Microbiological quality of food

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i14.22344

Keywords:

Diseases; diseases; fecal coliforms; indicator microorganisms; mesophiles; public health.; Fecal coliforms; Indicator microorganisms; Mesophiles; Public health.

Abstract

Currently, the microbiological analysis is of extreme relevance in the food industry, because with it, it is possible to know the conditions under which the food was processed, the risks that it can offer to the final consumer, if the product has the desired useful life, besides to verify that microbiological standards for food standards are being followed properly. The present work aims to verify the sanitary quality of various foods from the presence of indicator microorganisms, such as mesophiles, total coliforms and thermotolerant coliforms, which indicate the possibility of fecal contamination. Among the foods analyzed, many were highly contaminated, pointing to poor sanitary conditions, making them unfit for consumption. Samples of sausage indicated an acceptable microbiological standard, not reaching high populations of mesophiles and coliforms that could disadvantage the product. This is no longer the case with the cheeses analyzed, since they were the most contaminated samples of the present project, reaching numbers greater than 107 NMP/g. With the work, it was possible to observe that costumers are subject to purchase a products considered to be unapproved for consumption and, unfortunately, in Brazil, there is not always a regulation that limits a maximum quantity of microorganisms indicators, thus not preventing the commercialization of foods contaminated, and can cause harm to the health of those who consume them. In order for such an act to be avoided at least, health authorities should act by better monitoring of products and guiding handlers on good sanitary practices.

References

Brasil (2003). Instrução Normativa nº 62 de 26 de agosto de 2003, Métodos analíticos oficiais para análises microbiológicas para controle de produtos de origem animal e água. Diário Oficial [da União], Brasília, seção1, p.14. http://extranet.agricultura.gov.br/sislegis-consulta/servlet/VisualizarAnexo?id=6078

Brasil (2001). Resolução RDC nº 12, de 2 de janeiro de 2001. Aprova o “Regulamento técnico sobre padrões microbiológicos para alimentos”. Órgão emissor: ANVISA-Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br =>.

Cardoso, A. L. S. P., Tessari, E. N. C., Castro A. G. M. & Kanashiro, A. M. I. (2000). Pesquisa de Salmonella SP., coliformes totais, coliformes fecais e mesófilos em carcaças e produtos derivados de frango. Arquivo do Instituto de Biologia, 67(1), 25-30.

Carvalho, A. C. F. B., Cortez, A. L. L., Salotti, B. M., Burger, K. P. & Vidal-Martins, A. M. C. (2005). Presença de microrganismos mesófilos, psicrotróficos e coliformes em diferentes amostras de produtos avícolas. Arquivo do Instituto de Biologia, 72(3), 303-307.

Cipriano, L. C., de Sousa, L. B., de Godoy Siqueira, H. P., Lima, E. F., Messias, C. T., de Marchi, P. G. F., de Medeiros, E. S., Hoppe, I. B. A. L. & de Siqueira, AB (2021). Vida útil de carne bovina moída comercializada no Município de Boa Vista – Roraima. Research, Society and Development, 10(2), e19010212282-e19010212282.

Doyle, M. P., Beuchat, L. R. & Montville, T. J. (1997). Food Microbiology: Fundamentals and Frontiers, Editora.

Ferreira, H., Lima, H & Coelho, T. (2014). Microrganismos indicadores em alimentos de origem animal. Programa de Pós-graduação em Ciência Animal – PPGCA da Universidade Federal Rural do Semiárido – UFERSA. http://www2.ufersa.edu.br/portal/view/uploads/setores/126/Resu mo%20MO%20indicadores.%20Heider,%20Hiagos,%20Thiago.pdf

Ferreira, M. S. F. (2006). Contaminação de alimentos ocasionada por manipuladores. Programa de Pós-graduação Lato Sensu, Curso de Especialização em Qualidade em Alimento, Universidade de Brasília.

Ferreira, R. M., Spini, J. D. C. M., Carrazza, L. G., Sant’ana, D. S., de Oliveira, M. T., Alves, L. R. & Carrazza, T. G. (2011). Quantificação de coliformes totais e termotolerantes em queijo Minas Frescal artesanal. PUBVET, 5 (5), Ed. 152, Art. 1022.

Franco, B. D. G. M & Landgraf, M. (1996). Microbiologia de alimentos. Atheneu.

Franco, B. D. G. M. (2003). Microbiologia dos Alimentos. Atheneu.

Franco, R. M. & Almeida, L. E. F. (1992). Avaliação microbiológica de queijo ralado, tipo parmesão, comercializado em Niterói, RJ. Revista Higiene Alimentar, 6(21), 33-36.

Freitas, L. H. (1995). Sistema especialista para diagnóstico de toxinfecções alimentares de origem bacteriana. Dissertação (Mestrado em Ciência e Tecnologia de Alimentos) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa.

Hangui, S. A. R., Pereira, A. F., Dourado, A. T. D. S., Martins, J. D., Vargem, D. D. S. & da Silva, J. R. (2015). Análise microbiológica da carne moída comercializada na cidade de Anápolis, Goiás, Brasil. Revista Eletrônica de Farmácia, Anápolis REF‒ISSN1808-0804, 12(2), 30–38.

Hattori, N. A & Klaus, I. C. (2013). Avaliação microbiológica e higiênico-sanitária em uma panificadora no município de Missal-PR. Paraná. Trabalho de conclusão de curso da Universidade Tecnológica Federal do Paraná, curso de Tecnologia em Alimentos, campus Medianeira.

Hayes, P. R. (1995). Food microbiology and hygiene. (2a ed.), Chapman and Hall.

Hoffmann, F. L., Garcia-Cruz, C. H. & Vinturim, T. M. (1995). Estudo higiênico sanitário de frangos comercializados na cidade de São José do Rio Preto-SP. Higiene Alimentar, 9(35), 31-33.

Hoffmann, F. L., Garcia-Cruz, C. H & Vinturium, T. M. (1998). Qualidade microbiológica de amostras de carnes e de presunto. Higiene Alimentar, 12(58), 52-57.

ICMSF (International Commission On Microbiological Specifications For Foods) (1994). Microrganismos de los alimentos. 1. Técnicas de análisis microbiológico. Acribia.

Jay, J. M. (1998). Modern food microbiology. (5a ed.), Aspen Publishers.

Nascimento, D., Sabioni, J. G., Pimenta, N. & Xandó, S. R (1985). Avaliação microbiológica de queijos tipo Minas–frescal da cidade de Ouro Preto-MG. Boletim da Sociedade Brasileira de Ciência e Tecnologia de Alimentos, 19(2), 120-129.

Oliveira, D. T., Moreira, A., Urnau, L., Noskoski, L. & Cereser, N. D. (2012). Psicrotróficos na indústria de laticínios. XV Amostra de Iniciação Científica. UNICRUZ, RS.

Pinheiro, M. B., Wada, T. C. & Pereira, C. A. M. (2010). Análise microbiológica de tábuas de manipulação de alimentos de uma instituição de ensino superior em São Carlos-SP. São Carlos, SP. Centro Universitário Central Paulista (UNICEP).

Ribeiro, F. B. (2008). Avaliação da contribuição para a área de Vigilância Sanitária de Alimentos de pesquisas realizadas em Programas de Pós-Graduação Strictu Sensu da Universidade de São Paulo. São Paulo. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo.

Rossi, J. R. O. D., Iaria, S. T., Santos, I. F. & Berchieri, J. R. A (1990). Carne mecanicamente separada de origem bovina: I – Influência de dois sistemas de desossa manual sobre as características microbiológicas do produto recém obtido. Revista de Microbiologia, 21(4), 324-330.

Sabioni, J. G., Maia, A. R. P. & Leal, J. A. (1999). Avaliação microbiológica de linguiça frescal comercializada na cidade de Ouro Preto – MG. Higiene Alimentar, 13(61), 110-113.

Santana, R. F., Santos, D. M., Martinez, A. C. C. & Lima Á. S (2008). Qualidade microbiológica de queijo-coalho comercializado em Aracaju, SE. Arquivos Brasileiros de Medicina Veterinária e Zootecnia, 60(6), 1517-1522.

São Paulo (Estado) (1992). Secretaria da Saúde. Código sanitário: Decreto no 12.342 de 27 de setembro de 1978: regulamento da promoção e recuperação da saúde no campo da competência da Secretaria de Estado da Saúde (revisto e atualizado até dezembro de 1990). (5a ed.), IMESP.

Silva, M. C. (2002). Avaliação da qualidade microbiológica de alimentos com a utilização de metodologias convencionais e do sistema SimPlate. Dissertação (Mestrado) - Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Universidade de São Paulo.

Souza, R. R., Germano, P. M. L. & Germano, M. I. S. (2003). A manipulação inadequada dos alimentos: fator de contaminação. Revista Higiene Alimentar.

Vasconcelos, J. C. & Iaria, S. T. (1991). Condições microbiológicas (higiênico-sanitárias) das linguiças frescas comercializadas em feiras livres no município de São Paulo - SP. Indicações de contaminação. Boletim do Centro de Pesquisa e Processamento de Alimentos, 9(1), 64-75.

Vieira, C. R. N & Teixeira, C. G. (1997). Condições higiênico-sanitárias de carcaças resfriadas de frango comercializadas em Poços de Caldas – MG. Higiene Alimentar, 11(48), 36-40.

Published

14/11/2021

How to Cite

REZENDE, C. L. e .; CASTANIA, V. de P. .; REZENDE-LAGO, N. C. M. de .; MARCHI, P. G. F. de; SILVA, L. A. .; AMORIM, G. C. de .; VITAL, J.; JUSTO, K. N.; SOUZA, M. L. de; BRANDÃO, L. da S. .; TORRES , O. da S.; MAIA, G. .; MESSIAS, C. T. Microbiological quality of food. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 14, p. e572101422344, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i14.22344. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/22344. Acesso em: 16 jun. 2024.

Issue

Section

Agrarian and Biological Sciences