Urban expansion of the municipality of São Miguel do Oeste/SC, in a geomorphological context

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i14.21870

Keywords:

Urban expansion; Men; Space; Time; Digital elevation model.

Abstract

The municipality of São Miguel do Oeste, West of Santa Catarina state, developed from a hard influence of migratory processes and also through pressure on its natural resources, notably the Araucaria forests. In this sense, the present study aims to analyze the process of urban expansion of São Miguel do Oeste, in a socio-temporal and geomorphological context, in order to contribute to the understanding the man/space/time relationship in the construction of that city. The study of the relief morphology was performed using a Digital Elevation Model (DEM), from which the slope map, the hypsometric map and the topographic profiles were generated. The spatial and temporal analysis was carried out through documents, historical maps and charts filed at the Municipality of São Miguel do Oeste. The beginning of the city's formation was in a flat relief, close to the head of the Guamirim River, and its period of greatest territorial expansion occurred in the 1970s, when the municipality received numerous families who emigrated from Rio Grande do Sul state. the relief in erosive cliffs were the main conditioning factors of the current urban spatial configuration, which boosted the city's vertical growth.

References

Bonette, L. R., & Reis, J. G. M. dos (2021). Composição, concentração e classificação do transporte urbano de massa inteligente e sustentável em quatro cidades inteligentes. Revista do Research, Society and Development, 10, 1-10. https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/20634.

De Biasi, M. (2011). A carta clinográfica: os métodos de representação e sua confecção. Revista do Departamento de Geografia, 6, 45-60. http://www.revistas.usp.br/rdg/article/view/47110.

Fontolan, B. L. & Iarozinski Neto, A (2021). Sustentabilidade na habitação de interesse social: análise bibliométrica. Revista do Research, Society and Development, 10, 1-10. https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/21338.

Garcia, D. G. (2013). Desafios da expansão urbana em áreas ambientalmente frágeis – o entorno da Rodovia Darly Santos – Vila Velha – E.S. Dissertação de Mestrado em Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal do Espírito Santo. Vitória, Brasil.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2007). Cadastro central de Empresas 2006. https://cidades.ibge.gov.br/brasil/sc/sao-miguel-do-oeste/pesquisa/19/29765?ano=2006&indicador=29764&tipo=grafico.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2016). Censo Demográfico. https://sidra.ibge.gov.br/Tabela/202.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2018). Dados do Município de São Miguel do Oeste. https://cidades.ibge.gov.br/brasil/sc/sao-miguel-do-oeste/panorama.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (1955). Estado de Santa Catarina: Censo Demográfico. VI Recenseamento geral do Brasil – 1950. Rio de Janeiro, v. XXVII.

Modenesi-Gauttieri, M. C. & Hiruma, S. T. (2004). A expansão urbana no planalto de Campos do Jordão: diagnóstico geomorfológico para fins de planejamento. Revista do Instituto Geológico, 25, 1-28. http://ppegeo.igc.usp.br/index.php/rig/article/view/8900/8166.

Pires, C. L. Z. (2008). A complexidade do ambiente urbano e seu reflexo na geografia do Bairro Restinga de Porto Alegre (RS). In N. Dorval do & B. João Batista (Orgs.). Dimensões do urbano: múltiplas facetas da cidade. Chapecó: Argos.

Riffel, E. S. (2012). Análise e mapeamento das ocorrências de movimentos de massa na bacia hidrográfica do rio Paranhana (RS). Dissertação de Mestrado em Geografia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, Brasil.

Rodrigues, A. M. (2008). O espaço urbano e as estratégias de planejamento e produção da cidade. In P. E. Manoel (Org.). Planejamento urbano no Brasil: conceitos, diálogos e práticas (Parte II, 101-126). Chapecó: Argos.

Saadi, A. (1997). A geomorfologia como ciência de apoio ao planejamento urbano em Minas Gerais. Revista Geonomos, 5, 1-4. https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistageonomos/article/view/11480.

São Miguel Do Oeste. (2009). Diagnóstico do Plano Diretor Municipal. São Miguel do Oeste.

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (2010). Santa Catarina em números - São Miguel do Oeste. http://www.sebrae-sc.com.br/scemnumero/arquivo/Sao-Miguel-do-Oeste.pdf.

Silva, F. B. e, Marques, T. S. & Delgado, C. (2012). Processos de expansão urbana e mudanças na paisagem: ensaio metodológico (1950-2000). Revista da Faculdade de Letras-Geografia, 1, 161-183. http://ojs.letras.up.pt/index.php/geografia/article/view/16/16.

Souza, M. L. de. (2015). Mudar a cidade: uma introdução crítica ao planejamento e à gestão urbanos (10a ed.). Bertrand Brasil.

Spenassatto, L. A. P. (2008). A história da imigração em São Miguel do Oeste para o desenvolvimento regional. Gráfica & Editora Ryus Ltda.

Sugai, M. I. (2015). Segregação silenciosa: investimentos públicos e dinâmica socioespacial na área conurbada de Florianópolis (1970-2000). Editora da UFSC.

Wollf, J. N. (2008). Escritos sobre a cidade: “As mil portas” da modernização de Chapecó (1960/1970). In N. Dorval do & B. João Batista (Orgs.). Dimensões do urbano: múltiplas facetas da cidade. Argos.

Published

02/11/2021

How to Cite

MAZIERO, C.; CAMPOS, J. R. da R. .; MELLO, N. A. de .; GODOY, C. M. T. . Urban expansion of the municipality of São Miguel do Oeste/SC, in a geomorphological context . Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 14, p. e300101421870, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i14.21870. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/21870. Acesso em: 20 jun. 2024.

Issue

Section

Human and Social Sciences