Importance of the nutritionist in Health promotion and in the treatment of Chronic Non-Communicable Diseases (CNCDs)

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i17.24442

Keywords:

Chronic diseases; Eating habits; Mortality; Nutritionist; Behavior; Public health.

Abstract

Non-communicable chronic diseases are responsible for great harm to public health in the world, where the premature mortality rate has been showing a great increase. Thus, the objective of this work was to understand the importance of the Nutritionist in the treatment of non-communicable chronic diseases. This is a qualitative cross-sectional study. The research consisted of a sample of 21 nutritionists who carry out nutritional monitoring with patients with chronic non-communicable diseases. Data collection took place through an online Google form and were analyzed using a simple average in the Excel 2018 program. A predominance of high rates for diabetes (90.5%) and hypertension (85.7%) and obesity was identified (95.2%) in patients. It was observed that behavioral aspects (76.2%) and income (57.1%) were determinants of inadequate food intake. The research showed a high intake of processed (66.7%) and ultra-processed (57.1%) foods. The prevention and control of CNCDs and their risk factors are essential to avoid an epidemic growth of these diseases and their consequences for the quality of life and the health system in the country. Therefore, the action of the nutritionist, with the help of documents such as the Food Guide for the Brazilian Population, is of paramount importance for adherence to an adequate and healthy diet.

References

Abeso. (2016).Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica. Diretrizes Brasileiras de Obesidade. São Paulo.

Acosta, B. S., Salvadori, N.M.,Brizola,, M. A. S. O; Maciel,T., Blumke, J. C. & Cervi, A.(2021).Atuação do nutricionista: uma revisão bibliográfica sobre a importância do profissional na atenção primária à saúde. Revista Internacional em Saúde, Porto Alegre.12(08).

Brasil. (2013). Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Alimentação e Nutrição.Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. (2014). Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia alimentar para a população brasileira. Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. (2019). Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de Doenças não Transmissíveis. Vigitel Brasil 2018: Vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico: estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2018. Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. (2014) Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: obesidade. Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. (2021) Plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) no Brasil. Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. (2014) Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil 2011-2022. Brasília: Ministério da Saúde.

Correa, M. E., Rocha, J. S. O papel do nutricionista na equipe interdisciplinar em cuidados paliativos: Uma revisão integrativa. ESCS Residências, São Paulo.2(11).

Escobar, A. (2021). Como otimizar sua conduta nutricional? D.glab.

Maldaner, C. R., Beuter, Beuter, M. B., Budó M. L.Pauletto, M. Fatores que influenciam a adesão ao tratamento na doença crônica: o doente em terapia hemodialítica. Revista Gaúcha Enfermagem, Porto Alegre. 4(29).

Malta, D. C., Caribe. S. S.,Oliveira. T. M. Prado, R. R., & Souza, M. (2019). Probabilidade de morte prematura por doenças crônicas não transmissíveis, Brasil e regiões, projeção para 2025. Revista Brasileira de Epidemiologia, Belo Horizonte.22(1-13).

Malta, D. C.Duncan, B. B.,(2021). Prevalência de diabetes mellitus determinada pela hemoglobina glicada na população adulta brasileira, Pesquisa Nacional de Saúde. Revista Brasileira Epidemiol, Brasília.22(2).

Malta, D. C. Gomes, C. S. (2021). Doenças crônicas não transmissíveis e mudanças nos estilos de vida durante a pandemia de COVID-19 no Brasil. Revista Brasileira Epidemiol, Brasília 24.

Malta, D. Carvalho., Szwarcwald, C. L. (2020). A pandemia da COVID-19 e as mudanças no estilho de vida dos brasileiros: um estudo transversal, 2020. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília.29(4)(1-13).

Ministério da saúde. (2021). Sistema Único de Saúde (SUS): estrutura, princípios e como funciona. Governo Federal 2021.

Silva, E. A., Maria, S. Santos, B. T., Gomes E. S., Carvalho, J. (2021). A importância do nutricionista na atenção primária na prevenção e tratamento das doenças crônicas não transmissíveis. Revista Ibero-Americana de Humanidades, Ciências e Educação – REASE, São Paulo 7(10).

Stopa, S. R., César , C. L., Seagri, N. Alves, M. C., Barros, M. B. GoLdBaum, M. (2015) Prevalência da hipertensão arterial, do diabetes mellitus e da adesão às medidas comportamentais no Município de São Paulo, Brasil,Cadernos de Saúde Pública.34(10)(1-12).

Tinoco, R. P., Isabel. (2011).. Intervenção clínica e preventiva nos comportamentos alimentares. Acta Medica Portuguesa. 24(4)(741-746).

Published

21/12/2021

How to Cite

CASSIMIRO, E. S. G. .; SANTOS , A. C. de C. P. . Importance of the nutritionist in Health promotion and in the treatment of Chronic Non-Communicable Diseases (CNCDs). Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 17, p. e80101724442, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i17.24442. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/24442. Acesso em: 17 jan. 2022.

Issue

Section

Health Sciences