The prevalence of urinary incontinence in women practicing bodybuilding: a literature review

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i12.20933

Keywords:

Urinary incontinence; Bodybuilding; Prevalence; Women.

Abstract

Weight training is becoming one of the considerable risk factors for the existence of Urinary Incontinence (UI) in women who practice physical activity. This is due to greater efforts, as is the case of this modality, which can generate an increase in intra-abdominal pressure, overloading the pelvic organs and, consequently, causing damage to the muscles responsible for these organs, thus causing UI, in addition , the excess of this exercise can cause fatigue of the pelvic floor muscles, thus predisposing to UI. Thus, the study sought information in bibliographic references of practical studies and studies that were carried out through online questionnaires about the prevalence of urine loss in women who develop bodybuilding, thus having a sample number considered to reach a conclusion about the problem proposed. According to a study, we can observe that the vast majority of urine loss prevailed in some cases and that it generates discomfort and directly influences the quality of life of women. Thus, the study found that, despite the few women studied, being 918 practitioners of the activity, of these 152 had urine loss, so there is a need to emphasize that professionals working in this area should develop better strategies and more appropriate ways in the training planning of the students who practice bodybuilding.

References

Alves, F. (2021). Sintomas de perda urinária em mulheres praticantes de exercícios físicos de alto e baixo impacto Pontifícia Universidade Católica de Goiás.

Amorim, L., Saraiva, D., & Cirqueira, R. (2019). Prevalência de Incontinência Urinária em Mulheres Praticantes de Pilates e de Musculação. Revista Multidisciplinar e de Psicologia, 13(48), 1–12.

Battistel, G. (2020). Diferença na prevalência de incontinência urinária entre mulheres praticantes de musculação ou crossfit. Universidade do Sul de Santa Catarina.

Borghetti, M., da Costa, M. V., & Vasconcellos, N. (2011). Análise dos sinais e sintomas da incontinência urinária de esforço em mulheres de 25 a 50 anos praticantes de atividades físicas em academias. Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde, 15(1), 1–14.

Cândido, F., Matnei, T., Galvão, L., Santos, V., Santos, M., Sarris, A., & Sobreiro, B. (2017). Incontinência urinária em mulheres: breve revisão de fisiopatologia, avaliação e tratamento. 18(3), 2–14.

Ferraz, F. d., Ferraz, A., Nunes, E., & Latorre, G. (2018). Prevalência de incontinência urinária em atletas praticantes de corrida de rua. 16(57), 37–44.

Guerra, T., Rossato, C., Nunes, E., & Latorre, G. (2004). Atuação da fisioterapia no tratamento de incontinência urinaria de esforço. 42(6), 2–4.

Henkes, D., Fiori, A., Carvalho, J., Tavares, K., & Frare, J. (2015). Incontinência urinária: o impacto na vida de mulheres acometidas e o significado do tratamento fisioterapêutico. 36(2), 1–12.

Higa, R., Rivorêdo, C., Campos, L., Lopes, M., & Turato, E. (2010). Vivências de mulheres brasileiras com incontinência urinária. 19(4), 627–635.

Lopes, M. H., & Higa, R. (2006). Restrições causadas pela incontinência Restrições causadas pela incontinência urinária à vida da mulher urinária à vida da mulher. 40(1), 1–8.

Melo, A., & Cirqueira, R. (2018). Incontinência Urinária em Mulheres Praticantes de Musculação. Revista Multidisciplinar e de Psicologia, 12(42), 1–11.

Moreno, A. (2008). Fisioterapia em uroginecologia (2a ed.). Manole. (Obra original publicada em 2004)

Mourão, L., Luz, M., Marques, A., Benício, C., Nunes, B., & Pereira, A. (2017). Caracterização e Fatores de Risco de Incontinência Urinária em Mulheres Atendidas em uma Clínica Ginecológica. 15(2), 82–91.

Naves, P., s Letieri, R., Simon, I., Leite, S., & Letieri, M. (2016). Avaliação da qualidade de vida em mulheres com sintomas de incontinência urinária de esforço praticantes de atividade física. Movimento & saúde, 8(1), 1–7.

Nunes, I., & Brunazo, P. (2017). prevalência de incontinência urinária de esforço e função dos músculos do assoalho pélvico em mulheres praticantes de jump ou musculação.

Patrizzi, L., Viana, D., Silva, L., & Pegorari, M. (2014). Incontinência urinária em mulheres jovens praticantes de exercício físico. 22(3), 1–6.

PrigoL, S., Sebben, V., & Guedes, J. M. (2014). Prevalência da incontinência urinária em mulheres praticantes de atividade física nas academias da cidade de erechim. 38(141), 1–10.

Silva, L., Santos, W., Araujo, N., Rodrigues, C., & Nunes, E. (2017). Disfunções urinárias em mulheres praticantes de atividade física em academias – um estudo transversal. 8(1), 1–8.

Silva, M., Porto, N., Santos, G., Sousa, J., Dantas, K., & Pinheiro, V. (2019). Prevalência da incontinência urinária e seu impacto sobre a qualidade de vida de idosas atendidas em uma clínica escola de fisioterapia. 19(1), 203–2019.

Sousa, D., Dantas, A. C., Neves, N., Rodrigues, G., Santos, M., Tavares, A. M., Santos, A. D., Aquino, V., Melo, L., Silva, L., Santos, Y., Andrade, F., Martins, C., Aquino, M. J., Oliveira, D., & Santana, L. (2021). Impacto dos sinais e sintomas de incontinência urinária na qualidade de vida de mulheres praticantes de musculação no Estado de Sergipe. 10(10), Artigo e598101018609,.

Published

28/09/2021

How to Cite

SILVA, C. B. S. da .; NASCIMENTO, R. da S. .; ALENCAR, I. de . The prevalence of urinary incontinence in women practicing bodybuilding: a literature review. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 12, p. e502101220933, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i12.20933. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/20933. Acesso em: 1 mar. 2024.

Issue

Section

Health Sciences