Racial discrimination of young blacks in Brazil: an integrative review

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i14.22013

Keywords:

Young Adult; Racism; Brazil.

Abstract

This study aimed to investigate what scientific evidence exists about racial discrimination against young Blacks in Brazil. The method performed was an integrative review of the scientific literature, based on the guiding question: what does the scientific evidence indicate on racial discrimination against young Blacks in Brazil? The search was performed in six databases, adopting as inclusion criteria original articles, without period restrictions, in Portuguese, English, or Spanish, carried out in Brazil and with full text available. Incomplete and duplicate studies were excluded. Ten studies published between 2003 and 2021 were selected: eight scientific articles and two dissertations. Six of these studies were published in Portuguese and four in English. It was evident that the studies analyzed the consequences of racial discrimination in three main axes: education, violence, and the labor market. It is concluded that the selected studies point to evidence that racial discrimination in Brazil is still something recurrent. The reduced number of works is worrisome since scientific knowledge is of paramount importance for understanding this phenomenon. Therefore, further studies that address the phenomenon of racial discrimination against black youth in Brazil are urgently needed.

Author Biographies

Eliany Nazaré Oliveira, Universidade Estadual Vale do Acaraú

Pós Doutoramento pela Universidade do Porto-PT, Docente da Universidade Estadual Vale do Acaraú - UVA

Sabrina Silva França, Universidade Estadual Vale do Acaraú

Estudante da Universidade Estadual Vale do Acaraú 

Emília Nascimento Silva, Universidade Estadual Vale do Acaraú

Estudante da Universidade Estadual Vale do Acaraú 

Caio San Rodrigues, Universidade Estadual Vale do Acaraú

Estudante da Universidade Estadual Vale do Acaraú 

Ravena Petra Mororó Ziesemer, Universidade Estadual Vale do Acaraú

Estudante da Universidade Estadual Vale do Acaraú 

Ivan Gabriel Sousa Feijó, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Mestrando pelo Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)

Francisco Rosemiro Guimarães Ximenes Neto, Universidade Estadual Vale do Acaraú

Docente da Universidade Estadual Vale do Acaraú 

Maristela Inês Osawa Vasconcelos, Universidade Estadual Vale do Acaraú

Docente da Universidade Estadual Vale do Acaraú 

Maria Suely Alves Costa, Universidade Federal do Ceará

Docente do Curso de Psicologia da Universidade Federal do Ceará 

Gleisson Ferreira Lima, Escola de Saúde Pública Visconde de Saboia

Estudante  da Residência Multiprofissional em Saúde da Familia 

Juliana Solon Furtado, Universidade Estadual Vale do Acaraú

Enfermeira Graduada pela Univeridade Estadual Vale do Acaraú 

References

Abrantes, A. A., & Bulhões, L. (2016). Idade adulta e o desenvolvimento psíquico na sociedade de classes: juventude e trabalho. In L. M. Martins, A. A. Abrantes, & M. G. D. Facci (Eds.), Periodização histórico-cultural do desenvolvimento psíquico: do nascimento à velhice. Autores Associados.

Almeida, S. L. (2018). O que é racismo estrutural? Letramento.

Anunciação, D., Trad, L. A. B., & Ferreira, T. (2020). “Mão na cabeça!”: abordagem policial, racismo e violência estrutural entre jovens negros de três capitais do Nordeste. Saúde e Sociedade, 29(1). https://doi.org/10.1590/s0104-12902020190271

Brasil. (2003). Lei no 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática ‘História e Cultura Afro-Brasileira’, e dá outras providências. In Diário Oficial da União (Lei No. 10.639). http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.639.htm

Brasil. Conselho Nacional de Saúde. (2016). Resolução no 510, de 07 de Abril de 2016 (Brasil & Conselho Nacional de Saúde, Eds.). Brasil.

Brasil, & Presidência da República. (2010). Lei n.o 12.228. Institui o Estatuto da Igualdade Racial; altera as Leis nos 7.716, de 5 de janeiro de 1989, 9.029, de 13 de abril de 1995, 7.347, de 24 de julho de 1985, e 10.778, de 24 de novembro de 2003. In Brasil. Presidência da República (Lei No. 12.228). http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12288.htm

Brasil. Presidência da República. (2013). Lei no 12.852. Dos direitos e das políticas públicas de juventude. In Brasil. Presidência da República. Lei no 12.852. Presidência da República. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2013/lei/l12852.htm

Brasil. Presidência da República. (2015). Mapa do encarceramento: os jovens do Brasil. Secretaria Geral da Presidência da República. Secretaria Nacional de Juventude, Eds.). Presidência da República.

Brasil. Secretaria Nacional de Juventude. (2018). Plano Juventude Viva: um levantamento histórico. Secretaria Nacional de Juventude. Plano Juventude Viva: um levantamento histórico

Campos, M. A. S., Pereira, L. J., & Souza, C. M. (2018). A cultura afro-brasileira nos estabelecimentos de ensino médio: uma experiência de resistência e silêncios do PNFEM. Revista GeoPantanal, 25, 147–164.

Carapello, R. (2020). O racismo camuflado pelo bullying. Revista Educação - UNG-Ser, 15(1). https://doi.org/10.33947/1980-6469-v15n1-4018

Cavalcante, A. R. (2019). Corpos enforcados, destroçados e desaparecidos: violência contra jovens negros em Salvador. Dissertação de Mestrado, Universidade Católica do Salvador, Salvador, Brasil. http://ri.ucsal.br:8080/jspui/bitstream/prefix/1723/1/TESEANDARA%c3%8dCAVALVANTE.pdf

Cecchetto, F., & Monteiro, S. (2006). Discrimination, color and social intervention among youth in the city of Rio de Janeiro (RJ, Brazil): the male perspective. Revista Estudos Feministas, 14(1), 199–218.

Cerqueira, D., & Coelho, D. S. C. (2017). Democracia racial e homicídios de jovens negros na cidade partida, Texto para Discussão, No. 2267. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada.

Costa, A. F., Barros, J. P. P., Silva, D. B., Benicio, L. F. de S., & Moreira, M. G. R. (2020). Dispositivo de Segurança e Racionalidade Necrobiopolítica: Narrativas de Jovens Negros de Fortaleza. Psicologia: Ciência e Profissão, 40(spe). https://doi.org/10.1590/1982-3703003230162

Costa, A. P., Martins, C. H. S., & Silva, H. C. (2020). Necroeducação: reflexões sobre a morte do negro no sistema educacional brasileiro. Revista Brasileira de Educação, 25. https://doi.org/10.1590/s1413-24782020250043

Damasceno, M. G., & Zanello, V. M. L. (2018). Saúde Mental e Racismo Contra Negros: Produção Bibliográfica Brasileira dos Últimos Quinze Anos. Psicologia: Ciência e Profissão, 38(3). https://doi.org/10.1590/1982-37030003262017

Farias, J. W. F., Sousa, R. S., Lima, T. J. S., Santos, W. S., & Ferreira, S. C. (2017). Racismo e julgamento social na internet: crianças e jovens negros como alvos. Revista de Psicologia, 8(2), 119–128.

Galvão TF, Pansani TSA, & Harrad D. (2015). Principais itens para relatar Revisões sistemáticas e Meta-análises: A recomendação PRISMA. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 24(2). https://doi.org/10.5123/S1679-49742015000200017

Instituto Brasieiro de Geografia e Estatística. (2021). IBGE - Educa . Instituto Brasieiro de Geografia e Estatística. https://educa.ibge.gov.br/criancas/brasil/nosso-territorio/19637-divisao-territorial.html

Kilomba, G. (2019). Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Editora Cobogó.

Lage, D. G. V., & Cota, D. A. (2020). Juventude negra periférica e direito à cidade: um estudo de caso. Cadernos de Arquitetura e Urbanismo, 26(39). https://doi.org/10.5752/P.2316-1752.2019v26n39p106

Lima, M. (2016). O Preconceito racial e a trajetória de escolarização na perspectiva de adolescentes e jovens negros. Dissertação de Mestrado, Instituto CEUB de pesquisa e Desenvolvimento, Brasília, Brasil.

Lima, M. E. O. (2020). Psicologia social do preconceito e do racismo. Blucher.

Machado Júnior, C., Bazanini, R., & Mantovani, D. M. N. (2018). The myth of racial democracy in the labour market: a critical analysis of the participation of afro-descendants in brazilian companies. Organizações & Sociedade, 25(87). https://doi.org/10.1590/1984-9250875

Mendonça, F. (2017). Implicações psicossociais do preconceito e do racismo em estudantes africanos da universidade da integração Internacional da lusofonia afro-brasileira. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, Brasil.

Oliveira Araújo, W. C. (2020). Recuperação da informação em saúde. ConCI: Convergências Em Ciência Da Informação, 3(2). https://doi.org/10.33467/conci.v3i2.13447

Oliveira Ramos, D., Goes, E. F., & Ferreira, A. J. F. (2021). Intersection of Race and Gender in Self-Reports of Violent Experiences and Polyvictimization by Young Girls in Brazil. Journal of Racial and Ethnic Health Disparities. https://doi.org/10.1007/s40615-021-01089-2

Paiva, P. D., Silva, V. M., & Moura, R. S. (2019). Detecção automática de discurso de ódio em comentários online. Anais Da VII Escola Regional de Computação Aplicada à Saúde, 157–162. https://sol.sbc.org.br/index.php/ercas/article/view/9052/8954

Panta, M. (2019). População negra e o direito à cidade: interfaces sobre raça e espaço urbano no Brasil. Acervo, 33(1), 79–100.

Pimenta, M. M. (2014). Juventude e violência . In R. S. Lima, J. L. Ratton, & R. G. Azevedo (Eds.), Crime, polícia e justiça no Brasil (pp. 265–275). Contexto.

Santo, E. F., & Scopinho, R. A. (2011). Fora do jogo? jovens negros no mercado de trabalho. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 63(spe), 26–37.

São Paulo, & Ministério Público do Trabalho. (2018). Pacto pela inclusão social de jovens negras e negros no mercado de trabalho de São Paulo. Ministério Público Do Trabalho. https://www.prt2.mpt.mp.br/images/2018.4/PactopelaInclusaJovensNegroseNegras_final_21.05.pdf

Silva, M. A. (2001). Formação de educadores/as para o combate ao racismo: mais uma tarefa essencial. In E. Cavalleiro (Ed.), Racismo e anti-racismo na educação– repensando nossa escola. Selo Negro.

Silva, M. N. (2006). Nem para todos é a cidade: segregação urbana e racial em São Paulo. Fundação Cultural Palmares.

Sinhoretto, J., & Morais, D. S. (2018). Violência e racismo: novas faces de uma afinidade reiterada. Revista de Estudios Sociales, 64. https://doi.org/10.7440/res64.2018.02

Souza, M. T. de, Silva, M. D. da, & Carvalho, R. de. (2010). Integrative review: what is it? How to do it? Einstein (São Paulo), 8(1). https://doi.org/10.1590/s1679-45082010rw1134

Ursi, E. S., & Gavão, C. M. (2006). Prevenção de lesões de pele no perioperatório: revisão integrativa da literatura. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 14(1). https://doi.org/10.1590/S0104-11692006000100017

Valente, R. R. (2017). The vicious circle: effects of race and class on university entrance in Brazil. Race Ethnicity and Education, 20(6). https://doi.org/10.1080/13613324.2016.1150824

Vieira, A. D. S., & Ostetto, L. C. (2020). 16 anos depois da lei 10.639/03: ouvindo meninos e meninas (negros e não negros) de uma escola do extremo sul catarinense. Revista Saberes Pedagógicos, 4(2). https://doi.org/10.18616/rsp.v4i2.6186

Published

31/10/2021

How to Cite

OLIVEIRA, E. N.; FRANÇA, S. S. .; SILVA, E. N. .; RODRIGUES, C. S. .; ZIESEMER, R. P. M. .; FEIJÓ, I. G. S. .; XIMENES NETO, F. R. G. .; VASCONCELOS, M. I. O. .; ARAGÃO, J. M. N. .; COSTA, M. S. A. .; LIMA, G. F. .; FURTADO, J. S. . Racial discrimination of young blacks in Brazil: an integrative review. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 14, p. e214101422013, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i14.22013. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/22013. Acesso em: 15 jun. 2024.

Issue

Section

Health Sciences