Food poisonings in Brazil – the impacts of the pandemic and its prevention perspectives

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i13.21291

Keywords:

Food poisoning; Occurrence; Brazil.

Abstract

This study aimed to describe the epidemiological profile of food poisoning in Brazil with its trends and prospects for prevention, between the years 2016 and 2020. A cross-sectional, retrospective study with a quantitative approach was developed, the data for the research were taken from official government websites, namely: SINITOX (National System of Toxic-Pharmacological Information), DATASUS and IBGE (Brazilian Institute of Geography and Statistics). It became evident that a significant and sharp decrease in cases of food poisoning in Brazil and in its five socio-political regions (p<0.0001) in the year 2020, such fact being probably related to the advent of the COVID-19 pandemic. Regarding the occurrence of food poisoning by gender there was predominance in males with a sharp and significant decrease in the year 2020 for both genders. The age group between 15-19 years was the most prevalent, followed by children under 1 year old. Thus, it can be concluded that food poisoning is closely related to food consumption outside the home, reinforcing the importance of the professional nutritionist as a propagator of good hygiene, handling, and healthy eating practices.

References

Almeida, C. F. et al. (2008). Perfil epidemiológico das intoxicações alimentares notificadas no Centro de Atendimento Toxicológico de Campina Grande, Paraíba. Revista Brasileira de Epidemiologia, 11: 139-146.

Assumpção, D. et al. (2017). Diferenças entre homens e mulheres na qualidade da dieta: estudo de base populacional em Campinas, São Paulo. Ciência & Saúde Coletiva, 22: 347-358.

Bernardes, A. F. M. et al. (2016). Alimentação saudável, cuidado e gênero: percepções de homens e mulheres da zona noroeste de Santos-SP. Demetra: Alimentação, Nutrição & Saúde, 11(3): 559-573.

Bezerra, I. N. et al. (2013). Consumo de alimentos fora do domicílio no Brasil. Revista de Saúde Pública, 47: 200s-211s.

Brasil. (2009). Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Guia de Vigilância Epidemiológica / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância Epidemiológica. – 7. ed. – Brasília: Ministério da Saúde, 816 p. – (Série A. Normas e Manuais Técnicos).

Brasil. (2010). Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Manual Integrado de Vigilância, prevenção e controle de doenças transmitidas por alimentos / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância Epidemiológica – Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 158 p.: il. – (Série A. Normas e Manuais Técnicos).

Brasil. (2018). Ministério da Saúde. Surtos de Doenças Transmissíveis por Alimentos no Brasil. Edição janeiro de 2018. https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2018/janeiro/17/Apresentacao-Surtos-DTA-2018.pdf.

Brown A; Shenker N. (2021). Experiences of breestfeeding during COVID-19: Lessons for future practical and emotional support. Mattern and Child Nutrition, 17:e13088.

Carvalho-Gebran F. W. Vincha K. R. R. Cervto-Mancuso A. M. 2018. The role of educator in food and nutrition by health professionals in the context of family health care. Revista de Nutrição, 31(1):71-81.

Das J. D. Fast Food Consumption in children: a review. 2015. Medical and Clinical Reviews, 1(1):1-5.

Esteves-Amaral, F. L. Silva, E. F. Lima-Lacerda, F. A. & Pinto, N. B. (2019). Análise retrospectiva dos casos de intoxicação humana por alimentos no Brasil no período de 2008 a 2016. Revista revinter, 12(1):48-59.

Fonseca, W. C. et al. (2018). Comida de rua: conhecimento dos consumidores sobre segurança dos alimentos e condições higienicossanitárias de pontos de venda em São Luís, MA. Higiene alimentar, 32(284):61-65.

Hoffman, F. L. (2001). Fatores limitantes à proliferação de microorganismos em alimentos. Brasil Alimentos, 9 - Julho/Agosto.

IBGE. (2019). Pesquisa de orçamentos familiares 2017-2018: Primeiros resultados /IBGE, Coordenação de Trabalho e Rendimento. - Rio de Janeiro: IBGE, 69 p. ISBN 978-85-240-4505-9.

Lemos, M. C. M. & Dallacosta, M. C. (2005). Hábitos alimentares de adolescentes: Conceitos e práticas. Arquivos de Ciências e Saúde da Unipar, 9(1): 3-9.

Magnoni, D. et al. (2016). Segurança alimentar e informação nutricional podem reduzir a intoxicação alimentar na alimentação fora do lar. Revista Brasileira de Nutrição Clinica, 31(2): 91-6.

Martins, M. L. & Haack, A. (2012). "Conhecimentos maternos: influência na introdução da alimentação complementar." Comunicação em Ciências da Saúde, 23(4): 353-359.

Newborns. (1995). How Breast Milk Protects, and Jack Newman. "Como o leite materno protege os recém-nascidos." Scientific American, 4: 76-79.

Pandolfi, I. A. Moreira, L. Q. Teixeira, E. M. B. (2020). Segurança alimentar e serviços de alimentação-revisão de literatura. Brazilian Journal of Development, 6(7): 42237-42246.

Steele, E. M. et al. (2020). Dietary changes in the diet in the NutriNet Brasil cohort under COVID-19 pandemic. Revista de Saúde Pública, 54(91):1-8.

Downloads

Published

17/10/2021

How to Cite

ROSA, S. F.; ARAÚJO, M. L. C. .; COÊLHO, M. D. G. . Food poisonings in Brazil – the impacts of the pandemic and its prevention perspectives . Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 13, p. e436101321291, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i13.21291. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/21291. Acesso em: 4 dec. 2021.

Issue

Section

Health Sciences