Arbitration as a means of social pacification of conflicts

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i13.21541

Keywords:

Arbitration; Social pacification; Mediation.

Abstract

This article aims to analyze the institutes of the appropriate means of conflict resolution provided for in the Code of Civil Procedure 2015, especially arbitration. Through a technical approach, it is intended to demonstrate that arbitration has existed in the legal system since 1996, but only with the advent of the new Code of Civil Procedure has become more relevant adoption of the institute. Its applicability is verified in complex cases, besides demonstrating its importance with regard to the scope of social pacification because it is a method of heterocomposition of conflicts, in order to analyze the benefits of its use and its efficiency applied to the specific case. It analyses the issue of the full arbitration clause and the empty arbitration clause and its differences is addressed. It is also aimed at studying the appropriate means of resolving conflicts in the face of social problems today and their importance with regard to the contribution to a reduction of processes within the judiciary. It was opted for the deductive methodology based on bibliographic research through doctrine as well as infraconstitutional legislation.

References

Arantes, C. N. & Granato, A. C. & Malpass, G. R. P. (2021). Arbitragem jurídica em causas empresariais, um impulso para o desenvolvimento econômico. Revista Research, Society and development. 10(5), 01-11. https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/15063/13709.

Araujo, F. C. (2016). Curso de processo civil: parte geral. Atualizado com a Lei 13.256/2016. Malheiros.

Asperti, M. C. A. (2014) Meios consensuais de resolução de disputas repetitivas: a conciliação, a mediação e os grandes litigantes do judiciário. 2014. Dissertação (Mestrado em Direito Processual) - Faculdade de Direito, Universidade de São Paulo, 10.11606/D.2.2014.tde-27012015-163101. https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/2/2137/tde-27012015- 63101/publico/DissertacaoMariaCecilia_de_AraujoAsperti.pdf.

Brasil. (1996). Lei nº 9307, de 23 de setembro de 1996: Lei de arbitragem. Brasília, DF.

Cahali, F. J. (2013). Curso de arbitragem: resolução CNJ 125/2010 (e respectiva emenda de 31 de janeiro de 2013); mediação e conciliação. (3a ed.), Ed. Revista dos Tribunais, 2013, p. 41.

Cardoso, P. B. Limites subjetivos da convenção de arbitragem. (2013). Dissertação (Mestrado em Direito). Programa de Pós-Graduação em Direito, Universidade de São Paulo. São Paulo, 184 f.: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/2/2137/tde-23032017-145153/publico/VERSAO_COMPLETA_PAULA_BUTTI_CAR DOSO.pdf.

Carnelutti, F. (2020). Como se faz um processo. (3a ed). Edijur.

Cipriani, T. A.; & Oliveira, S. A. de. (2017). A Mediação e a Conciliação no Novo CPC: A Celeridade da Justiça. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. 13, 417-427. https://www.nucleodoconhecimento.com.br/lei/conciliacao-novo-cpc.

Carmona, C. A. (1998). Arbitragem e processo: um comentário à Lei nº 9.307/96. Malheiros.

Dinamarco, C. R. (2004). Instituições de direito processual civil. Malheiros.

Donizetti, E. (2019). Entenda o conceito de arbitragem. https://www.migalhas.com.br/depeso/317064/entenda-o-conceito-de-arbitragem.

Gerhardt, T. E., & Silveira, D. T. (2009). Métodos de pesquisa. ed. UFRGS.

Jr., Didier, F. (2013). A arbitragem no novo Código de Processo Civil (versão da Câmara dos Deputados – Dep. Paulo Teixeira). Brasília: Revista do TST. https://juslaboris.tst.jus.br/bitstream/handle/20.500.12178/55987/004_didierjunior.pdf?sequence=1.

Jr., Theodoro, H. (1999). A arbitragem como meio de solução de controvérsias. http://w ww.mpsp.mp.br/portal/page/portal/documentacao_e_divulga cao/doc_biblioteca/bibli_servicos_produtos/bibli_boletim/bibli_bol_2006/RDC_02_05.pdf.

Koche, J. C. (2011). Fundamentos de metodologia científica. Vozes.

Lima, A. N. (2020). Convenção arbitral: cláusula compromissória e compromisso arbitral. Núcleo de estudos em arbitragem e processo internacional. http://www.direito.ufes.br/sites/direito.ufes.br/files/field/anexo/Semin%C3%A1rio%2030.07%20-%20Conven%C3%A7%C3%A3o%20de%20arbitragem.pdf. Acesso em 01 de agosto de 2020.

Marinoni, L. G.; Arenhart, S. C. & Mitidiero, D (2020). Curso de Processo Civil. Revista dos Tribunais.

Melo, D. L. (2017). Restrições à representação na celebração da convenção de arbitragem. (2017). Revista de arbitragem e mediação. 50. http://www.mpsp.mp.br/portal/page/portal/documentacao_e_divulgacao/doc_biblioteca/bibli_servicos_produtos/bibli_boletim/bibli_bol_2006/RArbMed_n.50.08.PDF.

Mezzaroba, O. & Monteiro, C. S. (2009). Manual de metodologia da pesquisa no direito. (5a ed.) Saraiva.

Nanni, G. E. Os cuidados na elaboração da cláusula arbitral. (2011) Conjur: https://www.conjur.com.br/2011-jun-17/arbitragem-nao-fundada-equidade-sim-lei. Acesso em 02 de agosto de 2020.

Jr., Nelson Nery & Andrade, N. R. M. de. (2015). Comentários ao Código de Processo Civil, Revista dos Tribunais.

Pugliese E, A. C. F. & Salama, B. M. (2008). A economia da arbitragem: escolha racional e geração de valor. Revista Direito GV, 15-28, https://direitosp.fgv.br/publicacoes/revista/artigo/economia-arbitragem-escolha-racional-geracao-de-valor.

Ramos, C. P. G. (2019). Controle da jurisdição do árbitro pelo Poder Judiciário antes da sentença arbitral no direito brasileiro. 323 f. Dissertação (Mestrado em Direito) – Programa de Estudos Pós-Graduados em Direito, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Santos, R. S. S. (2007). Sobre a cláusula compromissória cheia. RIPE – Revista do instituto de pesquisas e estudos, 41(47),267-296, https://core.ac.uk/download/pdf/16023325.pdf.

Supremo Tribunal Federal, Tribunal Pleno (2002). Sentença Estrangeira Contestada nº 6.75307 – Reino Unido da Grã-Bretanha e da Irlanda do Norte, Acórdão de 13/06/2002, DJe de 04/10/2002, Ementa nº 2085-2.

Tartuce F. (2009). Mediação nos conflitos civis. Método.

Tartuce, F. (2013). Mediação de conflitos. Atlas.

Wypuch, G. H. (2005). Arbitragem internacional: leis modelos da UNCITRAL e IA-A. Revista Brasileira de Direito Internacional, 2(2), 416-434, https://revistas.ufpr.br/dint/article/viewFile/5320/4032.

Valduga, C. & Suski, L. M. F. (2015). Breves considerações sobre a arbitragem no Brasil. Nupedir.

Zanelato, T. D. P. (2020). A internacionalidade da arbitragem à luz do direito brasileiro. 218 f. Dissertação (Mestrado em Direito) – Programa de Estudos Pós-Graduados em Direito, Pontifícia Universidade Católica

Published

18/10/2021

How to Cite

SILVA, A. F. . Arbitration as a means of social pacification of conflicts. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 13, p. e462101321541, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i13.21541. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/21541. Acesso em: 7 dec. 2021.

Issue

Section

Human and Social Sciences