Rita Segato's thinking in the context of gender violence to burnt women: theoretical essay

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i12.20785

Keywords:

Gender-based violence; Domestic violence; Women; Burns.

Abstract

This is a theoretical essay based on Rita Laura Segato's thesis in the context of gender-based violence suffered by burn victims. For Segato, gender violence is the genesis of all other violence and this impacts not only the victim woman, but also the entire society that surrounds her and, in most cases, opines on their bodies, regulates them and not it attributes the real care that is also expected from any and every society. Three thematic categories were listed in order to contribute to the dialogue of Rita Laura Segato and other authors in the aforementioned context, with a view to the proposed methodology. Thus, the categories were listed, namely: 1. Gender violence against burned women; 2. Gender violence against women and other types of violence; 3. Community control of the female body. Further studies based on women such as Rita Segato are needed when addressing gender-based violence against women.

Author Biographies

Mariane Ferreira Barbosa Emerick, Universidade de Brasília

Possui bacharelado em Enfermagem pela Universidade Católica de Brasília. Pós-graduada a nível de Especialização em Residência em Enfermagem em Pacientes Queimados pela Fundação de Ensino e Pesquisa em Ciências da Saúde - FEPECS e Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal - SES-DF. Agente público na Central Nacional de Transplantes - Ministério da Saúde - FIOTEC, desempenhando a função de enfermeira plantonista, responsável pela distribuição e alocação de órgãos. Mestranda em Bioética pela Universidade de Brasília.

Helena Eri Shmizu, Universidade de Brasília

Professor Titular da Universidade de Brasília. Possui graduação em Enfermagem pela Universidade de São Paulo (1984), especialização em Sistemas e Serviços de Saúde pela Fundação Getúlio Vargas (1987), especialização em Pessoas com Doenças Crônicas pela Escola de Enfermagem da USP (1989), mestrado em Enfermagem pela Universidade de São Paulo (1996) e doutorado em Enfermagem pela Universidade de São Paulo (2000). Pós Doutorado na Pan American Health Organization (Washington DC) em 2007. Professor visitante no Institut Interdisciplinaire d`Antropologie du contemporain (IIAC) da École de Hautes Études Sciences Sociales e no Réseau Mondial Serge Moscovivi da Fondation Maison des Sciences L´home (Paris) em 2017, sob orientação de Denise Jodelet. Pesquisador visitante na Imperial College- London desde 2019.Tem experiência na área de Enfermagem, com ênfase em Enfermagem em Saúde Coletiva. Atua na área de Saúde Coletiva, com ênfase em Gestão das Políticas Públicas, Gestão dos Serviços de saúde e dos Processos de Trabalho em Saúde. Bolsista de Produtividade do CNPq desde 2010. Participou de Instituições Científicas e Culturais: Diretora Centro de Pesquisa em Enfermagem no período 2001 a 2004. Membro da Comissão Permanente do Centro de Estudos e Pesquisas em Enfermagem da Diretoria do CEPEn da ABEn Nacional (Gestão 2077 a 2010) e (Gestão 2010/2013). Membro da Comissão de Criação do Curso de Pós Graduação em Enfermagem da UnB. Membro da Comissão de Pós Graduação em Ciências da Saúde (2008-2011). Membro da Comissão de Pós Graduação em Bioética (2012-2014). Criou os cursos de Pós Graduação em Saúde Coletiva Mestrado (2011) e Doutorado (2013) da UnB, do qual foi coordenadora de 2011 até 2016. Decana de Pesquisa e Pós Graduação da UnB (Pró reitora) 11/2016 a 01/2017. Decana de Pós-Graduação (Pró-Reitora) 01/2017 a 10/2018. Membro da Diretoria da COLUFRAS (2012-2014), com sede no Canadá (Montreal) cujo objetivo aprimorar os sistemas de saúde, a qualidade dos serviços e o acesso dos serviços prestados à população. Membro da Associação Latina Americana de Sistemas e Serviços de Saúde (ALASS). Membro do Health System Global desde 2016. Coordenou projetos de pesquisa financiados, sendo 04 CNPq, 04 FAP-DF e 01 do MS. Foi membro de 03 pesquisas CNPq, 02 da FAP-DF e 01 MS. Atualmente participa de duas pesquisas internacionais com apoio financeiro do Medical Research Council e FAP, sendo uma com a Imperial College e outra com a London School of Hygiene and Tropical Medicine. Além disso, coordena uma pesquisa financiada pela FAP-DF. Publicou 114 artigos em periódicos com alto impacto, destes 05 aceitos aguardando publicação. Orientou 14 e co-orientou 02 doutores, orientou 30 e co-orientou 03 mestres, 05 Pos- Doc, sendo uma estrangeira, e 33 IC.

Kátia Torres Batista, Universidade de Brasília

Medica Cirurgia Plástica membro-titular da SBCP, SBCM e SBB. Secretaria-adjunta da SBCP. Doutora, mestre e especialista em Bioética pela Universidade de Brasilia. Pesquisadora colaboradora do Programa de Pós-graduação em Bioetica da Universidade de Brasilia. Especialista em ciencias da reabilitação. Revisora e Editora associada do periodico Revista Brasileira de Cirurgia Plástica (RBCP).

References

Assis C. T. S., Sória D. A. C., & Assis M. R. (2012). A queimadura como ato de violência física contra a mulher: revisão de literatura. Rev bras queimaduras, 11(4):254-258.

B. B. C. (2013) . Brasil: queman viva a dentista al intentar robarla. Bbc/news mundo.

Borges R. T. et al. (2018) O empoderamento da mulher queimada por autoimolação e sua sustentação na religião e espiritualidade. Rev Bras Promoç Saúde, 31(4): 1-7. 10.5020/18061230.2018.8765. https://periodicos.unifor.br/RBPS/article/view/8765/pdf

Brasil. (2006). Lei 11.340 de 07 de agosto de 2006. Dispõe sobre a criação dos juizados de violência doméstica e familiar contra a mulher; altera o código de processo penal, o código penal e a lei de execução penal; e dá outras providências. Brasília, 2006. Http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm

Brasil. (2018). Comissão nacional de incorporação de tecnologias no sistema único de saúde (CONITEC). Membrana de biocelulose no tratamento de: lesões cutâneas com perda de pele, úlceras venosas e arteriais, lesões por pressão, queimaduras de segundo grau e áreas doadoras de enxerto. Ministério da saúde, n°328. Http://conitec.gov.br/images/relatorios/2018/relatorio_curativobiocelulose.pdf.

Brasil. (2021). Associação brasileira de defesa da mulher, da infancia e da juventude. (ASBRAD). Significado de violência doméstica. Http://www.asbrad.org.br/violencia-domestica-contra-a-mulher/significado-de-violencia-domestica/

Carboni R. M., et al. (2019). Therapy for patients with burns - an integrating review. Revista da Associação Médica Brasileira, 65(11): 1405 -1412.

Diniz N. M. F., Lopes r. L. M., Fodrigues A. D., & Freitas D. S. (2007). Mulheres queimadas por maridos e companheiros. Acta paul enferm, 20(3):321-5.

Estrela, C. (2018). Metodologia científica: ciência, ensino, pesquisa. (3a ed.), Editora artes médicas. 2018.

Gomes R., Murta D., Facchini R. & Meneghel, S. N. (2018). Gênero, direitos sexuais e suas implicações na saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 23(6):1997-2005. 10.1590/1413-81232018236.04872018. https://doi.org/10.1590/1413-81232018236.04872018.

Gontijo D. C. (2015). Violência pega? Tese (doutorado em bioética) - universidade de Brasília (UNB).

Lima Junior E. M., Barbosa R. C., Teixeira P. R. O., & Melo F. R. F. (2004). Balneoterapia. In: Maciel, E, Serra M. C, eds. Tratado de queimaduras. Paulo: Atheneu. 421-30.

Meneghetti F. K. (2011) o que é um ensaio teórico? Documentos e debates • rev. Adm. Contemp, 15 (2). 10.1590/s1415-65552011000200010. Https://doi.org/10.1590/s1415-65552011000200010.

Moreira I. C. C. C., Monteiro C. F. S., Magalhães R. L. B., Oliveira A. D. S. & Melo B. M. S (2010). O enfermeiro diante de situações de violência contra a mulher. in: Leite M. M. I., Martini J. G, Feli V. E. A, orgs. Programa de atualização em enfermagem: saúde do adulto (proenf). Artmed/panamericana, p.87-105.

Nielsson J. G.; & Delajustine A. C. (2020). A dimensão pública da violência de gênero e a inscrição política do corpo como território: muito mais do que “briga de marido e mulher ``. Quaestiu iuris, 13(1), 322-347 10.12957/rqi.2020.40621.

Organização Mundial de Saúde. (2021). Pan American Health Organization (PAHO). Violência contra mulheres. https://www.paho.org/pt/noticias/9-3-2021-devastadoramente-generalizada-1-em-cada-3-mulheres-em-todo-mundo-sofre-violencia.

Pereira A. S. et al. (2018). Metodologia da pesquisa científica. Ed. /UFSM.

Salamoni S. S., & Mass L. D. B. (2017). Mulheres queimadas: uma revisão integrativa de publicações nacionais. Rev Bras Queimaduras, 16(1):34-44. http://www.rbqueimaduras.com.br/details/345/pt-BR/mulheres-queimadas--uma-revisao-integrativa-de-publicacoes-nacionais.

Segato R. L. (2003b), Las Estructuras Elementales de la Violencia. Prometeo.

Segato R. L. (2012). Gênero e colonialidade: em busca de chaves de leitura e de um vocabulário estratégico descolonial », e-cadernos CES. http://journals.openedition.org/eces/1533. 10.4000/ eces.1533.

Segato R. L. (2013). La nueva elocuencia del poder. In: Segato, R. La escritura en el cuerpo de las mujeres asesinadas en Ciudad Juárez. Buenos Aires: Editorial Tinta Limón.

Segato R. L. (2018). Las nuevas formas de la guerra y el cuerpo de las mujeres. In: La guerra contra las mujeres. Prometeo.

Segato R. L. (2018). Patriarcado: Del borde al centro. Disciplinamiento, 5 territorialidad y crueldad en la fase apocalíptica del capital. In: La guerra contra las mujeres. Prometeo.

Segato, R. L. (2006). Antropologia e direitos humanos: alteridade e ética no movimento de expansão dos direitos universais. Mana. 12(1). Https://www.scielo.br/pdf/mana/v12n1/a08v12n1.pdf.

Tilio R., et al. (2021). Corpo feminino e violência de gênero: uma análise do documentário “chega de fiu fiu”. Psicologia e sociedade, 33, e228620. 10.1590/1807-https://doi.org/10.1590/1807-0310/2021v33228620.

Published

02/10/2021

How to Cite

EMERICK, M. F. B.; BEZERRA, M. L.; SHMIZU, H. E.; BATISTA, K. T. . Rita Segato’s thinking in the context of gender violence to burnt women: theoretical essay. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 12, p. e593101220785, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i12.20785. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/20785. Acesso em: 1 mar. 2024.

Issue

Section

Health Sciences