Epidemiological Analysis of Schistosomiasis Mansonica in the Municipality of Bacuri (Endemic Area of the western lowland of the State of Maranhão - Brazil) between 2011 and 2020

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i14.21708

Keywords:

Schistossoma mansoni; Epidemiology; Public health; Lowland of Maranhão.

Abstract

Schistosomiasis mansoni is considered a public health problem that, besides causing several health problems, has led many people to death. In several Brazilian municipalities, the local population is exposed to causative agents of schistosomiasis, being the diagnosis and treatment of paramount importance. The aim of this study was to investigate schistosomiasis’ epidemiology in the Municipality of Bacuri-MA, located in an area considered as endemic. This is a descriptive retrospective epidemiological study of documentary type, with a quali-quantitative approach, with data collection between 2011 and 2020. The municipality had a high prevalence and incidence of schistosomiasis, since from an average of 30% of the population evaluated, the average incidence of positivity was 17.8%. There was evidence of a temporal increase trend for the percentage of positive locations for schistosomiasis, an increase in the number of people to be treated and an increase in the number of untreated people over the years.

Author Biographies

Cristina Limeira Leite, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Nurse, Doctoral Student in Nursing and Biosciences at the Postgraduate Program PPGENFBIO - UFRJ/UNIRIO. Master in Environmental Sciences and Health - PUC/GO.

Iraciane Rodrigues Nascimento Oliveira, Universidade Federal do Maranhão

Nurse, Master in Tropical Diseases from the Federal University of Pará. Professor
in the Undergraduate Course in Medicine at the Federal University of Maranhão and
n the Undergraduate Course in Nursing and Medicine at the University CEUMA.

Maria Rita Sodré Oliveira, Universidade Federal do Maranhão

Nurse, works at the State Health Department of MAranhão.

Analyta Rodrigues Severo, Universidade Federal do Maranhão

Nurse, Graduated in Nursing at the Federal University of Maranhão and specialist in
occupational nursing at the Faculdade do Bico do Papagaio - FABIC, specializing in
Obstetrics and Neonatology at FABIC.

Christina Wyss Castelo Branco, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Full Professor at the Center for Limnological Studies / Department of Zoology, 
Institute of Biosciences / Federal University of the State of Rio de Janeiro.
Av PAsteur, 458, 22290-240 Rio de Janeiro, RJ, Brazil.

References

Bacuri, P. M. (2020). Secretaria Municipal de Planejamento e Coordenação Geral. Histórico de Bacuri. https://www.bacuri.ma.gov.br/cidades/cidades/

Barreto, A. V. M. S., Melo, N. D., Ventura, J. V. T., Santiago R. T., & Silva, M. B. A. (2015). Análise da positividade da esquistossomose mansoni em Regionais de Saúde endêmicas em Pernambuco, 2005 a 2010. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 24, p. 87-96.

Brasil. (2018). Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Educação em saúde para o controle da esquistossomose / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. – Brasília: Ministério da Saúde, 40 p.: il. ISBN 978-85-334-2676-4. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/educacao_saude_controle_esquistossomose. pdf.

Brasil. (2021). Ministério da Saúde. Doenças tropicais negligenciadas 30 de janeiro – Dia mundial de combate às Doenças tropicais negligenciadas. Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS). Boletim epidemiológico. Ministério da Saúde Número Especial. https://www.gov.br/saude/pt-br/media/pdf/2021/marco/3/boletim_especial_doencas_negligenciadas.pdf

Brasil. (2014). Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Coordenação-Geral de Hanseníase e Doenças em Eliminação. (4º ed.) – Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. (2014). Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Vigilância da Esquistossomose Mansoni: diretrizes técnicas / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. (4º. ed.) Brasília: Ministério da Saúde.

Brito, M. I. B. da S., Silva, M. B. A., & Quinino, L. R. de M. (2020). Situação epidemiológica e controle da esquistossomose em Pernambuco: estudo descritivo, 2010-2016. Epidemiologia e Serviços de Saúde, p29. https://doi.org/10.5123/S1679-49742020000200015

Cantanhede, S. P. D., Fernandez, M. A., Mattos, A. C. de., Montresor, L. C., Silva-Souza, N., & Thiengo, S. C. (2014). Freshwater gastropods of the Baixada Maranhense Microregion, an endemic area for schistosomiasis in the State of Maranhão, Brazil: I-qualitative study. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, 47:79-85. https://doi.org/10.1590/0037-8682-0194-2013

Cantanhede, S. P. D. (2015). Gastrópodes límnicos e helmintofauna associada da Microrregião da Baixada Maranhense, MA, com ênfase nos transmissores da esquistossomose. 2015. 211f. Tese (Doutorado em Biodiversidade e Saúde) - Fundação Oswaldo Cruz, Instituto Oswaldo Cruz, Rio de janeiro, RJ.

Cantanhede, S. P. D., Ferreira, A. P., & Mattos, I. E. (2011). Esquistossomose mansônica no Estado do Maranhão, Brasil, 1997-2003. Cadernos de Saúde Pública, 27:811-816. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2011000400020

Cantanhede, S. P. D., Fernandez, M. A., Mattos, A. C. de., Montresor L. C., Silva-Souza, N., & Thiengo, S. C. (2014). Freshwater gastropods of the Baixada Maranhense Microregion, an endemic area for schistosomiasis in the State of Maranhão, Brazil: I-qualitative study. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 47, p. 79-85.

Cardoso, M. F. (2011). O Maranhão por dentro. São Luís: LITHOGRAF. 610 p.

Carvalho, I. B. de. (2014). Avaliação do Programa de vigilância e controle da esquistossomose no município de São Luis, Ma. 2014. 121 f. Dissertação (Mestrado em Saúde e Meio Ambiente) - Universidade Federal do Maranhão, São Luís.

Cruz, J. I. N., Salazar, de O. G., & La Corte, R. (2020). Retrocesso do Programa de Controle da Esquistossomose no estado de maior prevalência da doença no Brasil. Revista Pan-Amazônica de Saúde, 11:9-9. http://dx.doi.org/10.5123/s2176-622320200056

dos Santos, A. D., Santos, M. B., dos Santos, P. G. R., Barreto, A. S., & Araújo, K. C. G. M. (2016). Análise espacial e características epidemiológicas dos casos de esquistossomose mansônica no município de Simão Dias, nordeste do Brasil. Revista de Patologia Tropical/Journal of Tropical Pathology, 45(1):99-114. https://doi.org/10.5216/rpt.v45i1.39978

Estrela, C. (2018). Metodologia Científica: Ciência, Ensino, Pesquisa. Editora Artes Médicas.

Frantini, J. R. G., Saupe, R., & Massaroli, A. (jan/março 2008). Referência e contras referência: contribuição para a integralidade em saúde. Ciência Cuidado Saúde, 065-072. https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/lil-647374

Guedes, S. A. G., & Cunha, L. D. A. (2012). Prevalência de esquistossomose mansônica na cidade de Nossa Senhora do Socorro, Sergipe, 2001-2006. Ideias e Inovação-Lato Sensu, 1(1), p. 41-48.

Holanda, E. C., Verde, R. M. C. L., Neto, J. A. de O., & Soares, L. (2020). Caracterização epidemiológica e prevalência de esquistossomose no Estado do Maranhão, Brasil. Research, Society and Development, 9(8):e735986622. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i8.6622

IBGE. (2010). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Atlas do censo demográfico Bacuri – Maranhão. Rio de Janeiro.

Lima, C. D., de Andrade, D. S., Moreira, G. da C., Lima, C. A. S., Sousa, Â. A. F., Sousa, R. L. S., Leal, A. de S., Rêgo, N. da C. S., & Rocha, J. A. (2021). Schistosoma mansoni no Maranhão entre 1997 e 2019: uma prospecção tecnológica e científica. Cadernos de Prospecção, 14(1):169. https://doi.org/10.9771/cp.v14i1.34725

Lira, M. G. S., Miranda, G. S., Rodrigues, J. G. M., Nogueira, R. A., Gomes, G. C. C., & Silva-Souza, N. (2017). Ocorrência de Schistosoma mansoni no município de São Bento, Baixada Ocidental Maranhense, estado do Maranhão, Brasil. Rev Pan-Amaz Saude [online].8(4):45-51. http://dx.doi.org/10.5123/s2176-62232017000400009

Mendes, M. F. C., Ribeiro, D. M. L., Melo, B. O., & Bomfim, M. R. Q. (2017). Investigação epidemiológica da esquistossomose mansônica em municípios do Maranhão, Brasil. J. Modelo Geospat, [s.l.], 2(3):12-18. http://dx.doi.org/10.22615/2526-1746-jgm-2.3-6851.

Mendes, R. J. de A. (2019). Análise temporal e espacial da esquistossomose mansoni no estado do Maranhão no período de 2007 a 2016. 78 f. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Saúde e Ambiente/CCBS) - Universidade Federal do Maranhão, São Luís.

Nascimento, I. M. E., & Meirelles, L. M. A. (2020). Análise do perfil epidemiológico da esquistossomose no Nordeste do Brasil. Research, Society and Development, 9(11):e58591110022. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i11.10022

Nogueira, R. A., Lira, M. G. S., Miranda, G. S., Rodrigues, J. G. M., Gomes, G. C. C., & Silva-Souza, N. (2016). Distribuição dos moluscos transmissores da esquistossomose no município endêmico de são Bento, maranhão, brasil. Revista de Patologia Tropical / Journal of Tropical Pathology, [S. l.], 45(3): 295–304. 10.5216. https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/biblio-913278

Maranhão. (2003). Zoneamento Ecológico Econômico do Maranhão. Fundação Sousândrade de Apoio e Desenvolvimento da Universidade Federal do Maranhão/Departamento de Oceanografia e Limnologia – DEOLI/Núcleo Geoambiental – UEMA: São Luís (MA). 252p

Maranhão. (2001). Zoneamento Ecológico Econômico do Pólo Ecoturístico Floresta dos Guarás. Fundação Sousândrade de Apoio ao Desenvolvimento da Universidade Federal do Maranhão. 286p.

Mochel, F. R. (1999). Caracterização Espectral e Mapeamento dos Manguezais por Sensoriamento Remoto na Bacia de Turiaçú, Maranhão, Brasil. Tese de Doutorado. (1º. ed.) Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro: [s.n]. 126 p.

Mochel, F. R., Cutrim, M. V. J., & Gueiros, B. (2000). Potencial dos manguezais da Baía de Turiaçu para o desenvolvimento do ecoturismo na Amazônia Maranhense. Indicadores sócio-ambientais. VI Encontro Nacional de Educação Ambiental em Áreas de Manguezal, Parnaíba. In: Resumos do VI Encontro Nacional de Educação Ambiental em Áreas de Manguezal. v.1. p.74 – 74. ISBN: 978-85-61498-08-5

Pinheiro, I. S., Higino, T. M. M., de Souza, D. C. P., & Aliança, A. S. dos S. (out/dez 2020). Prevalência de esquistossomose mansônica em comunidades da zona rural do município de Palmeirândia-Maranhão. Diversitas Journal, 5(4):2959-2971. https://doi.org/10.17648/diversitas-journal-v5i4-1264

Rabello, A. (1997). Diagnosing schistosomiasis. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz. 92:669-676.

Ramos, M. C., da Silva, D. C., & Silva, S. L. C. (2007). Educação, saúde e meio ambiente: o caso da esquistossomose no município de Itororó-Ba. Rev. Saúde Com., v. 3, p. 70-76, 2007. https://periodicos2.uesb.br/index.php/rsc/article/view/111

Santana, K. T. de O., Kayo, V. T. P., Pereira, V. V., Rodrigues, L. P., Ferreira, J. V., Oliveira, K. N., Trindade, M. J. F., Oliveira, H de., da Silva, E. S., & Lopes, D. de O. (2014). Ocorrência de esquistossomose em Divinópolis-MG baseada em estudo com escolares e em inquéritos de notificação da doença. J. bras. patol. med. lab, p. 265-271. https://doi.org/10.5935/1676-2444.20140025

Santos, A. de M., & Melo, A. C. F. L. (2011). Prevalência da esquistossomose num povoado do Município de Tutóia, Estado do Maranhão. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, 44:97-99. https://doi.org/10.1590/S0037-86822011000100021

Silva-Souza, N. da., Silva, A. P. de C. da., Oliveira, R. M. de., Lira, M. G. S., Nogueira, R. A., Penha-Silva, T. A. da., Melo, S. de A., Andrade, F. H. E. de., Santos-Ribeiro, L. S. dos., Neta, A. V. de C., & Abreu-Silva, A. L. (2019). Parasitological and histological aspects of Holochilus sciureus naturally infected by Schistosoma mansoni. Revista Brasileira de Parasitologia Veterinária, 28:769-772. https://doi.org/10.1590/S1984-29612019075

Silva, R. D. M. de A., Neto, A. M. A., & Silva, E. P. da. (2021). O uso do praziquantel no tratamento da Esquistossomose no Município de Limoeiro-PE. Revista Multidisciplinar em Saúde, 2(1):98-98. https://doi.org/10.51161/rems/921

Soares, D. de A., Souza, S. de A., Silva, D. J. da S., Silva, A. B., Cavalcante, U. M. B., & Lima, C. M. B. L. (nov 2019). Avaliação epidemiológica da esquistossomose no estado de Pernambuco através de um modelo de regressão beta. Arquivos de Ciências da Saúde, [S.l.], 26(2):116-120. ISSN 2318-3691. https://doi.org/10.17696/2318-3691.26.2.2019.1302.

Souza, F. P. C., Vitorino, R. R., Costa, A. de P., Júnior, F. C. de F., Santana, L. A., & Gomes, A. P. (2011). Esquistossomose mansônica: aspectos gerais, imunologia, patogênese e história natural. Rev Bras Clin Med, 9(4), p. 300-7.

Teles, H. M. S. (2005). Distribuição geográfica das espécies dos caramujos transmissores de Schistosoma mansoni no Estado de São Paulo. Rev Soc Bras Med Trop, 38:426-432.

Published

28/10/2021

How to Cite

LEITE, C. L.; OLIVEIRA, I. R. N.; OLIVEIRA, M. R. S.; SEVERO, A. R.; BRANCO, C. W. C. Epidemiological Analysis of Schistosomiasis Mansonica in the Municipality of Bacuri (Endemic Area of the western lowland of the State of Maranhão - Brazil) between 2011 and 2020. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 14, p. e129101421708, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i14.21708. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/21708. Acesso em: 16 jun. 2024.

Issue

Section

Health Sciences