Nursing care in neonatal sepsis

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i13.21344

Keywords:

Keywords: Neonatal sepsis. Nursing. Care. Diagnosis.

Abstract

Neonatal sepsis is a severe systemic inflammatory syndrome resulting from infection with or without bacteremia that can occur through positive culture in the first 28 days of life. The involvement of neonatal sepsis is responsible for five million deaths of newborns in underdeveloped or developing countries. Thus, the objective of the study is to discuss the contribution of nursing care to reduce the rate of neonatal sepsis. It is known that nursing has a very important role in monitoring children in the NICU, a practice based on theoretical-methodological knowledge in addition to the Systematization of Nursing Care-SAE, which is a methodology that provides security to nursing practice. The study sought to present a literature review on nursing care in assisting children in the ICU with neonatal sepsis, reinforcing the importance of early diagnosis and treatment intervention. The research presents the clinical concept of neonatal sepsis, its clinical characteristics and nursing care for the care of newborns with this infection. This is a bibliographic research of descriptive character with a qualitative approach using scientific articles published in the databases, Lilacs, Scielo, Medline, among other journals and the legal regulations of the Ministry of Health that address the subject. The study highlights the importance of preventive care in newborn care, adopting preventive measures and recognizing early signs to treat neonatal sepsis, thus reversing the consequences of the infection.

Author Biographies

Camila Silva e Souza, Faculdade Integrada Carajás

Master in science and environment/ufpa Professor Faculty Integrated Carajás-FIC

Sttefhany Alves Leão, Faculdade Integrada Carajás

Student of the Nursing course at Faculdade Integrada Carajás-FIC

References

Alves, J. B., Gabani, F. L., Ferrari, R. A. P., Tacla, M. T. G. M., & Link Junior, A. (2018) Sepse neonatal: mortalidade em município do sul do Brasil, 2000 a 2013. Rev Paul Pediatr. 36(2):132-140.

Barbosa, D. A. (2015) A importância da sistematização da assistência de enfermagem (SAE) em uma unidade de hemodiálise. Revista de Administração do Sul do Pará (REASP).

Bassi, A. A. P., & Sampaio, V. R. E. (2018). Sepse: sinais, sintomas e cuidados de enfermagem. https://www.conic-semesp.org.br/anais/files/2017/trabalho-1000025765.pdf.

Bittar, D. B., Pereira, L. V., & Lemos, R. C. A. (2016). Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente crítico: proposta de instrumento de coleta de dados. Texto Contexto Enferm, 15(4): 617-28.

Brasil. (2017). Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA. Critério Diagnósticos de Infecção Associada à saúde – Neonatologia. Brasília: ANVISA,. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/criterios_diagnosticos_infeccoes_assistencia_saude_neonatologia.pdf.

Brito, C. G. A., & Barcelos, V. M. (2017). Os desafios do enfermeiro para a realização da sistematização de Enfermagem na Atenção Básica. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. 13. 129-143.

Dortas, A. R. F., Mello, D. M. da S., Bezerra, L. A., Lima, R. G., Neves, V. H. D., & Aragão, J. A. (2019). Fatores de risco associados a sepse neonatal: Artigo de revisão. Revista Eletrônica Acervo Científico.

Freitas, C. B. S. de. Enfermagem relacionados ao processo de enfermagem. Dissertação (Mestrado) – Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo.

Hammad, M. S. Z. (2018). Meta-Analysis on Factors Influencing Early Onset Neonatal Sepsis. Scholar Journal of Applied Sciences and Research, 1(8), 20-22, 2018.

Ludke, M. & Andre, M. E. D. A. (2013). Pesquisas em educação: uma abordagem qualitativa. E.P.U.

Mota, E. C., Barbosa, D. A., Silveira, B. R. M., Rabelo, T. A., Silva, N. M., Silva, P. L. N. da, Ribeiro, J. L., Silva, C. S. de O., & Gonçalves, R. P. F. (2014). Higienização das mãos: uma avaliação da adesão e da ´prática dos profissionais de saúde no controle das infecções hospitalares. Rev Epidemiol Control Infect. 2014,4(1):12-17.

Nascimento, V. F. do., & Silva, R. C. R. (2014). da. Assistência de enfermagem ao recém-nascido pré-termo frente às possíveis intercorrências. Rev Enferm.

Oliveira, C. O. P. de., Souza, J. R. S., Machado, R. C., Feijão, A. R., & Souza, N. L. (2016). Fatores de risco para sepse neonatal em unidade de terapia: estudo de evidência. Cogitare Enferm.

Procianoy R. S, & Silveira R. C. (2020). The challenges of neonatal sepsis management. J Pediatr (Rio J). 2020,96(S1):80---6.

Reppetto, M. Â., & Souza, M. F.de. (2015) Avaliação da realização e do registro da Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE) em um hospital universitário. Rev Bras Enferm.

Santos, A. P. de S., Silva, M. de L. C. da., Souza, N. L. de., Mota, G. M., & França, D. F. de. (2014). Diagnóstico de enfermagem de recém-nascidos com sepse em uma Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. Rev. Latino-Am. Enfermagem.

Silva, S. M. R., Motta, G. de C. P. da., Nunes, C. R., Schardosm, J. M., Cunha, M. L. C. (2015). Sepse neonatal tardia em recém-nascidos pré-termo com peso ao nascer inferior a 1.500g. Rev Gaúcha Enferm.

Silveira, R. de C., & Procianoy, R. S. (2012). Uma revisão atual sobre sepse neonatal. Boletim Científico de Pediatria.

Souza, A., Amário, A., Covay, D., Veloso, L., & Silveira, L., S. (2018) A. Conhecimento do enfermeiro sobre o choque séptico/ Nurses' knowledge on septic shock. Ciência, Cuidado e Saúde.

Souza, A. P. C., Garcia, R. A. de S., & Silva Neto, M. F. da. (2020). Assistência de enfermagem em unidade de terapia intensiva nas alterações sistêmicas causadas pela sepse. Braz. J. Hea. Ver.

Souza, N. R., Costa, B. M. B., Carneiro, C. C. F, Barbosa, H. S. C., & Santos, I. C. R. V. (2015). Sistematização da assistência de enfermagem: dificuldades referidas por enfermeiros de um hospital universitário. Rev enferm UFPE on line.

Viana, R. A. P. P., Machado, F. R., & Souza, J. L. A. (2017). Sepse, um problema de saúde pública: a atuação e colaboração da enfermagem na rápida identificação e tratamento da doença. COREN-SP, 2017.

Tanure, M. C., & Pinheiro, A. M. (2017). SAE Sistematização da Assistência de Enfermagem. Guanabara Koogan.

Terry, C. L., & Weaver, A. (2013). Enfermagem em terapia intensiva. AMGH.

Westphalen, M. E. A., & Carraro, T. E. (2011). Metodologia para a assistência de enfermagem: teorizações, modelos e subsídios para a prática. AB.

Published

16/10/2021

How to Cite

SOUZA, H. C. M. de .; SOUZA, C. S. e .; LEÃO, S. A. . Nursing care in neonatal sepsis. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 13, p. e348101321344, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i13.21344. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/21344. Acesso em: 6 dec. 2021.

Issue

Section

Health Sciences