Accessibility in a higher education institution in Tocantins: case report

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i13.21341

Keywords:

Inclusion; Higher Education; Accessibility; Teaching-learning.

Abstract

This article aimed to verify the inclusion process of a Higher Education Institution (HEI) in Tocantins. Initially, a brief context on inclusive education was elaborated, as this idea arose from the need to know what is being done in the area of special education in a higher education institution in Tocantins. Subsequently, a survey with a qualitative focus was carried out with the students and employees of the IES who work directly with these students, and from the data that were collected, it was possible to measure the quality of services offered by the IES, which currently has 42 academics with special educational needs. It is noteworthy that the HEI used in the research is one of the largest institutions in the state, with approximately 6 thousand students. Finally, improvements were suggested for adaptations and possible potential to be achieved by special academics and all those involved in the teaching-learning process at the IES. The HEI used in this report provides the necessary subsidies to make the inclusion process viable.

References

Brasil. (1996). Lei n 9.394 de 20 de dezembro de 1996: Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm.

Brasil. (1988). Constituição Federal. Brasília.

Chahini, T. H, C. (2010). Atitudes sociais e opiniões de professores e alunos da universidade federal do Maranhão em relação à inclusão de alunos com deficiência na educação superior, 131f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Filosofia e Ciências, Marília.

Cheer, J., et al. (2003). Access barriers for persons with disabilities: the consumer’s perspective. J Disabil Pol Studies. 13(4):221-31. DOI:10.1177/104420730301300404.

Cruz, V. V., et al. (2020). Barreiras de acessibilidade para pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida: revisão integrativa. Research, Society and Development, 9(4), e168943053. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i4.3053.

Dussilek, C. A., & Moreira, J. C. C. (2017). Inclusão no ensino superior: uma revisão sistemática das condições apresentadas aos estudantes com deficiência. Research, Society and Development, 6(4), 317-341. https://doi.org/10.17648/rsd-v6i4.124.

Fávero, E. A. G. (2007). Direitos das Pessoas com Deficiência: Garantia de Igualdade na Diversidade – Rio de Janeiro: WVA Ed.

Guerreiro, E. M. B. R. (2012). A acessibilidade e a educação: um direito constitucional como base para um direito social da pessoa com deficiência. Rev. Educ. Espec. Santa Maria, v. 25, n. 43, p. 217-232.

Kroll, T., et al. (2006). Barriers and strategies affecting the utilization of primary preventive services for people with physical disabilities: a qualitative inquiry. Health Soc Care Community. 14(4):284-93. DOI:10.1111/j.1365- 2524.2006.00613.x.

Leite, F. P. A. (2007). O município acessível a pessoa portadora de deficiência: o direito à eliminação das barreiras arquitetônicas. São Paulo: RCS Editora.

Malheiro, S. J. (2018). Acessibilidade na Educação a Distância. Dicionário Crítico de Educação e Tecnologias e de educação a Distância. Daniel Mill (org) Campinas: Papirus Editora.

Moreira, L. C., et al. (2011). Ingresso e permanência na Universidade: alunos com deficiências em foco. Educar em Revista, Curitiba: Editora UFPR, Brasil, n. 41, p. 125-143.

Nagai, R., et al. (2007). Conhecimentos e práticas de adolescentes na prevenção de acidentes de trabalho: estudo qualitativo. Rev Saúde Pública. 41(3):404-11. DOI:10.1590/S0034- 89102007000300012.

Nicholl, A. R. J. (2001). O Ambiente que Promove a Inclusão: Conceitos de Acessibilidade e Usabilidade. Revista Assentamentos Humanos, Marília, v3, n. 2, p 49- 60.

Oliveira, A. A. S. (2006). Inclusão no Brasil: políticas públicas para o educando com necessidades educacionais especiais. São José dos Campos: Editora Pulso.

Organização das Nações Unidas (ONU). 2006. Declaração dos direitos das pessoas deficientes.

Quines, S., et al. (1985). The use of focus groups with the disabled elderly. Qual Health Res. 5(4):454-62. DOI:10.1177/104973239500500406.

Rosseto, E. (2009). Recuperação histórica das políticas de inclusão no ensino superior. Campinas: Faculdade de Educação – UNICAMP, 2009. Disponível em: www.histedbr.fae.unicamp.br/acer_histedbr/seminario/.../WrKNHCJb.doc.

Silva, K. C. (2016). Conditions of accessibility at the university: the point of view of students with disabilities. 149f. Dissertation (MA in Education) – Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Filosofia e Ciências, Marília.

Simionato, M. A. W. (2011). O deficiente no Ensino Superior: uma reflexão. Maringá: Eduem, p. 299-313.

Skliar, C. (2006). A inclusão que é “nossa” e a diferença que é do “outro”. Inclusão e Educação: doze olhares sobre a educação inclusiva. São Paulo: Summus, p.16-34.

Stroparo, E. M., et al. (2016). O papel da biblioteca universitária na inclusão de alunos com deficiência superior. Revista do Centro da Educação, vol. 41, núm 1, p 209-222. 2016.

Published

17/10/2021

How to Cite

BRITO, G. F. .; FERREIRA, E. M. S. . Accessibility in a higher education institution in Tocantins: case report. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 13, p. e390101321341, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i13.21341. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/21341. Acesso em: 2 dec. 2021.

Issue

Section

Education Sciences