Violence against women from the perspective of Primary Care users

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i17.24408

Keywords:

Violence; Violence against women; Primary Health Care; Nursing.

Abstract

This study aims to identify the perception of people using primary care about violence against women. This is a qualitative, descriptive and exploratory study, with 18 health service users from nine basic family health units in the municipality of Rio Grande as participants. Data collection took place between October 2019 and January 2020 through a recorded interview with a semi-structured questionnaire, in addition to asking participants to list words that would naturally come to mind when hearing the theme of violence against women. These words were analyzed by the free online program Wordcloud®. The treatment of the interviews was done through Content Analysis. Approval was obtained from the Ethics Committee. From this analysis, three categories emerged: “Gender and violence: recognition of inequalities”; “Feelings and (in) understanding in the face of violence” and “Support for the victim of violence: protection services”. The participants found it difficult to conceptualize the word gender, associating the term directly to people's sexuality. Still, they pointed out to recognize the existence of the Maria da Penha law, however they highlighted the fragility of the protection services pointed out as prejudiced and discriminatory environments. It is necessary to encourage the population to change habits and attitudes, considering that violent behavior follows a pre-established pattern linked to a sexist and sexist culture.

Author Biographies

Débora dos Santos Rodrigues, Prefeitura Municipal do Rio Grande

Enfermeira. Graduada em Letras Português-Espanhol. Universidade Federal do Rio Grande/FURG. Servidora Pública da Prefeitura de Rio Grande, RS, Brasil.

Daniele Ferreira Acosta, Universidade Federal do Rio Grande

Enfermeira. Doutora em Enfermagem. Professora do Magistério Superior da Universidade Federal do Rio Grande/FURG. Rio Grande, RS, Brasil.

Victoria Leslyê Rocha Gutmann, Universidade Federal do Rio Grande

Enfermeira. Residente do Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Família – Universidade Federal do Rio Grande/FURG. Rio Grande, RS, Brasil.

Lisiane Ortiz Teixeira, Universidade Federal do Rio Grande

Bacharel em Ciências Biológicas, Mestre e Doutora em Ciências da Saúde. Técnica Administrativa em Educação na Escola de Enfermagem da Universidade Federal do Rio Grande (FURG). Rio Grande, Rio Grande do Sul.

Sibele da Rocha Martins, Universidade Federal do Rio Grande

Enfermeira. Doutora em Enfermagem. Professora do Magistério Superior da Universidade Federal do Rio Grande/FURG. Rio Grande, RS, Brasil.

Cristiane Lopes Amarijo, Universidade Federal do Rio Grande

Enfermeira. Doutora em Enfermagem pelo Programa de Pós-Graduação da Universidade Federal do Rio Grande.

References

Acosta, D. F., Gomes, V. L. O., Fonseca, A. D., Gomes, G. C. (2015). Violence against women commited by intimate partners: (in)visibility of the problem. Texto & Contexto - Enfermagem, 24(1), 121-127. http://dx.doi.org/10.1590/0104-07072015001770013.

Alkimim, M. A. & Janini, T. C. (2019). O combate ao cyberbullyng como forma de concretização do direito fundamental à educação das crianças e dos adolescentes. Revista Jurídica Cesumar, 3(19), 753-775. http://www.mpsp.mp.br/portal/page/portal/documentacao_e_divulgaca o/doc_biblioteca/bibli_servicos_produtos/bibli_boletim/bibli_bol_2006/Rev-JurCESUMAR_v.19_n.3.pdf#page=106.

Azevedo, F. M. C. (2018). 0 conceito de patriarcado nas análises teóricas das ciências sociais: uma contribuição feminista. Revista Três Pontos: Dossiê Múltiplos Olhares sobre Gênero, 13(1), 13-20. <https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistatrespontos/article/view/3386>.

Balz, D. F. (2015). A lei Maria da Penha e a in: eficácia das medidas protetivas. Trabalho de Conclusão do Curso de Graduação em Direito objetivando a aprovação no componente curricular Trabalho de Curso - TC. Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. Edições 70.

Benincá, L. M. M. (2016). A educação em gênero para crianças na prevenção da violência de gênero no cotidiano escolar. Curso de Curso de Especialização Ead Gênero e Diversidade na Escola, Centro de Filosofia e Ciências Humanas Instituto de Estudos de Gênero, Universidade Federal de Santa Catarina. https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/173893/TCC%20GDE%20LEONIRCE%20%2024-2-17%20-%20PDF.pdf?sequence=1&isAllowed=y.

Brasil. (2003). Lei 10.778, de 24 de novembro de 2003. Estabelece a notificação compulsória, no território nacional, de caso de violência contra a mulher que for atendida em serviços de saúde públicos ou privados. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.778.htm.

Brasil. (2006). Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006. Dispõe sobre os mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 7 ago. 2006. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Lei/L11340.htm

Brasil. (2010). Norma Técnica de Padronização das Delegacias Especializadas de Atendimento às Mulheres. Secretaria de Políticas para as Mulheres. Brasília, 2010. http://www.spm.gov.br/lei-maria-da-penha/lei-mariada-penha/norma-tecnica-de-padronizacao-das-deams-.pdf

Brasil. (2017). Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Dispõe sobre a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília. <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt2436_22_09_2017.html>.

Brasil. (2019). Lei 13.827 de 13 de maio de 2019 altera Lei Maria da Penha. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, Brasília. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2019-2022/2019/lei/L13827.htm

Cerqueira, D. et al. (2018). Atlas da Violência 2018. Rio de Janeiro: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/relatorio_institucional/180604_atlas_da_violencia_2018.pdf

Colling, L. (2018). Gênero e sexualidade na atualidade. Salvador: UFBA, Instituto de Humanidades, Artes e Ciências, Superintendência de Educação a Distância. https://educapes.capes.gov.br/bitstream/capes/430946/2/eBook_%20Genero_e_Sexualidade_na_Atualidade_UFBA.pdf

Chai, C. G., Santos, J. P. & Chaves, D. G. (2018). Violência institucional contra a mulher: o Poder Judiciário, de pretenso protetor a efetivo agressor. Revista Eletrônica do Curso de Direito da UFSM, 13(2), 640-665. https://periodicos.ufsm.br/revistadireito/article/view/29538

Conceição, M. V., Assunção, E. K. R. & Gonçalves, J. R. (2020). Violência contra a mulher e a ineficácia de medidas protetivas. Revista Processus de Estudos de Gestão, Jurídicos e Financeiros, 11(40), 158-167. <http://periodicos.processus.com.br/index.php/egjf/article/view/211https:// doi.org/10.6084/m9.figshare.12567896.

Cotrim, L. R. et al. (2020). Desigualdade de gênero no mercado de trabalho formal no Brasil. Texto Para Discussão: Unicamp, 383(s/n), 01-29. https://www.eco.unicamp.br/images/arquivos/artigos/TD/TD383.pdf.

Delphy, C. (2009). Patriarcado (teorias do). In: Hirata, H. et al. (org.). Dicionário Crítico do Feminismo. Editora UNESP: 173–178.

Dias, M. B. Medidas protetivas mais protetoras. http://www.mariaberenice.com.br/manager/arq/(cod2_13014)Medidas_protetivas_mais_protetoras.pdf.

Góes, E. D. A. (2019). A vergonha social e o medo: obstáculos para a superação da violência doméstica contra a mulher. Brazilian Journal Of Development, 5(11), 23627-23645. http://dx.doi.org/10.34117/bjdv5n11-069.

Ibge. (2019). Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira – 2019. IBGE.

Minayo, M. C. S. (2013). Violência e Educação: impactos e tendências. Revista Pedagógica, 15(31), 249-264. <https://bell.unochapeco.edu.br/revistas/index.php/pedagogica/article/view/2338/1413>.

Moreira, G. A. R., Vieira, L. J. E. S., Cavalcanti, L. F., Silva, R. M., Feitosa, A. R. (2020). Manifestações de violência institucional no contexto da atenção em saúde às mulheres em situação de violência sexual. Relações de Gênero, Mulheres e Feminismos. Saúde e Sociedade, 29(1), 1-15. https://doi.org/10.1590/S0104-12902020180895.

Oea. (1994). Organização dos Estados Americanos. Convenção interamericana para prevenir, punir e erradicar a violência contra a mulher, “convenção de belém do pará”. http://www.cidh.org/basicos/portugues/m.belem.do.para.htm

Pereira, D. C. de S., Camargo, V. S., & Aoyama, P. C. N. (2018). Análise funcional da permanência das mulheres nos relacionamentos abusivos: Um estudo prático. Revista Brasileira De Terapia Comportamental E Cognitiva, 20(2), 10-25. https://doi.org/10.31505/rbtcc.v20i2.1026

Prefeitura municipal do rio grande. (2018). Secretaria de Município da Saúde. Relatório de gestão segundo quadrimestre/2018: relatório de desempenho. Rio Grande.

Proni, T. T. R. W. & Proni, M. W. (2018). Discriminação de gênero em grandes empresas no Brasil. Rev. Estud. Fem., 26(1), e41780. https://doi.org/10.1590/1806-9584.2018v26n141780.

Sabino, M. J. C. & Lima, P. V. P. S. (2015). Igualdade de gênero no exercício do poder. Rev. Estud. Fem. 23(3), 713-734. http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-026X2015000300713&script=sci_abstract&tlng=pt.

Santos, R. G. et al. (2019). Violência contra a Mulher à Partir das Teorias de Gênero. Id on Line Rev.Mult. Psic., 13(44), 97-117.

Silva, C. D., Gomes, V. L. O., Oliveira, D. C., Amarijo, C. L., Acosta, D. F. & Mota, M. S. (2016). Representação da violência doméstica contra mulheres entre profissionais de saúde: idade como atributo de diferenciação. Revista Enfermagem Uerj, 24(3), 1-6. http://dx.doi.org/10.12957/reuerj.2016.13212.

Teixeira, M. O. (2017). Um olhar da economia feminista para as mulheres: os avanços e as permanências das mulheres no mundo do trabalho entre 2004 e 2013. Tese (Doutorado)– Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Economia, Campinas.

Vasconcellos-Silva, P. & Araújo-Jorge, T. (2019). Análise de conteúdo por meio de nuvem de palavras de postagens em comunidades virtuais: novas perspectivas e resultados preliminares. Atas - Investigação Qualitativa em Saúde/Investigación Cualitativa en Salud, 2(esp.). https://proceedings.ciaiq.org/index.php/CIAIQ2019/article/view/2002

Published

22/12/2021

How to Cite

RODRIGUES, D. dos S.; SILVA, C. D. .; ACOSTA, D. F.; GUTMANN, V. L. R.; TEIXEIRA, L. O.; MARTINS, S. da R.; AMARIJO, C. L. Violence against women from the perspective of Primary Care users. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 17, p. e131101724408, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i17.24408. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/24408. Acesso em: 17 jan. 2022.

Issue

Section

Health Sciences