Overview of bibliographic production on indigenous health and environmental policies in Brazil

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i13.21489

Keywords:

Public Politics; Indigenous people; Integration.

Abstract

After the 1988 Constitution, social policies gained evidence by obtaining institutional structure and resources. However, these practices were developed in disregard of the phenomena and the global understanding of the different contexts in which indigenous peoples are inserted. The lack of holistic understanding leads to failures in the provision of care and protection practices to Indigenous Peoples. Thus, this dissertation aims to analyze the state of the art of indigenous health and environmental policies in Brazil, considering the bibliographic productions and generating an overview of the application of these policies. The study is exploratory and will be produced qualitatively and quantitatively through a bibliographic survey in articles, information portals of the federal government, indigenous entities, international organizations and advice on Brazilian policies aimed at Indigenous Peoples related to health and the environment, from the colonial period up to the present time. It was possible to identify 147 health publications and 196 related to the environment, totaling 343 documents, distributed in 196 articles, 82 referring to indigenous health policies and 114 regarding environmental indigenous policies, the other publications are classified in the platforms such as doctoral theses, dossiers, master's dissertations and course conclusion works, for example. Indigenous policies aimed at increasing indigenous action and mobilization can be seen, anchored at the right and defense of the land, as well as other important demands, such as the improvement of health care and education.

References

Amorim, F. (2016). Povos indígenas isolados no Brasil e a política indigenista desenvolvida para efetivação de seus direitos: avanços, caminhos e ameaças. Revista Brasileira de Linguística Antropológica, 8(2), 19-39.

Barreto, J. P. L. (2018). Bahserikowi-Centro de Medicina Indígena da Amazônia: concepções e práticas de saúde. Amazônica-Revista de Antropologia, 9(2), 594-612.

Brunet, M. B. (2018). Saberes tradicionais indígenas e sustentabilidade: Diálogos na construção do (Etno) desenvolvimento sustentável. Saberes tradicionais indígenas e sustentabilidade: diálogos na construção do (etno) desenvolvimento sustentável, 1-388.

da Costa Oliveira, A. (2008). Luciano, Gersem dos Santos. O índio brasileiro: o que você precisa saber sobre os povos indígenas no Brasil de hoje. Brasília: MEC/SECAD; LACED/Museu Nacional, 2006. 233p.(Coleção Educação Para Todos. Série Vias dos Saberes n. 1). Espaço Ameríndio, 2(2), 186.

de Andrade Marconi, M., & Lakatos, E. M. (2017). Metodologia do trabalho científico.

de Souza Santos, A. (2021). Povos indígenas e acesso à justiça: análise do processo judicial da terra indígena limão verde, mato grosso do sul.

Dias, A. A. S., & de Oliveira Dias, M. A. (2017). Educação ambiental. Revista de direitos difusos, 68(2), 161-178.

Dourado, L. F., de Oliveira, J. F., & de Almeida Santos, C. (2007). A qualidade da educação conceitos e definições. Textos para discussão, (24), 69-69.

Duarte, F. B. (2016). Diversidade linguística no Brasil: a situação das línguas ameríndias. Caletroscópio, 4, 27-62.

Felippe, G. G. (2014). A Cosmologia Construída de Fora. Paco Editorial.

Ferreira, P. D. S. (2019). Política Nacional de Educação Ambiental: a realidade das escolas municipais do Parque e da Floresta, em Santarém (PA), Brasil (Doctoral dissertation, Universidade Federal do Oeste do Pará).

Malhotra, N. K. (2001). Pesquisa de Marketing-: uma orientação aplicada. Bookman Editora.

Mendes, A. M., Leite, M. S., Langdon, E. J., & Grisotti, M. (2018). O desafio da atenção primária na saúde indígena no Brasil. Revista Panamericana de Salud Pública, 42, e184.

Mizusaki, M. (2017). Movimentos indígenas, geografia e marxismo na questão agrária brasileira: quando “novos” personagens entram em cena/Indigenous movements, Geography and Marxism in the Brazilian agrarian issue: when “news” characters get on the scene/Movimientos Indígenas, geografías y marxismo en la cuestión agraria brasileña: cuando “nuevos” personajes entran en la escena. Revista Nera, (39), 39-59.

Mori, A. C. A diversidade linguística e cultural latino-americana, os direitos linguísticos dos povos originários e o papel social do linguista. Identidade e Diversidade Cultural na América Latina, 81.

Nazareno, E., & Araújo, O. C. G. (2017). Reflexões em torno do tema contextual “etnicidade e diversidade cultural”.

OMS, O. (2004). CIF: Classificação Internacional de Funcionalidade. Classificação internacional de funcionalidade, incapacidade e saúde, 238.

Ramos, A. R. (2011). Os direitos humanos dos povos indígenas no Brasil. Desafios aos direitos humanos no Brasil contemporâneo. Brasília: CAPES/Verbena, 65-87.

Rocha, D. F. D., Porto, M. F. D. S., & Pacheco, T. (2019). A luta dos povos indígenas por saúde em contextos de conflitos ambientais no Brasil (1999-2014). Ciência & Saúde Coletiva, 24, 383-392.

Scandiuzzi, P. P. (2009). Educação indígena x educação escolar indígena: uma relação etnocida em uma pesquisa etnomatemática. UNESP.

Sobrinho, R. S. M., de Souza, A. S. D., & Betiol, C. A. (2017). A educação escolar indígena no Brasil: uma análise crítica a partir da conjuntura dos 20 anos de LDB. Poiésis-Revista do Programa de Pós-Graduação em Educação, 11(19), 58-75.

Veiga, J., & Salanova, A. (2001). Questões de educação escolar indígena: da formação do professor ao projeto de escola. Núcleo de Cultura e Educação Indígena, ALB.

Vosgerau, D. S. A. R., & Romanowski, J. P. (2014). Estudos de revisão: implicações conceituais e metodológicas. Revista diálogo educacional, 14(41), 165-189.

Wenczenovicz, T. J. (2018). Saúde Indígena: reflexões contemporâneas.

Published

19/10/2021

How to Cite

FERREIRA, A. C.; GUTJAHR, A. L. N. .; BRAGA, C. E. de S. . Overview of bibliographic production on indigenous health and environmental policies in Brazil. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 13, p. e477101321489, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i13.21489. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/21489. Acesso em: 4 dec. 2021.

Issue

Section

Human and Social Sciences