem Obstétrica para o contexto da violência obstétrica nas instituições. Interface, 1807-5762.

Messa, A. F. (2018). Direito constitucional. Rideel.

Nascimento, E. R. do, Santos, E. C. da S., Sousa, D. S. de., & Gallotti, F. C. M. (2020). Desafios da assistência de enfermagem ao parto humanizado. Ciências Biológicas e de Saúde Unit. Aracaju. 6(1).

Nunes, A. R. (2018). O princípio da dignidade da pessoa humana. Editora Saraiva Jur.

Organização Mundial de Saúde (2016). Declaração da OMS sobre Taxas de Cesáreas. OMS. http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/16 1442/3/WHO_RHR_15.02_por.pdf?ua=1.

Pedroso, C. N. L. S., Lopez, L. C. (2017) À margem da humanização? Experiências de parto de usuárias de uma maternidade pública de Porto Alegre-RS. Physis, Rio de Janeiro, v. 27, n. 4, p. 1163-1184.

Pereira, J. S., Silva, J. C. O., Borges, N. A., Ribeiro, M. G., Aurek, L. J., & Souza, J. H. (2016). Violência obstétrica: ofensa à dignidade humana. Brazilian Journal of Surgery and Clinical Research – BJSCR, 15(1), 103-108.

Perovano, D. G. (2016). Manual de metodologia da pesquisa científica. Intersaberes,

Portela, A., & Silva, E. (2017). A psicologia dialogando com a violência obstétrica e o direito da mulher: uma revisão bibliográfica. In: V Seminário internacional enlaçando sexualidades, 10, 2017, Recife, Anais... Faculdade Franssinetti do Recife.

Queiroz, T. C., Fófano, G. A., & Andrade, M. F. (2017). Violência obstétrica e suas perspectivas na relação de gênero. Revista Científica Fagoc Saúde, v. 2.

Russo, J., N. M., Silva, F. L., & Chazan, L. K. (2019). Escalando vulcões: a releitura da dor no parto humanizado. Mana 25 (2).

Sarlet, I. W. (2016). Dignidade da pessoa humana e Direitos Fundamentais CF 1988. Livraria do Advogado.

Silva. J. A. da. (2016) Curso de direito constitucional. Malheiros.

Silva, T. M. A., Góis, G. A. S. de., Filgueiras, T. F., & Candeia, R. M. S. (2019). Significados e práticas da equipe de enfermagem acerca do parto humanizado: uma revisão da literatura. Brazilian Journal of Surgery and Clinical Research-BJSCR. Vol.26, n.1.

Sena, L. M. (2016). Ameaçada e sem voz, como num campo de concentração: a medicalização do parto como porta e palco para a violência obstétrica. Tese, Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina.

Sena, L. M., & Tesser, C. D. (2017). Violência obstétrica no Brasil e ociberativismo de mulheres mães: relato de duas experiências. Interface 21 (60) • Jan-Mar.

Souza, A. B., Silva, A. C., & Alves, R. N. (2016). Fatores associados à ocorrência de violência obstétrica institucional. Revista Ciência Médica, 25(3), 115-128.

Souza, F. M. de L. C.., Santos, W. N. dos., Santos, R. S. da C., Rodrigues, O. B., Santiago, J. da C. D., & Silva, R. A. R. (2019). Tecnologias apropriadas ao processo do trabalho de parto humanizado. Enferm Foco, 10(2): 118-1124.

Teles, M. A. de A., Melo, M. de. O que é violência contra a mulher. Brasiliense.

Tesser, C. D., Knobel, R., Andrezzo, H. F. de A., & Diniz, S. G. (2015). Violência obstétrica e prevenção quaternária: o que é e o que fazer. Rev Bras Med Fam Comunidade, Rio de Janeiro 1-12.

Vargens, O. M. da C., Silva, A. C. V. da., & Progiant, J. M. (2017). Contribuição de enfermeiras obstétricas para consolidação do parto humanizado em maternidades do Rio de Janeiro-Brasil. Escola Anna Nery 21(1).

Zanardo G. L.P., Uribe, M. C., & Nadal, A. (2017). Violência obstétrica no Brasil: uma revisão narrativa. Psicologia e Sociedade, 9.

Zasciurinski, J. M. (2016). Violência obstétrica: uma contribuição para o debate acerca do empoderamento feminino. ttps://www.marilia.unesp.br/Home/Eventos/2015/xiisemanadamulher11189/violencia-obstetrica_juliana-miranda.pdf.

Published

18/09/2021

How to Cite

COIMBRA, H.; SANTOS, L. F. dos .; SANTOS, M. V. F. . The humanization of birth and the multiprofessional team as an instrument for breaching obstetric violence. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 12, p. e217101220496, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i12.20496. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/20496. Acesso em: 2 jul. 2022.

Issue

Section

Health Sciences