Lack of information and possible risks about overuse of the next day pill (levonorgestrel)

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i12.20611

Keywords:

Morning-after pill; Irrational use of oral levonorgestrel; Lack of adequate information; Risk of frequent use of emergency contraceptives.

Abstract

Introduction: The emergency contraceptive was initially developed by Canadian physician Albert Yuzpe in 1972, in which he formulated a combination of estrogen and progesterone in order to prevent pregnancy caused by sexual violence, in this sense, this article aims to carry out a survey detailed bibliographic information about the lack of restricted information and the possible consequences that the excessive use of EC can cause to women's health, in order to alert mainly young people and women who purchase and use this medication, so that its rational and can be promoted by preventing or reducing its use. Method: This article was structured based on a descriptive literature review, exploring and conducting data surveys with evidence in books and scientific articles. Searches were performed in the following databases: Scielo (Scientific Electronic Library Online), Ministry of Health, VHL (Virtual Health Library). NIH (National Library of Medicine). Results and discussion: Young people between 15 and 20 years of age are the ones who most consume EC mainly because they have sexual intercourse without a condom, studies show that they are unaware of its pharmacodynamics and maximum efficacy index. Final considerations: The EC has been shown to be effective as an emergency method of choice, provided that it is used within the established timeframe, that is, the sooner its use, the greater its effectiveness. In this sense, it is important to emphasize that the use of this method should only be performed when it is really necessary.

References

Abreu, T. M. R., & Nunes, A. T. (2021). Conhecimento sobre metodo contraceptivo de emergencia e seus efeitos indesejaveis pelas universitárias da área da saúde de uma instituição de ensino superior de Campos dos Goytacazes-RJ. Revista Científica da Faculdade de Medicina de Campos, 16(1), 7. http://www.fmc.br/ojs/index.php/RCFMC/article/view/228/240.

Ajayi, AI, Nwokocha, EE, Adeniyi, OV, Ter Goon, D., & Akpan, W. (2017). Riscos de gravidez não planejada e uso de contracepção de emergência: uma pesquisa de duas universidades nigerianas. BMC health services research , 17 (1), 1-8. https://doi.org/10.1186/s12913-017-2328-7.

Alano, G. M., Costa, L. N., Miranda, L. R., & Galato, D. (2012). Conhecimento, consumo e acesso à contracepção de emergência entre mulheres universitárias no sul do Estado de Santa Catarina. Ciência & Saúde Coletiva, 17, 2397-2404. https://doi.org/10.1590/S1413-81232012000900020.

De Almeida, F. B., de Sousa, N. M. M., Barros, G. L., de Almeida, F. B., Farias, P. A. M., & Cabral, S. A. A. O. (2015). Avaliação do Uso de Anticoncepcionais de Emergência entre Estudantes Universitários. Revista Brasileira de Educação e Saúde, 5(3), 49-55. https://www.gvaa.com.br/revista/index.php/REBES/article/view/3720.

Arrais, PSD, Fernandes, MEP, Pizzol, TDSD, Ramos, LR, Mengue, SS, Luiza, VL, ... & Bertoldi, AD (2016). Prevalência da automedicação no Brasil e fatores associados. Revista de Saúde Pública , 50. https://www.scielo.br/j/rsp/a/PNCVwkVMbZYwHvKN9b4ZxRh/?lang=pt&format=pdf.

Bastos, Silvia, & de Alcântara Bonfim, José Ruben, & Kalckmann, Suzana, & Figueiredo, Regina, & Lemos Fernandes, Maria Eugênea (2009). Prevenção de doenças sexualmente transmissíveis e procura da contracepção de emergência em farmácias e drogarias do município de São Paulo. Saúde e Sociedade, 18 (4), 787-799. https://doi.org/10.1590/S0104-12902009000400021.

Bauzà, ML, Esteva, M., Molina, J., Pereiró, I., Ingla, M., & March, S. (2018). Contracepção de emergência e hábitos de risco em uma população universitária. The European Journal of Contraception & Reproductive Health Care , 23 (6), 427-433. https://doi.org/10.1080/13625187.2018.1533547.

Brandão, E. R., Cabral, C. D. S., Ventura, M., Paiva, S. P., Bastos, L. L., Oliveira, N. V. B. V. D., & Szabo, I. (2016). " Bomba hormonal": os riscos da contracepção de emergência na perspectiva dos balconistas de farmácias no Rio de Janeiro, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 32, e00136615. https://doi.org/10.1590/0102-311X00136615.

Brasil. (2014). Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Área Técnica de Saúde da Mulher. Anticoncepção de Emergência: perguntas e respostas para profissionais de saúde/Ministério da Saúde. http://www.as.saude.ms.gov.br/wp-content/uploads/2016/05/Anticoncep%C3%A7%C3%A3o-de-emerg%C3%AAncia-1.pdf.

Brasil. (2009). Ministério da Saúde. Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde da Criança e da Mulher – PNDS 2006: Dimensões do processo reprodutivo e da saúde da criança/ Ministério da Saúde, Centro Brasileiro de Análise e Planejamento. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/pnds_crianca_mulher.pdf.

Brasil. (2002). Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Área Técnica de Saúde da Mulher. Assistência em Planejamento Familiar: Manual Técnico/Secretaria de Políticas de Saúde. 4° ed. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/0102assistencia1.pdf. 16, jan. 2021

Brasil. (2012). Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção e Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Protocolo para Utilização do Levonorgestrel. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/protocolo_para_utilizacao_levonorgestrel.pdf. Acessado em 21, jan. 2021.

Brandão, E. R. (2017). O atendimento farmacêutico às consumidoras da contracepção de emergência. Saúde e Sociedade, 26, 1122-1135. https://www.scielo.br/j/sausoc/a/VQJz7hFZ3CpChmGrHV4rqdL/abstract/?lang=pt.

Brandão, E. R., Cabral, C. D. S., Ventura, M., Paiva, S. P., Bastos, L. L., Oliveira, N. V., & Szabo, I. (2017). Os perigos subsumidos na contracepção de emergência: moralidades e saberes em jogo. Horizontes Antropológicos, 23, 131-161. https://www.scielo.br/pdf/ha/v23n47/0104-7183-ha-23-47-0131.pdf.

Brasil. (2012). Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departasmento de Ações Programáticas Estratégicas. Prevenção e Tratamento dos Agravos Resultantes da Violência Sexual Contra Mulheres e Adolescentes. (3° ed.) https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/prevencao_ agravo_violencia_sexual_mu lheres_3ed.pdf .

Brasil. (2010). Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção em Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Diretrizes nacionais para a atenção integral à saúde de adolescentes e jovens na promoção, proteção e recuperação da saúde. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/ anticoncepcao_emergencia_perguntas_r espostas_2ed.pdf.

Brasil. (2020). Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos em Saúde. Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. Relação Nacional de Medicamentos Essenciais. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/relacao_medicamentos_rename_2020.pdf.

Brito, M. B., Nobre, F., & Vieira, C. S. (2011). Contracepción hormonal y sistema cardiovascular. Arquivos brasileiros de Cardiologia, 96, e81-e89. https://www.scielo.br/pdf/abc/v96n4/aop01211.pdf.

Cavalcante, M. D. S., Soares, M. A., Feijó, C. M., & Fonteles, M. M. D. F. (2016). Perfil de utilização de anticoncepcional de emergência em serviços de atendimento farmacêutico de uma rede de farmácias comunitárias. Revista Eletrônica de Farmácia, 13(3), 131-139. https://revistas.ufg.br/REF/article/view/37756. Acessado em: 03, abr. 2021.

Cleland, K., Raymond, E G, Westley, E., & Trussell, J. (2014). Revisão da contracepção de emergência: recomendações baseadas em evidências para médicos. Obstetrícia clínica e ginecologia , 57 (4), 741. https://ec.princeton.edu/questions/ec-review.pdf.

Farias da Costa, R. J., Duarte, F. M., Reis da Silva, C. de N., Santos, B. de O., Coelho de Oliveira, R. A., & Pereira de Sena, L. W. (2020). O uso de contraceptivos de emergência em estudantes de uma instituição de ensino superior de Belém, Pará. Revista Brasileira De Educação E Saúde, 10(4), 124-130. https://doi.org/10.18378/rebes.v10i4.7934.

Dombrowski, J. G., Pontes, J. A., & Assis, W. A. L. D. M. (2013). Atuação do enfermeiro na prescrição de contraceptivos hormonais na rede de atenção primária em saúde. Revista Brasileira de Enfermagem, 66, 827-832. https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71672013000600003.

Brasil. (2015). Instituto de Saúde da Secretaria de Estado da Saúde. Governo do Estado de São Paulo, membros da Rede Brasileira de Promoção de Informações e Disponibilização da Contracepção de Emergência (REDECE). Rede Brasileira de Promoção de Informações e Disponibilização da Contracepção de Emergência. pílulas anticoncepcionais de emergência, Orientações médicas e de prestação de serviços. http://www.saude.sp.gov.br/resources/instituto-de-saude/homepage/outras-publicacoes/brazil-guidelines_2015.pdf.

Fernandes, F. M. (2012). Intervenção Farmacêutica na Contraceção Hormonal e de Emergência (Master's thesis). https://recil.grupolusofona.pt/bitstream/10437/3277/1/Interven%C3%A7%C3%A3o_Farmac%C3%AAutica_na_Contrace%C3%A7%C3%A3o_Hormonal_e%20_de_Emerg%C3%AAncia.pdf.

Ferreira, J. B., da Costa, A. P. V., & Chagas, A. C. F. (2018). A prática do uso da anticoncepção de emergência em jovens universitárias de uma instituição privada de Campo Grande-MS. Revista Recien-Revista Científica de Enfermagem, 8(22), 3-13. https://www.recien.com.br/index.php/Recien/article/view/243.

Figueiredo, R., Borges, A. L. V., & Bastos de Paula, S. H. (2017). Panorama da contracepção de emergência no Brasil. In Panorama da contracepção de emergência no Brasil (pp. 249-249). https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/ses-34259.

Finotti, M. (2015). Manual de anticoncepção. In Manual de anticoncepção (pp. 281-281). https://central3.to.gov.br/arquivo/494569/.

Halpern, V., Raymond, EG, & Lopez, LM (2014). Uso repetido de contracepção hormonal pré e pós-coito para prevenção da gravidez. Cochrane Database of Systematic Reviews , (9). https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diretrizes_nacionais_atencao_saude_ad olescentes_jovens_promocao_saude.pdf.

Kapp, N., Abitbol, JL, Mathé, H., Scherrer, B., Guillard, H., Gainer, E., & Ulmann, A. (2015). Efeito do peso corporal e do IMC na eficácia da contracepção de emergência com levonorgestrel. Contracepção , 91 (2), 97-104. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/25528415/.

Lacerda, J., Portela, F., & Marques, M. (2018). O Uso Indiscriminado da Anticoncepção de Emergência: Uma Revisão Sistemática da Literatura. ID on line. Revista de psicologia, 13(43), 379-386. doi:https://doi.org/10.14295/idonline.v13i43.1541.

Leal, A. V., & Rodrigues, C. R. (2019). Atenção farmacêutica no uso de contraceptivos de emergência: uma breve revisão. https://www.mastereditora.com.br/periodico/20190704_103151.pdf.

World Health Organization. (2015). WHO medical eligibility criteria wheel for contraceptive use. https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/ 10665/173585/9789248549250-por.pdf?ua=1.

de Oliveira, A. P. R., & Burci, L. M. (2019). Percepção Bioética dos Enfermeiros na Administração e/ou Orientação do Uso do Contraceptivo de Emergência. Brazilian Journal of Forensic Sciences, Medical Law and Bioethics, 8(3), 165-177. https://apps.who.int/iris/bitstream/ handle/10665/173585/9789241549257-bos.pdf.

Oliveira, M., & Oliveira, V. (2016). Avaliação quantitativa da dispensação de contraceptivos de emergência na região de curitiba, pr, brasil, entre 2012 e 2014. Infarma - Ciências Farmacêuticas, 27(4), 248-252. doi:http://dx.doi.org/10.14450/2318-9312.v27.e4.a2015.pp248-252

Olsen, J. M., Lago, T. D. G., Kalckmann, S., Alves, M. C. G. P., & Escuder, M. M. L. (2018). Práticas contraceptivas de mulheres jovens: inquérito domiciliar no município de São Paulo, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 34, E00019617. Https://www.scielo.br/j/csp/a/xwfk8vdjjctrypkxncbpvrn/abstract/?lang=pt#.

Paniz, V. M. V., Fassa, A. G., & Silva, M. C. D. (2005). Conhecimento sobre anticoncepcionais em uma população de 15 anos ou mais de uma cidade do Sul do Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 21, 1747-1760. https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2005000600022.

Paiva, S. P., & Brandão, E. R. (2012). Contracepção de emergência no contexto das farmácias: revisão crítica de literatura. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 22, 17-34. https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103- 73312012000100002&script=sci_abstract&tlng=pt.

Rodrigues, M., & Jardim, D. (2012). Conhecimento e uso da contracepção de emergência na adolescência: contribuições para a enfermagem. Cogitare Enfermagem, 17(4). doi:http://dx.doi.org/10.5380/ce.v17i4.30381

Ragland, D., & West, D. (2009). Conhecimentos, atitudes e comportamentos de estudantes de farmácia em relação à anticoncepção de emergência. American Journal of Pharmaceutical Education , 73 (2). https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2690901/.

Ramos, LDAS, dos Santos Pereira, E., Lopes, KFAL, de Araujo, ACA, & Lopes, NC (2018). Uso de métodos anticoncepcionais por mulheres adolescentes de escola pública. Cogitare Enfermagem , 23 (3). https://revistas.ufpr.br/cogitare/article/view/55230/pdf_1.

Rathke, A. F., Poester, D., Lorenzatto, J. F., Schmidt, V. B., & Herter, L. D. (2001). Contracepção hormonal contendo apenas progesterona. Adolesc. Latinoam, 2(2), 90-96. http://redece.org/Contracepcaohormonal2014.pdf. 06, mar. 2021.

Brandão, E. R., Cabral, C. D. S., Ventura, M., Paiva, S. P., Bastos, L. L., Oliveira, N. V. B. V. D., & Szabo, I. (2016). " Bomba hormonal": os riscos da contracepção de emergência na perspectiva dos balconistas de farmácias no Rio de Janeiro, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 32, e00136615 https://www.scielo.br/pdf/csp/v32n9/1678-4464-csp-32-09-e00136615.pdf. Acessado em: 12, maio. 2021.

Ribeiro, R. S., Silva, M. S., & de Barros, N. B. (2020). Incidência do uso indiscriminado do levonorgestrel por alunos da EEEFM 4 de janeiro, Porto Velho/RO/Incidence of the indiscriminate use of levonorgestrel by students of EEEFM 4 de janeiro, Porto Velho/RO. Brazilian Journal of Development, 6(6), 38444-38456. https://www.brazilianjournals.com/index.php/BRJD/article/view/11807.

Schmitz, A. C., Secco, M. B., Pinheiro, T. R., & de Almeida, A. C. C. H. (2013). Conhecimento De Adolescentes Acerca Da Contracepção De Emergência. CATUSSABA-ISSN 2237-3608, 3(1), 21-32. https://repositorio.unp.br/index.php/catussaba/article/view/366.

da Silva, B. C. S., da Silva, R. A., do Carmo Ramos, E. M. F., da Silva Paixão, E. F., & de Souza Ronconi, F. (2020). Atuação do enfermeiro frente as orientações quanto ao uso da anticoncepçao de emergência. Revista Científica da Faculdade de Educação e Meio Ambiente, 10(Especial), 21-25. http://www.faema.edu.br/revistas/index.php/Revista-FAEMA/article/view/903.

Souza, G. G., Lima, T. N. F. A., Nóbrega, M. M., & Barreto, C. C. M. Conhecimento e uso de anticoncepcionais hormonais: o que é certo ou errado? Temas em Saúde [Internet]. 2016 [cited 2018 Nov 01]; 16 (4): 198-211. https://temasemsaude.com/wp-content/uploads/2017/01/16414.pdf.

Souza, R. A. D., & Brandão, E. R. (2009). Marcos normativos da anticoncepção de emergência e as dificuldades de sua institucionalização nos serviços públicos de saúde. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 19, 1067-1086. http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=400838225009.

da Silva Tose, B., de Sousa, E. G., Bolzon, M., de Oliveira, M. P., Dalmoneck, R., & Rolim, E. L. G. O uso excessivo do levonorgestrel por mulheres em idade fertil moradoras do municipio de Seringueiras/Ro. https://facsaopaulo.edu.br/wp-content/uploads/sites/16/2020/06/o-uso-excessivo-do-levonorgestrel-por-mulheres-em-idade-fertil-moradoras-do-municipio-de-seringueiras-ro.pdf

Trussell, J., Raymond, EG, & Cleland, K. (2014). Contracepção de emergência: a última chance de prevenir uma gravidez indesejada. Contemporary Readings in Law & Social Justice , 6 (2). https://ec.princeton.edu/questions/ec-review.pdf.

Vieira, L. M., Saes, S. D. O., Dória, A. A. B., & Goldberg, T. B. L. (2006). Reflexões sobre a anticoncepção na adolescência no Brasil. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, 6, 135-140. https://www.scielo.br/pdf/rbsmi/v6n1/a16v6n1.pdf.

Zucchi, R. M., Elito Jr, J., Zucchi, F., & Camano, L. (2004). Gravidez ectópica após uso de contracepção de emergência: relato de caso. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, 26(9), 741-743. http://repositorio.unifesp.br/bitstream/handle/11600/2266/S0100-72032004000900011.pdf?sequence= 1&isAllowed=y.

Published

29/09/2021

How to Cite

PÊGO, A. C. L. .; CHAVES, S. da S. .; MORAIS, Y. de J. . Lack of information and possible risks about overuse of the next day pill (levonorgestrel). Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 12, p. e511101220611, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i12.20611. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/20611. Acesso em: 9 feb. 2023.

Issue

Section

Health Sciences