Governance Indicators and Smart City: Transparency and Interaction a case study from the city of Belo Horizonte

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i13.21519

Keywords:

Smart city; Transparency; Governance; Connectivity integration; Indicators; Collaborative society; Digital revolution.

Abstract

This work sought to understand the evolution of the Municipality of Belo Horizonte through a Governance evaluation, which encompasses transparency towards citizens and the actions proposed by the municipality, emphasizing Integration, Transparency and Effective Indicators in the provision of data to identify whether the city of Belo Horizonte is a smart city. The methodology used is based on a survey of data made available on the evolution of the city of Belo Horizonte in the Connected Smart Cities ranking in 2019 and 2020; semi-structured interview with the management involved in making open data available to the population and the analysis of the evolution and effects of transparency actions in the city of Belo Horizonte as Smart City. The data were qualitatively analyzed, and as a result it is possible to point out that (1) the implementation of a Smart City undergoes several changes, evolutions and debates that dialogue with the different participating actors, (2) the public administration is the main inducer and transforming agent of this process, guided by indicators and rankings that dialogue with the city, (3) it is possible to confront the concepts found in the literature that permeate broad topics such as: elements of population growth , digital revolution, integration, diffusion, collaborative society, connectivity, transparency and governance.

References

ALVES, M. A.; DIAS, R. C.; SEIXAS, P. C. Smart Cities no Brasil e em Portugal: o estado da arte. REVISTA BRASILEIRA DE GESTÃO URBANA, [S.l.], v. 11, maio 2019. ISSN 2175-3369. Disponível em: <https://periodicos.pucpr.br/index.php/Urbe/article/view/25319>. Acesso em: 19 de mar. 2021.

ANDRADE, M. M. Introdução à Metodologia do Trabalho Científico. 6° ed. São Paulo: Atlas. 2013.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Tradução de Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro. 70° Ed. São Paulo. Casa de Ideias. 2016.

BELO HORIZONTE. Lei Orgânica do Município de Belo Horizonte. Belo Horizonte: CMBH, 1990. 100 p. Disponível em: < https://www.cmbh.mg.gov.br/atividade-legislativa/pesquisar-legislacao/lei-organica. > Acesso em: 02 de set. 2020.

BELO HORIZONTE. Plano Plurianual de Ação Governamental (2018-2021). 2018a. Disponível em: < https://prefeitura.pbh.gov.br/transparencia/contas-publicas/plano-plurianual-ppag/ppag-2018-2021 > Acesso em: 20 de mar. 2020.

BRASIL. Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado. Brasília. Ministério da Administração Federal e Reforma do Estado. Câmara da Reforma do Estado, 1995. 86 p.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado, 1998. 292 p. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm. > Acesso em: 02 set. 2020.

BRASIL. Decreto Nº 9.203, de 22 de novembro de 2017. Brasília: Senado, 2017. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/decreto/D9203.htm. > Acesso em: 05 de set. 2020

BRASIL. Lei Complementar nº101 de 04 de maio de 2000. Brasília: Senado, 2000. Disponível em: < http://www.planalto. br/ccivil_03/leis/lcp/lcp101.htm. > Acesso em: 05 de ago. 2021

BRASIL. Lei n 12.527 de 18 de novembro de 2011. Regula o acesso a informações previsto no inciso XXXIII do art. 5o, no inciso II do § 3o do art. 37 e no § 2o do art. 216 da Constituição Federal; altera a Lei no 8.112, de 11 de dezembro de 1990; revoga a Lei no 11.111, de 5 de maio de 2005, e dispositivos da Lei no 8.159, de 8 de janeiro de 1991; e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 18 nov. 2011a. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2011/Lei/ L12527.htm>. Acesso em: 06 ago. 2021.

BRASIL. Tribunal de Contas da União. Referencial básico de governança aplicável a órgãos e entidades da administração pública / Tribunal de Contas da União. Versão 2 - Brasília: TCU, Secretaria de Planejamento, Governança e Gestão, 2014. 80 p.

BOLÍVAR, M.P.R. et al. Transforming city governments for successful smart cities. Editor Springer, v.8, p. 1-7, Texas, 2015.

CAJAZEIRO. J. M. D. Análise Da Susceptibilidade À Formação De Inundações Nas Bacias E Áreas De Contribuição Do Ribeirão Arrudas E Córrego Da Onça Em Termos De Índices Morfométricos E Impermeabilização. 2012. 104 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte. Disponível em:< http://hdl.handle.net/1843/MPBB-8THHT4>. Acesso em 18 de mar. 2021

CONTROLADORIA GERAL DA UNIÃO. Transparência Pública: Regulamentação da LAI e Portais de Transparência. Brasília: CGU, 2019. Disponível: <http://www.labtime.ufg.br/modulos/cgu/c1/>. Acesso em 19 de mar. 2021

CRESWELL, John W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto; tradução Luciana de Oliveira da Rocha – 2ed – Porto Alegre: Artmed, 2007.

CUNHA, M.; PRZEYBILOVICZ, E.; MACAYA, J.; BURGOS, F. Smart City: transformação digital de cidades. FGV – Centro de Estudos em Administração Pública e Governo. São Paulo: Programa Gestão Pública e Cidadania. 2016. Disponível em: < http://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/handle/10438/18386 > Acesso em: 05 de nov. 2020

ENTREVISTADO. Entrevista concedida a Miller de Andrade Ferreira. Belo Horizonte, 07 jul. 2021. [A entrevista encontra-se transcrita no Apêndice "A" desta monografia].

GASPAR, J.; AZEVEDO, I. S. C. de; TEIXEIRA, C. S. Análise Do Ranking Connected

Smart Cities. 2016 Disponível em: <http://via.ufsc.br/wp-content/uploads/2016/12/AN%C3%81LISE-DO-RANKING-CONNECTED-SMART-

CITIES.pdf>. Acesso em: 10 de outubro de 2018.

GIL, A.C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5ed. São Paulo: Atlas. 2008.

GUIMARÃES, J. G. A. Cidades inteligentes: proposta de um modelo brasileiro multi-ranking de classificação. 2018. 278 f. Tese (Doutorado em Administração) - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo. Disponível em:< doi:10.11606/T.12.2018.tde-05072018-120958 >. Acesso em: 19 de mar. 2021.

HARVEY, D. Do gerenciamento ao empresariamento: a transformação da administração urbana no capitalismo tardio. Espaço & debates, ano 16, n. 39, 1996.

HIROKI, S. M. Y. Parâmetros para identificação dos estágios de desenvolvimento das cidades inteligentes no Brasil. 2019. 184 f. Tese (Doutorado em Tecnologia da Inteligência e Design Digital) - Programa de Estudos Pós-Graduados em Tecnologia da Inteligência e Design Digital, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo. Disponível em: < https://tede2.pucsp.br/handle/handle/22239 > Acesso em: 24 de mar. 2020

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: <https://www.ibge.gov.br/>. Acesso em: 25 de outubro de 2020.

KALIL. A. Trabalhar pra BH funcionar. Plano de Governo. Belo Horizonte: 2016. 47 p. Disponível em: < http://piaui.folha.uol.com.br/lupa/wp-content/uploads/2016/10/Programa-Kalil.pdf. > Acesso em: 02 set. 2020.

LHEUREUX-DE-FREITAS, J.; MOREIRA, C. R.; MACADAR, M. A. A transparência como elemento nuclear no contexto de governo eletrônico e cidades inteligentes analisada pela lente da teoria institucional. In: Ii Simpósio Internacional De Gestão De Projetos (Ii Singep) E O I Simpósio Internacional De Inovação E Sustentabilidade (I S2IS), 2013, Brasil. Disponível em: <https://hdl.handle.net/10923/10181> Acesso em: 02 set. 2020.

LUSA, D. A. Open smart city view: uma solução computacional para manipulação e apresentação de dados governamentais. 2016. 82 f. Dissertação (Mestrado em Computação Aplicada) - Universidade de Passo Fundo, Passo Fundo, Disponível em: < http://10.0.217.128:8080/jspui/handle/tede/1184 > Acesso em 19 de mar. de 2021.

MARTINS JÚNIOR, W. P. Transparência administrativa: Publicidade, Motivação e participação popular. 2º ed. São Paulo: Saraiva. 2010

MINAS GERAIS. Decreto 1088. Cidade de Minas: ALMG, 1897. 1 p. Disponível em: <https://www.almg.gov.br/consulte/legislacao/completa/completa.html?tipo=DEC&num=1088&comp=&ano=1897>. Acesso em: 02 set. 2020.

OLIVEIRA, J. B. F. Governo eletrônico: uma visão sobre a importância do tema. Informática Pública, Brasília, ano. 11, N1, 2009. Disponível em: <http://www.ip.pbh.gov.br/ANO11_N1_PDF/governo_eletronico.pdf>. Acesso em 18 mar. 2021.

PIRES, A. M. Transparência da gestão pública municipal: um estudo dos municípios de Santa Maria e Novo Hamburgo/RS. 2013. 53 f. Monografia (Especialização em Gestão Pública Municipal) - Universidade Federal de Santa Maria. Santa Maria. Disponível em < http://repositorio.ufsm.br/handle/1/138 >. Acesso em 19 de mar. 2021.

RAQUEL, I. Governança pública: A consolidação de uma matriz com atributos que caracterizam o tema, na perspectiva de especialistas. 175 f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Programa de Pós-Graduação em Administração, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2012.

RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. 3ed. Atlas, São Paulo, SP, Brasil. 2019.

RONCONI, L. Governança pública: um desafio à democracia (Public governance: a chanllege to Democracy). Doi: 10.5212/Emancipacao.v.11i1.0002. Emancipação, v. 11, n. 1, 21 dez. 2011. Disponível em <https://revistas2.uepg.br/index.php/emancipacao/article/view/1696>. Acesso em 05 de ago. 2021.

ROZESTRATEN, A. S. Dúvidas, fantasias e delírio: smart cities, uma aproximação crítica.In: Atas Imaginário: Construir e Habitar a Terra Cidades ‘Inteligentes’ e Poéticas Urbanas. São Paulo: FAU/USP, 2016.

SECCHI, L.Modelos organizacionais e reformas da administração pública. Revista de Administração Pública, v. 43, n. 2, p. 347-369, 2009. Disponível em <http://www.spell.org.br/documentos/ver/2244/modelos-organizacionais-e-reformas-da-administracao-publica/i/pt-br >. Acesso em 05 de ago. 2021.

URBAN SYSTEMS. Ranking Connected Smart Cities, São Paulo, 17 de setembro de 2019. Disponível em: <https://www.connectedsmartcities.com.br/>. Acesso em 15 de jan. de 2020.

URBAN SYSTEMS Ranking Connected Smart Cities, São Paulo, 24 de setembro de 2020. Disponível em: <https://www.connectedsmartcities.com.br/>. Acesso em 20 de mar. de 2021.

VAZ, J. C. Administração Pública e Governança Eletrônica: possibilidades e desafios para a Tecnologia da Informação. In: Governo eletrônico: desafios da participação cidadã. Fortaleza, Anais... Fortaleza: Fundação Konrad Adenauer, Série Debates, nº24, dez 2002.

VERGARA, S. C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas, 2009.

WEISS, M. C. Cidades Inteligentes: proposição de um modelo avaliativo de prontidão das tecnologias das informação e comunicação aplicáveis à gestão das cidades. 2016. 289 f. Tese (Doutorado em Administração de Empresas) - Centro Universitário FEI, São Paulo. Disponível em: < https://doi.org/10.31414/ADM.2016.T.129861>. Acesso em 19 de mar. de 2021

Published

21/10/2021

How to Cite

CARVALHO, Ítalo B. de; FERREIRA, M. de A. .; SANTOS, A. de O. .; DINIZ, L. dos S. . Governance Indicators and Smart City: Transparency and Interaction a case study from the city of Belo Horizonte. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 13, p. e533101321519, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i13.21519. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/21519. Acesso em: 7 dec. 2021.

Issue

Section

Human and Social Sciences