Mental health of women in situation of physical violence: integrative review

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i14.21795

Keywords:

Domestic violence

Abstract

Violence against women is a public health problem, its magnitude is largely invisible. The prevention and confrontation of violence against women, especially physical violence, harms their mental health. This type of violence has been very common in the family environment, especially by intimate partners. Therefore, the study aims to analyze the scientific production existing in the Brazilian literature on physical violence against women and the damage caused by their partners to their mental health. This is an integrative literature review on the aforementioned topic carried out in the Scientific Electronic Library Online (SCIELO), Latin American Literature in Health Sciences (LILACS) and Brazilian Nursing Databases (BDENF) databases in the period from June to July 2019, where 16 articles were found. It was observed that violence has been increasingly aggravated among women. Where we can initially reference the physical aggressions that are more severe. The fear and imprisonment that women live due to aggressions in their home environment lead to serious consequences for mental health, depression and post-traumatic stress, which were considered the most frequent found in the articles. Therefore, it is necessary that health professionals can acquire a careful look, seek, through qualified listening, the trust and the necessary bond to carry out effective actions and forms of prevention of physical violence to deal with women who have been or are victimized.

References

Barbosa, R., Labronici, L. M., Mansano, L. M. S. & Mantovani, M. F. (2011). Violência psicológica na prática profissional da enfermeira. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 45(1), 26-32.

Barreto, L., Dimenstein, M. & Leite J. F. (2013). Atenção a mulheres em situação de violência com demandas em saúde mental. Athenea digital, 13(3), 195-207.

Bezerra F. J., Silva R. M., Cavalcante, L. F., Nascimento, J. L., Vieira, L. J. E. S. & Moreira G. A. R. (2016). Conceitos, causas e repercussões da violência sexual contra a mulher na ótica de profissionais de saúde. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, 29(1), 51-59.

Botelho, L. L. R., Cunha, C. C. A. & Macedo, M. (2011). O método da revisão integrativa nos estudos organizacionais. Gestão e Sociedade, 5(11), 121-136.

Brilhante, A. P. C. R. (2009). Prevalência e fatores associados a violência Intrafamiliar contra criança em uma área atendida pela estratégia saúde da família (Dissertação de mestrado). Universidade Federal do Ceará, Fortaleza.

Correia, C. M., Diniz N. M. F., Gomes, N. P., Andrade I. C. S. A., Campos, L. M. & Carneiro, J.B. (2018). Sinais de risco para suicídio em mulheres com a história de violência doméstica. SMAD Revista eletrônica saúde mental e drogas, 14(4), 219-225.

Costa, A. C. F., Marcato, F. T., Chaves, G. L. P., Longo, N. S. & Rezende, R. S. (2019). Violência Doméstica: do perceptível ao imperceptível. Jornal Eletrônico Faculdade Vianna Júnior, 11(1), 23-33.

Dantas, E. S. O. (2018) Suicídio de mulheres em um contexto psicossocial (Dissertação de mestrado). Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2018.

Deeke, L. P., Boing, A. F., Oliveira, W. F. & Coelho, E. B. S. (2009). A dinâmica da violência doméstica: uma análise a partir dos discursos da mulher agredida e de seu parceiro. Saúde e sociedade, 18(1), 248-258.

Dias, S. A. S., Canazes, L. S. & Matos, E. S. (2018). Transtorno de Estresse Pós-traumático em mulheres vítimas de violência doméstica: Prejuízos cognitivos e formas de tratamento. Revista Valore, 3(2), 597-622.

Drezett, J. (2018). Violência sexual contra a mulher e impacto sobre a saúde sexual e reprodutiva. Revista de Psicologia da UNESP, 2(1), 1-15.

Fonseca. D. H., Ribeiro, C. G. & Leal, N. S. B. (2012). Violência doméstica contra a mulher: realidades e representações sociais. Psicologia & Sociedade, 24(2), 307-314.

Gadoni, C. L. M., Zucatti, A. P. N. & Dell’Aglio, D. D. (2011). Violência contra a mulher: um dos casos atendidos no setor de psicologia de uma delegacia para uma mulher. Estud. psicol. (Campinas), 28(2), 219-227.

Garcia, L. P., Duarte, E. C., Freitas, L. R. S. & Silva, G. D. M. (2016). Violência doméstica e familiar contra a mulher: estudo de casos e controles com vítimas atendidas em serviços de urgência e emergência. Cadernos de Saúde Pública, 32(1), 1-10.

Garcia, A. L. C. & Trajano, M. P. (2018). Violência sexual contra mulheres e saúde mental: um diálogo sobre norma técnica de prevenção e tratamento dos agravos resultantes da violência sexual contra mulheres e adolescentes. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental, 10(25), 260-280.

Leite, F. M. C., Silva, A. C. A., Bravim, L. R., Tavares, F. L., Primo, C. C. & Lima, E. F. A. (2016). Mulheres vítimas de violência: percepção, queixas e comportamentos relacionados à saúde. Rev. enferm. UFPE on line, 10(6): 4854-4861.

Linder, S. R., Coelho, E. B. S., Bolsoni, C. C., Rojas, P. F. & Boing, A. F. (2015). Prevalência de violência física por parceiro íntimo em homens e mulheres de Florianópolis, Santa Catarina, Brasil: estudo de base populacional. Cad. Saúde Pública, 31(4), 815-826.

Medeiros, M. P., & Zanello, V. (2018) Relação entre a violência e a saúde mental das mulheres no Brasil: uma análise das políticas públicas. Estud. pesqui. psicol., 18(1): 403-384.

Mendonça, M. F. S., & Ludermir, A. B. (2017). Violência por parceiro íntimo e incidência de transtorno mental comum. Rev. Saúde Pública, 51(32), 4-16.

Meneghel, S. N., Mueller, B., Collaziol, M. E., & Quadros, M. M. (2013). Repercussões da Lei Maria da Penha no enfrentamento da violência de gênero. Ciência & Saúde Coletiva, 18(2), 691-700.

Miranda, M. P. M., Paula, C. S., & Bordin, I. A. (2010). Violência conjugal física contra a mulher na vida: prevalência e impacto imediato na saúde, trabalho e família. Revista Panamericana de Salud Publica, 27(1), 300-308.

Netto, L. A., Moura, M. A. V., Queiroz, A. B. A., Tyrell, M. A. R., & Bravo, D. M. M. P. (2014). Violência contra a mulher e suas consequências. Acta Paulista de Enfermagem, 27(5), 458-464.

Oliveira, F. S., Araújo, L. M., Silva, L. L., Crispim, Z. M., Lucindo, V. B. D. B. & Oliveira, L. N. (2017). Violência doméstica e sexual contra a mulher: revisão integrativa. Holos, 8(1), 275-284.

Organização Pan-American de Saúde. (2020). Covid-19 e a violência contra a mulher O que o setor/sistema de saúde pode fazer. https://iris.paho.org/bitstream/handle/10665.2/52016/OPASBRACOVID1920042_por.pdf?ua=1

Pedrosa, M. & Zanello, V. (2016). (In) visibilidade da violência contra as mulheres na saúde mental. Psicologia: teoria e pesquisa, 32(1), 1-12.

Pereira, D. C. S., Camargo, V. S. & Aoyama, P. C. N. (2018). Análise funcional da permanência das mulheres nos relacionamentos abusivos: Um estudo prático. Revista Brasileira De Terapia Comportamental E Cognitiva, 20(2), 6-22.

Pinto, L. S. S., Oliveira, I. M. P., Pinto, E. S. S., Leite, C. B. C., Melo, A. N. & Deus, M. C. B. R. (2017). Políticas públicas de proteção à mulher: avaliação do atendimento em saúde de vítimas de violência sexual. Ciênc. Saúde Coletiva, 22(5), 1501-1508.

Polit, D. F., Beck, C. T. & Hungler, B. P. (2011). Fundamentos de pesquisa em enfermagem. Artmed.

Razera, J. & Falcke, D. (2017). Por que eles permanecem juntos? Contribuições para a permanência em relacionamentos íntimos com violência. Psicol. clin., 29(3), 543-562.

Santos, A. G. & Monteiro, C. F. S. (2018). Domínios dos transtornos mentais comuns em mulheres que relatam violência por parceiro íntimo. Rev. Latino-Am. Enfermagem, 26(1), 1-13.

Santos, I. S. D. (2017). Violência doméstica e familiar contra a mulher (Trabalho de Conclusão de Curso de Graduação). União Metropolitana de Educação e Cultura, Salvador.

Santos, S. C., Barros, P. A., Delgado, R. F. A., Silva, L. V. L., Carvalho, V. P. S. & Alexandre, A. C. S. (2018). Violência contra a mulher: como os profissionais na atenção primária a saúde está enfrentando a realidade? Saúde e pesqui. (imp.), 11(2), 359-368.

Santos, W. J., Oliveira, P. P., Viegas, S. M. F., Ramos, T. M., Policarpo, A. G. & Siveira, A. A. S. (2018). Violência Doméstica Contra a Mulher Perpetrada por Parceiro Íntimo: Representações Sociais de Profissionais da Atenção Primária à Saúde. Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental, 10(3), 770-777.

Souza, M. T., Silva, M. D. & Carvalho, R. (2010). Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein (São Paulo), 8(1), 102-106.

Silva, M. P. S., Santos, B. O., Ferreira, T. B. & Lopes, A. O. S. (2017). A violência e suas repercussões na vida da mulher contemporânea. Revista de enfermagem UFPE on-line, 11(8), 3057-3064.

Qualitá Comunicação. (2019). Compromisso e Atitude Lei Maria da Penha – A lei é mais forte: dados nacionais sobre violência contra a mulher. http://www.compromissoeatitude.org.br/dados-nacionais-sobre-violencia-contra-as-mulheres/

Vieira, L. B., Cortes, L. F., Padoin, S. M. M., Souza, I. E. O., Paula, C.C. & Terra, M. G. (2014). Abuso de álcool e drogas e violência contra as mulheres: denúncias de vividos. Rev. bras. enferm., 67(3), 366-372.

Zancan, N., Wassermann, V. & Lima, G. Q. (2013). A violência doméstica a partir do discurso de mulheres agredidas. Pensando fam., 17(1), 63-76.

Published

07/11/2021

How to Cite

BATISTA, M. N. de L. .; BRILHANTE, A. P. C. R. .; MARTINS, T. A. .; PARENTE, N. A. . Mental health of women in situation of physical violence: integrative review. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 14, p. e315101421795, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i14.21795. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/21795. Acesso em: 19 jun. 2024.

Issue

Section

Health Sciences