Knowledge of rural elderly residents about healthy and active aging

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i13.21189

Keywords:

Healthy Aging; Aged; Rural areas.

Abstract

Introduction: the knowledge of elderly people living in rural areas is built through the lived experience, from the relationships with the context and the community, permeating values, beliefs and concerns. Objective: to know the knowledge of elderly people living in the rural context of a municipality in western Santa Catarina regarding healthy and active aging. Methodology: This is a qualitative study, which used thematic oral history as a method. Six elderly people aged 70 years or more, living in the rural context and who achieved adequate scores on the Mini Mental State Examination (MMSE) participated in the research. Data analysis was performed through thematic content analysis, according to Minayo (2014). Results and Discussions: among the established knowledge is the constancy of work in rural areas as a strategy to maintain an active profile in daily activities, in addition to demarcating the importance of using medicinal plants in health care, as well as the information acquired in the media and by health professionals. Conclusion: the knowledge about healthy and active aging of the elderly was built throughout their life trajectory, impregnated with historicities, constituted by social relationships, beliefs, values ​​and a strong sense of belonging and love and connection with the context in which they live.

Author Biographies

Fátima Ferretti, Universidade Comunitária da Região de Chapecó

Graduação em Fisioterapia, mestrado em Educação nas Ciências pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul  e doutorado em saúde coletiva pela UNIFESP.

Vanessa da Silva Corralo , Universidade Comunitária da Região de Chapecó

Graduada em Farmácia pela Universidade de Cruz Alta, mestrado  e doutorado  em Bioquímica Toxicológica (Ciências Biológicas) pela Universidade Federal de Santa Maria.

Kátia Lilian Sedrez Celich, Universidade Federal da Fronteira Sul

Enfermeira. Doutorado em Gerontologia Biomédica pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.

References

Almeida, L. & Bastos, P. R. H. O. (2017). Autocuidado do Idoso: revisão sistemática da literatura. Revista Espacios. 38 (28), 3. https://www.revistaespacios.com/a17v38n28/a17v38n28p03.pdf

Araujo, G. M., Leite, M. T., Hildebrandt, L. M., Oliveski, C. C. & Beuter, M. (2018). Idosos cuidando de si após o diagnóstico de síndrome da imunodeficiência adquirida. Rev. Bras. Enferm, 71(2), 793-800. https://doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0248

Badke, M. R., Barbieri, R. L., Ribeiro, M. V., Ceolin, T., Martinez, H. Á. & Alvim, N. A. T. (2019). Meanings of the use of medicinal plants in self-care practices. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, 53, n.e03526. https://doi.org/10.1590/s1980-220x2018047903526.

Brasil. Ministério da Saúde (2016). Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica. Política e Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos/Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Departamento de Assistência Farmacêutica - Brasília: Ministério da Saúde,.190 p. http:/bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politi ca_program a_nacional_ plantas_medicinais_fitoterapicos.pdf.

Brasil. Ministério da Saúde (2006). Portaria nº 2.528 de 19 de outubro de 2006. Aprova a Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa. Brasília: Ministério da Saúde. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2006/prt2528_19_10_2006.html.

Brasil. Ministério da Saúde (2005). Organização Pan-Americana da Saúde – Opas – OMS. Envelhecimento ativo: uma política de saúde / World Health Organization; tradução Suzana Gontijo. – Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 60p. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/envelhecimento_ativo.pdf

Cavalcanti, H. W. V. & Santos, B. B (2017). The processes of constructing a place-based identity: the experience of residents in the municipalities of Cabo de Santo Agostinho and Ipojuca, Pernambuco, Brazil. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais. Recife, 19 (3), 475-492. https://doi.org/10.22296/2317-1529.2017v19n3p475

Costa, P. C. P., Garcia, A. P. R. F. & Toledo, V. P. (2016). Acolhimento e cuidado de enfermagem: um estudo fenomenológico. Revista Texto Contexto Enfermagem, Florianópolis, 25(1), 2-7. http://dx.doi.org/10.1590/0104-07072016004550014

Contatore, A. O., Tesser, C. D. & Barros, N. F. (2021). Autocuidado autorreferido: contribuições da Medicina Clássica Chinesa para a Atenção Primária à Saúde. Interface, Comunicação, Saúde, Educação, 25(1), 200461. https://doi.org/10.1590/interface.200461

Cruz, P. J. S. C. et a.l (org.). Vivências de extensão em educação popular no Brasil: extensão e educação popular na reorientação da formação em saúde. 2 ed. João Pessoa: Editora do CCTA, 2018. 222 p. http://www.ccm.ufpb.br/vepopsus/wp-content/uploads/2018/02/Viv%C3%AAncias-de-Extens%C3%A3o-em-Educa%C3%A7%C3%A3o-Popular-no-Brasil-Vol.2-Editora-do-CCTA-2018-1.pdf

Ferraz, L., Alvez, J. & Ferretti, F. (2017). A vulnerabilidade ocupacional do idoso no meio rural. Saúde e Transformação Social, 8(1), 1-14. https://www.redalyc.org/pdf/2653/265351592007.pdf

French, E. & Jones, J, B. (2017). Health, health insurance, and retirement: a survey. Annual Reviews of Economy, 9(1), 383-409. https://doi.org/10.1146/annurev-economics-063016-103616

Freire, P (2019). Pedagogia do Oprimido. Paz & Terra, 256 p.

Freire, P (1984). Ação cultural para a liberdade. 7. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Garbaccio, J. L., Tonaco, L. A. B., Estevão, W. G. & Barcelos, B. J. (2018). Aging and quality of life of elderly people in rural areas. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, 71(1), 724-732. http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0149.

Granerud, A., Imingen, I. & Eriksson, B. (2017). Everyday Life and Wellbeing among the Oldest Elderly in Norway ‒ A Qualitative Study. Open Journal of Social Sciences. 5(7), 97-111.

Guimarães, G. M. & Pinheiro, R. (2018). O. Patrimônio cultural e produção artesanal de alimentos: o saber fazer em sistemas de produção da Quarta Colônia. In: Saberes tradicionais e artesanato: expressões culturais do campo brasileiro. David, C.; Vargas, D. L. (Orgs.).

Glowka, K. K. O., Marques, A. S. & Moura, G. S. (2021). Conhecimento popular sobre plantas medicinais em comunidades rurais do Município de Laranjeiras do Sul, Paraná. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, 16(1), 48-59. http://dx.doi.org/10.18378/rvads.v16i1.8423

Mattos, G., Camargo, A., Sousa, C. A. & Zeni, A. L. B. (2018). Plantas medicinais e fitoterápicos na Atenção Primária em Saúde: percepção dos profissionais. Ciência & Saúde Coletiva, 23(11), 3735-3744. http://dx.doi.org/10.1590/1413-812320182311.23572016

Mendes, J., Soares, V. M. N. & Massi, G. A. A. (2015). Percepções dos acadêmicos de fonoaudiologia e enfermagem sobre processos de envelhecimento e a formação para o cuidado aos idosos. Revista CEFAC, São Paulo, 17(2), 576-585. https://doi.org/10.1590/1982-021620153714.

Wincler, M., Boufleuer, T. R., Ferretti, F. &, Sá, C. A. (2016). Idosos no meio rural: uma revisão integrativa. Estudos Interdisciplinares sobre o Envelhecimento, Porto Alegre, 21(2) 173-194. https://seer.ufrgs.br/RevEnvelhecer/article/view/60691

Tavares, R. E., Jesus, M. C. P., Machado, D. R., Braga V. A. S., Tocantis, F. R. & Merighi, M. A. B. (2017). Envelhecimento saudável na perspectiva de idosos: uma revisão integrativa. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, Rio de Janeiro, 20(6), 878-889. https://www.scielo.br/j/rbgg/a/pSRcgwghsRTjc3MYdXDC9hF/abstract/?lang=pt

Tafuri, D. M. & Gonçalvez, J. L. (2017). Fundamentos teórico conceituais da pesquisa em práticas sociais e processos educativos. Educação Unisinos, São Leopoldo, 21(1), 40-49. https://www.redalyc.org/pdf/4496/449650489006.pdf

Seabra, C. A. M., Xavier, S. P. L., Sampaio, Y. P. C. C., Oliveira, M. F., Quirino, G. S. & Machado M. F. A. S. (2019). Health education as a strategy for the promotion of the health of the elderly: an integrative review. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, 22(4), e190022. https://doi.org/10.1590/1981-22562019022.190022

Smith, M. K. (1996). What is non-formal education. http://www.infed.org/biblio/b-nonfor.htm

Valer, D. B., Bierhals, C. C. B. K., Aires, M. & Paskulin, L. M. G. (2015). O significado de envelhecimento saudável para pessoas idosas vinculadas a grupos educativos. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, Rio de Janeiro, 18(4), 809-819. https://doi.org/10.1590/1809-9823.2015.14042

Veras, R. P. & Oliveira, M. (2018). Envelhecer no Brasil: a construção de um modelo de cuidado. Ciência & Saúde Coletiva. 23(6), 1929-1936. https://doi.org/10.1590/1413-81232018236.04722018.

Published

09/10/2021

How to Cite

KONRAD, A. Z.; FERRETTI, F. .; CORRALO , V. da S.; CELICH, K. L. S. Knowledge of rural elderly residents about healthy and active aging. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 13, p. e172101321189, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i13.21189. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/21189. Acesso em: 6 dec. 2021.

Issue

Section

Health Sciences