Quality in services of the Food and Nutrition Unit - UAN in times of Covid-19

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i13.21230

Keywords:

DTAs; Good habits; Food preparation; Covid-19.

Abstract

Introduction: With the spread of the Sars-CoV-2 virus and the world in a state of pandemic, the food industry needed to reinvent itself and adopt new ways to serve customers and consumers. The Food and Nutrition Units (UANs) that serve diners did not have their activities suspended because they are an essential service, they had to adapt to the new scenario and make internal, theoretical and environmental changes. General objective: Based on a bibliographic study, this article aims to discuss the importance of adopting Good Practice standards and important aspects involved in the management of good quality in food and nutrition, as well as how they influence the whole process even in a pandemic period, as they avoid contamination and reduce the risk of foodborne illnesses (DTAs). Results and Discussion: The exercise of good practices increases the quality of food and the nutritional safety of consumers, together with reducing expenses, increasing the organization and generation of products, motivating employees and strengthening the customer-company bond. Conclusion: This paper also emphasizes how essential the role of the nutritionist is for the success of activities in FNUs, in addition to structural, sanitary and economic advantages and summarizes the new recommendations attributed to the nutritionist, justified by the need to fight the pandemic, in a context isolation and social distance.

References

“ABIA. (2021). Boas Práticas na Indústria de Alimentos • covid-19 recomendações às associadas e aos colaboradores. ABIA-Associação Brasileira da Indústria de Alimentos. https://www.abia.org.br/downloads/Recomendacoes-ABIA-Boas-Praticas-Covid19.pdf.“.

Aranha, F. Q., et al. (2020). Mudanças no serviço de alimentação coletiva devido a pandemia de COVID19. Revista de Alimentação e Cultura das Américas - RACA. 2(2), 252-267, ISSN 2596-3082. <http://conexoes.ifce.edu.br/index.php/conexoes/article/view/1987/1554>.

Baptista, P., & Antunes, C. (2005). Higiene e Segurança Alimentar na Restauração–Volume II–Avançado. Forvisão - Consultoria em formação integrada, AS, 300.

Berchieri Jr, A., Silva, E. N., Di Fábio, J., Sesti, L. & Zuanaze, M. A. F. 2015. Doenças das aves. FACTA, Campinas.

Brasil, Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. (2010). Departamento de Vigilância Epidemiológica. Manual Integrado de Vigilância, Prevenção e controle de Doenças Transmitidas por alimentos. Ministério da saúde, Secretaria da saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância Epidemiológica – Brasília: Ministério da Saúde, 37-38.

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. (2004). Resolução RDC nº 216, de 15 de setembro de 2004. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, dispõe sobre regulamento técnico de boas práticas para serviços de alimentação. <http://elegis.bvs.br/leisref/public/showAct.php?id=12546>.

Brasil. (2018). Conselho Federal de Nutricionistas. Resolução CFN nº 600, de 25 de fevereiro de 2018. Dispõe sobre a definição das áreas de atuação do nutricionista e suas atribuições e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, Seção 1, 68.

Brasil. Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. Políticas Públicas para Garantia da Alimentação Adequada e Saudável: A união das agendas da Saúde e da Segurança Alimentar e Nutricional. 5ª Conferência Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, Brasília.

Brasil. (2016 Ministério da Saúde. Surtos de doenças transmitidas por alimentos no Brasil. Brasília.

Brasil. (2020). Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa. Nota Técnica 18/2020: reforça a adoção de Boas Práticas de Fabricação e manipulação de alimentos durante a pandemia de Covid-19. < http://portal.anvisa.gov.br/registros-e autorizacoes/alimentos/empresas/boas-praticas-de-fabricacao>.

Brasil. (2020). Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa. Nota Técnica 23/2020: orienta o setor quanto ao uso de luvas e máscara<http://portal.anvisa.gov.br/registros autorizacoes/alimentos/empresas/boas-praticas-de-fabricacao>.

Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa. NOTA TÉCNICA 48/2020 – Documento orientativo para produção segura de alimentos durante a pandemia de Covid-19. http://portal.anvisa.gov.br/documents/219201/4340788/NOTA_TECNICA_N__48___Boas_Praticas_e_Covid_19__Revisao_final.pdf/ba26fbe0-a79c-45d7-b8bd-fbd2bfdb2437. >

Brasil. (2020). Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa. Cartilha sobre Boas Práticas para Serviços de Alimentação: Resolução-RDC nº 216/2004. Brasília, 3a Edição, .: < https://saude.es.gov.br/Media/sesa/NEVS/Alimentos/cartilha_gicra_final.pdf>

Brasil. Portaria nº 368, de 4 de setembro de 1997- MAPA. Regulamento Técnico sobre as Condições Higiênico-Sanitárias e de Boas Práticas de Elaboração para Estabelecimentos Elaboradores/Industrializadores de Alimentos. Diário Oficial da União, Brasília, 08 set. 1997.

Brasil. (1997) Portaria SVS/MS nº 326, de 30 de julho de 1997. Estabelece a necessidade do constante aperfeiçoamento das ações de controle sanitário na área de alimentos, visando a proteção da saúde da população. Diário Oficial da União, Brasília.

Brasil. (2003). Resolução RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002. Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados aplicados aos Estabelecimentos Produtores/ Industrializadores de Alimentos e a Lista de Verificação das Boas Práticas de Fabricação em Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos. D.O.U. - Diário Oficial da União; Poder Executivo.

Como o Covid-19 está mudando a indústria de Alimentos e Bebidas. Reply, (2021). <https://www.reply.com/br/covid-19-food-and-beverage#>.

Conselhos Federal e Regionais de Nutricionistas. (2020). Recomendações do CFN: Boas práticas para a atuação do nutricionista e do técnico em nutrição e dietética durante a pandemia do novo coronavírus (COVID-19). Brasília.

Dias, R. S., Leal-Bernardes, A. F. & Zuccoli, P. C. 2011. A importância do processo de investigação na elucidação de surtos de Doenças Transmitidas por Alimentos (DTA). Periódico Científico do Núcleo de Biociências, 1, 17-23.

Doenças Transmissíveis, Coordenação Geral de Doenças Transmissíveis, Unidade de vigilância das Doenças de Transmissão Hídrica e Alimentar. (2015). Doenças Transmitidas por Alimentos. Brasília

Doris, Gianini Carla et al. Cartilha - Boas Práticas em Tempos de Covid. <https://wp.ufpel.edu.br/ceng/files/2020/06/Cartilha-BOAS-PRÁTICAS-EM-TEMPOS-DE-C OVID.pdf>.

Embrapa: Alimentos e Nutrição. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Santo Antônio de Goiás. Email: www.cnpaf.embrapa.br.

< https://www.embrapa.br/arroz-e-feijao/biblioteca/equipe-e-contato >. Acesso em: 30 de março de 2021.

European Food Safety Authority. (2015). The European Union summary report on trends and sources of zoonoses, zoonotic agents and food‐borne outbreaks in 2013. EFSAJournal, 13(1) <https://doi.org/10.2903/j.efsa.2015.3991>.

Ferraz, R. R. N., Santana, F. T., Barnabé, A. S. & Fornari, J. V. 2015. Investigação de surtos de doenças transmitidas por alimentos como ferramenta de gestão em saúde de unidades de alimentação e nutrição. Revista de Administração e Ciências Contábeis do IDEAU, 9, 1-10.

Flores, A. M. P. C. & Melo, C. B. 2015. Principais bactérias causadoras de doenças de origem alimentar. Revista Brasileira de Medicina Veterinária, 37, 65-72.

Fonseca, K. Z., & Santana, G. R. (2012). Guia prático para gerenciamento de unidades de alimentação e nutrição. Cruz das Almas/BA: UFRB, 88.

Garcia, D. M., & Bassinello, P. Z. (2007). Treinamento em boas práticas para manipuladores de alimentos. Santo Antônio de Goiás: Embrapa Arroz e Feijão.

Klein, L. R., Bisognin, R. P. & Figueiredo, D. M. S. 2017. Estudo do perfil epidemiológico dos surtos de doenças de transmissão hídrica e alimentar no Rio Grande do Sul: uma revisão dos registros do Estado. Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, 13, 48-64.

Kraemer, F. B., Saddy, M. A., & Garcia, S. R. M. C. G. (2007). Guia de elaboração de boas práticas para manipulação de alimentos. Rio de Janeiro: Conselho Regional de Nutricionistas - 4ª Região, 52. Bibliografia. .

Malacrida, A. M., Dias, V. H. C. & Lima, C. L. 2017. Perfil epidemiológico das doenças bacterianas transmitidas por alimentos no Brasil. II Simpósio de Produção Sustentável e Saúde Animal, Umuarama, Paraná.

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). http://extranet.agricultura.gov.br/sislegiconsulta/consultarLegislacao.do?operacao=visualizar&id=1139 e http://www.in.gov.br/en/web/dou/-/instrucao-normativa-n-23-de-25-de-marco-de-2020-249807120>.

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). (2020). Recomendações para o Transporte de Produtos Alimentícios: Documento com orientações para as cadeias produtivas sobre o transporte de alimentos. Publicação da FAO e OMS sobre segurança de alimentos e Covid-19.

Ministério da Economia. Secretaria de Trabalho/Subsecretaria de Inspeção do Trabalho Ofício Circular SEI nº 1162/2020/ME: orientações gerais aos trabalhadores e empregadores do setor de frigoríficos em razão da pandemia da Covid-19.

Ministério da Saúde do Brasil (MS). Protocolo de Manejo Clínico para o Novo Coronavírus (2019-nCoV). Sociedade Ginecologia e Obstetrícia de São Paulo –SOGESP. <https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2020/fevereiro/11/protocolomanejocoronavirus.pdf>

Nutmed. (2021). Apostila Microbiologia dos Alimentos II: Parte IV – Boas Práticas. https://nutmed.com.br/storage/resources/5/2090/Apostila%20Microbiologia%20II%20Completa.pdf“.

O impacto do novo coronavírus no setor de Alimentos e Bebidas. (2020). SEBRAE – Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas – Alimentos e Bebidas. <https://atendimento.sebrae-sc.com.br/inteligencia/relatorio-de-inteligencia/o-impacto-da-covid-19-no-setor-de-alimentos-e-bebidas>.

Parana. (2006). Secretaria de Saúde do Estado do Paraná. Surto alimentar. Paraná, .

Sant’Ana, H. M. P. (2012). Planejamento físico-funcional de unidades de alimentação e nutrição – Rio de Janeiro: Editora Rubio. Planejamento Físico-Funcional de Unidades de Alimentação e Nutrição Copyright c 2012 Editora Rubio Ltda. ISBN 978-85-64956-15-5.

Pontes, B. P., et al. (2020). Boas práticas de produção e a percepção do manipulador em relação ao Covid-19 em uma Unidade de Alimentação e Nutrição militar no município de São Paulo. Advances in Nutritional Sciences. Revista Eletrônica, 1(1), ISSN: 2675-6625.: < https://journal.healthsciences.com.br/index.php/ans/article/view/2/50>.

RDC 216 Anvisa – Guia Prático – Limpeza e Higienização. Hygibras: Saúde, Bem Estar e Economia, 21 outubro 2020. < https://www.hygibras.com/artigos/rdc-216/#:~:text=A%20RDC%20216%20Anvisa%20disp%C3%B5e,higi%C3%AAnico%2Dsanit%C3%A1rias%20do%20alimento%20preparado.>

Santa, Vanessa. (2021). Alimentação coletiva e seus desafios em tempos de pandemia. 81 f. Monografia (Graduação em Nutrição), Universidade do Sul de Santa Catarina (UNISUL) - Campus Grande Florianópolis, Palhoça - SC, Brasil.

Santos, M. H. R. et al. (2011). Segurança alimentar na manipulação doméstica, abordagem física, química e biológica. III Simpósio de Segurança Alimentar, Florianópolis, 42-47. < http://pg.utfpr. edu.br/dirppg/ppgep/ebook/2010/CONGRESSOS/SSA/1 SÃO PAULO.>.

São José J.F.B. (2012). Contaminação microbiológica em serviços de alimentação. Nutrire: Rev Soc Bras Alim Nutr., 37(1),78-92.

Silva Junior, E. A. (2014). Manual de controle higiênico-sanitário em serviços de alimentação. 7 ed. São Paulo: Varela.

Silva, Herison Leandro Mendonça. (2021). Boas práticas de fabricação de alimentos em tempo de pandemia: Elaboração e aplicação de check list para mitigar a disseminação da Covid-19 em serviços de alimentação. 81 f. Monografia (Graduação em Gastronomia) - Instituto de Cultura e Arte, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza.

Silva, H. L. M., Carvalho, D. V., Mendes, A. E. P. (2021). Medidas preventivas para o enfrentamento da Covid-19 em um serviço de alimentação institucional na cidade de Fortaleza – CE. Conexões - Ciência e Tecnologia. Revista Eletrônica, 15(01-09), e021010. http://conexoes.ifce.edu.br/index.php/conexoes/article/view/1987/1554>.

Silva, L. C., et al. (2015). Boas práticas na manipulação de alimentos em Unidades de Alimentação e Nutrição. Demetra: alimentação, nutrição & saúde, Rio de Janeiro, 10(4), 797-820.

Sirtoli, D. B. & Camarella, L. 2018. O papel da vigilância sanitária na prevenção das doenças transmitidas por alimentos (DTA). Saúde e Desenvolvimento, 12, 197-209.

Souza, S. S. (2004). Alimentos seguros: orientações técnicas. São Paulo: Secretaria Municipal de Saúde, 40.

Souza, M. T., Silva, M. D., & Carvalho, R. (2010). Revisão integrativa: o que é e como 15 fazer. Einstein, 8(1), 102-106.

Superintendência Regional do Trabalho em Goiás. Notificação Recomendatória nº 02/2020 da Auditoria Fiscal do Trabalho da SRTGO com o objetivo de reduzir a disseminação de coronavírus nos ambientes de trabalho.

Surtos de Doenças Transmitidas por Alimentos no Brasil Ministério da Saúde. (2017). Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis Coordenação Geral de Doenças Transmissíveis Unidade de Vigilância das Doenças de Transmissão Hídrica e Alimentar.

Unidades de alimentação e nutrição – Administração 2. Unidades de alimentação e nutrição – Planejamento I. Título.11-11523 CDD-658.4012.

Published

09/10/2021

How to Cite

ENCARNAÇÃO, G. A. da .; REIS, J. P. D. dos .; FERREIRA, V. L. de O. .; FERREIRA, J. C. de S.; FIGUEIREDO, R. S. . Quality in services of the Food and Nutrition Unit - UAN in times of Covid-19. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 13, p. e145101321230, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i13.21230. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/21230. Acesso em: 8 dec. 2021.

Issue

Section

Review Article